Valério Arcary

Currently browsing: Valério Arcary
  • A note on Brazil’s place in the world from a historical perspective

     

    By: Valerio Arcary, from MAIS Coordination

    Translation: Wilma Olmo Corrêa
    Review: Rebeca Moore

     

    When talking about the colonial policy of the capitalist imperialism era, it should be noted that the financial capital and the corresponding foreign policy, which is reflected in the struggle of the great powers for the world economic and political division, give rise to abundant transitional forms of state dependence. For this time not only the two main groups of countries – those with colonies and the colonies themselves – are typical, but also the various forms of dependent countries which, from a formal and political point of view, are independent, but which are actually involved in the shackles of financial and diplomatic dependence . One of these forms, the semi-colony, we have already indicated.

    Another model is, for example, Argentina.1

    Lênin.

    The most important historical work of capitalism was to boost the world market formation, releasing the productive forces acceleration, hitherto unimaginable. Mankind was still divided into autarchic civilizations until the sixteenth century. In Europe, the Middle East, India, China, the Mexican plateau, and in the Andes Mountains, among others, there were isolated and closed cultures. The interactions, when they existed, were tenuous and irregular. Many cultures did not even know about the existence of others.

    In stimulating the growing integration of a world market which was extended to the farthest and last frontier, one of the most powerful trends in the capitalism development has been to foster the establishment of a European system of States and then the establishment of an international system of States .

    The name of this system is imperialist world order. This world order almost destroyed civilized life in two world wars. Capitalism has already demonstrated, therefore, that it cannot unify humanity. Capitalism is an insurmountable obstacle to the deeper trend of historical development that the capital itself has created and potentiated. But this trend is a possibility. Possibility is how the laws of history reveal themselves. The name of this trend is the unification of human civilization.

    The International is currently understood as the challenge of building an instrument of global struggle against capitalism. But the strategic goal of fighting for socialism is the unification of humanity into a world government, an International. The name of this world government shall be socialism. The Marxist program  is world revolution. And  internationalism is the heart of the socialist revolution project.

    No economy can exist outside the world market, but there is no world government

    When we say that the world order has been structured, at least for the last hundred years, as an imperialist order, we are not claiming that there is a world government. Capitalism has not been able to overcome the national borders of its imperialist States and, therefore,  rivalries remain  between the central bourgeoisie in the disputes of economic spaces and arbitration of political conflicts.

    The hypothesis of a superimperialism was not confirmed, a merger of the imperialist interests of the central countries, even in the post-war political-historical stage, in  the context of the so-called Cold War between 1945/1991, when capitalism suffered the shock wave of a powerful revolutionary wave that overthrew the old colonial empires.

    Conflicts between the interests of the United States, Japan, and Western Europe led Washington, for example, to partially break with Bretton Woods in 1971 and to suspend the dollar fixed convertibility to gold, devaluing its currency in order to defend its domestic market, and cheapen their exports. Competition between corporations and competition between Central States have not been revoked, although the degree to which they happen has fluctuated. Ultra-imperialism was never but a reactionary utopia.

    But it would be bizarre not to recognize that the system managed to build a center in the international system of States after the almost terminal destruction of World War II. Such a system is also expressed institutionally, twenty-five years after the end of the USSR, by the organizations of the UN and Bretton Woods system, therefore, through the IMF, World Bank, WTO, and Basel BIS and finally  the G7. The counterrevolution has learned from history.

    In this center of power is the Triad: the US, the European Union and Japan. The European Union and Japan are associated with Washington and accept its supremacy since the end of World War II. The change of the international historical stage in 1989/91 did not change this Triad role  and especially the US´s place2.

    Although its leadership has declined, it still prevails. The size of its economy with a GDP of US$ 18 trillion (the world GDP is estimated at US$ 80 trillion, China’s at US$ 10 trillion), the weight of its domestic market, the dollar’s appeal as a currency for reserve or a currency forhoarding, the military superiority and political initiative allowed, despite a relative weakening, to maintain the leading position in the system of States.

    No State of the periphery was accepted into the center of the system in the last twenty-five years. Not a single one. China and Russia are States that have preserved their independence, although they have restored capitalism. But changes have occurred in the insertion of peripheral States. There are many “transitional forms of state dependence” in Lenin’s words, in the epigraph, in order to distinguish the insertion of Argentina from the semicolonies. Some States are in  a situation of greater dependence, and others havea smaller dependency. What prevailed, after the 1980s, was a process of recolonization, albeit with oscillations. There is an ongoing social-historical dynamic and it is the opposite of that which prevailed after the Nazi-fascism defeat.

    Most of the States that gained  political independence in the wave of anti-imperialist revolutions that followed the victory of the Chinese, Korean and Vietnamese revolution lost this achievement: Algeria and Egypt, in Africa, Nicaragua, in Central America, and Vietnam in Asia are examples , among others, of this historical regression, after 1991. There are still, however, independent States. Iran and Cuba are such examples.

    Four criteria for evaluation

    The definition of criteria seems to be a good preliminary discussion. The place of each peripheral country in the international system of States in the historical postwar period between 1945/1989 depended on at least four strategic variables:

    (a) its historical insertion in the previous stage. In other words, the position it occupied in an extremely hierarchical and rigid system: after all, in the last hundred and fifty years only one country, Japan, was incorporated into the systems center, and all the colonial and semi-colonial countries that ascended in their insertion, such as Cuba, only did so after revolutions which allowed them to achieve greater independence;

    (b) the size of its economy. That is, stocks of accumulated capital, the capability of presenting monetary sovereignty, natural resources – such as the territory, land reserves, mineral resources, energy  and food self-sufficiency, etc. – and human resources – among them, their demographic strength and the nation cultural stage – as well as the industry development dynamics, in other words, their position in the  international labor division  and  in the world market;

    (c) the capability of each State to maintain its independence and  control of its areas of influence. That is, its deterrent military force, which depends not only of  mastering  military technology or of  the quality of its Armed Forces, but also on the greater or lesser degree of social cohesion of society, therefore, the State’s political ability to convince the majority of people that, if unavoidable,   war will be necessary;

    (d) the long-lasting alliances of States with each other, which come into being through Treaties and Cooperation Agreements, and the relation of forces that result from the formal and informal blocks of which they are part, in other words, their coalition network.

    These are the four criteria: history, economics, politics and international relations.

    The place of each State in the international system depends, therefore, on its insertion in the world market, that is, on its place in the  international labor division. Although decisive, economics is not the only variable that should be considered. Because the countries’ variation  of place in the world market were, historically, much more dynamic than their location in the States system. Economics, as opposed to the phenomenon appearance, is more malleable and flexiblewhen it come to change than politics, because inertia prevails most strongly in power relations.

    The most important is to emphasize, therefore, that the States’ system has shown immense historical rigidity. This did not prevent the ocurrence of quantitative changes in the respective place of some States. But it emphasizes that the qualitative changes are rare. No state has gained political independence in the last hundred and fifty years without war or revolution. Nonetheless, political independence alone does not emancipate a state from the peripheral condition in  the world market. The two processes  are relatively autonomous.

    The overwhelming majority of the two hundred states present at the UN are former colonies, and have remained dependent, but the degrees of their external vulnerability are varied. Although all semicolonial nations are on the periphery, the differences between them are not irrelevant. There are several types of semicolonies. And not all States in the periphery are semicolonies. There is no complete correspondence between the presence on the world market and the place in the States system. There are mediations, graduations, variations. Some countries are economically undeveloped and lagged and dependent, but are not politically subordinated to the imperialist order, just asLenin exemplified when considering the situation in Argentina a hundred years ago.3 Perhaps this is currently the situation of Russia and China, although not due to economic insertion, as in the Argentina example, but rather because  the role in the States system, as evidenced by Russia’s initiative in the Syrian war.

    On the other hand, other countries in an opposite situation are like all semicolonies, politically  independent in form, but  under foreign military occupation, therefore, they are protectorates of a greater sovereign state, such as Iraq and Afghanistan, in  relation to the US. Libya, Somalia and, in another perspective, Sudan and Lebanon, for example, are countries where the national State has been partially displaced, that is, it does not have full sovereignty over its territory. Syria has been dramatically experiencing the degradation of a revolution in civil war for five year.

    There are still enclaves such as Panama in  Central America, the Falklands in the South Atlantic, or Taiwan in China, or as Hong Kong and Macao were, up to fifteen years ago. Among the semicolonies there are some which have a special status, especially privileged, although differentiated among themselves, for various reasons, such as Mexico, Turkey or South Korea.

    What is the place of Brazil? A historic hybrid

    The purpose of this paper is to start a debate and investigate what is, currently,  Brazil’s place.

    Our historical elaboration refers to a suggestion of Nahuel Moreno and identified a peculiarity in the insertion of Brazilian capitalism, both in the world market and in the States system. Singular because it is atypical in South America, Brazil should be understood as a privileged semi-colony and, at the same time, as a submetropolis.

    The key to interpreting the concept  must be sought in the idea of synthesis between semicolony and submetropolis. For this reason, it would have a hybrid status. Because the country would explain itself as a strange mixture and  amalgam that only uneven and combined development could elucidate. A hybrid is something of a different quality, both of a privileged semi-colony and of a dependent submetropolis, because it combines qualities from both.

    It is a semi-colony, because it is underdeveloped in many aspects. It has always depended on the importation of  capital and technology, and its bourgeoisie is resigned to play a subordinate role before Washington in the  States system, among many other factors. Nevertheless it is a very special, privileged semi-colony, which has been expressed for decades in different ways. For example, when the overinflation crisis happened, caused by defaults on foreign debt, unlike many neighbors, its economy was never been fully dollarized. It is worth investigating to what extent this privileged location is still current.

    It is a sub-metropolis because the enormityof the Brazilian economy offered scale and projected the presence of some large companies in the markets of neighboring countries of South America, becoming also a platform for the export of capital and services. But it is not a sub-imperialist country, because its economic strength has not translated into a political domain: the Mercosur project guaranteed trade surpluses, but the country remained, politically speaking, sterile,leaderless and brainless.It is not a simple overlap, it is a different phenomenon. The issue is discussed in the market, in the UN and by the academia, and formulas and models such as “developing countries”, “Brics” and “emerging countries”  have been developed. Marxists of other traditions conceptualized sub-imperialist and associated economy capital-imperialist. We have never formulatet a summary-concept for this hybrid, which is a theoretical debt that we have with ourselves: special dependence, peripheral submetropolis?

    Whatever the hybrid’s hypothesis may finally be, the conceptualization seems to us to be the most fertile, although of course it allows for readings with varied nuances or different emphases. What we have suggested in this text is that Brazil’s place in the world market did not correspond directly with its role in the States international system. Brazil has won a place in the world market superior to its presence in the States system.

    There has always been in our tradition those who interpreted the hybrid, largely by hasty comparisons with the Argentine statute, which fell into decay half a century before Brazil. But even in the case of Argentina, more investigation is necessary, when the audaticy of the Falklands war in 1982  is  considered  proving to bea clear challenge to the order in the States system.The best reading of the hybrid hypothesis, however, would be the opposite.  In other words: in Brazil, the political force of imperialist domination would have always been greater than the economic vulnerability. This asymmetry has not yet decreased. It should not surprise us, therefore, that the continental external debt crisis and the hyperinflation, in the years of 1980, have been much more pronounced in Argentina than in Brazil. Brazil did not experience, for example, a moratorium comparable to the Argentineanone,in 2002.

    Brazil was only a semi-colony until the end of World War II. The hybridization process became more clear from the seventies of last century, when Brazilian-born companies began to gain multinational dimensions. Some companies were then state-owned, such as Petrobrás, Vale do Rio Doce, Banco do Brasil, others were private ones, such as Gerdau, Odebrecht, Andrade-Gutierres, Itaú and Bradesco. We can not lessen, more recently, the importance of the agro livestock  enterprises and investment funds.

    This hybrid characterization admits that there were quantitative oscillations that led to repositioning. What were the dynamics? In some phases semicolonization increased, and in others the external vulnerabilities decreased, and the role of submetropolis was accentuated. The challenge of the analysis is to identify these trends and counter-trends, and finally to confirm whether the variances were only quantitative, or whether any qualitative changes have occurred. We will argue that the oscillations were, to date, quantitative.

    In the nineties of the twentieth century, recolonizing tendencies advanced and the country was seriously threatened by the FTAA project(Free Trade Agreement of the Americas). In the first decade of the twenty-first century, the previous trend inverted: the weight of Brazil increased in its area of influence, and the reserves accumulation increased immensely.  Brazil was neither recolonized nor transformed into a sub-imperialist country.

    We will develop these oscillations periodization, and we will argue in favor of the hybrid theoretical hypothesis maintenance. But we  warn that the evolution of the economic  situation and the political inflection, starting in 2016, indicate that Brazil, as well as Latin America, are again threatened by an imperialist project of recolonization.

    The historical and political dimension of dependence

    Brazil ceased to be a Portuguese colony in 1822 to be a British semicolony until the crisis of 1929. Independence was a very incomplete process. The country sought support in London for its emancipation from Lisbon. The ruling class proved incapable of carrying out a bourgeois revolution. The long nineteenth century was a lost century. It is not controversial that the key to understand this terrible lack of progress was  delayed slavery.

    The Brazilian insertion in the States international system was in dispute in the thirties of the previous  century. It became  a US semi-colony during World War II. The political dimension of dependency, as we have already seen, is rooted in history. During the dictatorship of the “Estado Novo”[1], Getúlio Vargas had fostered a foreign policy of neutrality, admitting even some flirtation with the Axis powers.4 The negotiations extended between 1939 and 1942. At the Third Meeting of the American Chancellors Consultation, agreements were closed in retaliation for the torpedoing of five Brazilian ships by supposedly German submarines.

    The agreements established a loan of US$ 100 million for the application of the Brazilian steel project, as well as the acquisition of war material worth US$ 200 million. These agreements were decisive for the creation of CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) in Volta Redonda, State of Rio de Janeiro in the Southeast region, and Companhia Vale do Rio Doce. Natal, capital of the  State of Rio Grande do Norte, Northeast region, received a naval base, and the largest US air base, outside  US territory. The city hosted a contingent of up to 10,000 American soldiers. The Brazilian Expeditionary Force sent, from 1944, twenty-five thousand soldiers to Italy, from an initial total originally estimated of100,0005. Brazil, due to its repositioning, was one of the first countries to join the institutions that emerged from the Bretton Woods negotiations6.

    During the historical-political stage after the end of the war, between 1945/1991, Brazil maintained its strategic relationship with the United States. The Washington agreements were preparation for the 1945 Treaty of Rio de Janeiro7, and for the 1948 OAS Formation Letter (Organization of American States)8. Throughout this stage, Brazil’s international relations with the United States fluctuated. Initiatives such as the nuclear agreement with Germany, for example, caused frictions. But, fundamentally,  relations remainedintact.

    The Brazilian political history expresses  US imperialism domination over the nation. The Brazilian bourgeoisie decided to associate itself in such a way that it united its destiny in defense of  US interests. The military dictatorship between 1964/85, a dramatic interval of two decades, was imposed in response to the shock wave provoked by the Cuban revolution .

    The first factor of this privileged dependent status was therefore a close alliance established with the US during the war, unlike Argentina. History portrays, history has a lot of strength. These political and diplomatic relations with the US are an unavoidable key to explaining  the country’s recent history. Brazil, in collaboration with the United States, has also begun to play a semi-metropolis role in South America, thus, a subplatform for the export of capital.

    The concept of semicolony intends to illustrate the economic dependence of a driven or even specialized economy for the export of primary products to the world market while importing capitals and manufactured goods with higher added value. Brazil sold essentially coffee, cocoa, cotton, sugar and minerals. The first major steel company, CSN, was only built in the 1940s, eighty years after the beginning of the second industrial revolution.

    Privileged countries should be understood as special, because they were favored. The unequivocal demonstration of this statuts was the fact that Brazil was the first destination for US foreign investment after the Second World War, with the exception of capital movements within the triad US, Western Europe and Japan. Brazil lost the position  of largest importer of capital in the peripheral world market to China in the 1990s.

