Nacional

q1111233
  • Recife terá ato pelo fim das agressões sionistas de Israel contra povo palestino

    Nesta terça-feira (22), às 17h, ocorrerá um ato, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), pelo fim do genocídio de Israel contra o povo palestino. A manifestação é organizada pela Aliança Palestina Recife e outros movimentos sociais, partidos de esquerda e organizações políticas. Confira a convocatória da atividade:

    Pelo fim das agressões sionistas de Israel contra o povo palestino!

    No último dia 14 de maio – uma segunda feira sangrenta – o mundo testemunhou estarrecido o assassinato de mais de 50 manifestantes pelo exército de Israel nos territórios ocupados da Palestina.

    No dia seguinte – 15 de maio – o povo palestino enterrava seus mártires e cuidava das milhares de pessoas feridas justamente na data que marca os 70 anos da Nakba – a catástrofe palestina.

    A autoproclamada criação do Estado de Israel, em 15 de maio de 1948, significou para o povo palestino o início da diáspora, a expulsão de 3 milhões de habitantes que hoje vivem nas fronteiras em situação de refúgio.
    Significou, ainda, o início da limpeza étnica na Palestina, promovida pelas autoridades governamentais do recém criado Estado, com o apoio incondicional dos Estados Unidos da América.

    O apoio deste, por sinal, possibilita ao estado de Israel, há sete décadas, ocupar ilegalmente territórios, além de retirar todos os direitos do povo palestino, descumprindo todas as resoluções da Organização das Nações Unidas até hoje aprovadas por unanimidade.

    Diante desse cenário desolador, de massacre e genocídio que Israel acentuou nas últimas semanas contra o povo palestino, a Aliança Palestina Recife vê com perplexidade uma deputada estadual de Pernambuco – Priscila Krause – propor uma sessão em homenagem ao aniversário de 70 anos do supracitado estado.

    Registre-se que uma homenagem aos 100 anos da presença judaica, palestina, japonesa, angolana, armênia, cazaque, ou de qualquer outra origem, em Pernambuco por exemplo, não seria motivo de contestação.

    No entanto, homenagear o estado teocrático de Israel justamente no momento em que a ação desproporcional do seu exército contra as manifestações pelo direito de retorno provocou ampla condenação internacional, nos leva a denunciar publicamente tal proposição.

    As permanentes, crescentes e variadas agressões de Israel contra a nação palestina não colaboram para o ressurgimento ou estabelecimento de um ambiente de convívio entre povos, nacionalidades e crenças diferentes.

    Nesse sentido, convocamos todas as pessoas solidárias com a causa palestina, bem como partidos políticos e movimentos sociais, para um ato em defesa do heróico povo palestino, ao seu direito de existir, direito de retorno das multidões que tiveram que fugir para fora da Palestina, pelo direito à soberania, pelo direito de inclusive voltar a viver em paz com israelitas não sionistas. Tal ato será realizado no próximo dia 22 de maio, às 17 horas, na Rua da União, em frente à Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco.

    Junte-se a nós, erga sua grande voz em solidariedade ao povo palestino e pela efetiva paz entre as pessoas que querem habitar a Palestina com boa vontade.

    Evento no Facebook

    Leia Mais

    Nakba: 70 anos depois, a bandeira da Palestina Livre tremula em Gaza

    Morte e vida Palestina

    As tragédias ensinam, as atitudes inspiram

     

     

  • Guilherme Boulos no ABC Paulista

    Ontem, ocorreu, no paço municipal de Santo André, evento com o pré-candidato para a Presidência da República Guilherme Boulos. Estavam presentes candidatos às câmaras legislativas pelo PSOL e PCB, além de centenas de trabalhadoras e trabalhadores que participam das lutas e ocupações na região, entre ocupantes do MTST, trabalhadores da educação, petroleiros e metalúrgicos.

    O ABC foi referência histórica em diversas lutas, como as greves dos metalúrgicos no final dos 70 que deram fortes golpes na ditadura. E ainda o é, com a vitória ocorrida recentemente na mega ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo do Campo, com oito mil famílias, que obteve liberação de terrenos para a construção de moradias para os ocupantes. Por isso, o discurso de Boulos nesta região pode encontrar forte eco, já que foi construído através das lutas sociais e de forma coletiva na plataforma Vamos.

    Boulos apresentou seu programa e o povo sem medo, que não coube no auditório da Câmara dos Vereadores e teve que ocupar a praça pública, saiu animado com a esperança reabastecida, mesmo passando por uma situação tão difícil neste país e nesta região que sofre especialmente com a crise do desemprego que atingiu fortemente a indústria automobilística.

    Foto: Mídia Ninja

  • Dos años después: Diez argumentos para comprender el golpe jurídico-parlamentario

    El tiempo perdido no se recupera

    La fortuna se cansa de traer siempre a la espalda al mismo hombre.

