Home – Mundo

Currently browsing: Home – Mundo
  • El chavismo vence en las elecciones regionales de Venezuela. ¿Y ahora?

    1. Artículo publicado originalmente el 17 de octubre de 2017

    Por Paulo Aguena “Catatau”, de São Paulo, SP

    El domingo, 15 de octubre, se realizaron elecciones para gobernadores en los 23 estados venezolanos, menos el Distrito Capital. El chavismo y el Polo Patriótico – un frente que además del PSUV está el PCV, PPT, etc. – vencieron en 18 estados, obteniendo el 54% de los votos. La MUD, (Mesa de Unidad Democrática), un frente opositor de derecha, venció en cinco estados, totalizando el 45% de los votos. La polarización fue inmensa. Todas las demás alternativas, a la izquierda y a la derecha, tuvieron juntas, cuando mucho, el 2% de los votos.

    El chavismo ganó en los tres estados gobernados por la oposición, pero perdió en cinco en los que gobernaba. La derrota que el oficialismo sufrió en Zulia y Táchira, estados fronterizos con Colombia, fue grave. Pero sacaron de las manos de la derecha el estado de Miranda – gobernado por Capriles, líder simbólico de la oposición – y Lara. Además, derrotó a la oposición en su mayor bastión, Carabobo.

    Con 11 millones de votantes, la abstención fue del 39%. Aunque fue alta, fue la menor de las cuatro elecciones para gobernadores que se realizaron bajo el chavismo. Este cuadro configura una derrota de la MUD y de Trump. Se trata también de una importante recuperación del chavismo, cuando hace un año la previsión era que ganaría en apenas 5 de los 23 estados.

    ¿Qué ocurrió?

    El resultado electoral expresó el cambio en la relación de fuerzas tras meses de una brutal ofensiva de la derecha. La situación comenzó a cambiar a partir de las elecciones para la Asamblea Nacional Constituyente (ANC), celebradas el 30 de julio. A pesar del violento boicot de la derecha –paro patronal, paralización de los transportes, cortes de rutas y calles  a través de barricadas (guarimbas), etc.,- el hecho es que 8 millones de venezolanos se movilizaron para llegar a las urnas y elegir a sus representantes. La Constituyente fue instalada y las guarimbas, derrotadas. Dividida, a la MUD solo le quedaba participar en las actuales elecciones regionales.

    Muchos analistas, tanto de izquierda como de derecha, influenciados por fuentes de información de las agencias internacionales como Reuters, EFE, etc., se quedaron desconcertados ante el resultado. A algunos solo les queda hacer eco a la acostumbrada campaña de una parte de la oposición-esta vez, ni siquiera de toda – de que hubo fraude. No por casualidad, Estados Unidos ya declaró, una vez más, que las elecciones no fueron “libres” ni “justas”.

    De hecho, considerando el aumento del cerco imperialista, la brutal crisis económica que asola al país con una hiperinflación que en la semana anterior a las elecciones, golpeó con un 1.500% en el año, una especulación cambiaria que en la misma semana elevó el dólar paralelo sostenido desde Miami (dólar hoy) a 25 mil bolívares. Considerando todo esto, el cambio de la relación de fuerzas y la propia victoria del chavismo parece un milagro.

    De hecho, considerando el aumento del cerco imperialista, la brutal crisis económica que asola al país con una hiperinflación que la semana anterior a las elecciones, golpeó en la casa del 1.500% anualizadas; una especulación cambiaria que en la misma semana elevó el dólar en el paralelo sostenido desde Miami (dólar hoy) a 25 mil bolívares; considerando todo esto, el cambio de la relación de fuerzas y la propia victoria del chavismo parece un milagro.

    En realidad, son análisis superficiales que subestiman la profundidad del proceso revolucionario venezolano. Ella tiene sus raíces más remotas y profundas en la victoriosa guerra de la independencia liderada por Simón Bolívar (1810-1823), en la que, dicho sea de paso, murió la mitad de la población, se desarrollaron a lo largo de la historia de la lucha de clases en el país, cuyo último período estuvo marcado por la rebelión popular de 89 (Caracazo), por la derrota del golpe de la derecha que intentó derrocar a Chávez (2002) y, finalmente, por la derrota del paro patronal encabezado por la antigua dirección de PDVSA (2002-2003). Por eso, a pesar de las inmensas dificultades y sacrificios, las masas obreras y populares, verdaderos protagonistas de este proceso, demostraron una vez más que no están dispuestas a abandonar sus conquistas y depositan sus esperanzas en encontrar una salida socialista a la crisis.

    Encrucijada

    Aunque todavía goza de la confianza de la mayoría de los sectores más organizados y combativos de la población, existe un enorme descontento de las bases con los dirigentes chavistas. No es casualidad.

    El proceso revolucionario permitió a Venezuela convertirse en un país políticamente mucho más independiente del imperialismo. Sin embargo, pasados ​​19 años, el chavismo no fue capaz de romper con el modelo económico dependiente de la renta petrolera. El país siguió importando prácticamente todo, al mismo tiempo que una nueva burocracia estatal (boliburguesía) desviaba una parte de la renta nacional en provecho propio. Este modelo pudo sostenerse mientras el precio del petróleo estaba en alza. La caída trajo su colapso.

    Existe el riesgo de que el triunfo del chavismo del domingo pasado (15) se transforme en borrachera electoral. Al final, es la vigésima elección que el chavismo vence en las 22 ocurridas desde que Chávez llegó al poder hace 19 años. Pero ahora la situación es diferente. Hay un agotamiento del modelo político y económico chavista. El imperialismo lo sabe, por eso su ofensiva, empezando por la guerra económica, tiende a intensificarse. No habrá paz. Así, la verdad desnuda y cruda es que el país se encuentra en una encrucijada: o el proceso revolucionario avanza de forma decidida hacia el socialismo o será derrotado.

    El movimiento obrero y popular, que enfrenta de forma heroica la desesperante guerra económica, tiene esa intuición. Por eso, exige que el gobierno abandone los discursos, castigue a los corruptos y adopte urgentemente medidas radicales contra el capital y la derecha. El gobierno y la Constituyente se encuentran ahora más que nunca bajo esa justa presión.