    Brazil has a population of approximately 205 million inhabitants and is the largest Lusophone country in the world. It has the ninth largest GDP in the world, but a seventh if it is used the criterion of PPP (Purchasing Power Parity).

    This insertion as a privileged semi-colony can be explained by many factors: the high profitability of investments in a country that has carried out urbanization and industrialization very late, but very rapidly; the size of its GDP; the size of its domestic market for durable goods consumption; the size of its natural resources, such as its capability to be the world’s largest producer of grains and various minerals; etc.

    Brazil has many peculiarities. Unlike the neighbors of the Southern Cone, it wasan agrarian society until the thirties of the twentieth century, however, it had two whopping cities, among the largest and most dynamic, São Paulo and Rio de Janeiro, disproportionate when the barbaric and semi-inhabited countryside was taken into account. Agro livestock has high levels of productivity, among the most competitive in the world, however what is surprising is the gigantism and the enormous concentration of its proletariat – more than 60 million people – and over 86% in urban centers, in twenty cities with one million or more  inhabitants.

    Brazil ended 2015 with a total of 48.06 million jobs with a formal contract, below 2014 (with 49.57 million) and 2013 (with 48.94 million) 9. Brazil employs 2,039,499 federal civil servants10. The number of municipal civil servants across the country increased 37.4%  in one decade. In 2005, the  City Halls employed 4.7 million people, a number that jumped to 6.5 million last year.11 The data available in the IBGE[2] for 2014 reported the existence of 3.1 million state civil servants. 12 Considering that some data is not updated, we can round these figures up to something around 12 million civil servants in the three spheres of power. An industrial working class of at least 9 million corresponds to 15% of the proletariat, which is a relatively high rate.13

    The EAP (economically active population), that is, the population aged over 14, is estimated at 105 million. The employed population in the first quarter of 2016, estimated at 90.6 million people, consisted of 67.9% of employees, 4.1% of employers, 25.6% of self-employed workers and 2.4% of auxiliary family workers. In the first quarter of 2016, 78.1% of the employees in the private sector had a formal contract14. There are, therefore, at least ten million employees without a formal contract.

    According to the methodology of the National Continuous Survey through Households Sample (PNAD Continuous of IBGE), 40% of working age Brazilians were classified as outside the work force, that is, they were neither employed nor unemployed (they did not seek employment). The number of unemployed people is estimated at 12 million, above 10% of the EAP, according to the international standard criteria, which puts pressure, among other factors, such as the R$ (Real) devaluation and inflation, on the average wage that abruptly lost about 20 percent of its real value compared to 201315. More than half of the population aged 15 or over (52.6 percent) had not finished  elementary school, and just over a quarter had completed at least  secondary education (26.1%). At least one in four Brazilians is still semi-literate. Average schooling is less than eight years.

    Brazil is the fifth largest nation in the world, eight million, five hundred thousand square kilometers, and occupies almost half the territory of South America alone. The Amazon, in turn, corresponds to almost half of Brazil, and has the largest world’s biodiversity reserve, a heritage of strategic importance for the biogenetic industry.16 In the pre-salt deep waters there is a reserve of excellent quality light oil estimated in 2010 at 16.609 billion of barrels .17 The modern and the archaic are mixed in amazing combinations. Brazil has been the world’s largest coffee producer for the past 150 years and at the same time  has become the fourth largest car market, ranking fourth in the ranking of the largest countries which export weapons.18 It is the world’s leading producer of orange juice, soybeans, beef and poultry.19

    From a historical perspective, Brazilian dependent capitalism lost the dynamism it revealed between the fifties and eighties of the twentieth century. In this historical period, foreign investment, in the context of the Cold War,  accelerated urbanization, and the formation of an internal market of over twenty million consumers of durable goods, among other factors, were able to guarantee the doubling of GDP every decade .

    Since the 1980s foreign debt crisis, Brazil has become a slow-growing dependent economy. It took thirty years, between 1980 and 2010, to double the GDP. The GDP of US$ 2 trillion, something between R$ 6 and R$ 6.5 trillion, may be impressive, but we must recall that the population has also doubled in that interval, so the per capita income remained stagnant during the  interval of a generation, between US$ 10,000 and US$ 12,000. Long-term stagnation means decay. Mercosur was an initiative in the 1980s led by Brazil and Argentina, associated with Uruguay and Paraguay, of greater regional economic integration. Thirty years later, the results are discouraging: Brazil was, unilaterally, the largest beneficiary, obtaining large trade surpluses, and reinforcing its submetropolis role. Not surprisingly, the neighboring bourgeoisies have mobilized in search of a bilateral trade agreements with the US.

    It was impossible for Brazilian capitalism to maintain a sustained pace with a more intense growth. The historical reasons for this slowdown are many. Liberals value the low rate of domestic savings,  small when compared to other countries. They present fantasies or tautologies to justify it: they argue that the benefits of social security are too great and, therefore, it encourages consumption. There are no savings because “there is no reason to fear poverty in old age”, or “there are no savings because there is consumerism”. Keynesians attribute the low growth to the fragility of private and public demand.

    A Marxist interpretation has larger scientific ambitions and necessarily addresses  the centrality of the investment rate fall which, in turn, results from a labor exploitation rate, or appropriation of insufficient surplus value. The greater slowness of the capital rotation movement, therefore, the speed reduction of capital accumulation was expressed, simultaneously, by the tendency of the average rate increase for manual labor compensation20.

    This trend began in the 1990s and accelerated in the first decade of the 2000s because of the pressure exerted by the minimum wage increment policy that rose from R$ 70.00 in 1994, when it was equivalent to US$ 70.00, to US$ 250.00, or R$ 880.00 in 201621.

    The tax burden, in its turn, stabilized at around 25% of GDP in the late 1960s and throughout the 1970s and 1980s. It rose in the 1990s to 32.66% of gross domestic product (GDP) in 201522.

    The increase in tax burdens, or the minimum wage increment, as well as the public policies of income distribution such as the link of the Social Security benefits floor, in particular, the rural pension, to the minimum wage, or the extension of Bolsa Família[3] to 45.8 million beneficiaries, the majority of whom concentrated in the Northeast, means, in other words, that one out of every four Brazilians are  targets of the capital offensive.23

    Banking inclusion has increased over the last decade, surpassing 45 million people with current or savings accounts24. Like  the anti-unemployment policies, such achievements must be understood in the context of a social pact strategy for the stabilization of the democratic electoral regime that emerged after the end of the military dictatorship. In short, these were some of the class struggle achievements in the 1980s. All social achievements are now under threat.

    In order to boost economic growth at rates higher than the mediocre average of 2 per cent a year, from the last thirty years, and under the imperialism pressure, the social political bloc, who had been behind the impeachment, seeks to nullify the workers’ achievements, in order to once again attract   foreign investment that has moved in the last thirty years to Asia. The shock is necessary, first of all because of China’s repositioning in the world market. The reduction of  wages participation in the national income, the so-called functional income distribution, which was recovered and returned, in 2010, to the 1990s levels, is due to the productivity gains of the Chinese economy.

    The offensive of shock imposes itself to recover the capacity of attraction of  international capital. The irony of history is that economic dependence is heightened.

    The economic dependency of imperialism

    The Brazilian GDP gigantism cannot blind us. We must understand that Brazil is still a backward and peripheral country throughout. But as an expression of the uneven and combined development the Brazilian economy has the largest industrial park in the world on the south side of the Equator. Its multinationals are the most powerful of the continent.

    Brazilian capitalism has always been and remains a major importer of capital.25 Its place in the world market has always been that of an exporting country of primary products and an importer of manufactured goods that incorporate more technology. It suffered wealth transfer because of the trade terms. The Brazilian trade balance only has an inverse profile when related to its neighbors in Mercosur.

    We will find a clear historical pattern of dependency of the Brazilian peripheral economy, expressed in the irreplaceable need of access to foreign investments, in order not to fall into stagnation. The danger of stagnation and, consequently, of economic decline has historically resulted in social crisis that has always been a prelude to the political crisis. This association with capitals of imperialist countries was expressed in the deficit chronic tendency of the current transactions whenever economic growth accelerates, imports increase and domestic consumption rises. This is the way in which the external vulnerability presents itself, in a chronical way, in the economic field.

    The growing external deficit, which precipitates the need for adjustment, has always been one of the side effects of the growth phases. The adjustments were milder or more abrupt. We can empirically check this alternation of accelerations and decelerations, considering the last cycle: the GDP growth rate increased from 1.3% in 2001 to 6.0% in 2007, and 7.6% in 2010, or an average close to 4% in Lula’s government years. But it fell to 0.2% in 2014 and – 3.8% in 2015, and a similar drop is likely in 2016.

    This external vulnerability has necessarily imposed, once and again, adeceleration: an adjustment provoked by the current transactions fragility, thus the danger of a strong devaluation of the national currency. This explains, in part, the inflationary cycles pressure, also chronic, like the last one, which culminated in 2015 with a rate above 10%. The nominal budget deficit, therefore, the primary deficit plus the rollover of domestic debt interest in a GDP proportion, increased from 4.8% in 2001 to 2.7% in 2004, 2.4% in 2007, 6.1% in 2014 and 10.3% in 2015.

    The exchange rate depreciated sharply from R$ 2.20 per US$ 1.00 in mid-2014, to levels close to R$ 3.50 per US$ 1.00 in mid-2016; and inflation measured by the IPCA reached 10.67% in December 2015, the highest rate since 2002. In recent years this process has intensified: the current account balance moved from a surplus position between 2003 and 2007 to a deficit of 4.4% in 2014. The GDP contraction from 2014 to 2016 is already around 7% and the outlook for 2017 is bleak26.

    Our economic dependency has three dimensions: finance-commercial, and productive-technological The historical trajectory of the oscillations of deficits in current transactions, and the trend of increase of net external liabilities are two indicators of Brazil’s dependent insertion as a semicolony. The graph below illustrates this, in ten-year historical series, in a blunt way.

    GRAPH 1

    Balance in current transactions – 1947-2015

    (as % of GDP)27

    Brazilian capitalism is a dependent economy because, we repeat, we are importers of capital. Account balance from trade balance, a positive result of exports in relation to imports, were almost always insufficient to cover the deficit in the balance of payments and current accounts, depending on foreign investment to avoid currency devaluation, with consequent inflationary pressures.

     

     

    It  comes from an insufficient capital accumulation because the savings rate has been and remains relatively low: in the last 70 years it has remained almost always below 20% of GDP. It was 15.7% of GDP in 2001, 20.7% in 2007, 21.1% in 2010, 18.9% in 2014 and 16.8% in 2015. The domestic savings rate is close to 16% but the investment rate was around 20% in the past decade. The difference is the dependence on external savings, which is expressed as a deficit in current transactions. Anyway, we must also take into account that there is a significant mass of hidden Brazilian capital deposited in tax havens, which reveals the insecurity of the Brazilian bourgeoisie28. For decades, this bourgeoisie has hoarded abroad. Another curious indicator is the number of Brazilians who own real estate in Florida: hundreds of thousands29.

     

     

    Investment vs. Savings examples (% GDP), in comparison, , China, which is economically also a dependent country, maintains a qualitatively higher domestic saving above 35% of GDP30. Paradoxically, however, the credit  volume as a percentage of the GDP increased from 25.8% in 2001 to 34.7% in 2004, 44.1% in 2007, 61.9% in 2014, reaching 63.7% in 2015, which means that the access to foreign savings did not increase the country’s capability to generate more production and exports, but increased the consumption, raising, exponentially, the indebtedness of families and companies.

    The most recent trade vulnerability has decreased due to the R$ (real) devaluation. The current account deficit, in 2015, fell to US$ 36.5 billion. But if the exchange devaluation causes a fall in the average wage, expressed in dollars, reducing productive costs, and increasing the competitiveness of exports, it also means a cheapening of national assets.

    It is not just the work that gets cheaper. Everything becomes relatively cheaper: the land, the real estate, the value of the companies.

    The real productive vulnerability can be considered by comparing, for example, the stock of foreign direct investment (FDI) in proportion to GDP. Foreign direct investment totaled US$ 54.9 billion in January-October of 2016,practically  equal to that amount of the same period in 2015, which means an annual average of US$ 65 billion or something a little above 3% of GDP31.

    The export of goods is around US$ 200 billion or 10% of GDP: in 2001 it was 10.4%, it rose to 11.5% in 2007, fell to 9.1% in 2010 and rose to 10.7% in 2015. The exportation of services ranged from 1.5% to 1.9% of GDP in the same period. This corresponds to the historical average and seems, proportionally, a small amount when compared to countries in a similar stage of social historical development. One necessary mediation is that, as a continental country, and with a large domestic market, it is predictable that the Brazilian economy is, comparatively, much more inwardoriented  than its neighbors. But this factor has a relative weight.

    The growth rate of exports has been weak over the last ten years, well below the historical average; and growth in this period was due exclusively to commodities, with stagnation of exports of higher value-added manufactured products. The increase in the trade balance to 10.7% of GDP in 2015 was only caused by the reduction of GDP in dollars – the value of exports actually declined by 15% during the year.

    The unprecedented accumulation in the last thirteen years of a large volume of international reserves, US$ 373,108 million, which corresponds to 24 months of imports, an increase from 6.4% to 20.8% of GDP between 2001 and 2015 – cover almost 30 % of the total gross external liabilities, and more than 100% of external debt – operated as a kind of buffer against possible external financing shocks. Nonetheless, the substantive and qualitative reserves accumulation was possible due to the favorable variation in the price of commodities, an atypical phenomenon that reversed the historical dynamics, and only happened before during the two world wars.

    There was also an improvement in the external financing profile, with a preponderance of funds brought in the form of direct investments, and a low proportion of short-term debts. But this dynamic is contradictory to the strong pressure of the world market against the countercyclical policies of the period between 2011/2013 that was at the root of the increase in the ratio of public debt as a proportion of GDP.

    The Government’s gross debt, an indicator of public indebtedness, has shown rapid growth in recent years – between 2013 and 2016, it jumped from 51.3% to 72.5% of the Gross Domestic Product (GDP)32. The Brazilian federal public debt, which includes the government’s internal and external indebtedness reached R$ 3.04 trillion. This is the first time that the debt exceeds  R$ 3 trillion.33 This accelerated evolution of the public debt produced serious divisions in the Brazilian bourgeoisie, under the pressure of the world market. It was one of the factors that explain the displacement of growing fractions of the ruling class to a frontal opposition to the Dilma government, culminating in the legal parliamentary maneuver of impeachment.

    The participation of foreign investors in domestic public debt fell again in September 2016. Non-resident investors held 14.97% of total domestic debt (R$ 437 billion), compared to 15.67% (R$ 443 billion) in August. Thus, foreigners were ranked fourth among domestic public debt main holders in September, behind the  pension funds (24.26%, or R$ 708 billion) – which still hold the lead – the financial institutions (24,14 % of the total, or R$ 704 billion), and the investment funds (21.4% of the total, or R$ 625 billion).

    However, there is an inconclusive controversy about the denationalization of the Brazilian economy. It seems to have intensified, at least quantitatively. 34 The available data, even when considering different indicators, does not conclude that it would have been qualitative. But the strong presence of foreign capital remained very high, quantitatively35.

    Deindustrialization is an equally controversial issue. But unlike denationalisation, it seems clear that the average growth of around 4% between 2004 and 2010, the years of Lula’s two mandates, did not reverse the inherited trend of the 1990s reprimarization36. Because, although there has been an expansion and modernization of the services sector, and the the agriculture expansion and industrialization, it seems reasonable to realize that deindustrialization has advanced since the 1990s, a regressive dynamic that has not been disrupted in the last decade. 37

    In summary, the 10-year comparative evolution indicates that in the 1990s an economic dependence worsening occured, but in the last decade a relatively less vulnerable exposure to the world market pressures has happened. At the same time, it allows us to conclude that the ongoing reforms such as the PEC[4] of the public spending ceiling, which freezes the State budget, independently of the GDP variations, signals a strategy of raising the Brazilian economy semi-colonization. In conclusion, a new consensus was established within the ruling class.