    Sabiduría popular portuguesa

     

    1. Las explicaciones monocausales para los cambios desfavorables que abrieron la situación defensiva, con elementos reaccionarios, en que vivimos desde, al menos 2016, no son convincentes. El tema es demasiado complejo para formular hipótesis que privilegien o reposen en un solo factor. Hay que aprender de las derrotas. Las interpretaciones unilaterales, incompletas, conducirán a conclusiones erróneas. La explicación debe ser pluricausal. No fueron, esencialmente, las políticas anticíclicas del gobierno de Dilma Rousseff, las que explican su caída. Aunque fuese cierto que una fracción de la clase dominante, en especial el capital financiero, era muy crítica antes de 2015, esta crítica no era hegemónica. Esta explicación, casi unánime en los círculos liberales y reaccionarios, y con alguna influencia en medios de izquierda, es una “cortina de humo” y, por lo tanto, es falsa.
    2. La operación Lava Jato abrió hace cuatro años la lucha entre dos fracciones de la clase dominante: aquella que quiere mantener el sistema partidista más o menos intacto, y aquella que decidió desplazar al PT y reformar el régimen político, “cambiando la rueda con el coche en movimiento”. La burguesía no es una clase con intereses y posiciones económicas y políticas monolíticas. Ninguna clase social tiene un “comité central”. El régimen democrático-electoral es más cómodo para la burguesía, justamente, porque fortalecen libertades democráticas para que sus diferentes fracciones puedan disputar la defensa de sus intereses inmediatos, y sus apuestas estratégicas, en espacio público. La superestructura empresarial y política giró poco a poco hacia el impeachment, pero finalmente, en pocos meses, la clase dominante se unificó y decidió apostar al golpe, bajo presión de la movilización de los sectores medios impulsada por la extrema derecha, fundamentalmente, en función del resultado de 2014; de la dificultad de la alternancia electoral frente al prestigio del PT y de Lula; del estancamiento económico provocado por la caída de las inversiones como consecuencia de la tasa media de ganancia; y de la presión de una fracción del imperialismo que condicionó inversiones en Brasil a la reducción de los costos productivos: peso fiscal del Estado, proporción deuda pública/PIB, y elevación del salario medio por encima de US$ 700,00.
    3. Los gobiernos, incluso los gobiernos de colaboración de clases y de coalición, inclusive en Brasil, no caen porque dejaron de tener apoyo unánime en la clase dominante. Los apoyos unánimes son raros hasta cuando son gobiernos de partidos de representación directa del capital. Pueden mantenerse indefinidamente con el apoyo de algunas fracciones. Solo están amenazados de caída cuando la burguesía se une y pasa en bloque a la oposición y tiene luz verde de una fracción importante imperialista. Aun así es necesario alimentar una subversión social para derrocar al gobierno.
    4. Los gobiernos no caen, en regímenes presidenciales de países de la periferia, porque han perdido la popularidad. Tienen que ser derribados. Si la impopularidad fuese un factor suficiente para derribar gobiernos electos, el gobierno Temer ya habría sido defenestrado el año pasado, tras la divulgación de las grabaciones en el garaje del Palacio. Y no cayó. Aguantó el juicio en el STE y dos votaciones en la Cámara de Diputados. Para que eso acontezca es necesaria una movilización social muy fuerte que abra el camino. Sin esta intervención, el Congreso y la Justicia no alcanzan la legitimidad para que puedan resolver la crisis de gobernabilidad, sacrificando al gobierno, pero preservando el régimen político. Es necesario, también, que el gobierno de turno no tenga capacidad de defenderse apoyado en su base social, neutralizando las presiones por la interrupción del mandato.
    5. No fue tampoco el giro del MDB hacia la oposición, ni la conspiración de Temer conduciendo a Eduardo Cunha a la presidencia de la Cámara de Diputados lo que explica, en lo fundamental, el golpe jurídico-parlamentario. Tampoco fue el giro de los banqueros, o de la Fiesp, lo que explica la inversión de la situación política, la caída de Dilma, o la prisión de Lula. Todo esto contó, pero fueron factores superestructurales. Interpretaciones que valoran excesivamente la operación de la lucha de partidos en la superestructura de la sociedad flirtean peligrosamente con concepciones conspirativas de la historia. La lucha de partidos tiene un gran lugar en la historia, pero no sustituye a la lucha de clases. El papel de los individuos tiene también su lugar, pero sólo muy excepcionalmente, o sea, en situaciones revolucionarias o contrarrevolucionarias, alteran el curso cualitativo de los acontecimientos.