    Un modelo verdaderamente socialista

    La Constituyente es una oportunidad casi única para tomar esas medidas, sustituyendo el modelo económico capitalista dependiente del ingreso del petróleo y de las importaciones por un modelo verdaderamente socialista. Para ello, en vez de buscar el control del mercado a través de una economía mixta, el Estado debe concentrar en sus manos los principales medios de producción y, bajo la dirección democrática de los trabajadores, pasar a la planificación de toda la economía. Solo así, se podrá construir un parque industrial que impulse la producción nacional y estructurar una producción agropecuaria con el objetivo de alcanzar la soberanía alimentaria.

    Avanzar en la expropiación de las empresas, colocándolas bajo control de los trabajadores; garantizar una PDVSA 100% estatal que ponga fin a las empresas mixtas entre el Estado (51%) y el capital extranjero (49%); suspender el pago de la deuda externa y aplicar el importe como parte de un plan de inversiones masivas para revertir el proceso de desindustrialización; avanzar en el control de los precios a través del control de la distribución por parte del Estado; expropiar a los grandes grupos mayoristas como medida de emergencia para garantizar la oferta de productos; instituir el monopolio estatal del comercio exterior para proteger los intereses del país y atender a las necesidades de los trabajadores; centralizar y estatizar el conjunto del sistema financiero, adoptando una rígida política monetaria y cambiaria; instaurar un Gobierno de los Trabajadores por medio de un organismo que ejerza las funciones legislativas y ejecutivas, a nivel nacional, estatal y local, a partir de representantes electos en los lugares de trabajo y en los barrios.

    Estos son algunos de los principales puntos programáticos colocados en el orden del día para que la izquierda revolucionaria defienda ante la Asamblea Nacional Constituyente y las masas venezolanas.

    La situación exige firmeza. Definitivamente, no se puede dar más vueltas.

    Foto: Guillermo imbassahy – periodistas libres

     

  • Atentado na Somália deixa mais de 300 mortos e de 350 feridos

    Por: Jéssica Milaré, colunista do Esquerda Online

    Dois caminhões-bomba explodiram no centro de Mogadíscio, capital da Somália, na tarde deste sábado, dia 14 de outubro. Até ontem à noite, foram contabilizadas 300 pessoas mortas e pelo menos outras 350 ficaram feridas.

    O primeiro caminhão explodiu numa esquina muito movimentada, ao lado de um caminhão de combustível, que potencializou a explosão, atingindo quarteirões inteiros, incluindo hotéis, embaixadas, prédios do governo, dezenas de veículos e a embaixada do Catar. O segundo explodiu em um mercado, deixando centenas de pessoas feridas.

    É possível que o atentado esteja ligado à guerra civil que assola o país há 20 anos. O governo e a imprensa local afirmam que o ataque foi realizado pela milícia jihadista Al Shabab, a principal oposição do governo na guerra. Entretanto, até agora, nenhum grupo assumiu autoria do ataque.

    Os feridos lotaram os hospitais, que ficaram sem remédios para atender a todos. Cerca de 70 pessoas feridas foram levadas para serem atendidas na Turquia.

    Nenhuma intervenção militar imperialista na Somália
    Diante da situação, a União Europeia pediu ao governo somali que tenha unidade na luta contra o terrorismo. Os Estados Unidos ofereceram-se para “ajudar” a Somália na luta contra os responsáveis pelo atentado. Outros países, como a França e a Grã-Bretanha, também manifestaram apoio.

    Uma intervenção militar dos países imperialistas não seria em benefício do povo somali. Muito pelo contrário, serviria para reprimir e oprimir o país. Não podemos nos esquecer que, até a segunda metade do século passado, a maioria dos países da África eram colonizados por países europeus. Somos contra o aprofundamento da relação de dominação política e militar da União Europeia e dos EUA sobre os países da África, da Ásia e da América Latina.

    Se os EUA e alguns países europeus quisessem mesmo ajudar, então já teriam ajudado há muito tempo, com seus vastos recursos, a acabar com a miséria e a pobreza na África. Este ano, o governo Trump aumentou o orçamento militares dos EUA em US$ 54 bilhões, totalizando US$ 596 bilhões. Destes, US$ 7,5 bilhões são destinados à luta contra o “terrorismo”, em particular o Estado Islâmico. Esse dinheiro é maior que o PIB da Somália, que é de US$ 6,2. Sem dúvida, os gastos militares dos EUA ajudariam muito mais na luta contra o “terrorismo” se fossem investidos em infraestrutura, alimentação, educação e saúde para esses povos.

    Solidariedade ao povo da Somália
    O PSOL reproduziu a seguinte nota de solidariedade à Somália, com a qual temos pleno acordo:

    “O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) presta a sua solidariedade ao povo da Somália, país localizado no Nordeste Africano, cuja população sofreu, no último sábado (14/10), um massivo ataque, considerado o mais violento nos últimos dez anos. Pelo menos 276 pessoas foram mortas na capital Mogadíscio. Outras 300 pessoas ficaram feridas, depois que dois caminhões repletos de explosivos foram detonados próximo a um hotel. A maioria das vítimas é de civis.

    É o ataque mais mortal na Somália desde que o grupo islâmico al-Shabab iniciou sua ofensiva, em 2007. Embora ainda não tenha sido confirmada a autoria do atentado, há fortes suspeitas de que o grupo seja o responsável, já que Mogadíscio é alvo da milícia jihadista que assola a região com constantes ataques.

    Além de nos solidarizarmos com o povo somali, também repudiamos a ação, que em nome do fundamentalismo religioso, ameaça a vida de milhares de pessoas daquele país. Também repudiamos a cobertura da imprensa brasileira, que quase nada tem falado a respeito do atentado, como se a vida daquele povo não tivesse importância.

    16 de outubro de 2017

    Executiva Nacional do PSOL”

    Foto: Local do atentado com caminhão-bomba que deixou mais de 200 mortos na Somália MOHAMED ABDIWAHAB (AFP)

  • Greve geral do funcionalismo público agita a França

     

    Por Renato Fernandes, Campinas/SP

     

    Manifestantes em Paris. Crédito AP.

     

     

    No último dia 10 de outubro, uma greve geral do funcionalismo público agitou a França. De acordo com a principal central sindical do país, a CGT, cerca de 400 mil funcionários se manifestaram em 130 cidades do país contra os ataques que o funcionalismo vem sofrendo. Foram trabalhadores da educação, da saúde, dos trens, dos aeroportos (30% dos voos cancelados), entre outras categorias que agitam a luta dos trabalhadores no país.