     

     

    The years when the “honeymoon” prevailed  with the government policies of class collaboration led by  PT (Workers’ Party), wrapped up in the growth phase of the world economy driven by the “Asian push”, were left behind. Tensions worsened  seriously  after June 2013 and gave a leap in quality  from 2015 onward, with the fury of middle class layers mobilized in the streets to the song of the LavaJato orchestra. In the end, the bourgeois fractions  measured their strength.

    The reorientation of the Dilma Rousseff government after the 2014 elections, assigning Joaquim Levy as prime minister, was insufficient and late. Priority association with imperialism won in order to foster the necessary changes to  increase foreign investment. Dilma Rousseff’s impeachment and Temer’s taking over the government paved the way for reforms.

    1 LENIN, Vladimir Ilitch Ulianov. Imperialismo, estágio supremo do capitalismo, cap.VI sobre países dependentes.https://www.marxists.org/portugues/lenin/1916/imperialismo/cap6.htm Consultation in Dec.12, 2016.

    2 An intriguing economic exceptionality in the contemporary world challenges our understanding: for over fifteen years the US has twin deficits, the fiscal deficit, and the trade deficit. “Twins” because both oscillate around US$ 500 billion. The budget deficit rose to US$ 587 billion in the fiscal year ending in September 30, 2016. As a result, the deficit rose to 3.2 percent of Gross Domestic Product, in line with the average over the past 40 years. The trade deficit of the United States increased to US$ 40.7 billion in August, according to data released by the Commerce Department. In July, the negative balance was US$ 39.5 billion. The annual projection is of a trade deficit of over US$ 500 billion. Why can twin deficits be considered exceptionalities, or anomalies? Because they should be, in principle, inflationary, reducing the productive costs inside the US and, as a result, favoring the cheapening of their exports, but in the long term the low growth had deflationary consequences. Because the other two competing forces within the “Triad” accepted the Bretton Woods rupture, but the struggle for hegemony has never been interrupted, as taught by the historical experience: competitiveness and cooperation in the international system of States are alternated with each other depending on the corelations of forces. The move from the European Common Market to the European Union was an effort to unify the capital, consumer and labor markets, as well as the legal unification that allowed the Euro to be launched had solid bases of competition with the dollar for the world hoarding dispute. The unbacked dollar issue, in other words, the dollar issue without convertibility to gold since 1972, when the unilateral breach of Nixon with the Bretton Woods agreement of 1944 that created the IMF, allowed monetary easing (the QE, or Quantitative Easing) during Obama’s two terms. The change in monetary standards is one of the most complex historical processes. The passage of the pound to the dollar was also slow.

    1. José Luís Fiori.  The Argentine prototype. “Argentina also experienced an extraordinary economic and social transformation between 1870 and 1920. It was its “golden age”, because, in 40 years, its territory more than tripled; its population multiplied by five; its rail network went from 500 to 31100 km; and its GDP grew at an average annual rate of about 6% (perhaps the largest in the world in that period), while its per capita income grew at an average rate of 3.8 percent. As a result, at the beginning of the 20th century, Argentina was among the seven richest countries in the world, and its per capita income was four times higher than that of Brazilians, and twice that of the United States (…) Around 64 % of its population worked in the  industry, commerce or services, and one third of the Argentines lived in Buenos Aires, a city with a high educational and cultural level. In other words, at the time of World War I, Argentina was the richest country on the Latin American continent and had all the conditions to become its hegemonic power, and perhaps, a world economic power”.  In: http://cartamaior.com.br/?/Coluna/O-prototipo-argentino/26851Consulted in Dec. 19, 2016.

    4 “Since the beginning of 1941, the United States was determined to cut the supply of Brazilian raw materials to the Axis. In order to do so, they signed a contract with Brazil to acquire all its strategic materials – bauxite, beryl, chromite, iron-nickel, industrial diamonds, manganese ore, mica, quartz crystals, rubber, titanium and zirconium. In these negotiations, special emphasis was given to rubber, a product that had become scarce after the Japanese advance in Southeast Asia”. http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos37-45/AGuerraNoBrasil/NegociacaoAlinhamento Consulted in Dec.19, 2016.

    5 No other South American country sent troops. Peru, Chile, Bolivia, Paraguay remained neutral until 1944. Argentina prioritized neutrality, too, and only broke diplomatic relations with the Axis powers in 1944, and the late declaration of war came only in April 1945.

    6 The Bretton Woods Conference was held in July 1944 in the USA, before the end of the war to draw up the regulation of the future of capitalism. Three organizations were born and one was redesigned at the Bretton Woods Conference: the International Bank for Reconstruction and Development (now the World Bank), the IMF (International Monetary Fund), and the WTO (World Trade Organization) formerly known as General Agreement on Tariffs and Trade. The fourth was the Basel BIS (Bank for International Settlements). It was in Bretton Woods that the dollar was established as the international reserve currency, with a fixed convertibility to gold.

    7 https://neccint.wordpress.com/legislacao-internaciona
    https://drive.google.com/file/d/0BwbnJ2EXfmcDNjQ3ZGUyNjUtMzJmNi00YzMyLThmOGItYjY4MTE2ODA4MTk2/view  Consulted in Dec. 19, 2016.

    8https://drive.google.com/file/d/0BwbnJ2EXfmcDYTRhOGZkOTctNjRhZC00MzliLTg0NDYtODBmNWY2MDY1ZDdm/view  Consulted in Dec. 19, 2016

    .

    9Brazil lost 1.51 million jobs with a formal contract in 2015, according to data from the Ministry of Labor. It is the worst result in 31 years, since 1985, when the survey was started . It is also the first time in 24 years that the country has cut vacancies with a formal contract. In 1992, 738,000 jobs had been closed. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/09/1813988-brasil-perdeu-15-milhao-de-vagas-com-carteira-assinada-em-2015-pior-marca-em-31-anos.shtmlConsulted in Dec. 13, 2016.

    10 In the Executive Power, 46.5% hold undergraduate degrees, 2.6% have had some specialization, 4.9% hold a master’s degree and 8.4% have completed their PhD, the portion of workers with the highest level of education.

    http://www.planejamento.gov.br/assuntos/gestao-publica/arquivos-e-publicacoes/BE Consulted in Dec. 13, 2016.

    11http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2016/04/16/internas_economia,527657/numero-de-servidores-municipais-cresce-37-em-10-anos.shtml Consulted in Dec. 13, 2016.

    12 http://www.ebc.com.br/noticias/2015/08/municipios-brasileiros-empregam-62-milhoes-de-servidores-publicos-diz-ibge Consulted in Dec. 13, 2016.

    13 Employment in industry has been falling for four years. It declined in 2012 (-1.4%), 2013 (-1.1%), 2014 (-3.2%) and 2015 (-6.2%). The decline in industry share in the GDP (Gross Domestic Product) confirms a relative deindustrialization dynamic. The share fell from 46.3% in 1989 to 26.5% of GDP in 2000. In the first half of 2015, it reached 21.9% of GDP. http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/02/1740663-emprego-industrial-cai-62-em-2015-aponta-ibge.shtml Consulted in Dec. 14, 2016.

    14 ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Trimestral/Fasciculos_Indicadores_IBGE/pnadc_201601_trimestre_caderno_20160519_113000.pdf Consulted in Dec. 13, 2016.

    15 According to IBGE, the unoccupied population in Brazil reached 11.8 million people in July, 2016. In the first seven months of 2016, the country lost 623 thousand formal jobs. As a result, unemployment in Brazil is the 7th largest in the world in terms of percentage, along with Italy.  http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/08/desemprego-no-brasil-e-o-7-maior-do-mundo-em-ranking-com-51-paises.html Consulted in Dec. 13, 2016.

    16 «One fifth of the world’s freshwater»Amazon. World Wide Fund for Nature. 6/8/2007. Consulted in Dec. 13, 2016.

    17 Daily oil production in the pre-salt increased from an average of approximately 41,000 barrels a day in 2010 to a level of 1 million barrels a day by mid-2016. The average pre-salt oil extraction cost has been gradually reduced over the last few years. It went from US$ 9.1 per barrel of oil equivalent (oil + gas) in 2014 to US$ 8.3 in 2015, and reached a value of less than US$ 8 per barrel in the first quarter of 2016. Between 2000 and 2010 , the proven reserves of Brazilian oil and natural gas rose 68.5%, according to data from the National Agency of Petroleum, Natural Gas and Biofuels (ANP). http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/areas-de-atuacao/exploracao-e-producao-de-petroleo-e-gas/pre-sal/ Consulted in Dec. 13, 2016.

    18 http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2013/07/08/brasil-e-o-4-maior-exportador-de-armas-do-mundo.htm

    19 https://www.embrapa.br/soja/cultivos/soja1/dados-economicos

    20 Patrick Galba made an important observation: “The rate of profits does not fall by the action of  PT (Workers’ Party) with its concessions, etc. It falls because of the capitals tendency in  underdevelopment conditions   to reproduceitself  in a quantitative way, with low productivity growth. As the Brazilian dependent capital was unable to develop societies productive forces (because it moves in search of appropriating of  anextraordinary or unexpected profit in the form of “monopolist” income of sectors where it has natural advantages in the world market context) now it needs to impose an increase in the surplus value through an “extra-economic” way, in other words, by means of the economic policy and the adjustment. Ways to facilitate a fall in average real wages, either direct or via the state fund. It is possible to affirm that in Brazil the profit rates fell. Why? Because in the last years  a movement of “reprimarization” of the economy is notorious. This movement is perceptible in the national accounts, in the balance of payments, that is, in all the statistics of the Brazilian economy as a whole. It increased the weight of activities related to agriculture, livestock, extractivism (mining and extraction of hydrocarbons), and even within the industry, of those sectors of intermediate goods (steel, basic refining, pulp and paper industry, etc.) and their services, which take advantage of some form of exceptional natural conditions. But these sectors have a peculiar characteristic: In general (except for the very rare exception of some branches of the oil industry) they are sectors where the composition of capital is lower than the average of the manufacturing industry,of  consumer goods and of “capital goods”(and their services). This, from the point of view of the productivity notion that exists in the marxist social theory, means that these are sectors where labor productivity is lower. Thus, it is possible to affirm that the growth of the last years (pre-crisis) was a “horizontal” growth, or a predominantly quantitative one, that is to say, it was a growth in which the work productivity stays stable, grows little (less than the international average, as an example) or even falls (which I think it  happened). In any case, it means that there was not enough productivity growth to compensate for the real wage movement. Which allows to conclude that the profits rate has dropped.

    21 The minimum wage, in May 2005, went from  R$ 260.00 to R$ 300.00. In January 2017 it will be R$ 945,80. http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html  – Consulted in Dec. 14, 2016.

    22 http://www.bndespar.com.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/revista/rev902.pdf Consulted in Dec. 14, 2016.

    23 https://www.beneficiossociais.caixa.gov.br/consulta/beneficio/04.01.00-00_00.asp Consulted in Dec. 14, 2016.

    24 Financial Inclusion Report. Brazilian Central Bank. “The percentage of Brazilian adults who have an account in financial institution, accounts that had balance and / or movement, reached 68.1% in 2014 (…) The strong evolution of real estate lending among families, which represents almost ⅓ of the National Financial System (SFN) credit in 2014, with a growth of 229% between 2010 and 2014”. https://www.bcb.gov.br/Nor/relincfin/RIF2015.pdf Consulted in Dec. 19, 2016.

    25  Brazil was the country that received the third largest volume of Foreign Direct Investment (FDI) in 2012 among the peripheral economies, a total of US$ 65 billion, behind only China (US$ 120 billion) and Hong Kong US$ 72 billion). This large volume of FDI in Brazil covered the current account deficit in the same year, which reached US$ 54.2 billion, equivalent to 2.4% of GDP (Gross Domestic Product). This volume of FDI, around US$ 60 billion, was stable during the two previous and subsequent years http://desacato.info/investimento-externo-direto-e-desnacionalizacao-da-economia-brasileira/ Consulted in Dec. 19, 2016.

     

    26 IPEA[5] conjuncture letter: Technical Note Reassessing the external  vulnerability of Brazilian economy, indicators and simulations. July / September 2016.    http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=28349 Consulted in Dec. 12, 2016.

    27 Fernando José da S. P. Ribeiro in IPEA conjuncture letter: Technical Note Reassessing the external  vulnerability of Brazilian economy, indicators and simulations. July / September 2016.  IBID.

    28 It is not known what the volume of Brazilian assets in tax havens is (offshore). It is speculated that they can be more than a staggering US$ 500 billion, something impressive, accounting for 25 percent of GDP. At the first amnesty US$ 50 billion paid taxes and returned. A second round of amnesty was announced for 2017. The bulk of Brazilian capital abroad does not control productive activities. http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/512156-a-desnacionalizacao-da-economia-brasileira-entrevista-especial-com-adriano-benayon- Consulted in Dec.19, 2016.

    29 “Brazilians spent US$ 1 billion on buying real estate in Florida between July 2010 and June 2016, according to the US National Association of Realtors. The volume of funds was the same of the previous 12 months, but it involved a much larger number of purchases because of the falling prices of real estates in the United States in 2015. The volume of transactions grew 30% in the period, from 5.7 thousand purchase contracts to 7,4 thousand”.  http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2015/05/25/venda-de-imoveis-na-florida-para-brasileiros-mantem-ritmo-com-dolar-alto.htm Consulted in Dec.19, 2016.

    30  Interview to Martin Wolff. “The biggest economic challenge that Brazil faces is to increase the national savings rate, now below 20% of Gross Domestic Product, to over 30% (…) If the impoverished China was able to achieve a national savings rate of around 35 % of the GDP, then Brazil surely can do it too”.     http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/09/100924_desenvolvimento_martin_wolf_rw.shtml Consulted in Dec.19, 2016.

    31http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/161208_cc33_setor_externo.pdf     Consulted in Dec.12, 2016.

    32http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/161201_cc32_nt_simulacoes_trajetoria_divida_bruta_governo_federal.pdf Consulted in Dec.12, 2016

    33 http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/10/divida-publica-sobe-em-setembro-e-atinge-patamar-inedito-de-r-3-trilhoes.html Consulted in Dec.12, 2016

    34 According to technicians from the Inter-Union Department of Statistics and Socioeconomic Studies (DIEESE), 2004 and 2012, 1,296 companies were transferred to foreign companies’ control. One particularly serious aspect is the issue of remittances from multinationals to abroad. Profit remittances to transnational corporations headquarters (many of them state-owned) amounted to US$ 410 billion between 2003 and 2012.     http://desacato.info/investimento-externo-direto-e-desnacionalizacao-da-economia-brasileira/

    Consulted in Dec.19, 2016.

    35 Reinaldo Gonçalves. National-developmentalism on the inside-out side. Published in 2011. “Denationalization is evidenced in the case of the 50 largest companies that constitute the “core”of capitalism in Brazil. In this group there are 26 foreign companies. The sales share of these 26 foreign companies in the total sales of the 50 companies of the central nucleus is 40.0% in 2002, 38.4% in 2005-06 and 41.9% in 2009-10 (Table 4, col. 7). The increase between 2003 and 2010 is due to the fall in the relative participation of state-owned companies, since private domestic companies maintain their relatively stable participation (25%) in the period under review. In addition, the sales share of the 26 foreign companies of the central nucleus in the total sales value of the 500 largest companies increases from 17.6% in 2002 to 20.3% in 2010”.

    36 Reinaldo Gonçalves. National-developmentalism on the inside-out side.“The manufacturing industry participation in the Brazilian GDP is reduced from 18% in 2002 to 16% in 2010 (IEDI[6], 2011). The average annual growth rate of the real GDP is 4.0% in the 2003-10 period. In this period, the real growth rate of the added value of mining is 5.5%, of the agriculture and livestock sector is 3.2% and of the manufacturing industry is 2.7%”. http://www.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area4/area4-artigo19.pdf          Consulted in Dec.19, 2016.