    6. Si no hubiesen salido millones de personas de los sectores medios enfurecidas a las calles, con el pretexto de apoyar la operación Lava Jato, derrocar al gobierno, Dilma Rousseff no habría sufrido el impeachment, en función de las llamadas “pedaleadas fiscales”. La cuestión clave debe ser el análisis de la multiplicidad de factores que empujaron a la clase media hacia la campaña de derrocamiento del gobierno. Se produjo un proceso lento de desplazamiento de los sectores medios hacia la oposición, sobre todo, durante el primer mandato de Dilma Rousseff. Se expresó en las calles en junio de 2013. La explosión de junio de 2013 fue un fenómeno complejo, por lo tanto, policlasista. Los sectores medios, con audiencia de masas, liderados por grupos de extrema derecha salieron también, a las calles. Por eso hubo combates tan violentos contra las banderas rojas. No fueron solamente los sectores más escolarizados de asalariados urbanos los que se sintieron motivados, después de la represión, las marchas contra los aumentos de pasajes. Aunque, en general, prevalecieron reivindicaciones progresivas, una parte del malestar social de los sectores medios estuvo presente.
    7. En 2015/16 estas franjas medias volvieron a las calles, ahora furiosamente disconformes con la victoria electoral del PT en 2014, y provocados por la inflación en alza de la educación y salud privadas y demás servicios, por el endeudamiento de las familias, por la tendencia de caída del salario medio de la escolaridad superior, por el estancamiento del crecimiento, por el peso creciente del IRPF (Impuesto a la Renta de la Persona Física), por el crecimiento de la criminalidad, y, finalmente, por el bombardeo de las denuncias de corrupción. Los errores de los gobiernos liderados por el PT, no sus aciertos, empujaron a la inmensa mayoría de la clase media a los brazos de los líderes burgueses. La burguesía brasileña pasó a tener, por primera vez después de medio siglo, la hegemonía en las calles.
    8. Por otra parte, lo que, desde una perspectiva histórica, merece ser considerado excepcional fue la victoria electoral del PT para la presidencia, por cuatro veces consecutivas. La victoria de Lula en 2002 remite a las luchas de la década de los ochenta y al desgaste social acumulado después de los dos mandatos de FHC. Pero las tres victorias electorales siguientes solo fueron posibles en función del contexto externo extraordinario de valorización del precio de los commodities, que ofreció el fundamento para las tasas de crecimiento económico que fundaron la estrategia “gana-gana” de las políticas sociales que llevaron a la clase dominante a sostener a los gobiernos liderados por el PT, incluso después del escándalo del “mensalão”, y ampliaron la base social del lulismo. La tendencia del capitalismo contemporáneo no es la ampliación de reformas. Lo que pasa es lo contrario incluso en los países centrales. No comprender estas restricciones históricas a la concesión de reformas solo podrá alimentar las ilusiones políticas de que una nueva experiencia de conciliación de clases merece ser replicada.
    9. La incapacidad del PT y del lulismo de levantar una movilización de los trabajadores y de los sectores populares, a la altura del desafío planteado por la campaña por el impeachment de Rousseff, es una de las claves de comprensión de las derrotas que vinieron luego, hasta la prisión de Lula. Cuando se decidieron a ir a las calles, ya era demasiado tarde. La lucha política tiene sus tiempos. Y la dirección del PT y Lula tuvieron mucho tiempo para decidirse, porque el golpe palaciego fue articulado, a diferencia de Paraguay, en “cámara lenta”. Entre la carta de ruptura de Michel Temer, la renuncia de Joaquim Levy, al final de 2015, el giro de la Fiesp y la unificación de la burguesía, y las movilizaciones de algunos millones de “amarillitos” en marzo/abril, hasta la votación del ” impeachment en mayo de 2016, existió un espacio de seis meses. No pudieron defenderse porque, incluso, cuando estaban siendo acorralados por la presión burguesa, apostaron por la vía de las negociaciones, una elección políticamente suicida. ¿Por qué?
    10. Este es otro tema pluricausal. Las explicaciones monotemáticas no son convincentes. Pesó la increíble decisión del PT y de Lula de privilegiar las alianzas en el Congreso Nacional, y de negar apoyarse en la movilización popular durante sus trece años de gobierno, hasta la hora del golpe; pesó el malestar en la clase trabajadora organizada ante el giro político de Dilma Rousseff a partir de la victoria de 2014, aceptando los chantajes burgueses por un ajuste fiscal que no podría dejar de tener secuelas recesivas graves; pesó la dificultad de movilización de la amplia mayoría del pueblo pobre que no tiene instrumentos de autoorganización; pesó la extrema burocratización de los sindicatos, aún hoy, la red más poderosa de organizaciones de representación de la clase obrera y del pueblo; pesó la fragilidad orgánica del PT, todavía el mayor partido, pero que se ha convertido en un aparato electoral profesional, impotente ante la tarea de llevar a millones a las calles. Lo que, sin embargo, es cierto es que las derrotas estimulan reflexiones sobre la responsabilidad de los dirigentes. Así como la derrota de 1964 abrió una crisis en el PCB, la derrota de 2016 ya abrió una crisis en el PT que no podrá ser contenida. Lula es un preso político frente a la Lava Jato. Pero no es inocente ante la tragedia económico-social que se abate sobre el destino de decenas de millones que sufren las secuelas del gobierno Temer. Sin crisis, nada se transforma. La reorganización de la izquierda brasileña está apenas empezando. Y el futuro pasa por la Alianza impulsada por el PSOL y el MTST.

