Argélia: 800 mil nas ruas contra um quinto mandato para o presidente Bouteflika

Por Joana Benário, de São Paulo, SP
Alencontre

No dia 1º de março, a Argélia viu o povo sair às ruas, com centenas de milhares em todo o país, para protestar contra um quinto mandato do presidente Abdelaziz Bouteflika, há 20 anos no poder.  Com 82 anos, Bouteflika está numa clínica na Suíça para exames médicos. Ele está muito doente, ainda consequência de um acidente vascular cerebral em 2013. O regime, no entanto, confirmou sua candidatura para as próximas eleições presidenciais marcadas para 18 de abril, com outros 19 nomes.

A magnitude do movimento

Apesar de proibidas desde 2001 e do grande aparato de segurança, o país viu as maiores mobilizações em décadas. O movimento começou em 22 de fevereiro na capital, Argel e, a partir daí, as mobilizações não pararam. Na terça-feira, 26, os estudantes saíram às ruas apesar dos dispositivos policiais que bloquearam as universidades e faculdades, e ignorando os sindicatos controlados pela burocracia que permaneceu leal àqueles que estão no poder. Na quarta-feira, mais de mil jornalistas protestaram contra a censura do regime, sofrendo severa repressão e muitos detentos. Os professores lançaram uma greve nacional de educação nos dias 26 e 27 de fevereiro.

A mobilização de 1º de março foi ainda mais impressionante, com 800 mil pessoas em Argel. Ela se espalhou como um maremoto nas ruas e nas redes sociais, no país inteiro.  O site Tudo Sobre a Argélia (TSA) insiste na presença de todas as gerações, todas as corporações, todas as camadas populares, homens, mulheres, crianças, mujahideen, desempregados e empresários saíram para dizer não à presidência e pedir uma mudança pacífica.”

A polícia tentou gás lacrimogêneo e bastões, mas foi ultrapassada pela multidão.  Os incidentes, provocadores no final da manifestação e a morte de uma pessoa, não conseguiram dividir a marcha. Nas redes sociais, os manifestantes disseram que ficaram surpresos pela vitalidade do movimento empurrado por uma juventude alegre que não quer mais esse poder, mesmo que nunca tenha conhecido outro. Cabe enfatizar também uma forte participação das mulheres. Não se tinha visto um movimento tão espontâneo desde a independência em 1962, uma multidão pacífica e bem-humorada que defendeu e protegeu a sua mobilização.

A escala das mobilizações mostra que esta é uma onda de fundo alimentada pelo descontentamento popular e pela raiva de todo um povo diante de um regime autoritário e antissocial. Isso foi expresso em palavras de ordem como “Fora Bouteflika!”, “Fora FLN!”, “Abaixo o sistema!”, “O povo quer a queda do regime”, “Poder assassino” e em gritos também dirigidos contra o primeiro-ministro, Ahmed Ouyahia: “Ouyahia, a Argélia não é Síria!”.

O fator juventude, a onda de quebra

A Argélia é um país jovem: de uma população de 42 milhões, 45% tem menos de 25 anos. É a juventude, bem formada mas desempregada e sem futuro, quem virou tudo no avesso; ela não acredita nem em Bouteflika nem em islamistas; requer mais transparência e democracia. “Você pode imaginar a miséria em que vivemos”, disse um deles a jornalistas que cobriam o evento. Querem conversar para explicar o impasse em que se encontram, para expressar esse sentimento de não ter futuro apesar dos diplomas … [1]

No facebook, o blogueiro e ativista Sidali Kouidri Filali testemunha: “Eu chorei hoje duas vezes. A primeira quando recebi gás lacrimogêneo na boca (…) A segunda quando parei depois de me manifestar por uma boa hora (…) Porque vi um povo que pensei que estava perdido, porque vi que não estamos mortos, e que nesta terra, os dignos serão para sempre. Porque pela primeira vez vi uma Argel livre de seus medos e que sorria. Porque cheirava a liberdade, e eu era como uma criança, feliz com essa novidade”.[2]

Neste início de março, os protestos estudantis continuam e pedem uma greve geral. O poder está prestes a reprimir. Em Argel, a polícia atacou os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, mas o chamado dos jovens é ouvido: advogados congelam suas atividades e denunciam ataques à Constituição. Os médicos convocam comícios em hospitais. Seções da União Geral dos Trabalhadores Argelinos (UGTA), dos trabalhadores fiscais, do registro de terras e trabalhadores do orçamento rebelam-se contra o presidente da UGTA, Abdelmajid Sidi Said, que apoia o quinto mandato, e apoiam os manifestantes.  A candidatura para o quinto mandato foi, portanto, a faísca que desencadeou o incêndio.