     

    Macron e a destruição dos serviços públicos na França

     

    Se há uma coisa que a União Europeia e o presidente Emmanuel Macron concordam é que o funcionalismo público é um gasto muito grande para a França. Atualmente são cerca de 5,4 milhões de funcionários públicos. Isso representa o maior contingente da Europa. Um dos ótimos resultados deste funcionalismo público é que a França tem um dos melhores serviços de saúde do mundo. Porém, em relação ao número de habitantes, atualmente a França tem 1 funcionário público para cada 82 mil habitantes, enquanto a média europeia em 2016 era de 1 funcionário público para cada 61 mil – só para uma comparação, países como a Grécia, que realizou diversos cortes no funcionalismo público, tem 1 funcionário para cada 33 mil, enquanto a Alemanha, o país mais rico do continente e que já executou um corte no funcionalismo na Agenda 2010, tem 1 para cada 59 mil. No Brasil, seguindo a tendência dos países dependentes, temos 1 um funcionário para cada 44 mil habitantes, segundo dados de 2014.

    Como os serviços públicos são considerados gastos e não investimentos, Macron tem um projeto de desmonte do funcionalismo: demissão de 120 mil funcionários em 5 anos, através da não reposição dos aposentados; a continuação do congelamento de salários: o último aumento ocorreu em 2016, após 6 anos de congelamento, porém em relação ao poder de compra, os funcionários públicos tiveram uma queda de 9% desde 2000, enquanto os dos setores privados tiveram uma alta de quase 17%; além de retirada de direitos trabalhistas que estão sendo atacados na reforma trabalhista que está sendo discutida neste momento no Legislativo.

    O objetivo de todas essas medidas é o de economizar para pagar a dívida pública francesa e, dessa forma, retomar os investimentos privados no país, que buscam taxas de lucro mais atrativas. Isso também faz parte de um acordo mais geral com Angela Merkel (primeira-ministra alemã): como apontam diversos analistas, a redução dos gastos do Estado francês e da diminuição do Estado, com a consequente piora dos serviços públicos e retirada dos direitos trabalhistas, é parte da negociação sobre o fortalecimento da União Europeia, principalmente para o debate de um orçamento europeu comum e também sobre a mutualização das dívidas por meio dos Eurobônus.

     

    A classe trabalhadora está mostrando o caminho

     

    Desde setembro, a classe trabalhadora francesa já demonstrou disposição para lutar. Foram duas greves gerais (12 e 21 de setembro). Uma grande manifestação política contra o “golpe de Estado social” (23 de setembro), além de grandes manifestações parciais com bloqueios de estradas, de refinarias, com aposentados, entre outras lutas. Centenas de milhares de trabalhadores se colocaram em movimento e rejeitam abertamente o projeto de sociedade neoliberal que defende Macron.

    Porém, as direções das centrais sindicais estão muito aquém dessa luta. A greve do funcionalismo público foi a primeira, desde 2007, convocada pelas 9 centrais que representam a categoria. Nas greves de setembro, apenas 3 centrais sindicais convocaram-nas. Essa unidade das centrais foi fundamental para o sucesso da mobilização dos funcionários públicos, porém é necessário ir além de um dia de greve. É preciso a unidade das centrais e também uma greve geral com mais impacto que realize a convergência das lutas para derrotar os projetos de Macron: combater os ataques ao funcionalismo, mas também a reforma trabalhista que foi aprovada como uma espécie de Medida Provisória e que deve ser votada em novembro.

    Ir além dos limites impostos pelas direções sindicais é uma das tarefas que a esquerda combativa e os ativistas sindicais devem tomar para si. Um bom exemplo foi a última plenária federativa da Force Ouvrière (FO), realizada no último 30 de setembro. A FO é a terceira maior central sindical do país, representando cerca de 15% dos sindicalizados. Contra a política do secretário geral, Jean-Claude Mailly, que se opôs a convocação da greve geral contra a reforma trabalhista, os dirigentes de base votaram uma resolução para uma “mobilização interprofissional antes da ratificação da reforma (prevista para novembro). Essa rebelião de base demonstra o caminho e a disposição que os diversos sindicalistas e trabalhadores tem para derrotar os projetos neoliberais de Macron.

  • OPINIÃO | A direita se levanta na Bolívia

    Por: Nericilda, de Fortaleza, CE

    10 de outubro na Bolívia. De longe, arrisco uma opinião sobre um país que vivi durante cinco anos e me apaixonei.

    O 10 de outubro foi marcado por gigantescas mobilizações nas nove capitais do país, convocadas e captalizadas pela direita.

    A exigência é para que Evo Morales não se postule ao quarto mandato, ou seja, que seja aplicado o resultado do referendo do 21F que disse NO a mais uma reeleição de Evo.

    A direita boliviana evidentemente surfa na onda conservadora para se reerguer. A esquerda, por outro lado, imersa na cooptação governista que caracterizou os chamados “governos progressistas”, não tem uma liderança/partido/organização à altura de fazer frente à direita. Aliás, aí reside o grande desserviço desses governos de colaboração de classes com a burguesia ou setores dela. E é por isso que a política leninista-trotskista de nenhum apoio a estes governos foi e segue sendo corretíssima.

    Apresentar uma saída de esquerda, uma frente que unifique toda a esquerda boliviana, com um programa firme de combate à direita, antiimperialista, de nacionalização do gás e das minas sob controle dos trabalhadores e do povo, é fundamental.

    Mas isso só será possível se a Central Obrera Boliviana (COB) e todos os movimentos sociais que ainda estão baixo as asas do MAS e do governo, rompam com eles e encabecem um pólo de esquerda alternativo à direita e ao governismo. Do contrário, a polarização direita versus governo levará o país a uma “quase Venezuela”, guardada as devidas proporções.

    Os trabalhadores e a esquerda boliviana podem pagar um alto preço por não terem levado adiante a política de construção de um partido de esquerda independente, o PT, que chegou a ser fundado em 2013. O PT foi um projeto encabeçado pelos combativos mineiros de Huanuni, histórico distrito mineiro e palco de muitos processos revolucionários, mas que foi desarticulado por forte atuação do próprio Evo. Na época, fomos parte da construção desse movimento que terminou derrotado pela capitulação da direção dos mineiros, em particular da COB e da Federação dos Mineiros, ao governo.