     

    Foto: AP

     

  • Ato marca Dia Nacional da Luta Antimanicomial no Rio de Janeiro

    O dia 18 de maio é marcado pela luta antimanicomial no Brasil. Em meio a retrocessos e opressões, é muito importante dar continuidade à resistência dos que são considerados “marginais” da sociedade, quando na verdade a marginalização de fato está presente no sistema carcerário que só aprisiona negras e negros, LGBTs, pobres e jovens. Hoje, que foi o dia nacional da luta, várias mobilizações foram organizadas e a rua foi ocupada. No Rio de Janeiro, um ato teve início no Largo da Carioca, com diversos movimentos e CAPS reunidos, iniciado pelo Núcleo Estadual do Movimento da Luta Antimanicomial. O lema principal levantado no ato foi ‘Intervenção não é segurança, manicômio não é tratamento: antimanicomiais na luta contra o genocídio negro’.

    Ato percorreu ruas do Centro do Rio de Janeiro | Foto: Gustavo Henrique

    Há 30 anos, o Movimento dos Trabalhadores de Saúde Mental organizou a primeira manifestação pública no Brasil contra os manicômios nas ruas de Bauru, luta que está presente para além da Reforma Psiquiátrica nos anos 70, já que a liberdade sempre foi

    Foto: Gustavo Henrique

    direito de toda a população. O movimento recusa totalmente a violência institucionalizada que desrespeita os direitos humanos, consolidando o início de uma nova forma de acolher a loucura com a criação dos CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), que são unidades especializadas em saúde mental para tratamento e reinserção social de pessoas com transtorno mental grave e persistente.

    É muito importante debater as políticas de saúde, quem tem direito a elas e a que condições. A mercantilização da saúde com o plano do governo de privatização do SUS nada mais é do que precarizar o acesso à saúde para aqueles que já têm pouco acesso, entendendo que essa estrutura se faz no próprio capitalismo. Além disso, a reforma trabalhista contribui para a precarização da vida dos trabalhadores quando as condições de trabalho podem gerar danos à saúde dos mesmos, o que faz ainda mais importante o papel do SUS na contribuição e asseguração desse trabalhador. Lutar pelo movimento antimanicomial é ser contra qualquer tipo de aprisionamento, opressão, exploração e, principalmente, contra o genocídio negro, já que os ataques estão sempre presentes, como o assassinato da vereadora Marielle Franco, mãe, negra, lésbica e militante, que foi uma forma de tentar calar a luta e emancipar a violência.

    Foto: Gustavo Henrique

    Na unificação de toda a classe operária, da juventude, dos LGBTs, negros e índios se faz a força para derrubar o fascismo que somente visa desmembrar o enfretamento à opressão. Nessa unificação, se torna essencial também agregar com aqueles que sofrem exclusão por terem a loucura consigo. Antigamente, as doenças mentais eram pouco discutidas, sofrendo até mesmo o preconceito que “é falta de Deus”. Entretanto, é o momento de debater a fundo sobre saúde mental e acolher a loucura como parte da sociedade. Nise da Silveira já dizia que a loucura é a nossa realidade mais profunda. Essa aproximação faria enxergar o que estava presente no ato hoje: Todos dançando, cantando e lutando pelos seus direitos, independente de laudos psíquicos.

    Manicômio não é tratamento!

    *Gustavo Henrique é militante do movimento Afronte

  • Dia da Luta Antimanicomial: os novos alvos

    Hoje, dia 18 de maio, em vários serviços de saúde, há uma série de atividades para discutir a importância dessa data enquanto um dia por conquistas em relação à luta antimanicomial. Sempre fui uma defensora dessa luta, e sempre quando estudava sobre as bizarrices que aconteciam no passado, me parecia uma coisa muito distante e muito óbvia que aquelas práticas estavam erradas. Mas acho que essa obviedade exige distância histórica para ser enxergada. Digo isso porque a todo momento podemos ver o manicômio ser reinventado. De várias maneiras. O manicômio-aprisionamento está incrustado no sistema capitalista como “solução” de problemas sociais causados pelo próprio sistema econômico. E está incrustado em nossa formação nos cursos de saúde também.

    Por que digo isso? Porque hoje parece óbvio o quanto era absurda a prática manicomial e tudo que estava impregnado nela: encarceramento em massa da população com alguma demanda de saúde mental, lobotomia, choque elétrico para fins de “diminuir agressividade”, choque insulinico, isolamento social dos pacientes e sua estereotipação, entre outras coisas.

    Parece óbvio o absurdo, em especial para quem acompanha a vida e luta dos profissionais que batalharam contra essas práticas. Porque fica parecendo que tudo era como um bem x mau, humano x desumano. E mesmo que no fundo as coisas tenham uma verdade, elas não são mostradas assim naquele momento. As práticas manicomiais eram apresentadas como “salvação” àquela população, como medida “protetiva” a quem não tinha transtornos mentais, como forma de “recuperar” aquelas pessoas. Qualquer semelhança com o discurso das prisões em massa não é mera coincidência) Foi sob muita luta de muitos profissionais que se fez enxergar o óbvio.

    E hoje? Quem são as novas vítimas dessa lógica manicomial? Na minha opinião, e tem ficado mais óbvio para mim durante a curta experiência no Consultório na Rua, são os usuários de drogas, associados a uma clara política de criminalização da pobreza. Quando a política da “abordagem e assistência” no Rio de Janeiro se depara nas ruas com esses dois elementos de maneira conjunta, começa o “vale-tudo”. E não duvido que seja igual nos outros estados.

    Já tinha escutado e me deparado com muitas situações desse tipo, mas hoje no grupo foi onde mais pude ouvir.