    37 Cesar Benjamim. The deindustrialization of Brazil. “In 1986 the industry accounted for 36% of our GDP. Today it represents 14%, a percentage similar to that of the first half of the 1940s decade ( …)  Here, deindustrialization is premature, as it occurs in the context of a slowdown in the growth and before we reach high per capita income. We did not generate a prosperous services and  knowledge-intensive economy. To absorb the manpower that the industry does not employ anymore, expanded low-productivity services are expanded, often inserted in the informal economy, offering low salaries”.   http://www.contrapontoeditora.com.br/arquivos/artigos/201509301532320.BoletimConjunturaBrasil2.pdf Consulted in Dec.19, 2016.

    [1]Estado Novo, or Third Brazilian Republic, was the Brazilian political regime founded by Getúlio Vargas on November 10, 1937, which lasted until October 29, 1945. It was characterized by the centralization of power, nationalism, anti-communism, and its authoritarianism. It is part of the period of Brazil history known as ‘Era Vargas’. In:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_Novo_(Brasil)

     

    [2]IBGE – Brazilian Institute of Geography and Statistics, a public organization responsible for the collection and management of Brazilian data and statistics.

    [3]BolsaFamília (Family Allowance Ticket)- It is a direct income transfer program from the Federal Government aimed at families living in poverty and extreme poverty throughout the country, so that they can overcome the situation of vulnerability and poverty.  In: www.caixa.gov.br/programas-sociais/bolsa-familia/Paginas/default.aspx

    [4] PEC – Constitutional Amendment Project, which may represent an addition or modification to the original text of the Constitution of the Higher Law, without being affected its basic principles.In: direitosbrasil.com/peca-o-que-e-e-como-funciona/

     

    [5] IPEA – The Institute of Applied Economic Research (Ipea) is a federal public foundation linked to the Ministry of Planning, Development, and Management. Its research activities provide technical and institutional support to government actions for the formulation and reformulation of public policies and development programs in Brazil.

    [6] IEDI – Institute of Studies for Industrial Development

  • Sobre a réplica de Alejandro Iturbe em nome da LIT/CI

    Por: Valerio Arcary, colunista do Esquerda Online

    Três breves comentários sobre o último artigo de Alejandro Iturbe:

    1. Iturbe conseguiu desenvolver uma argumentação prisioneira de uma contradição lógica. Segundo Iturbe o imperialismo estaria em posição defensiva, mas, paradoxalmente, a recolonização do mundo avançou. Em suas palavras: ainda mais importante: desde a derrota do projeto Bush no Iraque e no Afeganistão (e na própria Venezuela em 2002), o imperialismo enfrenta uma correlação de forças desfavorável com o movimento de massas no mundo (…) Essa categoria de “países independentes” está em extinção (se é que já não se extinguiu). Vários processos se combinam para isso: por um lado, o processo de recolonização levado adiante pelo imperialismo há décadas”. 

    Se não encontramos mais governos independentes, a única conclusão possível é que a dominação imperialista no sistema internacional de Estados estaria mais sólida. Todavia, se está menos instável, o imperialismo não estaria em posição mais desfavorável. Mas como para Iturbe, por outros critérios, nem sequer a China, a Rússia ou Cuba têm governos, relativamente, independentes, e a Venezuela, então, nem pensar, o problema se mantém intacto. O problema resulta do fato de que Iturbe tem dificuldade em admitir que a análise da relação social de forças entre as classes, ou seja, entre revolução e contrarrevolução à escala internacional, e a relação política de forças entre Estados são dois níveis diferentes de análise. Embora se articulem, estão em patamares de abstração distintos, e entre eles existem muitas mediações.

    Acontece que um mínimo de coerência é incontornável. Se a ordem imperialista, depois da guerra do Afeganistão e da guerra do Iraque, está na defensiva, então a sua dominação ficou mais instável. Logo a existência de governos, relativamente, independentes deveria ser não somente possível, mas até mais provável. Estou de acordo com a conclusão que Bush fracassou em seus planos para o Afeganistão e Iraque. Essa é, aliás, uma das premissas que explicam o fortalecimento, relativo, de Moscou e Beijing.

    Mas a conclusão inescapável da análise é que “ou é uma, ou é outra”. As duas não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. Não há “super dialética” que salve esta análise. Evidentemente, a realidade tem mais mediações. Na verdade, o que caracteriza a etapa histórica desde a restauração capitalista, um intervalo que já completou quase trinta anos, é que não aconteceu desde 1989/91 mais nenhuma revolução social anticapitalista. Somente revoluções políticas se precipitaram. E a onda de revoluções democráticas no mundo de língua árabe foi derrotada.

    A etapa tem sido, até agora, globalmente, defensiva. Mas isso não impediu que, como expressão da onda revolucionária na América do Sul, aberta em 2000 e encerrada em 2005, tenha surgido em Caracas, um governo, relativamente, independente. Só que como resultado da evolução desfavorável da situação no continente, especialmente, depois do golpe institucional no Brasil, agora a ofensiva imperialista quer se livrar de Maduro.

    1. Iturbe me acusa de campismo. Campismo deve ser compreendido como uma crítica séria entre marxistas. Porque o campismo sacrifica a independência política de classe pela adesão seguidista de um campo político burguês. Em suas palavras: o problema é que o esquema “campo progressivo versus campo reacionário” que Valerio e o MAIS adotaram os coloca em um beco sem saída”. Acontece que se o marxismo considera que se os campos de classe são o principal antagonismo das sociedades contemporâneas, nunca o marxismo afirmou que são os únicos. Existem situações em que luta de classes se manifesta e concretiza na luta entre nação oprimida e imperialismo, ou entre ditadura e democracia, por exemplo. Essa, aliás, é um dos centros de nossas diferenças.

    Defendi que se trata de um conflito entre um governo, relativamente, independente e o projeto de recolonização encabeçado pelo MUD, a oposição burguesa, que é a direção incontestável das mobilizações de rua. Em artigo anterior afirmei somente que a ofensiva da maioria da burguesia venezuelana, com o apoio agressivo de Trump, que já ameaçou o possível envio de tropas, era reacionária. Afirmei que se abriu uma conjuntura em que a tática do MUD de confrontos crescentes nas ruas era precipitar uma divisão das Forças Armadas. Argumentei que esse giro era golpista. Que a tática correta ”Nem Maduro, nem MUD” tinha um prazo de validade. Do que se deveria concluir que, diante da iminência de perigo de um golpe, a palavra de ordem “Fora Maduro” era errada. Porque não existiam condições objetivas para que Maduro fosse deslocado pela esquerda. Logo, a oposição de esquerda não deveria fazer unidade de ação com a oposição de direita. Deveria fazer unidade de ação contra a ameaça de golpe da oposição de direita. A analogia com o Brasil em 2016 era evidente. Portanto, para serem coerentes, Iturbe e o PSTU deveriam se autocriticar porque sua posição diante do impeachment de Dilma foi abstenção.

    Acontece que para Iturbe se trata de uma luta pela revolução democrática contra uma ditadura. Compreendo a escolha política, embora discorde. Mas não entendo a crítica de método. Porque a crítica teórica de campismo, neste contexto, não faz sentido. Na formulação de Iturbe existem, também, dois campos policlassistas. Ou não existem? E, aliás, ele defende o campo em que está a maioria da burguesia. Iturbe se viu obrigado, inclusive, a ter que admitir que a declaração explícita de Trump sob uma possível intervenção militar merecia ser, seriamente, considerada. E se viesse a se concretizar mudaria tudo, e obrigaria a unidade ação não mais com o MUD, mas com Maduro. Agregou que era uma pressão para exigir uma rendição de Maduro através da convocação antecipada de eleições, o que é, também, parte da realidade. Sobre essa dualidade, ameaça de guerra para arrancar uma rendição não temos diferença na análise. Temos diferença em como caracterizar o que são os golpes nesta etapa da luta de luta de classes.

     

    1. Não fosse tudo isso uma “enormidade” suficiente, Iturbe resolveu voltar ao tema de que não houve mudança desfavorável na relação social de forças entre as classes no Brasil. Em suas palavras: a Venezuela hoje não tem nada a ver com o que aconteceu no Brasil no ano passado. Não vamos reiterar aqui os debates que fizemos contra a tese do golpe que o PT inventou (e que “comprou” grande parte da esquerda brasileira). Apenas diremos que no Brasil havia um regime democrático-burguês e que, depois da destituição de Dilma e da posse de Temer, esse regime continua intacto”. .Portanto, não aconteceu um golpe institucional, porque não houve mudança de regime. Iturbe recusa aceitar que na atual etapa os golpes pró-imperialistas não precisam ser feitos com tanques nas ruas para impor ditaduras, porque, infelizmente, não há perigo de revolução social.

    Mas isso não autoriza concluir que golpes não aconteceram no Paraguai e no Brasil para derrubar governos. O governo Temer não é igual o governo Dilma Rousseff. Simplificar a análise com a fórmula semianarquista de que todos os governos burgueses são, igualmente, reacionários não é digno de marxistas. Marxistas calibram as análises, estudam as mudanças nas relações sociais de força, enxergam as diferenças entre as deferentes frações da classe dominante, distinguem distintos projetos burgueses. A terrível ofensiva de Temer está aí devastando a vida de dezenas de milhões. Choque fiscal, reforma trabalhista que destrói direitos inscritos na CLT por décadas, ameaça de reforma da Previdência com introdução da idade mínima, planos de dezenas de privatizações, etc.

    Este escapismo político deixa Iturbe com as mãos limpas para se poupar de uma explicação de quais seriam as consequências de uma vitória “democrática” na Venezuela. Evidentemente, no contexto atual, não teria outro desenlace senão um governo do MUD que seria, comparativamente, muito pior do que o governo Temer. E não fosse isso ainda o bastante, Iturbe nos presenteia com a ideia extravagante de que a Venezuela sob o governo Maduro merece ser comparada com a ditadura militar argentina sob Videla/Bignone. Se esta não é uma analogia histórica incrível não sei o que esperar da imaginação de Iturbe.

    Por último, Iturbe denuncia, corretamente, o método dos amálgamas nos primeiros parágrafos de seu artigo anterior. Amálgama é o método de atribuir aos outros posições que não são as suas. Não se pode distorcer o que os outros pensam. Não se pode exagerar o que os outros dizem, porque exagerar é o mesmo que falsificar. Foi uma especialidade do estalinismo: aqueles que faziam críticas ao regime ou à política de Moscou eram associados ao imperialismo, etc. Trata-se de misturar “alhos e bugalhos”. Trata-se de uma desonestidade intelectual para “ganhar” mais facilmente uma discussão. Trata-se de uma técnica polêmica de manipulação.

    Acontece que, paradoxalmente, Iturbe recorre ao método dos amálgamas nos últimos parágrafos deste artigo: Ao definir sua localização no ‘campo político-militar’ do governo Maduro e do regime chavista, Valerio Arcary e o MAIS tornam-se cúmplices desta repressão e do golpe em curso. Fazem o mesmo que as correntes que defendem o regime de Assad na Síria. Um papel muito triste para um dirigente e uma organização cujos membros eram, até recentemente, militantes revolucionários”

    Nesta frase temos dois problemas. Primeiro, Iturbe volta a denunciar que o MAIS seria responsável, por cumplicidade, da repressão do governo Maduro. Inclusive a repressão contra as organizações proletárias e populares. Isto é um amálgama. Vou evitar adjetivar este tipo de amálgama. Simplesmente esclarecer, se não ficou claro, que não apoiamos, politicamente, o governo Maduro. Fomos a favor da unidade ação contra a ameaça de golpe. Não apoiamos a repressão. Concluir que apoiamos a repressão porque consideramos reacionárias as mobilizações do MUD para derrubar Maduro é uma conclusão falsa, e só serve para envenenar nossas relações. Podemos nos poupar destes excessos retóricos.

    Segundo, descobrimos que fomos revolucionários enquanto concordávamos com Iturbe, a LIT/CI e o PSTU. O dia que deixamos de concordar, deixamos de ser. Essa maneira de julgar os outros diz mais sobre Iturbe do que sobre nós.

    Foto: Governo da Venezuela

  • São, ou não, possíveis governos relativamente independentes do imperialismo na atual ordem mundial?

    Por: Valerio Arcary, colunista do Esquerda Online

    A questão dos países independentes está cada vez mais na ordem do dia. Por um lado, porque o ascenso revolucionário permitiu a um grande número de países conquistar sua independência política. E também porque a contraofensiva imperialista coloca a necessidade premente de defender esses países contra a agressão, mantendo ao mesmo tempo a defesa da bandeira da classe trabalhadora e do socialismo. Foi um acerto das Teses do Segundo Congresso do LIT-CI, ter definido a Nicarágua, a Líbia, Angola e outros como países independentes. Estamos voltando a uma antiga classificação ou definição da era leninista, perdida há décadas pelo movimento marxista e trotskista … O trotskismo tem como uma das marcas de nascença a defesa desta definição da luta colonial como parte da revolução socialista nacional e internacional. Mas, de tanto colocar a ênfase no caráter socialista da revolução colonial, o movimento trotskista deixou de lado durante décadas outras definições de luta antiimperialista, incluindo a definição leninista de países independentes. Existem países, politicamente, independentes, como evidenciado pelo fato de que o imperialismo os ataca. Se eles fossem dependentes os EUA não iniciariam, obviamente, campanhas de agressão, como as sofridas pela Líbia, Angola, Nicarágua, etc.[1] (tradução nossa)

     Nahuel Moreno

    Um país pode se localizar como uma semicolonia no mercado mundial e ter, simultaneamente, um governo relativamente independente dentro da ordem imperialista? A resposta remete à compreensão de que são níveis diferentes de análise. O lugar de um país no sistema internacional de Estados não tem plena correspondência com o papel que ele ocupa na divisão internacional do trabalho. Os dois conceitos são contraditórios? Sim, são conflitantes, mas não incompatíveis. Ou avança a dinâmica de autonomização política e diminui a dependência econômica ou, inversamente, se acentua a recolonização.

    Em uma análise marxista não basta identificar a existência de governos independentes. É necessário interpretar a sua dinâmica de evolução. Parece incontestável que a realidade econômica e social da Venezuela é de decadência acelerada. Mas parece, também, incontroverso que o governo resiste à crescente radicalização da oposição burguesa e à pressão imperialista. Por enquanto, a tendência de declínio ou até degradação do chavismo, que procura, seriamente, canais de negociação, não foi suficiente para precipitar uma completa capitulação.

    Toda caracterização político-social deve ser uma síntese que tenta capturar elementos comuns entre fenômenos diferentes. Conceitos são necessários porque precisamos de abstrações para encontrar qualidades comuns em fenômenos, quantitativamente, diversos. Os Estados na periferia do capitalismo são Estados capitalistas, mas existem muitos tipos diferentes de inserção, seja no mercado mundial, seja no sistema internacional de Estados. O mundo não se divide somente entre Estados imperialistas ou países centrais, e Estados dependentes e países semicoloniais. Existem localizações intermediárias, situações transitórias, formas mediadas.

    Eliminar da análise estas formas transitórias é uma simplificação catastrofista, e tem consequências para a estratégia e tática. Reconhecer que um governo mantém um posicionamento, relativamente, independente diante da ordem imperialista, não diminui a caracterização de que se trata de um governo burguês, à frente de um regime bonapartista e gerindo um Estado capitalista. A sua relativa independência é progressiva diante do imperialismo, mas não diante dos interesses dos trabalhadores. Diante dos trabalhadores um governo burguês é sempre reacionário. Se estiver sendo deslocado pela burguesia e pela pressão do imperialismo sua queda é reacionária. Se estiver sendo derrubado pela mobilização independente dos trabalhadores sua queda é progressiva. Quais são as forças político-sociais que estão tentando derrubar o governo Maduro?