    Não avançou uma alternativa de esquerda e agora, mais uma vez, desde o fatídico ano de 2008, quando a direita se levantou pela autonomia das regiões em que governava, a direita levanta a cabeça.

    Algumas semelhanças e várias diferenças com a atual situação política venezuelana e brasileira, no entanto, o mesmo desafio, o de construir uma alternativa de esquerda à direita e à esquerda que foi governo e que ainda é, no caso boliviano.

    Foto: Reuters

  • Reunião de movimentos sociais aprova campanha em defesa de Cesare Battisti

    Por: Richard Araújo, de São Paulo, SP

    Nesta segunda-feira (9), algumas dezenas de militantes dos movimentos sociais e sindical, ativistas políticos e membros de organizações da esquerda socialista, se reuniram na Faculdade de Direito da USP para construir ações políticas de solidariedade e defesa dos direitos democráticos do escritor e ativista político italiano Cesare Battisti, que recentemente, no último dia 4 de outubro, foi alvo de uma operação da Polícia Federal que o prendeu no Mato Grosso do Sul.

    Battisti foi preso “em flagrante” por “evasão de divisas e lavagem dinheiro” e teve decretada a prisão preventiva por tentar atravessar a fronteira entre o Brasil e a Bolívia com 6 mil dólares e 1.300 euros (próximo a R$ 20.000). Todos os aspectos ilegais da prisão, que ferem, inclusive, direitos constitucionais garantidos a estrangeiros com visto permanente de asilo político, aumentam a preocupação do movimento com a ligação da prisão e as tratativas entre o governo golpista de Temer e o governo italiano para a extradição de Cesare Battisti para a Itália, onde está condenado a tries prisões perpétuas e sob ameaça de morte das forças do sistema penitenciário.

    A reunião aprovou um Manifesto firmado pelas organizações presentes e para o qual buscará a adesão de outros sindicatos, movimentos sociais, organizações políticas, intelectuais e parlamentares, um abaixo-assinado para ser trabalhado nas bases das categorias, movimentos e organizações, que estará à disposição já nos próximos dias para ser divulgado no 3º Congresso da CSP-Conlutas, e uma reunião de lideranças do movimento e parlamentares com o Ministro do STF responsável pelo caso, Luiz Fux, além de retomar as atividades do comitê em defesa de Battisti, criado quando ele se encontrava preso em Brasília.

    As iniciativas políticas aprovadas assumem ainda mais importância diante da ingerência do governo italiano sobre o governo brasileiro. Uma ação que desrespeita a soberania nacional, tendo em vista que, desde 2010, o escritor e ativista italiano teve concedido o visto permanente de asilado político, o que o torna um estrangeiro em situação legal no país, onde inclusive constituiu família. Fato este que por si só, pelo que determina a lei, impediria sua expulsão ou extradição. No entanto, como se trata de uma pressão política importante feita sobre um governo golpista e que está a cada dia rasgando todas e quaisquer garantias democráticas ou constitucionais, somente a pressão do movimento social poderá impedir que o governo Temer e a Justiça cometam mais este crime contra as liberdades democráticas no país.

    Caso o governo golpista de Temer aceite as pressões italianas para a extradição de Battisti, além de mais um atentado contra as liberdades democráticas, estaremos diante da rubrica do governo brasileiro ao risco de morte de Battisti, que há anos sofre ameaças de morte por membros das forças de segurança e penitenciárias na Itália.

    Para ajudara a entender melhor o caso
    Cesare Battisti foi membro da organização política “Proletários Armados pelo Comunismo” (PAC), que atuava na Itália na década de 1970 contra as organizações fascistas que estavam em atividade no país à época. Em 1979, foi preso sob a acusação de “subversão contra a ordem do Estado”, ficando detido até 1982, quando foge para o México.

    Neste mesmo ano, o ex-companheiro do PAC, Pedro Mutti, é preso pela Polícia Italiana e, tempos depois, como parte de um acordo de “delação premiada”, teve sua prisão perpétua reduzida para nove anos de detenção. Neste acordo, Mutti acusa Battisti de responsabilidade sobre quatro assassinatos e, mesmo sem nenhuma prova que comprovasse seu envolvimento nos assassinatos, inclusive sendo duas acusações de assassinatos “cometidos” no mês dia e horário numa distância de 500 quilômetros entre eles, ou garantia de defesa no julgamento, tendo em vista que Battisti não se encontrava no país na época do julgamento e os advogados que o “defenderam” tinham procurações falsas, Battisti foi condenado pela Justiça italiana a três prisões perpétuas.

    Após alguns anos na França, de onde teve de sair pelas pressões feitas pelo governo italiano sobre o governo de Jacques Chirac, Cesare Battisti veio ao Brasil, onde vive desde então, apesar das pressões dos governos italianos para sua extradição desde 2007, ano em que foi descoberto seu paradeiro numa operação entre a PF e a Interpol que o levou a ser preso no Rio de Janeiro. Desde 2010, Battisti teve o status de asilado político concedido pelo Estado brasileiro, status que permanece vigente, apesar das sucessivas movimentações promovidas pelo governo e embaixada da Itália para que o Brasil anule tal condição.

     

  • Apoio à Declaração Unilateral de Independência da Catalunha

    Por: Coordenação internacional do MAIS (Brasil) e MAS (Portugal)

    O referendo à independência da Catalunha de 1 de outubro, onde mais de dois milhões votaram pelo sim, mesmo sob uma selvática repressão executada pelo Estado Espanhol, e a gigantesca greve cívica ocorrida a 3 de outubro constituem a mobilização popular que suportam a proclamação da República Catalã de imediato. Esta terça-feira, dia 10 de outubro, o presidente do governo catalão irá ao parlamento autonómico apresentar os resultados do referendo e onde se espera que se pronuncie sobre a independência. Carles Puigdemont terá de cumprir a promessa feita e iniciar o processo da Catalunha se livrar de um regime opressor com uma Declaração Unilateral de Independência (DUI), garantindo que a autodeterminação é um direito inalienável dos povos.

    Se a repressão mais de uma semana antes do referendo, com prisão de elementos da administração da Catalunha, confisco directo de urnas e boletins de votos e tentativas de assalto a sedes de partidos de esquerda ,não travou a realização da consulta foi porque um massivo movimento popular saiu à rua e conformou comités de defesa do referendo. Se a selvajaria cometida por Rajoy no dia 1 de outubro sobre os eleitores não impediu que mais 2,3 milhões exercessem o seu direito de voto e que mais de 90% tenha votado a favor da independendência foi porque o mesmo movimento superou por sua massividade a barbaridade policial. E para que ficasse claro o repúdio à agressão por parte do estado espanhol, o movimento popular realizou uma suprema greve que paralisou a Catalunha dois dias depois. O povo conquistou o direito à independendência.