    Relatos de espancamento aos pacientes, simplesmente por eles estarem sem documentos na rua, ou estarem fazendo uso de alguma substância. Relatos de perseguição, assédio constante, racismo institucional, do mais institucional possível. Relatos de abrigos tão insalubres e de uma política de abrigamento que faz com que muitos usuários realmente prefiram seu cantinho na rua. Relatos de ações de “limpeza” (esse é o nome oficial dado às ações da Prefeitura), onde são jogados fora os poucos pedaços de papelão que são, tristemente, a casa dessas pessoas. Jogam fora medicações, e o que estiver pela frente. Relatos para mim óbvios de criminalização da pobreza. Essas pessoas são levadas às delegacias por nada, a prisões por nada, a abrigos insalubres todos os dias.

    A situação tem piorado com a crise econômica. Sem dúvida, os abrigos que são bons estão cada vez mais reduzidos. Os Centro de Atenção PsicoSocial (CAPS) cada vez mais escassos e sem recursos, os demais aparelhos de redução de danos, como consultórios na Rua, sendo reduzidos por corte de verbas ou com profissionais desestimulados pela falta de recursos e muitas vezes de pagamento.

    Acrescido a isso as garras do manicômio crescem com as políticas pós-golpe, à medida em que se passa a investir dinheiro público oficialmente em “comunidades terapêuticas” de cunho religioso e privadas e desinvestir em CAPS, à medida que cresce a criminalização da pobreza.

    Na atividade de hoje os pacientes sabiam que era sobre a luta antimanicomial e em menos de dez minutos de início da atividade estavam relacionando essa luta à luta contra o racismo, a intervenção, a “abordagem” truculenta. A última coisa que eles falaram foi sobre os manicômios antigos de fato, pois foi na realidade do dia a dia que eles perceberam que todas essas ações atuais também são para isolá-los da sociedade. E sempre, sempre, sob o pretexto da recuperação.

    No meio da atividade um de nossos pacientes falou “o manicômio é uma máquina de produzir loucos, que nem a prisão é máquina de produzir bandidos, mas a máquina é só para pobre. Eu estive em Benfica com Sérgio Cabral e via que ele não comia o mesmo que a gente, nem andava no mesmo pátio. Ali é só teatro, é feita mesmo pra gente”.

    Dito assim, parece óbvio, mas não é.

    Parabéns a todas e todos os profissionais que fazem da luta antimanicomial seu dia a dia.

    *Mariana é médica do Consultório na Rua

  • Na defesa da Reforma Psiquiátrica

    A lembrança do manicômio traz de volta uma lamentável marca na história da psiquiatria brasileira, que infelizmente sobrevive através de mascaradas práticas e políticas de retrocesso e discursos neofascistas. É neste contexto que o 18 de maio, Dia Nacional da Luta Antimanicomial, é marcado pela luta e resistência daqueles que defendem uma outra prática do cuidado em saúde mental.

    Estamos em um momento em que os governos dos três níveis atacam os direitos sociais do povo trabalhador com a PEC 95, que limita os gastos em serviços públicos. Para além disso, o governo golpista de Temer apresenta sem qualquer discussão prévia com o conjunto de trabalhadores, usuários e familiares que compõem o campo da saúde mental, bem como sem a avaliação e aprovação do Conselho Nacional de Saúde, a Portaria 3.588 de 21 de dezembro de 2017. Ela retrocede a Reforma Psiquiátrica e sua Lei 10.216, que foi promulgada em 2001 e que já vinha sendo construída na sociedade brasileira.

    Essa portaria de Temer vai contra toda a luta dos últimos trinta anos. Ela significa o aumento de verba para os hospitais psiquiátricos, com aumento do número de leitos, e para comunidades terapêuticas. Caso seja efetivada, teremos a volta de uma política de cuidado do encarceramento que é ineficaz e cruel com a população que demanda um cuidado em saúde mental.

    A perversidade dos golpistas não tem limite. No campo da assistência a usuários de álcool e outras drogas, o governo apresenta uma falsa nova, mas velha política de drogas sancionada pela Portaria 679 de 20 de março de 2018, centrada na abstinência absoluta e na internação de médio prazo de usuários nas chamadas comunidades terapêuticas. Permanecendo com a linha anti-democrática, apresenta a referida lei sem qualquer discussão com as instâncias de controle social do SUS, e de entidades científicas, profissionais e gestores de programas do campo.

    É preciso construir resistência para lutar contra o manicômio, como também práticas, políticas e culturas manicomiais e de isolamento social. Não podemos esquecer o modelo higienista responsável pela morte de 60 mil pessoas, e isso apenas na cidade de Barbacena, naquilo que ficou conhecido como o ‘Holocausto brasileiro”.

    Foto: Abrasco

  • Conferência do M-LPS debaterá unificação com a Resistência

    Nos próximos dias 25, 26 e 27 de maio, o M-LPS (Movimento Luta Pelo Socialismo) realizará a Conferência Nacional Humberto Belvedere in memoriam. A abertura da Conferência será em ato público aberto no dia 25 de maio, a partir das 19h, na sede do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo (Av. Rangel Pestana, 1.189, Brás).

    O nome da Conferência é uma homenagem ao camarada Humberto Belvedere, fundador do M-LPS, que faleceu alguns meses depois da constituição da organização. Bel, como era chamado,  era um veterano militante, desde a década de 1960, e fonte de inspiração para a organização, que tem atuação em diversos estados do País e constrói o PSOL.