    Não há razões para duvidar que aconteceu um giro radical da política da oposição de direita venezuelana, há dois meses atrás, com a convocação de atos de massas para tentar derrubar o governo. O impacto desses atos provocaram divisões no chavismo, e parecia iminente uma divisão nas próprias Forças Armadas, abrindo a possibilidade de uma queda do governo, ou até mesmo de uma guerra civil. No auge do conflito, Trump fez uma declaração insólita. Pela primeira vez, nos últimos trinta e cinco anos, desde a invasão de Granada pelos EUA, e do apoio dado por Reagan ao exército mercenário dos contras na Nicarágua, um presidente dos EUA ameaçou intervir, se necessário, militarmente, em um país latino-americano.

    Não compreender que esta declaração tinha como objetivo estimular uma ala das Forças Armadas para que se decidisse a uma ação contra o governo Maduro seria obtuso. Nestas circunstâncias, diminuir o perigo real e iminente da precipitação de um golpe parece pouco responsável. Não nos posicionamos diante de um golpe somente depois que ele se realizou. A capacidade de antecipação das iniciativas dos inimigos é um dos beabás da luta política. A sugestão de que isso se explica porque a Venezuela possui um governo, relativamente, independente parece, portanto, adequada.

    Se esta classificação não é apropriada para a caracterização do governo de Maduro na Venezuela, qual seria a explicação para a virulência dos EUA, em apoio à maioria da burguesia venezuelana?

    A única alternativa coerente é considerar que se trata de uma reação a um autogolpe de Maduro que transformou o regime bonapartista em uma ditadura militar. E que o apoio às mobilizações de massas dirigidas pelo MUD, independente da natureza social da direção, porque têm apoio em setores populares, e se dirige contra uma ditadura, seria progressiva. Nesse esquema teórico estaria em curso na Venezuela a luta por uma revolução democrática.

    Os exageros nesta linha de análise são evidentes. O regime chavista na Venezuela é bonapartista, é autoritário, desrespeita liberdades democráticas, tanto da oposição burguesa, quanto da oposição de esquerda, mas não é uma ditadura militar. A oposição burguesa mantém o controle de boa parte dos meios de comunicação, mantém o direito de manifestação, etc. Acontece que calibrar as análises é sempre o mais difícil. O maior perigo é exagerar o peso de um dos fatores, diminuir o de outros, ou seja, distorcer a análise para se chegar a conclusões que são funcionais para justificar uma política.

    Se o regime na Venezuela fosse uma ditadura militar, as mobilizações lideradas pelo MUD seriam, portanto, algo comparável com as mobilizações pelas Diretas em 1984 no Brasil já que, afinal, indiscutivelmente, estas foram dirigidas por uma fração burguesa, tendo à frente o MDB. Uma possível queda do regime chavista mereceria ser comparada com a queda das ditaduras militares no Brasil, Argentina, Uruguai nos anos oitenta? Portanto, se o governo Maduro viesse a cair, neste momento, sob a direção do MUD, seria o resultado de uma revolução democrática? Seria progressivo? Estaria sendo derrubado por quais forças político-sociais? Quem tomaria o poder?

    Analogias históricas podem ser perigosas, porque há o perigo abusivo de comparar o incomparável. Não obstante, são indispensáveis para que um debate teórico possa ser claro. Na Síria, em função do impacto de uma onda revolucionária regional que deslocou ditaduras na Tunísia, derrubou o governo de Mubarak no Egito, e se estendeu pelo Oriente Médio de cultura árabe, abriu-se uma situação revolucionária. A comparação da situação na Venezuela com a Síria, todavia, é abusiva. Nem o regime chavista é uma ditadura militar, nem a natureza do levante popular na Síria pode ser comparada com as mobilizações dirigidas pelo MUD. Qual é natureza do regime político e qual é o caráter da direção da oposição são fatores chaves na análise. Na Síria estava em curso uma autêntica revolução democrática e popular contra uma ditadura que precipitou uma guerra civil. Infelizmente, esta onda revolucionária regional foi derrotada.

    O paralelo que corresponde não é com a Síria, mas com o que aconteceu no Brasil em 2016. Na verdade, é inescapável. Se era e permanece necessário agitar Fora Maduro, neste momento, ao lado do MUD, mas pela esquerda, para disputar a direção do mal estar social contra o chavismo, não teria sido, igualmente, correto apoiar o Fora Dilma, em vez da forma mais elíptica do Fora Todos? Teria sido correto, inclusive, participar, ainda que com colunas próprias, sob bandeiras independentes, das manifestações de massas dos “amarelinhos” que, desde 2015, alcançaram a dimensão de centenas de milhares na ruas? Teria sido correto, portanto, apoiar o impeachment de Dilma Rousseff? A queda de Dilma, derrubada pela oposição burguesa, foi progressiva? Se foi progressiva, como explicar a ofensiva de ajuste fiscal do governo Temer contra os trabalhadores? A queda de Dilma aumentou ou diminuiu a confiança da burguesia nas suas próprias forças? Abriu ou não o caminho para contrarreformas reacionárias?

    Elaborações teóricas devem ser processos lentos. Verificar se um conceito é útil exige considerar muitos exemplos históricos para descobrir se há um denominador comum. Generalizações, embora indispensáveis, são sempre perigosas. Há muitos riscos envolvidos, sendo o mais comum a simples banalidade. Um bom critério de método deve ser, portanto, verificar a necessidade ou não do conceito. “Descobrir a pólvora”, pela enésima vez, pode ser inofensivo, mas é ridículo. A procura de uma ideia em grau de abstração mais alto é legítima quando ajuda a oferecer clareza. Avançamos por aproximações sucessivas. O conceito de governos ou Estados independentes está “em construção”.

    Quando apresentei a sugestão desta caracterização estava me inspirando na elaboração exploratória de Nahuel Moreno de Abril de 1986. Digo exploratória porque foi uma intervenção oral, portanto, embrionária, que ele recuperava do “esquecimento”, e Moreno não pode desenvolvê-la. Disse que estava me inspirando, porque Moreno usou o conceito de países independentes, e eu escrevi governos independentes. Não se trata do mesmo. Podia ter escrito, talvez, Estados. Governos são, por definição, transitórios.

    Em minha opinião, o que nos ajuda a definir o lugar dos países no mercado mundial é um modelo teórico mais complexo, portanto, menos “transitório” que a política de um governo. Trata-se de uma análise em outro nível de abstração. O lugar de um país remete, por exemplo:

    (a) sua inserção histórica na etapa anterior, ou seja, se foi uma metrópole imperialista ou independente, colônia, semicolônia, protetorado, enclave;
    (b) a dimensão de sua economia. Ou seja, os estoques de capital acumulado, os níveis de produtividade. a capacidade de ter soberania monetária, os recursos naturais – como o território, as reservas de terras, os recursos minerais, a autossuficiência energética, alimentar, etc. – e humanos – entre estes, sua força demográfica e o estágio cultural da nação – assim como a dinâmica de desenvolvimento da indústria, ou seja, sua posição na divisão internacional do trabalho e no mercado mundial;
    (c) a capacidade de cada Estado em manter a sua independência e o controle de suas áreas de influência. Ou seja, sua força militar de dissuasão, que depende não só do domínio da técnica militar ou da qualidade das suas Forças Armadas, mas do maior ou menor grau de coesão social da sociedade, portanto, da capacidade política do Estado de convencer a maioria do povo, se for incontornável, da necessidade da guerra;
    (d) as alianças de longa duração dos Estados uns com os outros, que se concretizam em Tratados e Acordos de colaboração, e a relação de forças que resultam dos blocos formais e informais de que fazem parte, ou seja, sua rede de coalizão.

    Apoiado neste modelo, relativamente, simples, não parece haver razões para duvidar que a Venezuela seja uma semicolonia econômica, na esfera direta da influência norte-americana. Durante os quase vinte anos no poder de governos sob a liderança do chavismo este estatuto não foi alterado. Mas a questão teórica não fica resolvida com esta caracterização. Porque algo precisa explicar porque a ordem imperialista mundial, com o governo de Washington à cabeça, ameaça com intervenções cada vez mais ameaçadoras contra o governo da Venezuela.

             Em resumo, quais devem ser os critérios para definir se uma mobilização social é progressiva ou reacionária? Sugerimos quatro:

    (a)   O primeiro critério deve avaliar as mobilizações pelas tarefas que elas se colocam, ou seja, o conteúdo histórico-social do programa que motiva a mobilização.

    (b)    O segundo critério é pelo sujeito social, ou seja, pelas classes e frações de classe, ou melhor, pelo bloco de classes que se mobilizaram e uniram para realizá-las.

    (c)    O terceiro critério deve ser uma avaliação da direção política das manifestações, o sujeito político.

    (d)   O último critério são resultados. Quais foram as suas consequências?

    Portanto, as mobilizações no Brasil em 2015/16 contra o governo Dilma Rousseff, e na Venezuela de 2017, para derrubar Maduro, foram e são reacionárias.

     

     


    [1] MORENO, Nahuel. Los países independientes son estados burgueses in

    Intervenciones en el CEI de Abril de 1986. Disponível em: http://www.geocities.ws/moreno_nahuel/49_nm.html%23_Toc536853247 

    Consulta em 20/08/2017.

    Foto: 14/08/2017- Venezuela- O líder venezuelano, Nicolás Maduro, discursa no evento “Fora da América Latina, Trump” em Caracas. Diante de milhares de pessoas que participaram de um ato cujo lema foi “Fora da América Latina, Trump”, Maduro anunciou o treinamento, que chamou de “Exercício Soberania Bolivariana 2017”, para 26 e 27 de agosto. Imagem: Governo da Venezuela

  • Uma crítica do obreirismo

    O revolucionário russo não deve(ria) ter por ideal o secretário do sindicato, mas o tribuno popular, que sabe reagir contra toda manifestação de arbitrariedade e de opressão, onde quer que se produza, qualquer que seja a classe ou camada social atingida, que sabe generalizar todos os fatos para compor um quadro completo da violência policial e da exploração capitalista, que sabe aproveitar a menor ocasião para expor diante de todos suas convicções socialistas e suas reivindicações democráticas, para explicar a todos e a cada um o alcance histórico da luta emancipadora do proletariado. Lenin (1)

    Por Valério Arcary, colunista do Esquerda Online

    Marx fez questão de escrever com todas as letras no Manifesto Comunista de 1848, um documento programático elaborado para a Liga dos Justos, que a emancipação dos trabalhadores seria obra dos próprios trabalhadores. Existem duas ideias poderosas e indivisíveis nesta palavra de ordem. A primeira é a ideia de emancipação. Para emancipar-se é necessário tornar-se livre. Para tornarmo-nos livres precisamos ser independentes. Ser independente significa agir de acordo com os seus próprios interesses, e não os de outros. A segunda ideia é que nada, nem ninguém pode substituir os trabalhadores como sujeitos de sua própria libertação. Quando elaboradas estas ideias eram somente uma aposta estratégica. Mas podemos dizer hoje que elas passaram a prova da história.

    Estas ideias não autorizam, contudo, qualquer idealização da classe operária. Não autenticam qualquer romantização do que defendem líderes sindicais somente porque são de origem operária. Não legitimam a conclusão de que o lugar dos intelectuais na direção de organizações socialistas deveria ser marginal. A epígrafe com a citação de Lenin não deixa margens para a dúvida sobre o que ele entendia como sendo o papel dos revolucionários.

    Recordemos que a Liga dos Justos era uma organização operária, mas Marx era um intelectual com origem na classe média, e Engels era um intelectual com origem burguesa. Determinismo sociológico obreirista é, portanto, mal conselheiro. O obreirismo se manifesta em parcelas do movimento sindical no Brasil como desconfiança, hostilidade, ou até fobia pela presença de intelectuais na liderança de organizações de trabalhadores. No entanto, nem sequer a direção do bolchevismo em 1917, uma inspiração para os marxistas revolucionários do século XXI, tinha maioria operária(2).

    É verdade que o conceito “obreirismo” permite diferentes leituras. Mas prevalecem, frequentemente, aquelas que se inspiram na ideia de que a autenticidade ou popularidade seriam critérios supremos, em função de pressões sindicalistas mais estreitas. Ter popularidade não significa ter razão.

    Em certa dimensão, o marxismo sempre foi obreirista. Porque ser marxista sempre significou unir o sentido da luta pelo socialismo ao destino da luta do proletariado. O marxismo afirma que o proletariado é uma classe que sofre a dominação em todos os terrenos(3). Em poucas palavras: explorada economicamente, oprimida culturalmente, e politicamente dominada. Brutalizada, alienada e resignada pela exploração, pela opressão e pela dominação. Porque é despojada de presente a classe trabalhadora é portadora da esperança de futuro, porque é aquela que tem tudo a ganhar com a derrota do capitalismo.

    Diferente da burguesia no interior da sociedade feudal, que podia construir a sua subjetividade a partir do material humano destilado de suas próprias forças, as organizações dos trabalhadores, sob o capitalismo, não devem prescindir da capacidade de atrair intelectuais de outras camadas da sociedade para a sua causa.

    Seria, é claro, superficial ignorar que um fenômeno semelhante a esse, também, ocorreu na transição do feudalismo para o capitalismo. Ao longo dos quase quatro séculos da transição burguesa não foram poucos os “trânsfugas” da nobreza que se uniram à causa revolucionária burguesa. Essa capacidade de polarização das classes revolucionárias, em cada época, revela, portanto, mais da sua força do que da sua fraqueza.

    Pode parecer um paradoxo ou “ex-abrupto” afirmar que a presença de alguns intelectuais à frente da maioria dos partidos operários ou movimentos camponeses, traduz mais da sua força do que da sua fraqueza, mas não é. A força de atração de uma classe explorada se expresse, também, na sua capacidade de atrair para a sua causa os quadros intelectuais mais sensíveis e abnegados que rompem, ideologicamente, com sua classe de origem.

    Evidentemente, tão perigoso quanto o obreirismo são os excessos do intelectualismo. Uma organização socialista não pode ser uma confraria acadêmica, um clube literário, ou um círculo de discussão de ideias. Uma organização marxista revolucionária deve ser uma ferramenta de luta contra o capitalismo. Só pode se construir inserida no movimento prático da experiência de organização dos trabalhadores, da juventude, dos negros, das mulheres, dos LGBT’s, e de todos os oprimidos.

    A caracterização de classe de um partido não pode ser feita, portanto, exagerando a importância da natureza social de sua direção. Deve se buscar coerência social entre o programa e a direção de uma organização de trabalhadores, claro. Esse é um dos fatores que ajuda a compreender a dinâmica das organizações políticas, mas está longe de ser a determinação fundamental. Outros elementos são, na verdade, fundamentais: a composição social do conjunto desses partidos, o seu programa, a sua gênese histórica e dinâmica, a sua localização política, seu financiamento, suas relações internacionais.

    A questão da relação das classes com as suas representações políticas, portanto, não é simples. O marxismo, como se sabe, considera que os partidos expressam, em última análise, interesses de classe, mas não se deve concluir que essa relação seja harmoniosa. Esta mediação do “em última análise” não deve ser descartada com ligeireza. Existem os erros, os desencontros, os conflitos: afinal as classes não são homogêneas. Esta “discordância dos tempos” entre as classes, suas camadas e frações internas, e os vários partidos que pretendem ser seus porta-vozes, define o ritmo da política. Esse ritmo tem os seus tempos: eles se definem na luta de classes.

    Mas, se o tempo é a medida da história – um tempo histórico que não se confunde com o tempo linear e homogêneo da física, nem com o tempo mágico e escatológico da religião – mais importante é que ele é também uma expressão de uma relação social em movimento que lhe atribui valor e sentido. Entre os inúmeros conflitos que dilaceram a sociedade, o marxismo elege as contradições de classe como a determinação fundamental. Sendo a mais importante, não é, contudo, a única.

    Não existe uma correspondência perfeita e “despoluída” pó sem “ruído” entre os movimentos profundos e lentos da economia e os interesses em conflito.