    A direcção nacionalista catalã não é de confiar
    O partido PDeCAT do presidente Puigdemont, a Esquerra Republicana Catalana (ERC), e as associações cívicas ANC e Òmnium, embora com diferentes ritmos, tendem a vacilar. Eles irão tanto mais longe quanto mais forte se mantiver o movimento popular, mas nunca serão os mais consequentes com o processo independentista e se no tempo não forem substituídos por uma direcção do movimento popular tenderão a claudicar. À volta destas organizações gira uma parte da burguesia catalã que com um acordo económico com Espanha mais favorável para si pode recuar facilmente.

    A esquerda catalã e o movimento popular devem tomar em mãos a liderança
    Enquanto principal força e referente anticapitalista e independentista catalã, que conta com 12 deputados no Parlament, as Candidatura d’Unitat Popular (CUP) têm a responsabilidade de incentivar e dirigir o movimento popular, junto com os comités de defesa do referendo, para alertar e impedir as vacilações da direcção nacionalista actual, com a perspectiva de a substituir. Não deverá ficar passivamente a pressionar Puigdemont, até porque este pode não declarar a independência ou ir postergando o tempo para esvaziar a vontade das massas. A esquerda revolucionária deverá apoiar as CUP nessa linha.

    Só a independência garante o direito de livre associação da Catalunha
    Diante da mobilização popular e da possibilidade da declaração de independência numa declaração histórica, o Rei Filipe VI acusou os dirigentes catalães de “deslealdade inadmissível”, de “se colocarem à margem da democracia” e anunciou que a Constituição “prevalecerá sobre qualquer ruptura”, constituição esta que não permite referendos de autodeterminação mas que reconhece a existência de nacionalidades. O monarca, como tal não eleito por ninguém, deu permissão e total liberdade de acção ao primeiro-ministro Mariano Rajoy e ao PP para executarem a repressão que entenderem. Não restam dúvidas do carácter reaccionário do regime espanhol saído do processo de transição de 1978, que clamando democracia impede um dos mais básicos direitos dos povos no mundo. Ora só com a independência o povo catalão poderá decidir livremente as formas de convivência com outros estados.

    Unidade do nacionalismo espanhol para reprimir a vontade da Catalunha
    É tão forte a rebelião popular que após um momento em que parecia Rajoy e o PP ficava isolado face à força bruta utilizada durante o referendo, as forças económicas e políticas que compõe o nacionalismo reacionário espanhol e o seu poder financeiro começaram a alinhar-se na pressão à Catalunha, assim, o PSOE (Partido Socialista Obrero Español, social-democrata), a Igreja Católica, as multinacionais, com o apoio da União Europeia, das multinacionais , dos fundos abutres de investimento e o Vaticano vieram respaldar qualquer que seja a resposta de Rajoy a uma DUI. Não há dúvidas, quem sairá enfraquecido com a independendência da Catalunha será não só a burguesia espanhola mas também o capital financeiro internacional.

    Chantagem económica e mobilizações espanholistas tomaram a ofensiva nos últimos dias
    Nos últimos dias vemos uma crescente movimentação da grande burguesia catalã a tentar pressionar  o processo no sentido de não acontecer uma DUI, através da deslocalização das sedes de grandes empresas para outras zonas de Espanha. Se na prática  é uma pantomima porque não tem implicações directas sobre a economia, politicamente joga um papel de medo sobre a viabilidade e isolamento de um novo estado. Ainda assim, a esquerda anticapitalista deverá propor a expropriação das empresas que pretendam sair. Juntando-se a estes sinais, as manifestações do “Parlem!” e pela unidade Espanha ocurridas este fim de semana fazem que o adiamento da DUI comece a diminuir o impacto que rebelião popular ganhou nas últimas semanas. 

    O carácter progressivo da movimento pela independendência da Catalunha
    Libertar os grilhões de uma nação subjugada a outra é só por si um passo progressivo na capacidade de um povo decidir o seu futuro política e economicamente. É também um avanço na destruição do regime semi-franquista de 1978, monárquico e altamente reaccionário, colocando a histórica luta dos povos da península ibérica pela república na ofensiva. Desenvolve e amadurece as condições objectivas para a organização dos trabalhadores. Pode permitir através de um processo constituinte democrático e popular mobilizar a classe trabalhadora através de uma alternativa anticapitalista, que derrote o projecto neoliberal da burguesia catalã. Coloca em pé de igualdade os trabalhadores de distintos países para acordarem qualquer forma de convivência comum.

    O carácter regressivo das direcções do PODEMOS e da Izquierda Unida
    Se o conjunto da burguesia espanhola e os seus partidos se batam repressivamente contra a independência e o direito de decidir da Catalunha é o que o esperamos dos inimigos da classe trabalhadora e dos povos. Mas quando as direcções do PODEMOS e da Izquierda Unida, que são as principais forças representativas da esquerda em Espanha, se opõem a uma DUI e mobilizam para que se chegue a um acordo para um referendo com Madrid, quando sabem que a Constituição e o Regime de 1978 que tanto criticam não o possibilitam, cometem um crime político contra os trabalhadores. Estão em confronto directo com as aspirações emancipatórias do povo da Catalunha em nome de se manterem num estado centralizado mas monárquico, judicialmente, militarmente e policialmente franquista e economicamente neoliberal. 

    Unir as lutas contra a austeridade de todos os trabalhadores do Estado Espanhol com a luta pela independendência

    Também as centrais sindicais espanholas mais representativas dos trabalhadores têm um corte espanholista acentuado e partilham da mesma capitulação de PODEMOS e Izquierda Unida. Talvez porque o Estado espanhol lhes garante uma enorme fatia no seus orçamentos anuais e que lhes permitem sustentar a sua burocracia e privilégios, por isso preferem manter os trabalhadores catalães a prestarem vassalagem a Filipe VI. 

    Unificando a luta contras os planos de austeridade de Rajoy/PP  e de Puigdemont/PDeCAT com a luta pela independendência da Catalunha o poder das classes trabalhadoras ibéricas colocará em perigo não só o regime bem como a possibilidade de reverter esses planos.