    A Conferência debaterá a situação política nacional e internacional, balanço, perspectivas e a proposta de unificação com a mais nova organização da esquerda socialista no Brasil, a Resistência. “Após um ano de existência e tendo participado das principais lutas neste período, é hora de fazer um balanço e discutir o futuro numa complexa conjuntura nacional e internacional”, anuncia a convocatória da Conferência, no site do M-LPS.

    O M-LPS foi formado em maio de 2017, dois meses após uma ruptura com a organização Esquerda Marxista. Desde então, a organização manteve um processo de debates e de produção de textos em conjunto com o MAIS e a NOS, organizações que se fundiram em 30 de abril, para formarem a Resistência.

    Pouco depois do Congresso de Fusão, o MLT (Movimento de Luta dos Trabalhadores), organização de jovens trabalhadores e estudantes de São Paulo, aprovou o ingresso na Resistência.

    FOTO: José Carlos Miranda, do M-LPS, no ato político de lançamento da Resistência

    SAIBA MAIS

    Nasce a “Resistência”, nova organização política da esquerda brasileira

  • Dia internacional de combate à LGBTfobia em meio ao avanço da violência

    A data de hoje, 17 de maio, é referência simbólica da luta pelos direitos LGBTs, pois foi nessa data, há 28 anos, o dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de considerar a homossexualidade como doença. Portanto, desde 1992, quando oficialmente foi declarada como dia Internacional de Combate à LGBTfobia ( inicialmente contra a Homofobia), hoje é dia de lembrar essa importante conquista para denunciar as muitas formas de violência e discriminação que nós LGBTs sofremos todos os dias em nossa sociedade.

    De acordo com o relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (ILGA), o Brasil está no primeiro lugar nas Américas em quantidade de homicídios de pessoas LGBTs e também é o líder em assassinato de pessoas trans no mundo.

    De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 19 horas, uma pessoa LGBT é morta no país. Em 2017, foram 445 pessoas assassinadas no Brasil por serem LBGTs.

    Somente nos quatro primeiros meses deste ano, 153 pessoas LGBTs foram assassinadas no país. A população trans é a mais atingida por essa violência. Segundo a Rede Trans Brasil, a cada 26 horas, aproximadamente, uma pessoa trans é assassinada no país.

    Esses dados evidenciam em números a consequência, também, das palavras. O discurso de ódio, não só no Brasil, mas em todo o mundo cresceu. Diante da crise atual do capital, aberta entre 2007 e 2008, um setor dos donos do poder aposta em saídas reacionárias se baseando na superexploração e violência contra pessoas e povos oprimidos.

    É assim nas iniciativas de perseguição crescente contra imigrantes, em grande parte sobreviventes de guerras e crimes contra a humanidade, como no caso da Síria; também no discurso crescente de busca por combater qualquer identidade de gênero ou orientação sexual que atente contra o padrão heteronormativo. O programa Escola Sem Partido, que avança no Congresso Nacional, é também um exemplo disso. Assim como a campanha ideológica de Bolsonaro repercutindo o ódio contra todas as minorias políticas.

    Hoje, muito mais que lembrar o passado e nossas conquistas, especialmente na pauta da visibilidade, é dia de denunciar que a violência contra LGBTs está crescendo. E em meio a isso, o texto de referência da Organização Mundial da Saúde(OMS), o ICD 10, incluem as pessoas transexuais na mesma e ampla categoria que a pedofilia e a cleptomania. Para eles, ser trans é ser doente. São medidas como essas que contribuem para as condições de desenvolvimento das pessoas trans serem das mais difíceis. A expectativa de vida dessa população não passa de 35 anos.

    Há pouco mais de dois meses, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que pessoas trans podem alterar seus nomes em cartório para que seus documentos coincidam com suas identidades. A decisão, no entanto, se deu apenas por conta de um recurso de uma pessoa trans do Rio Grande do Sul contra uma decisão de primeira instância que exigia que ela fizesse cirurgia antes de mudar o próprio nome. O caso tramitou no Judiciário por cinco anos.

    Reconhecer pequenos avanços é parte de entender que há forças agindo para impor enormes retrocessos.

    17 de maio, dia de luta, luto e denúncia!

    Foto: EBC

  • Carta do SOS Paissandu para a sociedade civil e gestão da cidade de São Paulo

    Os ex-moradores do prédio Wilton Paes de Almeida, ocupação no Largo do Paissandu, em São Paulo, escreveram uma carta onde relatam vários aspectos da tragédia. Contem o depoimento de três ex-moradores, colhidos no último dia 12 e condensados em um só documento, que representa a dura realidade de pessoas criminalizadas pela grande mídia e invisibilizadas pela especulação imobiliária que ronda cidades como São Paulo. Os relatos foram feitos sob crescentes rumores de que no dia seguinte, domingo de dia das mães, a polícia militar compareceria ao local para despejá-las. Abaixo, divulgamos a íntegra da carta:

    Nós, aqui da Ocupação do Largo do Paissandu, ouvimos que existe uma movimentação de dentro da Prefeitura de São Paulo para tentar pressionar a nossa saída daqui da praça através do uso do Conselho Tutelar, tirando nossos filhos e filhas de nossos braços e do nosso cuidado, impedindo que essas crianças cresçam junto com seus pais e mães, além de não resolver a questão das famílias que ficaram sem moradia após o desabamento do prédio onde estávamos morando.