O regime sem fôlego

O personagem de Bouteflika está na vida política argelina desde a independência. Em 1962, após oito anos de luta, a Frente Nacional de Libertação (FLN) chegou ao poder e lá permaneceu até 1989. Aos 26 anos, Bouteflika tornou-se o mais jovem ministro das Relações Exteriores do primeiro governo independente do país. De 1965 a 1978, estava no cargo na ONU. Na década de 1990, a Argélia foi dilacerada por uma sangrenta guerra civil (1991-1999) entre os militares no poder e vários grupos islâmicos, com um saldo de mais de 200 mil mortos. Em 1999, Bouteflika ganha as eleições e se torna presidente do país, mas manteve um regime autocrático. Em 2009, ele alterou a Constituição para ser reeleito para um terceiro mandato.

Bouteflika sempre pôde contar com o apoio internacional, particularmente da França, que continua a ter fortes interesses econômicos. A Argélia é um de seus principais fornecedores de gás e petróleo, mas tem que importar quase 80% do que consome.

Este poderoso regime de segurança é apoiado por três polos de poder: a Presidência, que conta com grandes investidores e multinacionais; os generais, que controlam o Estado-Maior, com diferentes sensibilidades dentro dele e Serviços argelinos de Segurança. Uma cúpula opaca, aliada a uma nova casta de empresários muito ricos que formam alianças e grupos de interesses. Nos últimos anos, com a doença do Presidente, o regime presidencial fortaleceu e reduziu fortemente o poder do exército, tomou posse do Parlamento e da FLN. Um profundo mal-estar existe dentro dos partidos da Aliança Presidencial, que se expressa através de políticos rejeitando a escolha de apoiar o presidente cessante.

Hoje, o regime está em plena decomposição; é um clã que detém o país: Saïd, o irmão do Presidente, dirige em seu nome e assume as decisões; o exército – principalmente mobilizado nas fronteiras do Saara – apoia o poder forte, na ausência de uma oposição, bastante silenciosa e não unificada. Em 2014, para a quarta reeleição, houve uma unificação da oposição secular e islamista em uma plataforma comum, mas não deu em nada.

Por 20 anos, o regime bloqueou tudo e atomizou qualquer alternativa política. Muitos problemas sociais invadiram o cenário político nacional: o desemprego não para de aumentar e os padrões de vida, de cair como resultado da crise econômica. O sistema, estropiado pela corrupção, sua lógica autoritária e a fuga de capitais para o exterior, não têm mais apoio popular.  Agora cai o muro do medo, as mobilizações abrem um momento de transição.

Para tentar moderar as mobilizações em andamento, em uma carta endereçada ao povo argelino nesta segunda-feira 4 de março, o Presidente anunciou que, se eleito, ele organizará uma grande Conferência Nacional inclusiva e independente, que iria discutir um novo plano de medidas econômicas, políticas e sociais que formariam a base de um novo regime. Ele concordou em convocar novas eleições antecipadas para as quais ele não seria mais candidato. De fato, o poder quer economizar tempo criando as condições de sua sucessão.

Na beira de uma nova primavera …

Mas o povo não deixa-se enganar. Ao continuar as manifestações, ele demonstra que essas promessas não estão à altura de suas aspirações. A Argélia está, portanto, no início de um processo de libertação que diz respeito a toda a sociedade que quer remover a opressão que pesa sobre ela desde 1991. A rua exige mudanças institucionais.

O poder foi surpreendido pela escala da crescente mobilização e é apanhado em curto, sem alternativa, mas não vai deixar o lugar de boa graça. Por enquanto, todas as instituições do regime permaneceram em silêncio. O partido do Presidente emitiu uma declaração apoiando sua carta à nação. Os partidos de oposição se reuniram em conclave para tentar chegar a acordo sobre candidato único para eleições de 18 de abril. Por seu turno, o exército – que não quer estar na situação dos anos 90 – não se pronunciou e, portanto, permanece alinhado com o Presidente. Três cenários parecem estar emergindo para o poder: 1) sustentar, seja qual for o custo, a candidatura de Bouteflika, por falta de outra alternativa; 2) uma mudança de governo para tentar acalmar o jogo 3) uma parada do processo eleitoral para enfrentar os protestos.

Continuar as mobilizações e fortalecer a unidade

Para manter a pressão por uma abertura democrática, será necessária a maior unidade de todos os setores da sociedade e a manutenção das mobilizações de rua. Em seu comunicado de 3 de março, o Partido Socialista dos Trabalhadores (PST) – Quarta Internacional, coloca: “É imperativo manter nossa mobilização, iniciar o estabelecimento da auto-organização democrática das massas nos bairros da classe trabalhadora, locais de trabalho, universidades e, sempre que possível, envolver a comunidade. Sempre que possível, promover um debate sobre como eleger uma Assembleia Constituinte soberana, representante das aspirações de liberdade e justiça social da maioria do nosso povo. Ao mesmo tempo, o uso de uma greve geral para impor as mudanças pelas quais aspiramos permanece uma possível opção a não ser excluída. ” [3]

NOTAS

1 – https://alencontre.org/moyenorient/algerie/algerie-la-deferlante-du-1er-mars-2019.html

2 – https://www.mediapart.fr/journal/international/010319/le-pouvoir-algerien-accule-par-un-raz-de-maree-de-manifestants?utm

3 – [email protected] – https://www.facebook.com/PSTDZ/

Marcado como:
argélia