    Por outro lado, a apreensão pelas classes desses interesses, conduz às mais diversas conclusões, e em ritmos desiguais. Tampouco existe, portanto, uma “correspondência perfeita”, entre o estado de ânimo das classes, e as iniciativas de suas direções. Esse é um dos “movimentos oscilantes” da política, das organizações e partidos que procuram expressar e traduzir a defesa desses interesses. Existe na política, que é sempre uma urgência de resposta ao presente, um desencontro, uma não correspondência, um desencontro, uma distância, um conflito mesmo entre a “forma partido” e suas bases sociais.

    O que nos coloca o problema da deserção. Muitos ativistas foram, são e serão cooptados pelas diferentes burocracias e aparelhos que a burguesia estimula direta ou indiretamente para bloquear a luta dos trabalhadores: essa é uma das desvantagens comparativas que uma classe explorada tem que enfrentar na construção de sua representação. Mas não há fundamento algum que permita concluir que as deserções serão mais numerosas entre os intelectuais do que entre os proletários. As pressões sociais inimigas se abatem, indistintamente, sobre todos.

    As relações da classe trabalhadora com a sua vanguarda, os elementos mais ativos ou mais determinados que nascem, espontaneamente, em cada luta e se colocam na primeira linha da defesa dos interesses da maioria, não são simples. Cada classe ou fração de classe explorada ou oprimida gera na luta de classes um setor mais avançado e determinado, mais disposto ao sacrifício. São os mais inteligentes ou mais altruístas que surgem como lideranças naturais. Conquistam autoridade moral pela sua capacidade de traduzir em ideias ou em ações as aspirações das massas. Será neste material humano que se selecionarão e se formarão as direções das classes populares.

    Já a burguesia, como as outras classes proprietárias da história, descobriu outros caminhos para resolver o problema da formação dos seus quadros dirigentes. Quando não os encontram pela tradição de comando, ou pela seleção de talentos em suas próprias fileiras irão buscá-los na “inteligência disponível”, protegê-los, encorajá-los e, sobretudo, remunerá-los muito bem.

    O proletariado e as classes populares, não podem depender desse recurso. Os trabalhadores têm que formar as suas lideranças, arduamente, nas lutas: em condições de normalidade ou estabilidade política, ou seja, de defensiva, não se forma uma grande vanguarda ativista. Quando muito surgem alguns poucos ativistas de suas fileiras. A confiança dos trabalhadores em si mesmos, ou seja, uma maior ou menor fé na vitória de suas lutas dependerá da capacidade da vanguarda de tomar as iniciativas que estão ao alcance da maioria.

    A vanguarda das lutas, as lideranças enraizadas nas fábricas, escolas, empresas, bairros ou faculdades só se formam nos processos de mobilização e podem ou não avançar até à organização sindical e política permanente. Frequentemente, uma maioria desta vanguarda retrocede ao final da luta, em maior medida ainda, se esta for derrotada. Porque a vanguarda é um fenômeno, no sentido de que é transitória, uma dimensão subjetiva da realidade em movimento, e pode tanto se organizar em uma superestrutura da classe já existente, quanto pode voltar a se integrar na massa, e abandonar a luta ativa ao final do combate. Para que estas energias não se dissipem é necessária a luta por um programa. E os intelectuais marxistas têm como principal responsabilidade a luta pela educação dos melhores líderes naturais proletários no programa socialista.

    Notas:

    (1) Vladimir Ilitch Ulianov, alias, Lenin. Que fazer? São Paulo, Hucitec, 1979.

    (2)Eis a nominata fornecida por Pierre Broué em “O Partido Bolchevique” e organizada por Henrique Canary:

    1) Lenin – filho de pedagogo, advogado, membro da baixa nobreza2) Zinoviev – filho de camponês médio, estudante de química e depois de direito3) Trotski – filho de camponês médio, estudante ginasial4) Kamenev – filho de judeus abastados, engenheiro5) Reizin- não encontrado6) Dzerzhinski – filho de nobres poloneses (baixa nobreza), estudante ginasial, trabalhou em fábrica por 1 ano.7) Miliutin – filho de professores, estudante de direito8) Rikov – filho de camponeses, estudante universitário9) Stalin – filho de sapateiro, seminarista10) Sverdlov – filho de um gráfico, estudante de farmácia11) Bubnov – estudante de agronomia12) Muranov- filho de camponeses, elegeu-se deputado em 1912 (IV Duma)13) Shaumian – filho de comerciante, estudante universitário, professor14) Noguin- filho de comerciante, operário têxtil15) Bukharin – filho de professores, estudante de economia16) Sokolnikov- filho de médicos judeus, estudante de direito17) Artem-Sergueiev – filho de camponeses, estudante na Rússia e depois em Paris18) Krestinski – filho de professor de ginásio, advogado19) Kollontai – filha de general da média nobreza, estudante na Suíça20) Uritski – filho de comerciantes judeus, advogado21) Yoffe (suplente) – filho de um comerciante judeu milionário, estudante de medicina e depois de direito .

    (3) Sobre o tema da desumanização e consciência de classe uma das obras de referência no marxismo clássico foi História e consciência de classe, hoje muito desvalorizada pelo entusiasmo com que defende o protagonismo do proletariado. Nesse texto, Lukács sistematiza de forma irretocável algumas conclusões teóricas sobre as contradições entre a existência enquanto classe, e a formação da consciência de classe que permanecem até hoje, para o fundamental, insuperáveis. Nele se esclarece que, enquanto classe em si, o proletariado é matéria humana para a expropriação de mais valia. Ou seja, se evita os excessos de obreirismo messiânico e ingênuo, que pretende encontrar nas condições de vida material dos trabalhadores uma inspiração para os valores da luta anticapitalista. Lukács insiste que, nas condições de miséria material e cultural em que está mergulhado, o proletariado sofre a mais abjeta brutalização e desumanização. E que só pela ação coletiva e solidária pode apreender a sua força social, e forjar as armas da organização independente que lhe poderá permitir uma negação da ordem e sua afirmação como classe para si. A seguir um pequeno trecho de História e consciência de Classe, onde podemos encontrar, em repetidas passagens, conclusões como a que transcrevemos: “o proletariado surge como produto da ordem social capitalista (…) as suas formas de existência estão constituídas de tal forma que a reificação tem, necessariamente, de se exprimir nelas de forma mais flagrante e mais aguda, produzindo a mais profunda desumanização. O proletariado compartilha, pois, a reificação de todas as manifestações de vida com a burguesia.” (grifo nosso) LUKÁCS, Georgy. História e consciência de classe. Porto, Escorpião, 1974. p. 35.

     

  • Para além do lulismo: Vamos Sem Medo

    Por Valério Arcary, Colunista do Esquerda Online

    É possível que a tensão entre a eficácia política que representam as organizações e os perigos ideológicos e políticos que encarnam seja insolúvel. Isso pode ser algo com que nós simplesmente tenhamos que nos acomodar. Parece, no entanto, que esta é uma questão que deve ser tomada de frente e que deve ser amplamente discutida, caso contrário, corremos o risco de ser dilacerados em duas frações absurdas, a “sectária” e a “marginal “. O número de pessoas ao redor do mundo que são “ex-militantes”  e que não são filiadas a nada, neste momento, mas que gostariam de alguma forma ser politicamente ativos tem, penso eu, aumentado enormemente depois da decepção do pós 1968. Eu não acho que devemos interpretá-lo como a despolitização dos que perderam suas ilusões, embora isto seja, parcialmente, verdadeiro. É, antes, o medo de que a atividade militante seja eficaz apenas na aparência. [1]

                                                                                                      Immanuel Wallerstein

    Aproximam-se os prazos de votação da reforma da previdência. Mas a indispensável unidade para lutar contra as reformas não autoriza concluir que a unidade eleitoral deve ser feita em torno de Lula. Uma parte do petismo reagiu, criticamente, ao lançamento da plataforma Vamos Mudar o Brasil Sem Medo. Isso era previsível. Mas, Lula não pode mais unir a esquerda. Treze anos no governo, os limites de um reformismo quase sem reformas, mais o mensalão e o escândalo da Petrobrás não foram em vão. Se não abrirmos um debate sobre o programa que vá além do que foi o lulismo, o perigo de uma desmoralização da geração que despertou para a luta política depois de junho de 2013 é muito grande.

    Nostalgia em política é um sentimento conservador, e não é boa conselheira. Aqueles que ainda querem reviver a experiência lulista se enganam a si mesmos. Pensar que o amanhã será como ontem é o mais perigoso dos erros, porque ignora as mudanças, os deslocamentos incessantes e ininterruptos no tempo. Esse tempo subjetivo da permanência é uma ilusão. Uma ilusão que aprisiona em rotinas mentais. São a raiz profunda dos erros políticos. Ir além das ilusões pode ser cruel, mas esse é o desafio central da tática.

    Quando uma organização ou movimento está aquém do tempo histórico deixa o passado governar o futuro, e sucumbe. Quando está além, se ilude que o futuro possa governar o presente, e permanece marginal. A iniciativa do MTST de discussão pública de um programa diferente do programa do Lulismo tem um sentido renovador, e tenta abraçar uma iniciativa reorganizadora para a esquerda.

    É verdade que, até agora, não há um plano de lutas à altura da necessidade de enfrentar o desafio de bloquear a votação da reforma da previdência, o que produz alguma angústia. A dificuldade de construir a resistência parece evidente. Ela vai exigir a luta pela frente única. As centrais sindicais estão quietas e sem iniciativa, incluída a CUT. Ninguém pode dizer se o governo Temer conseguirá ou não os 308 votos que precisa para votar mais esta PEC. Mas é bom critério não confiar somente nas pressões parlamentares. Muitas dezenas de milhões de vidas serão prejudicadas em nome das “necessidades do ajuste fiscal”. A direção do PT organiza uma caravana com Lula, pelo nordeste escoltado pelo MST, para demonstrar força social e tentar evitar uma segunda e fatal condenação no TRF de Porto Alegre. Tem todo o direito de o fazer, mas parece pouco.

    A história sugere que, talvez, exista um lapso de tempo na forma de atraso entre a emergência de uma ação imposta pela pressão de uma realidade objetiva que amadurece, velozmente, e a capacidade das classes populares de responder à altura da defesa de seus interesses. Nesse sentido, a política está, tendencialmente, atrás da história, enquanto a teoria está à sua frente. Porque se a política se atrasa, a teoria se antecipa. São dimensões muito diferentes: a atividade de pensar e a de agir sobre o mundo. Esta obedece à necessidade de mudar o estado de ânimo das grandes multidões, e convocá-las à luta; aquela, se dedica à análise dos fenômenos, e busca a construção de explicações e previsões.

    Foi nesse sentido que Marx cunhou a quase sempre  mal interpretada frase de que “a humanidade não se coloca problemas para os quais as soluções já não estejam reunidas”, ou em vias de maturação. Ela traduz a compreensão das mediações, e a principal é aquela construída pela vontade humana, e não o inverso. Um estreito determinismo é sempre a negação das possibilidades da luta política.

    Os partidos das classes populares, enquanto lutam entre si, lutam também para influir sobre os estados de espírito de suas bases sociais, e sobre o humor das bases sociais que lhes são socialmente hostis. Nenhum partido é imune às pressões inimigas. O desencontro pode ser de dupla natureza: ou porque os partidos estão aquém, ou além do desafio histórico. Porque o tempo histórico da política que se define como estratégia, é aquele que faz a mediação entre o presente e o futuro, e esse tempo se articula como hipótese e está sempre em aberto. Está sujeito a redefinições, já que no presente tudo está em movimento, em uma instabilidade que é pouco previsível.


    [1] Immanuel Wallerstein, 1968Révolution dans le Sistème Mondial, in Le Temps Modernes, 514/515, mai-juin 1989, p.172)

  • O Congresso do Psol e o programa para a revolução brasileira

    Por Valério Arcary, colunista do Esquerda Online

    Em 1875, diante do processo de unificação das organizações socialistas alemães, que deu origem ao Partido Socialdemocrata dos Trabalhadores Alemães, que seria por ele apoiado, Marx fez uma dura crítica ao programa originário do congresso de fundação da entidade. Para ele, se não havia acúmulo ou acordo suficiente entre os grupos para se chegar a um programa mais acabado, seria melhor ter uma carta de princípios provisória, acumulando mais elementos conforme avançasse a luta unificada na nova organização. Afinal, como afirma em uma frase muito conhecida, embora às vezes citada só em sua primeira metade: “cada passo do movimento real vale mais do que uma dúzia de programas”. O complemento da frase lhe dá um sentido mais preciso, pois, “quando se redige um programa de princípios (…) expõem-se diante de todo o mundo os marcos pelos quais é medido o nível do movimento do Partido”. A importância do programa, portanto, era imensa e por isso Marx não mediu esforços em criticar aquele documento inaugural da socialdemocracia. Fundamentalmente porque não era possível concordar com um programa em que não ficasse claro que o objetivo estratégico da luta socialista não era redistribuir riquezas, através da mudança nas relações salariais, mas sim por fim às relações de trabalho assalariado, promovendo a “abolição das diferenças de classe”, através de um processo revolucionário. [1]

                                                                                                                                                                                                                                  Marcelo Badaró

    O Psol deverá apresentar uma candidatura presidencial própria no ano que vem. Todas as teses apresentadas para o próximo Congresso de dezembro o defendem. Ao fazê-lo, o Psol assume uma imensa responsabilidade: ser útil ao processo de reorganização da esquerda brasileira. Essa percepção comum a todas as teses que disputam o Congresso do Psol revela coragem e maturidade.

    Um partido é uma ferramenta ao serviço de um programa ou propostas que expressam interesses de classe. Mas esses interesses não se expressam somente através de um partido, e nem sequer, somente, através da forma-partido. A reorganização da esquerda não passará somente através do Psol. Dependerá, também, do desenlace de processos de decantação nos movimentos sindical, popular, estudantil, feminista, negro, LGBT, ambientalista e outros. Não obstante, o Psol terá um lugar central nessa disputa pelo espaço de representação na etapa pós-PT e pós-lulismo.

    Oxalá seja possível, ao contrário de 2014, uma Frente de Esquerda Socialista com o PSTU e PCB, por exemplo. Talvez sim, talvez não. Pode ser que o PCB aceite, mas é quase certo que o PSTU apresentará Zé Maria pela quinta vez.

    Estaremos, portanto, diante de dois perigos simétricos ou dois extremos, quando pensamos a reorganização da esquerda e as eleições de 2018. De um lado a tentação “testemunhal super-revolucionária” que ignora a importância da disputa das eleições. Evidentemente, depois de décadas de eleições, de dois em dois anos, já ficou mais que demonstrado que nenhuma transformação estrutural poderá acontecer através de eleições. Mas isso não permite concluir que a disputa política pela consciência de milhões de trabalhadores e jovens no terreno eleitoral não seja indispensável. De outro lado o projeto, perigosamente, ultimatista, que agiganta o desafio eleitoral a “tudo ou nada” ou uma estratégia permanente: vencer ou vencer as presidenciais com Lula.

    O futuro da esquerda não passa nem por um projeto sectário de autoproclamação super-revolucionário, nem pela candidatura de Lula. Devemos defender o direito de Lula se candidatar contra a operação judicial que o criminaliza. Trata-se de um direito democrático. Mas o futuro passa pela defesa de outro programa. O lulismo e o PT não passaram a prova da história.  A questão é qual deve ser este novo programa. Da maior ou menor clareza deste debate dependerá o futuro da esquerda e da estratégia da revolução brasileira. Crises não nos faltarão. Basta termos paciência histórica. O capitalismo não vai fazer do Brasil um país melhor e menos desigual. A questão de todas as questões é saber quais propostas apresentamos como soluções para a crise que virá, ou seja, qual deve ser o novo programa. Esse é o maior desafio do Congresso do Psol.