    Foto: Carol Burgos | Esquerda Online

    O que podemos dizer é o seguinte: isso é uma situação vergonhosa porque ao invés do Estado se unir com outros poderes para se comprometerem com nós, com todas as famílias, para sairmos daqui instalados em algum lugar digno, a prefeitura prefere tirar os nossos filhos da gente. Essa atitude demonstra que esses políticos não estão preparados pra resolver o problema da população e que escolhem para qual população eles realmente querem governar, para quem eles realmente vão olhar e quem vão inviabilizar. Nós fomos invisibilizados.

    Estão fazendo como na ditadura fazia: oprimindo o povo através do medo. Quando você tem alguém que o povo escolhe, ele tem que pensar no bem-estar do povo, não em oprimir o povo.

    Vamos resistir, vamos lutar! Enquanto não sentarmos na mesa com o prefeito e não tivermos uma situação favorável pras famílias, não vamos sair daqui. A não ser que eles joguem bomba em todo mundo aqui, nas crianças, nas mulheres, nos homens, mas não acho que fariam isso porque o mundo todo está acompanhando isso aqui e isso seria vergonhoso aos olhos da mídia internacional e nacional porque estamos em ano eleitoral e o desabamento do prédio tornou-se notícia no mundo todo.

    O dever do conselho tutelar não é tirar os filhos, é ajudar. Sabemos dos nossos direitos e sabemos que a retirada das crianças é a última opção e deve passar por várias outras etapas. Qual é o prazer que têm em tirar nossas crianças? Isso é uma covardia da Prefeitura. Se tirar um dos nossos filhos, não vai ficar barato. Vamos onde eles estiverem para buscar os nossos filhos. Aqui ninguém é usuário de drogas, ninguém é pilantra, ninguém é ladrão, aqui vive um povo necessitado e guerreiro! Queremos que saibam que vamos arrumar guerra se sair uma criança daqui.

    A gente faz um monte de protocolo para colocar criança na escola, para conseguir casa, mas nunca anda. Vamos até o final com as mães e com os advogados, daqui não sai nenhuma criança! Ao invés de facilitar com a burocracia para moradia e para educação, a prefeitura quer tirar os nossos filhos.

    Foto: Pedro Alexandre | Esquerda Online


    Tudo que temos é doação. Pedimos banheiro químico e foi negado. Pedimos sim o conselho tutelar, mas para as crianças irem à escola porque não tinham nenhum material, não para tirá-las daqui. Eles ganharam material escolar da sociedade civil e estão indo estudar apenas com isso. Ninguém está na ocupação por vagabundagem. A maioria deixa os familiares aqui e vai trabalhar, só volta a noite. Vivemos uma vida, como todos vivem, precisamos apenas de uma moradia. Ninguém está aqui porque quer.

    Foto: Pedro Alexandre | Esquerda Online

    Venha conhecer as nossas histórias!

    Não é só nós que estamos sofrendo com isso. Há um dono de um bar na esquina que foi solidário conosco e no dia seguinte, começou uma movimentação muito grande para fechar o bar daquele senhor através da vigilância sanitária. Um bar que estava ali há anos e só agora que ele nos ajudou que foi fechado. Ou seja, a prefeitura prefere tirar emprego das pessoas que trabalhavam no bar ao nos ajudar.

    O prefeito Bruno Covas tem que ter um olhar mais humano e mais digno. Tirar uma criança do cuidado da sua mãe é atitude de quem não tem coração. Queremos que ele venha aqui e veja nossa situação de perto, viva na nossa pele para então podemos conversar e negociar, junto com os nossos advogados, baseado nos direitos que temos perante a lei.

    Moradores da ocupação SOS Paissandú

    São Paulo, 14 de maio de 2018

  • Não choremos: compreendamos e lutemos

    Neste 14 de maio, completam dois meses da execução da vereadora socialista do Psol, a Marielle Franco, bem como trinta e sete dias da prisão, sem provas, de Lula. Nesse período, foram executados três jovens da UJS em Maricá, bandos de ultra—direita e, ou fascistas deram tiros na Caravana de Lula e, depois, no Acampamento pró-Lula, em Curitiba, feriram à bala dois militantes. Anteontem, foi ferida à bala a militante do MTST Nathanelly dos Santos, de Aracaju, por policiais, numa ocupação de terras.

    Creio ser muito importante o texto de Nahuel Moreno de 1974 sobre a escalada das bandas fascistas na Argentina nesses anos. Moreno, junto com Hugo Blanco, foram os maiores e melhores militantes socialistas com quem tive a oportunidade de conhecer e trabalhar junto.

