Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8679 (10) { ["term_id"]=> int(4354) ["name"]=> string(27) "Tirem as mãos da Venezuela" ["slug"]=> string(26) "tirem-as-maos-da-venezuela" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4354) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(184) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Venezuela: “Avançar para vencer”

José Carlos Miranda

José Carlos Miranda foi ferroviário e metalúrgico. Ativista dos movimentos sociais desde os anos 1981, é da Coordenação Nacional da Resistência/PSOL, membro do Conselho Curador da Fundação Lauro Campos (PSOL) e da Direção do PSOL-SP

O dia 23 de fevereiro foi possivelmente o dia mais tenso dos últimos anos para todos os povos latino-americanos. A ameaça de uma intervenção militar a partir da suposta “ajuda humanitária” criou uma enorme tensão nas fronteiras da Venezuela e Colômbia e também com o Brasil. Neste dia chegamos em Caracas, capital da Venezuela, para participar da Assembleia Internacional dos Povos.

Esta tensão e apreensão pode ser sentida na “live” que realizamos no dia 24 onde vários participantes nos perguntaram se haveria possibilidade de guerra. A grande operação montada pelo governo dos EUA com ajuda dos governos da Colômbia e do Brasil acabou se transformando num grande fiasco, pois as ações que geraram as tensões na fronteira com a Colômbia aconteceram do lado colombiano como as duas carretas com “ajuda humanitária” que foram incendiadas . E a tensão na fronteira brasileira ocorreu a 8 quilômetros longe da fronteira em território venezuelano.

O recuo do grupo de Lima em relação a qualquer intervenção militar e o anúncio da União Europeia condenando qualquer ataque são uma vitória momentânea. Mas ainda é somente um respiro diante da situação criada pelas sanções econômicas e pela sabotagem interna que provocam a falta de produtos e a inflação galopante.

Mas só é possível explicar a resiliência do processo venezuelano pelo enorme salto de consciência política, da organização e mobilização popular nos últimos 20 anos. Por certo que esse poderoso movimento, o mais avançado até agora da América latina encontra-se em uma encruzilhada. Apesar dos enormes avanços e conquistas estruturais que acompanharam este ascenso, o cansaço do povo, em especial da classe trabalhadora, que sempre foi protagonista deste processo é amplificado com a grave situação causada pelas sanções econômicas e pelas contradições e dificuldades do regime e do próprio movimento chavista. E é desta fragilidade que se apoia a direita e os golpistas pró imperialistas para construírem uma narrativa que encontre eco nas camadas populares. O que pudemos assistir até este momento é que as forças do chavismo têm muitas reservas, porém sem a resolução desta situação, ou seja, não é possível retroceder, ao contrário é necessário avançar e aprofundar as mudanças como dizem por aqui que “a revolução vá até o fim”.