    Ninguém pode prever hoje o cenário eleitoral do ano que vem. Dependerá de muitos fatores. Dependerá, por suposto de quem serão os candidatos, algo neste momento, imprevisível, em grande medida. Dependerá do contexto econômico e social, sobretudo. A economia brasileira vai ou voltar a crescer antes das próximas eleições? Talvez sim, talvez não. Dependerá do contexto externo, da resistência proletária e popular à aprovação da reforma da Previdência, da apresentação da nova denúncia contra Temer, das novas delações premiadas de Cunha e Funaro, enfim, incontáveis variáveis.

    Há, contudo, irrefutáveis evidências históricas empíricas de que existe uma relação entre o movimento da economia e da política. Períodos de crescimento econômico, em geral, favorecem a estabilização da dominação capitalista. Mas fases de instabilidade política inibem, também, os investimentos. A burguesia é prudente. A precipitação de crises econômicas, como aquela que sacudiu o mundo há dez anos atrás, favorecem maior turbulência social, porque é nessas horas que a classe dominante descarrega o custo social dos ajustes sobre os trabalhadores e as massas populares. Mas qualquer exagero nesse terreno cheio de armadilhas é muito perigoso. A vida não cabe dentro de esquemas simples, o que diminui a possibilidade de prognósticos sem enorme margem de erros.

    Um dos perigos é o politicismo e o outro é o catastrofismo. Os politicistas tendem a desconsiderar as determinações econômicas. Os catastrofistas as exageram. O tempo da política é diferente dos tempos da economia. É sempre, em alguma medida, o tempo breve do presente, das decisões que são iminentes, que não podem ser adiadas. Quando uma classe dominante dependente aceita, incondicionalmente, seu estatuto subordinado para atrair investimento estrangeiro e revela, portanto, sua decadência, ela renuncia à perspectiva de um projeto próprio. Tem avançado, depois do golpe e posse de Temer no Brasil, uma estratégia de recolonização na América Latina e, praticamente, não encontrou, pelo menos ainda, uma resistência burguesa expressiva.

    Nesse sentido, a burguesia brasileira é estéril de futuro. Governa para amanhã, às custas da imposição de sacrifícios inomináveis, mas não pode confessá-lo. Ela perde a lucidez de que os projetos devem inspirar a política: fica prisioneira da inércia e é incapaz de iniciativa, embriaga-se com a velocidade das decisões. Governa, portanto, para preservar o passado, e não para construir o futuro, o que é o mesmo que reduzir-se à estreiteza da defesa exclusiva de seus interesses. Semeiam ventos, colherão tempestades, ensina a sabedoria popular. O paradoxo é que a inércia, a política da conservação, é a paralisia do tempo, mas a crise social é a sua aceleração. Uma classe que é, historicamente, improdutiva, mas que permanece no poder exige de seus partidos a ilusão de um projeto que não pode ser senão uma nostalgia de passado. Ou seja, uma caricatura do que já foi, ou uma romantização do que deveria ter sido. Ela vive a urgência da crise, a vertigem acelerada da mudança, e levanta os olhos para o futuro com uma ansiedade de passado, isto é, de estabilização e ordem.

    Os seus partidos são prisioneiros desta angústia, e vivem a armadilha do conflito entre o necessário e o impossível. Impossível, porque não será possível impor condições asiáticas de exploração sem semear uma explosão social. Ninguém pode prever quando ela virá. Por isso o ajuste fiscal de Meirelles é gradualista. Eles têm medo, porque não esqueceram junho de 2013. Uma explosão social não é o mesmo que a abertura de uma situação revolucionária, mas é uma ante-sala.

    Por último, é importante lembrar que a situação revolucionária para a qual nos preparamos, mas não sabemos quando virá, é, também, aquele momento único em que as classes dominadas descobrem a política como o terreno de sua libertação, e reúnem irreprimíveis forças para abrir o caminho para a mudança de baixo para cima. É somente nessas circunstâncias que as amplas massas esmagadas sob o peso da luta pela sobrevivência buscam de forma sustentada, na sua unidade e mobilização e, na esfera da ação coletiva uma saída política para a crise da sociedade.

    Elas também vivem o desajuste entre existência e consciência, e o vivem de forma aguda e exacerbada. Só existem como atores políticos quando se libertam dos fantasmas do passado que governam as suas consciência. Mas o caminho de sua expressão política independente é muito mais difícil. Não possuem a sabedoria que o exercício do poder trouxe através de gerações às classes proprietárias: a relação entre os seus destinos privados e os dramas históricos em que estão envolvidas só se revela em situações excepcionais.

    Esse processo, necessariamente, lento, não possui atalhos, não se resolve de fora, é o caminho de uma experiência que se constrói na luta, e através da luta. Mas a luta é imprevisível, os seus desenlaces não aceitam prognósticos fáceis, e a consciência flutua de acordo com as sucessivas alternâncias de vitórias ou derrotas. Exacerba-se o paradoxo central da política: o que opõe necessidade à possibilidade. Ou seja, o que revela que a vontade governa, mas não domina o sentido da mudança. O conflito é irredutível. Os partidos são a expressão concentrada deste conflito. Agem a partir da defesa de interesses, que se expressam em programas, é certo, mas esses também mudam.

    Um programa é uma linha tênue que une fins e meios, o presente e o futuro, uma unicidade de tempo que só existe como possibilidade, e que só tem perspectiva como instrumento de mobilização na luta pelo poder. É nesse sentido, e somente nele, que Lenin cunhou a célebre, e também mal interpretada frase: “fora do poder, tudo é ilusão”. Ao contrário das representações políticas da classe dominante, os partidos das classes populares, quando perdem a vocação de luta pelo poder, quando renunciam ao “instinto do poder”, perdem tudo. As fórmulas teóricas que separam consciência e vontade, ou consciência e ação são estéreis. Consciência, como consciência de classe em construção e ação revolucionária são indivisíveis, e se materializam em algum tipo de organização que busca perenidade, permanência. Partidos têm que ser úteis à defesa dos interesses de classe que representam. Não são um fim em si mesmos.

    A forma-partido, um tipo especial e complexo de organização, é aquela que corresponde à necessidade de luta pelo poder: fora de uma situação revolucionária, os mais variados tipos de regime de partido são compatíveis com a resistência sindical e com a luta parlamentar. Mas é diante da crise revolucionária que a política assume as suas formas “heroicas”. As classes em luta se preparam para um inadiável desenlace que as convoca para o combate frontal. Teriam-no evitado, se fosse possível. As classes proprietárias não mais são capazes de exigir os sacrifícios que antes apareciam perante as outras classes como toleráveis. Ou seja, o seu projeto não tem mais legitimidade, justamente porque o descompasso entre a promessa de futuro e a ruína do presente colocou o Estado, sob o seu controle, em ruptura com a sociedade. E nesta os trabalhadores e as outras camadas populares emanciparam-se do seu domínio hegemônico e, assim, deslocaram as relações de força. O que, politicamente, corresponde à dupla compreensão de que o possível para a burguesia é desnecessário, e que é o necessário para as massas é inadiável.

    [1] K. Marx e F. Engels, Crítica ao Programa de Gotha, in Obras Escolhidas, vol. 2, São Paulo, Alfa-Ômega, s.d., p. 207.

  • Existe ou não perigo real e imediato de golpe reacionário na Venezuela?

    Por Valério Arcary, Colunista do Esquerda Online

    É possível que estas linhas cheguem com atraso, pois os acontecimentos desenvolvem-se com uma velocidade por vezes vertiginosa. Escrevo isto na quarta-feira, 30 de agosto, e os destinatários não lerão isto antes de sexta-feira, 2 de setembro. Apesar deste risco, considero meu dever escrever o que se segue. A insurreição de Kornílov representa uma viragem totalmente inesperada (inesperada pelo momento e pela forma) e incrivelmente brusca dos acontecimentos. Como qualquer viragem brusca ela exige uma revisão e uma modificação da tática. E, como em qualquer revisão, é preciso ser arquiprudente para não cair em falta de princípios (…) Em que consiste então a modificação da nossa táctica depois da insurreição de Kornílov? Em que modificamos a forma da nossa luta contra Kerenski. Sem debilitar em nada a hostilidade para com ele, sem retirar uma só palavra dita contra ele, sem renunciar à tarefa do derrubamento de Kerenski, dizemos: é preciso ter em conta o momento; não vamos derrubar Kerenski agora; nós agora abordamos de outra maneira a tarefa da luta contra ele, a saber: explicando ao povo (que luta contra Kornílov), a fraqueza e as hesitações de Kerenski. Também anteriormente fazíamos isto. Mas, agora isto tornou-se o principal: nisto consiste a mudança. A mudança consiste além disto em que agora o principal é o reforço da agitação por uma espécie de «reivindicações parciais» a Kerenski – prende Miliukov, arma os operários de Petrogrado, chama as tropas de Cronstadt, de Víborg e de Helsingfors a Petrogrado, dissolve a Duma de Estado, prende Rodzianko, legaliza a entrega das terras dos latifundiários aos camponeses, introduz o controle operário sobre o pão e sobre as fábricas, etc., etc. E devemos apresentar estas reivindicações não apenas a Kerenski, não tanto a Kerenski como aos operários, soldados e camponeses, entusiasmados pelo curso da luta contra Kornílov.[1]

                                                                                 Vladimir Ilitch Ulianov, alias, Lenin

    Dois esclarecimentos prudentes sobre Venezuela. Primeiro: a questão central da análise sobre a Venezuela parece ser o reconhecimento do perigo real e iminente de um golpe ou não. A política tem sempre os seus tempos. Quem está de verdade na ofensiva, e quem está na defensiva? Todas as informações disponíveis confirmam que o governo Maduro estava na defensiva e, por isso, convocou as eleições para a Constituinte. Não há razões para concluir que já conseguiu inverter a relação social de forças.

    A estratégia “nem/nem” permanece válida, evidentemente, porque significa a luta pela construção de um terceiro campo: o campo da revolução social.. Mas a tática “nem/nem” parece ter perdido o prazo de validade com a iminência do perigo do um cerco imperialista que cria condições para uma tentativa de golpe. Um posicionamento estratégico em uma linha “Nem Maduro, nem Mude”, ou seja, “nem, nem ” não deveria se desdobrar em uma tática “nem/nem” permanente e indefinida. Sobretudo tendo ocorrido um giro na situação como me parece que aconteceu, observando de longe e sem conhecer muito a realidade no terreno, Maduro não merece apoio político algum. Mas a luta contra o golpe passou a ser central. Denunciar o golpe como o maior perigo não é o mesmo que apoiar Maduro.

    A situação seria muito melhor, evidentemente, se uma oposição de esquerda tivesse conquistado maior peso na classe trabalhadora. A tendência que prevaleceu de, no mínimo, insuficiente delimitação com o chavismo teve consequências.

    Segundo: governos são definidos, coloquialmente, como de esquerda, centro-esquerda, centro-direita, ou direita, mas estas caracterizações são ligeiras, portanto, superficiais. Têm sentido limitado, quase instrumental. porque são didáticos.

    Em linguagem marxista devem ser definidos a partir do lugar que ocupam no sistema internacional de Estados, considerando uma análise de classe do bloco político-social que sustenta o seu projeto, e a forma institucional do regime em que estão inseridos.

    O conceito de “governo independente”, em um sistema internacional de Estados que merece mais do que nunca o nome de ordem imperialista, tem utilidade para compreender o tipo de relação que mantém com os centros de poder no mundo. Governos independentes são raros, excepcionais e, portanto, instáveis. Dizendo as coisas como são: o governo de Maduro é um governo burguês, apoiado em uma fração burguesa minoritária em formação, a “boliburguesia”. Não me parece muito polêmico, a não ser para alguém que tenha excessivas ilusões na retórica sobre o “socialismo do século XXI” que, depois de quase vinte anos no poder, os herdeiros do chavismo no poder já demonstraram que não têm qualquer pretensão de ir além do capitalismo, ainda que com forte regulação estatal.

    Maduro se apoia em um regime bonapartista sui generis (ou especial, porque em um país dependente na periferia) sustentado, crescentemente, pelas Forças Armadas. Mas não vejo razões para haver muitas dúvidas de que é um governo independente. Independente de quem? De Washington, Londres, Paris, Berlim e Tóquio. Dos imperialismos que governam. Pode não ser tão independente quanto seria um governo socialista dos trabalhadores, mas não é um vassalo semicolonial como o governo no poder em Brasília e Buenos Aires. Não sou otimista agora, e nunca tive expectativas com o chavismo. Todavia, sua derrubada pela oposição ultrarreacionária seria uma catástrofe política e social para os trabalhadores e o povo da Venezuela. Uma catástrofe ainda maior que a permanência de Maduro? Sim, exatamente. Muito maior. Uma vitória da contrarrevolução exigiria, provavelmente, o intervalo de pelo menos uma geração para se poder voltar a pensar em uma revolução na Venezuela.

    Os golpes na atual situação internacional não têm a mesma forma que nos anos sessenta e setenta. Não precisam ser regados com banhos de sangue como o de Pinochet no Chile em 1973. Porque na Venezuela, ou no Brasil no ano passado, não existe perigo real e imediato de uma revolução social anticapitalista. O capital não está ameaçado. A propriedade privada não está ameaçada. Mas há boas razões para pensar que o que viria depois de um golpe na Venezuela faria o governo Temer parecer um governo moderado de contrarreformas. E, não nos enganemos, Temer é o governo mais reacionário desde o fim da ditadura.


    [1] Escrito em 30 de agosto (12 de setembro) de 1917. Publicado pela primeira vez em 7 de novembro de 1920, no nº 250 do PravdaObras Completas de V. I. Lenine, 5ª ed. em russo, t. 34, pp. 119-121.

    Diante da grave situação na Venezuela

     

    A Venezuela vive uma situação dramática

  • A Venezuela vive uma situação dramática

    Por Valério Arcary, Colunista do Esquerda Online

    Conheço muito pouco a Venezuela, portanto, serei prudente. Deveria conhecer melhor pela importância do processo depois do que foi o impressionante processo aberto depois da derrota do golpe em 2002, mas foi assim. Isto é uma autocrítica. Observo, no entanto, muito de longe, algo que não tenho lido com frequência, ou com raras exceções, entre os autores marxistas: a Venezuela tem um dos raros governos independentes entre a ampla maioria dos Estados na periferia do mercado mundial.

    A permanência das vendas de petróleo para os EUA não anula esta caracterização. Na América Latina só Caracas e Havana têm governos independentes. Não considero sustentável que Venezuela ou Cuba, muito menos a China, para citar outro exemplo, estejam em qualquer tipo de experiência de transição ao socialismo, mas são governos independentes. Como são independentes Irã e, possivelmente, Qatar. E isso é, relativamente, progressivo na luta contra o domínio imperialista dentro de um rígido sistema internacional de Estados. Muito rígido, na verdade, porque a mobilidade interna é quase nula. Independente significa que as forças políticas à frente do governo na Venezuela não aceitam a supremacia dos EUA, ou da União Europeia.

    Em segundo lugar observo que a situação mudou com o giro do MUD, e o apoio inequívoco de Washington, para uma estratégia de derrubada de Maduro. O perigo de golpe é real e imediato. Nesse contexto, penso que não é mais possível manter uma posição nem/nem: de oposição pela esquerda a Maduro e, simultaneamente, contra a oposição ultrarreacionária, em função da iminência do perigo do golpe. Maduro não merece qualquer apoio político, mas qualquer variante de neutralidade diante da iminência da tragédia seria um esquerdismo ingênuo.

    Claro que, politicamente, Maduro não merece apoio e o balanço do “socialismo do século XXI” é devastador: Os dados disponíveis indicam que o PIB da Venezuela em 2017 estaria 35% abaixo dos níveis de 2013. É um pouco maior do que o declínio na Rússia (1990-1994) e Cuba (1989-1993), por exemplo. É uma contração mais severa até do que entre 1929-1933 nos EUA, estimada em 28%. Com Chávez melhoraram as condições dos mais pobres com aumento de salários, ampliação de serviços sociais e redução da desigualdade. Mas essas melhorias só foram possíveis dentro dos limites da economia capitalista, usando as receitas das exportações de petróleo em um momento de preços para patamares muito altos. Chávez me pareceu um líder nacionalista radicalizado. Me recordava Otelo Saraiva de Carvalho do MFA português, portanto, oriundo da classe média militar, mas em uma nação semi-andina, semi-caribenha, uma semicolônia sob controle estrito dos EUA e na mão das petroleiras durante décadas.