    Rodear internacionalmente a luta da Catalunha com solidariedade
    Da nossa parte não vacilamos, com as nossas forças, apelamos a que toda esquerda no mundo realize manifestações e acções de apoio a independendência da Catalunha. No cenário de a DUI acontecer, exigir aos governos dos países que reconheçam o novo País. No cenário de a DUI não acontecer, apoiar o movimento popular e a classe trabalhadora a libertarem-se da direcção nacionalista e as forças de esquerda para que tomem a dianteira do processo.

    Um programa anticapitalista para a Catalunha

    • MOBILIZAÇÃO NÃO PODE PARAR ATÉ ASSEGURAR E DEFENDER A INDEPENDÊNCIA
    • DECLARAÇÃO UNILATERAL DE INDEPENDÊNCIA IMEDIATA
    • PROCLAMAÇÃO DA REPUBLICA CATALÃ
    • EXPROPRIAÇÃO DAS EMPRESAS QUE DESLOCALIZEM A SUA SEDE
    • PROCESSO CONSTITUINTE POPULAR E DEMOCRÁTICO

    Declaração da Coordenação internacional dos partidos MAIS (Brasil) e MAS (Portugal)

    09/10/2017

  • O Exemplo do Che Guevara Inspirará Milhões de Militantes pelo Mundo

    Por Ernest Mandel. Editorial de La Gauche“, n.º 39, publicado em 21 de Outubro de 1967. Retirado do site marxists.org

    A humanidade progressista vem de sofrer uma terrível perda: Ernesto «Che» Guevara não existe mais. Morreu no combate, como Jaurès, como Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, como Durruti e Trotski. Tal como era ele, não esperaria outra morte que esta.

    A revolução cubana e latino-americana perde um dos seus principais dirigentes; nós perdemos um camarada muito caro. Todos os que se lhe aproximaram, de perto ou de longe, foram comovidos pelo seu idealismo, a sua coragem, a sua franqueza e a sua lhaneza. Com Fidel Castro, e melhor do que qualquer outro no mundo de hoje, soube reencarnar as virtudes essenciais do revolucionário que o estalinismo tinha substituído por uma caricatura repugnante: a lealdade prioritária quanto aos deserdados de todo o mundo; a lucidez sem falha que não respeita nenhum dogma; a resolução bravia de pôr os seus actos em concordância com as suas convicções. Director do Banco do Estado cubano, assinou os bilhetes bancários com o simples pseudónimo de «Che», para patentear bem o desprezo fundamental que qualquer socialista tem de ter para o dinheiro. Persuadido de que o caminho das guerrilhas era o único meio adequado para a vitória da revolução na América Latina, ele próprio partiu para o combate, junto aos seus camaradas bolivianos. Marx que lutou toda a sua vida pela unidade da teoria e da prática orgulharia-se dele.

    Os cínicos ou desenganados que pasmaram de que um dirigente como o «Che» lutasse em primeira linha e suspeitaram de alguma «maquinação política»; simplesmente provam que não conhecem nem podem compreender os homens como Guevara. Outros veem na sua morte a confirmação de que não teria sido mais que um «aventureiro irresponsável»; os «responsáveis» dignos de louvor não são outros, sem dúvida, que aqueles que sentados nas suas poltronas, não correm qualquer risco.

    Outros ainda dirão que «pregando a violência», «morreu pola violência». Não entenderão jamais que ele morreu para livrar os vietnamitas de uma chuva ininterrupta de bombas mortíferas, que ele morreu para tirar milhões de meninos do seu continente da morte prematura, por centenas de milhões de afligidos por doenças cruéis e inúteis, sentenciados por um regime já condenado pela história.

    A reacção triunfa. Os generais bolivianos, com as mãos vermelhas do sangue dos mineiros do seu país, celebram a morte do «intruso estrangeiro». Os trabalhadores bolivianos pregarão a memória deste «estrangeiro», que deu a sua vida pela sua libertação.

    Os gritos de vitória dos agentes imperialistas traduzem bem o seu pânico e a sua covardia. «A guerrilha era um grave perigo»; «a guerrilha está vencida». Néscios! Podeis matar um homem. Não podeis matar uma ideia que enterra as suas raízes na realidade social mais profunda.

    Milhares de bolivianos, de peruanos, de colombianos, de argentinos, de operários, de estudantes, de camponeses, de intelectuais da América Latina, apanharão o fuzil que o «Che» deixou cair das suas mãos agonizantes. O seu nome tornou-se já uma bandeira e um programa, um apelo à revolta que retumba pelos cinco continentes. As vossas miseráveis mascaradas não demorarão [adiarão] um dia o momento do vosso desmoronamento. O exemplo do «Che» estimulará milhões de revolucionários a tirar a imundice, a redobrar o fervor na luta contra o imperialismo e o capitalismo.

    Nós choramos um grande amigo, um camarada exemplar, um militante heróico. Porém sabemos que a sua causa é invencível. Ele entrou vivo na história que cobrirá de desprezo o nome dos seus assassinos. Porque encarna esta Revolução, esta emancipação definitiva do Trabalho e do Homem para a que toda a realidade da nossa época proclama o que dera como epitáfio outra grande vítima de verdugos embrutecidos, Rosa Luxemburgo: ERA, SOU, E SEREI!

  • Eleições autárquicas: a esquerda deve mudar de rumo

    Por MAS – Movimento Alternativa Socialista, de Portugal

    Estas eleições autárquicas ganharam um alcance nacional. Foram encaradas pelos eleitores como uma avaliação dos principais protagonistas políticos à escala nacional. Da direita ao PS, passando pela esquerda, todos estão agora a pensar nisso.

    De onde vem a vitória do PS?

    Os resultados são conhecidos. O PS é o “grande vencedor”. O prestígio conseguido pelo Governo, apoiado pela esquerda, por Bruxelas e pelo Presidente da República, assente num ciclo de crescimento económico, transmitiu-se às candidaturas do PS. Mas a verdade é que os resultados não foram estrondosos para o PS. Por exemplo em Lisboa, o PS perde 10 mil votos e a maioria absoluta, essencialmente para a sua esquerda. No Porto, Rui Moreira reforçou-se após a rutura com o PS. As nove Câmaras ganhas tão pouco constituem um número assinalável. No cômputo nacional, o PS cresceu apenas 2%.