    O governo Maduro começou a acumular enormes dívidas externas para tentar sustentar os padrões de vida, ameaçando a soberania nacional, uma das maiores conquistas da vitória sobre o golpe em 2002. Ao mesmo tempo, o governo decidiu “honrar” todos os pagamentos da dívida externa e reduzir as importações. Como consequência, as importações de bens e serviços per capita diminuíram 75%, corrigida a inflação, entre 2012 e 2016, com um novo declínio em 2017.O salário mínimo – que na Venezuela também é o rendimento do trabalhador médio, devido à grande parcela de assalariados mínimos – diminuiu 75% (em preços constantes) de maio de 2012 a maio de 2017.

    O governo Maduro dependeu cada vez menos do apoio da classe trabalhadora, e mais das Forças Armadas desde que foi eleito. E só recorreu à convocação da Constituinte porque fracassou o plano de se apoiar na Justiça. Essa tragédia poderia ter sido contornada? Talvez, sim. Mas entramos no perigoso campo dos contra-factuais: se a direção chavista não tivesse parado a menos de meio caminho, deixando a economia ainda, predominantemente, no controle do capital, se estivesse disposta a romper com o imperialismo até o fim, se tivesse se apoiado em uma estratégia internacionalista, se, se…

    Em vez disso, o chavismo confiou nos altos preços do petróleo e nas gigantescas reservas de petróleo para reduzir a pobreza, porém, ao mesmo tempo não conseguiu transformar a economia através de investimentos produtivos, propriedade estatal e planejamento. Entre 1999 e 2012, o Estado teve uma receita de US$383 bilhões de petróleo, devido não só à melhoria dos preços, mas também ao aumento dos royalties pagos pelas transnacionais. No entanto, essa renda não foi utilizada para transformar os setores produtivos da economia. Sim, alguns foram utilizados para melhorar os padrões de vida das massas mais empobrecidas. Mas não havia plano de investimento e crescimento. De fato, a participação da indústria no PIB caiu de 18% do PIB em 1998 para 14% em 2012. Toda a direita mundial está excitada com a fragilização do chavismo na Venezuela. Mas a história dos últimos quase vinte anos (1998/2017) não é o fracasso do “socialismo”. Como nos recorda Michael Roberts é um impasse histórico político gerado pela indecisão ou, talvez, mais justo, pela incapacidade de romper e liquidar com o controle da burguesia em um país capitalista periférico (cada vez mais isolado) com quase um único recurso, o petróleo.

  • Diretas já e eleições gerais ou Constituinte? Cinco respostas sobre a tática

    Por: Valerio Arcary, colunista do Esquerda Online

    A língua resiste porque é mole; os dentes cedem porque são duros.
    Sabedoria popular chinesa

    A LER/MRT evoluiu em 2016, politicamente, de forma positiva, ao compreenderem em geral, corretamente, os dois processos mais complicados e difíceis dos últimos dezoito meses: o impeachment de Dilma e a operação Lava Jato. Amadureceram na percepção da crise da dominação burguesa e, por isso, se posicionaram bem. Lutamos juntos na luta pelo Fora Temer e as reformas no Congresso. Mas temos uma diferença tática sobre a melhor bandeira democrática: se a palavra de ordem de Diretas Já, Eleições Gerais ou Constituinte. Ou seja, somos contra a eleição indireta pelo Congresso de um possível sucessor de Temer. Somos pela antecipação de eleições. A questão é saber quais eleições. Trata-se de um debate legítimo, mas tático.

    Mas para Edison Urbano e a direção do MRT, misteriosamente, não. Não é tático. Transformar discussões táticas em diferenças de estratégia é um método errado. O artigo de Edison é, portanto, uma decepção. Não acharam melhor maneira de se diferenciar do que denunciar um suposto seguidismo do MAIS ao PT. Mas, não satisfeito, Edison Urbano acusou o MAIS de ter perdido paixão revolucionária. Este estilo polêmico áspero e ofensivo é deseducativo. Temos esperança que não seja compartilhado por muitos quadros honestos, dedicados e mais maduros dessa organização. Anotei cinco repostas rápidas ao artigo de Edson Urbano:

    1. Edison Urbano argumenta: “Ou não é errado dizer que nenhuma fração burguesa defende a antecipação das eleições, quando nada menos que a Folha de S.Paulo, partidos como o PSB, e a Rede, entre outros, o defendem abertamente?”Honestidade é importante: não havia fração burguesa apoiando Diretas Já quando o artigo foi escrito e publicado no dia 2 de junho de 2017.
    2. Ainda assim, Urbano argumenta com “Valério não é consequente com o grau de crise burguesa a possibilidade de que, rapidamente, um setor majoritário passe a defender as Diretas como “última saída”.Os setores majoritários não giraram para a defesa das Diretas como Urbano sugeriu. O terreno da tática é aquele em que as previsões são chaves para poder se posicionar de melhor maneira. Os setores da classe dominante que, na sequência, chegaram a defender a convocação de eleições antecipadas não são significativos: não representam nenhuma fração relevante. O PSB é um partido de aluguel que está sendo, neste momento, canibalizado pelo DEM de Maia e próprio PMDB de Temer. As únicas exceções foram o jornal Folha de São Paulo, que engavetou a proposta, e Fernando Henrique Cardoso que, paradoxalmente, nem conseguiu que o PSDB decidisse retirar seus ministros do governo Temer.
    3. Urbano argumenta: “Depois de criar um clima artificial em que a classe dominante estaria totalmente unificada em torno das eleições indiretas”.A verdade é que há uma grande divisão na classe dominante. Mas a divisão principal na burguesia não é entre quem apoia e quem é contra as Diretas. A divisão é entre quem apoia Temer, e quem defende a sua substituição por uma eleição no Congresso Nacional. Esta divisão expressa a divisão em torno da Lava Jato, e a amplitude da reforma institucional do sistema político-partidário-eleitoral que se consolidou desde 1985. Todos estão de acordo com as Reformas econômico-sociais, especialmente, da Previdência Social. Não está unificada por indiretas, porque ainda há os que defendem Temer, embora minoritários. Não há, por enquanto, apesar da gravidade da crise do governo Temer, que não é o mesmo que crise do regime de dominação, razão para prever que uma maioria burguesa possa girar para defesa das Diretas. Edison Urbano tirou conclusões precipitadas. Os ritmos políticos da disputa interburguesa no Brasil são mais lentos que na Argentina. Denunciamos todas as frações burguesas, mas lutamos, prioritariamente, contra Temer e a fração que pretende substitui-lo por uma eleição indireta. Nossos alvos prioritários devem ser Temer e Maia, não Marina Silva ou FHC. Isto é assim porque as lideranças burguesas mais poderosas sabem que, em eleições antecipadas, tanto a candidatura Lula quanto Bolsonaro teriam grandes vantagens comparativas. Por isso mesmo a direção do PT girou para o Fora Temer e Diretas Já. Porque embora improvável, seria a melhor localização para tentar poupar Lula da LavaJato. Não se trata de “inconsequência” com a análise da crise política do governo Temer, mas uma apreciação menos “catastrofista” da sua dinâmica.
    4. Urbano argumenta: “Para ele, o movimento contra as reformas pode até protagonizar novas ações de greve geral ou outras, porém pareceria fadado a não poder dar qualquer saída independente no plano político. O ceticismo de Valério vai tão longe, que ele iguala a possibilidade de que se desenvolva qualquer elemento de auto-organização na luta, com uma “ultrapropaganda”, inofensiva, portanto, sobre a revolução. proposta de comitês de base para que os próprios trabalhadores possam tomar em suas mãos a luta, tarefa cada vez mais urgente diante da disposição traidora das direções oficiais, não somente não é apoiada por Valério, como é por ele desqualificada, e jogada na vala comum dos argumentos ultraesquerdistas”.Urbano propõe como saída política comitês de base sindicais, que não existem e precisam ser impulsionados pela esquerda revolucionária, como saída independente no plano político. Trata-se de uma incompreensão de qual é a relação social e política de forças entre as classes. A dinâmica da crise política fez com que o caminho para derrotar as Reformas tenha passado a ser o caminho para derrubar Temer. Acontece que um dos fatores que explica a dificuldade de derrubar Temer é que a classe está, politicamente, dividida. A maioria dos milhões de trabalhadores que fizeram a greve geral não vê uma saída política para crise. Para aqueles que apoiam Lula, como a maioria na região nordeste, ou em parte das grandes fábricas é mais simples. Mas para aqueles que romperam com Lula, o que não é o mesmo que romper com o reformismo, e apoiam a LavaJato não é tão simples. Por isso o apoio ao Fora Temer e as reformas teve e mantém um apelo maior do que Diretas Já.
    5. Urbano argumenta: “O fato de que uma determinada reivindicação seja democrática, NÃO significa necessariamente que ela seja compatível com o regime atual. E ainda menos se lembrarmos que vivemos num regime cuja “casca” democrática é tão fina quanto a do sistema brasileiro atual, parido por uma transição pactuada com a ditadura militar e que preservou os pilares fundamentais desse país injusto e desigual”.As bandeiras democráticas se dividem em variados tipos: em bandeiras democráticas agrárias, como a reforma agrária; nacionais, como a suspensão do pagamento da dívida externa; antirrepressivas, como a dissolução da Polícia Militar; educacionais, como a defesa do ensino universal e gratuito; ambientais, como a defesa da floresta amazônica; e muitas outras, por exemplo, as republicanas, como a luta contra a corrupção, etc. Mas Eleições antecipadas, seja para a presidência, para o Congresso ou para uma Constituinte, quando já existe um regime democrático-eleitoral presidencial com traços semiparlamentaristas, e não uma ditadura, são bandeiras democráticas formais, portanto, não são antirregime. Isso parece óbvio. Isso não quer dizer que não sejam corretas. Para o PSTU são erradas porque não são antirregime. Para o MRT podem ser justas porque podem ser antirregime. Ambos estão errados, embora com posições simétricas.

     

    Foto: Roberto Parizotti/ CUT

  • Os erros de estratégia se pagam

    Os erros de estratégia se pagam. Insistir na mesma estratégia, trocando os líderes, não terá outro desenlace, senão novas derrotas

    Por: Valerio Arcary, colunista do Esquerda Online

    As virtudes dos homens são semelhantes ao voo dos pássaros.

    A ave que se habitua com a paisagem rasteira, perde o gosto pela altura.

    Sabedoria popular indiana

    Esta semana foi triste. A aprovação da Reforma Trabalhista, a condenação de Lula por Moro, e a vitória de Temer na votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, em sequência. Fiquei meio jururu ao ver que só algumas poucas centenas foram à Avenida Paulista protestar contra a condenação de Lula. Muito poucos. O único alívio foi ler estratos de uma bela intervenção de Guilherme Boulos. Mas, é preciso constatar as coisas como são. Um julgamento político infame criminaliza Lula e a reação popular parece ser, pelo menos até o momento, passiva.

    Os erros de estratégia se pagam. Lula respondeu à condenação reafirmando-se como pré-candidato à Presidência, o que é justo, porque é um direito democrático. Mas alertou que defenderá o mesmo programa dos três mandatos. Não fosse o bastante, ainda declarou que tem fé na Justiça. Ou seja, mesmo nesta hora terrível em que Moro o condena como “ladrão”, Lula reafirma fé nas instituições, reapresenta o programa de colaboração com a burguesia, e se recusa a chamar às ruas para derrotar Temer aqueles na classe trabalhadora que confiam na sua liderança.

    Portanto, conclusão inescapável: é a classe dominante quem rompeu com Lula, não o contrário. Acontece que é muito improvável que possa ser candidato. Não deveríamos apoiá-lo, mesmo se pudesse ser candidato, uma hipótese cada vez mais improvável. Mas acredito que todos os que apostamos em uma esquerda socialista para além do lulismo deveríamos defender o direito do PT apresentar Lula em 2018. Acontece que toda esta operação judicial foi construída para impedir sua candidatura. O Tribunal colegiado de Porto Alegre não deve recuar.

    Os erros de estratégia se pagam. O PT passou anos e anos “tocando o tambor”, alardeando as suas vitórias táticas: venceram quatro eleições presidenciais sucessivas. Todas estas táticas desembocaram em uma derrota estratégica, talvez, irreversível, para o próprio PT, e que pode ter sequelas muito graves para toda a esquerda. Porque Lula está sendo condenado pela Justiça por ter sido corrupto. Não por ter capitulado ao grande capital. Ainda que o que prevaleça seja a divisão e a confusão, uma parcela importante da classe trabalhadora está concluindo que a condenação de Lula é justa. Não sairão às ruas para defendê-lo. É terrível, mas é assim.

    Os erros de estratégia se pagam. Se alguém na esquerda socialista considera que a condenação de Lula por ter sido “desonesto” é progressiva não está compreendendo nada do que aconteceu depois de Junho de 2013 e, sobretudo, depois do impeachment de Dilma Rousseff. A direção do PT apoiou durante quatorze anos, incondicionalmente, a política de negociação/rendição impulsionada por Lula: tranquilizar o capitalismo brasileiro de que ele no poder, em nome da esquerda, não representava qualquer perigo para os seus negócios.

    Mas, os erros de estratégia se pagam. O que alertaram que esta orientação preparava derrotas permaneceram em minoria durante quinze anos. A história está demonstrando diante de nossos olhos, amargamente, que Lula e a direção do PT estavam errados. A estratégia de regulação do capitalismo está tendo um preço monumental para Lula e o PT. A colaboração de classes sempre foi apresentada como a orientação do mal menor. Agora chegou a hora de pagar a conta. A tática de ampliação de alianças com frações do grande empresariado para governar “para todos” seria indolor. Só que não é. O programa “win, win” ou “ganha, ganha”, um projeto de crescimento econômico embalado pela excepcional elevação do preço das commodities, pretendia sustentar reformas como os reajustes do salário mínimo acima da inflação, sem redução da taxa de lucro. Fracassou. Os limites do capitalismo contemporâneo foram mais fortes.

    Os erros de estratégia se pagam. A ilusão de que a Justiça é neutra é uma armadilha ideológica. Nem procuradores, nem juízes são inteligências técnicas imparciais. Aliás, nenhuma lei está acima dos conflitos sociais e políticos. Existem como uma forma de resolver disputas de forma desarmada. A condenação de Lula sem provas contundentes é um ataque às liberdades democráticas e tem como objetivo destruir sua liderança. Lula não deve ser visto como um inocente. Sabia, perfeitamente, como o PT era financiado. Mas aqueles que se reivindicam de esquerda e que não se posicionarem contra a decisão de Moro estão manchando suas biografias.

    Os erros de estratégia se pagam. Quem não defender Lula, juridicamente, diante de Moro está, irremediavelmente, do lado da Lava Jato. Defender os direitos jurídicos de Lula não é o mesmo que defendê-lo politicamente. Significa defender seus direitos democráticos. Combater Moro e a Lava Jato não é o mesmo que defender Lula. Lula não é inocente, mas não nos unimos aos carrascos da burguesia que querem destruí-lo atacando seus direitos democráticos. O ataque a Lula obedece a uma estratégia indisfarçável: impedir sua candidatura em 2018. O PT e Lula não inventaram nada: se dobraram diante da força do dinheiro de empreiteiras e bancos, como PMDB, PSDB, DEM, e uma longa lista. Cumplicidade com o inimigo de classe sob o pretexto de luta contra a corrupção é uma miopia imperdoável. É mais do que necessária uma Frente de Esquerda Socialista para disputar contra o PT uma proposta anticapitalista. Mas ela não se construirá “pegando carona” na campanha reacionária de criminalização de Lula.

    Os erros de estratégia se pagam. Insistir na mesma estratégia, trocando os líderes, não terá outro desenlace, senão novas derrotas.