    A força do PS consiste, essencialmente, na derrota do PSD e no impasse da esquerda. Estas eleições mostram que, com a “Geringonça”, António Costa neutralizou os seus adversários… e os seus aliados. Na inexistência de oposição à altura, o menos mau aparece como o melhor possível.

    O preço da divisão à esquerda

    Ao BE e PCP, em particular, tem faltado um projeto político alternativo à direita e ao PS. A “Geringonça” foi apresentada como um acordo pontual com o PS, mas revelou-se permanente. A esquerda ficou sem estratégia própria. A esperança de muitos era que, neste processo, passo a passo, a esquerda pudesse ganhar força para voos mais altos mais adiante. Mas acontece o oposto: passo a passo, é o PS quem ganha força. E, com mais força, como tanto tem afirmado, Catarina Martins, o PS tende a fazer mais ataques.

    Por isso temos proposto uma estratégia alternativa. Temos proposto que BE e PCP possam liderar um movimento mais amplo da esquerda, contra o PS e o PSD, para nas lutas e nas eleições derrotar estes partidos e reconquistar direitos. Antes das eleições autárquicas, propusemos que BE e PCP se candidatassem coligados. Hoje podemos ver que, caso isso tivesse sucedido, várias câmaras da CDU não teriam sido ganhas pelo PS, como é o caso de Almada ou até Beja. Uma unidade à esquerda poderia ter gerado um efeito multiplicador, que permitisse disputar Câmaras como Vila Franca de Xira ou o segundo lugar em Lisboa. Acima de tudo, um movimento unitário à esquerda teria acumulado forças maiores para lutar pelos temas centrais que a esquerda levantou: Transportes, Habitação, trabalho com direitos, etc.

    O primeiro passo, na verdade, é refletir. É necessário um debate plural à esquerda, não só nas cúpulas dos partidos, mas aberto à sua base, ao movimento sindical e social, para fazer um balanço da experiência com este governo, da situação no país e no mundo e construir um plano de luta comum. Deixamos algumas ideias sobre os passos a dar.

    Usar as posições conquistadas para lutar por direitos

    Os resultados da esquerda padecem de todas as fragilidades que já assinalamos. A CDU teve uma importante derrota e o BE não deu o “salto” que pretendia. Mas as votações e os lugares conquistados ainda constituem uma força importante. No conjunto do país, a esquerda alcançou os 13%. A CDU mantém 24 Câmaras e 129 Freguesias, e entre BE e PCP foram eleitos 183 vereadores e 744 deputados municipais.

    O direito a transportes, habitação, e serviços públicos, estiveram no centro da campanha de BE e CDU. Com os resultados obtidos, é certo estes problemas não serão resolvidos. Não só os Municípios dirigidos pelo PS e pela direita não vão dar resposta, mas sobretudo porque tal não é possível com a política restritiva do Governo.

    Só a mobilização pode trazer soluções. Houve durante a campanha exemplos nesse sentido: a luta dos moradores da Rua dos Lagares, em Lisboa, contra os despejos, obteve uma vitória importante. Foi a mobilização dos moradores que derrotou o despejo, mas eleições e os eleitos mostraram ser um ponto de apoio. Mais do que todo o trabalho técnico e legislativo – muitas vezes essencial – é este tipo de ação que devemos exigir a um eleito de esquerda: estar ao serviço das lutas. A crise dos transportes e da habitação não podem agora cair no esquecimento, pelo contrário. Apesar de frágeis, os resultados eleitorais devem estar ao serviço de mobilizar as populações contra os despejos, contra a lei das rendas ou por mais investimentos nos transportes.

    Nenhum apoio ao PS nas autarquias

    Como o demonstra a experiência dos últimos dois anos, o PS, mesmo com o apoio da esquerda, não resolve o essencial. A esquerda, em aliança com o PS, tende a perder força. Será assim também nas autarquias. Eventuais coligações com o PS nos Municípios onde não obteve maioria, dificultam os avanços destas lutas. A esquerda já teve experiências nesse sentido. Recordamos a experiência negativa com o Vereador eleito pelo BE em Lisboa em 2008, José Sá Fernandes, quando o BE se coligou com António Costa e acabou por perder a representação na Câmara por muitos anos.

    Por isso, preocupam-nos as declarações de Catarina Martins ou Ricardo Robles – por quem fizemos campanha nestas eleições – mostrando abertura para um acordo com o PS em Lisboa. Fernando Medina também já mostrou abertura nesse sentido. Apoiámos ativamente o BE em Lisboa, e em várias cidades para construir uma oposição ao PS e à direita também no terreno local. Os resultados demonstraram que essa é a melhor estratégia, pelo que apelamos a que nenhuma “Geringonça local” seja feita, em particular na capital.

    Apoiar, estender e unir as lutas em curso

    Depois de dois anos de acalmia social, começamos agora a ver lutas importantes. No privado os trabalhadores começam a lutar contra as administrações, que usam a legislação laboral herdada do Governo PSD/CDS para esmagar direitos – vimos isso na Autoeuropa e na PT. No público, os trabalhadores exigem uma verdadeira reposição de direitos – como é o caso de enfermeiros e médicos e outros funcionários públicos. Apoiar, estender e unir estas lutas é essencial. Por um lado, todas as forças e atenções da esquerda devem estar viradas para isso. Por outro, é necessário que elas se reflitam na política destes partidos: a exigência do descongelamento imediato das carreiras de todos os funcionários públicos, a revogação das leis laborais da Troika e o aumento real do salário mínimo devem ser linhas vermelhas em qualquer conversa com o PS.

    Neste sentido, não faz sentido BE e PCP votarem favoravelmente a mais um Orçamento de Estado que troca salários e direitos pela meta do défice. Se o apoio a António Costa servia para afastar Passos Coelho do poder, esse problema já não se coloca. Se o BE e o PCP estão empenhados em lutar pelos serviços públicos, direitos laborais, transportes públicos e habitação para todos, como afirmaram durante a campanha, não podem ser favoráveis a um Orçamento que não avança em nada disso.

    Pelo contrário: a esquerda tem a obrigação de apresentar um verdadeiro plano económico alternativo que contemple as 35 horas de trabalho no público e no privado, o investimento na saúde e na educação, a renacionalização de empresas como a PT, os CTT, a EDP e a TAP, o fim das PPP’s e a suspensão e auditoria do pagamento da dívida pública. Nada disso impede que BE e PCP possam exigir e aprovar medidas que tragam a recuperação de rendimentos e direitos, sem para isso terem de aprovar todos os Orçamentos.

    100% à esquerda, contra a direita e o PS!

    Nem BE nem PCP conseguem, cada um para seu lado, mobilizar a maioria dos trabalhadores e do povo de esquerda para confrontar os grandes interesses económicos que impedem verdadeiras mudanças no país. Mas unidos poderiam, se quisessem, começar esse movimento. Um movimento amplo, com um plano alternativo, que coloque a vida de quem trabalha antes das exigências dos bancos e de Bruxelas, pode ser posto em marcha. Desta forma, despertariam as forças daqueles que já desistiram de lutar e dariam uma perspetiva de vitória aqueles que estão nas lutas. Se a esquerda se tem queixado de não ter a relação de forças para conseguir mais direitos, é hora de se unir para construir essa força. Ao lado dos trabalhadores, da juventude, das mulheres, dos negros e imigrantes e das LGBT’s. Porque ao lado do PS, a esquerda não ganha forças. Se há coisa que as eleições autárquicas provaram é que o caminho não é por aí.

  • 5 motivos para apoiar a Catalunha 

    Por: Gabriel Casoni, de São Paulo, SP

    Muitas pessoas têm dúvidas sobre o que está acontecendo na Espanha.

    Por isso, apresentamos, resumidamente, cinco motivos para estar ao lado do povo catalão nesta luta.

    1 – autodeterminação dos povos. É preciso defender um princípio democrático elementar: o direito de um povo decidir soberanamente sobre seu próprio destino. Por exemplo, os bolcheviques, depois da revolução socialista de 1917, instituiram esse direito para todas as nacionalidades oprimidas no antigo império russo.

    2 – os catalães têm uma língua, cultura, território e história próprias. Esses são os elementos que fundamentam a existência de uma nacionalidade específica. Nada a ver, portanto, com o esdrúxulo e reacionário movimento pela independência do Sul do Brasil. Diferente da Espanha, não há nacionalidades distintas em nosso país; existem apenas diferenças  regionais.

    3 – o Estado espanhol exerce uma opressão secular sobre diversas nacionalidades em seu território: oprime galegos, bascos, andaluzes e catalães. Durante a ditadura de Franco, por exemplo, a Catalunha perdeu toda sua autonomia e sua língua foi proibida nas escolas.

    4 – o regime espanhol é monárquico. O chefe de estado é um Rei, Felipe VI, da família Bourbon. O regime funciona em base à Constituição de 1978, a qual mesclou aspectos herdados da ditadura de Franco e elementos democráticos. A luta do povo catalão vai diretamente contra a monarquia e o autoritário regime de 78. Sendo assim, trata-se de um processo com um evidente sentido democrático.

    5 – a vitória do povo da Catalunha significaria não só colocar em crise um regime atrasado e antidemocrático, mas abriria também a possibilidade para que os povos, que hoje estão sob o domínio do Estado Espanhol, possam livre e democraticamente discutir formas de convivência, cooperação e união sob outras bases políticas, econômicas e sociais.

    Foto: Reprodução PT Euronews

  • Catalunha: A independência, no plenário do parlamento na próxima segunda

    Por Redação El Salto

    A crise aumenta: Juntos pelo sim(JxSii) e CUP convocam um plenário extraordinário e a Audiência Nacional( Tribunal espanhol) chama a depor Trapero( Chefe da Polícia da Catalunha “Los mossos”) por “motim”.

    A crise se acelera, especialmente após o discurso do rei da noite passada, uma declaração que foi fortemente criticada pelas forças nacionalistas, Unidos Podemos e os Comunes( Barcelona en comun). A junta de porta-vozes e a mesa do parlamento, onde Juntos por Sim e a CUP tem a maioria, convocou “um plenário especial extraordinária” sobre a independência para a próxima segunda.

    A reunião abordará apenas duas questões, como aponta a proposta: por um lado, os resultados do referendo serão apresentados e, por outro lado, será considerada a aplicação do artigo 4º da Lei de Referendo. “O Parlamento da Catalunha, no prazo de dois dias após a proclamação dos resultados oficiais do Tribunal Eleitoral, realizará uma sessão regular para efetuar a declaração formal da independência da Catalunha, para especificar seus efeitos e para iniciar o processo constituinte” .

    Embora a Mesa não tenha esclarecido se uma declaração sobre a independência ocorrerá, Puigdemont já adiantou ontem perante a BBC britânica que seu governo proclamará a independência “em questão de dias”. A CUP declarou, por sua vez, que “o plenário de segunda-feira é para proclamar a República Catalã independente”.

    Está previsto que a junta se reúna durante todo o dia para decidir se acontecerá a sessão plenária na Câmara Catalã. Às 13h10, JxSí e CUP registraram a petição para o presidente da Generalitat Carles Puigdemont, para comparecer no plenário do Parlamento.

    Trapero, chamado para depor na Audiência Nacional( tribunal espanhol)

    A Audiência Nacional também colocou seu grão de areia para elevar o tom do confronto na crise catalã. A juíza Carmen Lamela citou o Chefe da Polícia da Catalunha – Mossos d’Esquadra, Josep Lluís Trapero, para aparecer nesta sexta-feira na qualidade de investigado por um crime de “motim”.

    Lamela lhe tem citado no caso em que investigam “os acontecimentos ocorridos nos dias 20 e 21 de setembro na Catalunha, em relação às concentrações e demonstrações realizadas para prevenir, por força, às ações das autoridades e seus agentes no exercício de suas funções “, de acordo com o CGPJ.

    Além disso, a magistrada também convocou a depor a chefe da Polícia da Catalunha –  “Mossos” Teresa Laplana e os presidentes das entidades Òmnium Cultural e ANC, Jordi Cuixart e Jordi Sánchez.

    A juíza admitiu a denúncia do Ministério Público em 27 de setembro passado, afirmando que “a conduta dos manifestantes poderia enquadrar-se no artigo 544 do Código Penal que sanciona a “alzamiento tumultuario” (motim ou rebelião), dirigido a prevenir pela força ou fora dos canais legais a aplicação das leis ou de qualquer das pessoas que se relacionam no exercício das suas funções ou o cumprimento de seus acordos ou das resoluções administrativas ou judiciais “.