    Diz Moreno, entre outras coisas:

    “Diante desse perigo, diante dessa escalada que vem há muito tempo, hoje estamos aqui gritando pela unidade de ação. Nosso Partido está profundamente preocupado se esta unidade de ação é apenas para acompanhar o funeral até o cemitério ou será a unidade de ação na rua para derrotar e esmagar a fera fascista. Não queremos que a unidade de ação apenas acompanhe nosso cortejo fúnebre. Queremos para esmagar o fascismo”

    “As facções fascistas agiram até agora e continuarão a agir. Elas não fizeram nenhuma distinção entre a JP [Juventude peronista], o PC [Partido Comunista] ou o PST [Partido Socialista dos Trabalhadores]. Seu objetivo é tentar quebrar todas as organizações. Chegou a hora de tirarmos uma conclusão muito importante que nos chega do Chile, que vem da experiência mundial. O fascismo não é derrotado pelo caminho das eleições! O fascismo não é derrotado pelas frentes [eleitorais]!”

    Abaixo, o texto completo da intervenção de Moreno em nome do saudoso Partido Socialista dos Trabalhadores da Argentina:

    “Não queremos que a unidade de ação acompanhe nosso cortejo fúnebre” 
    Queremos que esmague o fascismo!

    Resolvemos publicar no local usualmente ocupado pela Editorial do Avanzada Socialista o discurso feito em nome do Comitê Executivo do Partido Socialista dos Trabalhadores por Nahuel Moreno no ato de sepultamento de nossos três companheiros assassinados. Resume nossa posição diante dos momentos sérios da hora.

    Em nome da liderança do nosso Partido, eu gostaria de dar nossas mais profundas condolências aos parentes dos três companheiros que caíram na luta. Quero dizer também que estes três camaradas continuarão a viver não só na memória do nosso Partido: continuarão a viver na memória da sua classe e de todos os combatentes anticapitalistas, anti-imperialistas e revolucionários do país. Eles permanecerão ao nosso lado apesar de terem desaparecido fisicamente.

    Em segundo lugar, em nome do Partido, quero salientar que esses três camaradas foram grandes, imensos e não o dizemos por causa da biografia pessoal desses três militantes. Não se trata de adotar uma atitude hipócrita, no estilo dos panegíricos que os obituários burgueses escrevem quando um de seus personagens morre. Eles eram jovens: eles não tinham uma extraordinária biografia, nem internacional nem de qualquer tipo. Eles eram três militantes modestos. Mas é por isso que eles eram muito maiores ainda. Eles eram grandes porque a luta deles era grande. Eles foram grandes porque o nosso partido é grande. Eles foram grandes porque é grande a sua ideologia!

    Eles morreram pelo que foram: socialistas, revolucionários, internacionalistas legítimos e por tudo isso queremos reivindicá-los. Nós também queremos reivindicá-los como combatentes de toda a esquerda como um todo, contra um perigo que nos ameaça a todos: o fascismo e o golpe reacionário. Essa parte da personalidade dos companheiros que é uma herança comum, essa parte da biografia de nosso companheiro se relaciona mais do que Trelew , a aqueles fatos tão ou mais graves do que as de Trelew[ na madrugada de 22 de agosto de 1972 foram assassinados 16 militantes de distintas organizações peronistas e de esquerda presos na penitenciária de Rawson].

    Em terceiro lugar, camaradas, quero agradecer fraternalmente a todos os partidos e organizações que contribuíram para a sua solidariedade e, especialmente, a todos os partidos e organizações que aqui estiveram presentes com a sua mobilização. Nesta apreciação nós cuidadosamente sabemos distinguir as tendências socialistas, as dos nossos irmãos no objetivo final e aquelas outras tendências que não coincidem com a nossa meta final, mas que estão ligados a nós contra o monstro e o perigo fascista. Com todo o respeito, dizemos que elas deram um exemplo de unidade de ação, aquelas correntes humanistas, democráticas ou liberais que estiveram aqui presentes para nos saudar e deixaram de lado as profundas diferenças ideológicas que podemos ter com elas. Esses dois fatos devem nos levar à reflexão. Há uma frase antiga de um filósofo que diz: “Nem ria nem chora: compreende”. Hoje os revolucionários têm que dizer: “Não choremos; compreendamos e lutemos!. “

    Este é também o momento de refletir sobre a situação pela qual passa o país e fazer um chamado em nome do Comitê Executivo do nosso Partido. É evidente que há uma escalada fascista no país. Escalada fascista que não é um simples surto histérico, porque não é a escalada fascista de um movimento que está fora do governo, mas é baseado no próprio governo. Um elemento categórico comprova isso, assim que refletirmos um pouco. Até agora não foi descoberto um único ataque contra militantes de esquerda, nem a morte de um trabalhador comunista, nem as torturas, nem a morte de Montoneros nem de militantes da JP[Juventude peronista], nem de nossos mortos! Jamais! É uma ineficiência fantástica a da polícia e de todos os serviços secretos do regime descobrir os assassinos de militantes de esquerda. No entanto, eles têm uma eficiência incrível para descobrir, segundo eles, os ataques que a esquerda faz. Isto tem como significado para nós que o fascismo é fomentado dentro do governo: o próprio governo alimenta os setores fascistas que preparam um golpe branco. Há um silêncio cúmplice do governo em tudo isso.

    Diante desse perigo, diante dessa escalada que vem há muito tempo, hoje estamos aqui gritando pela unidade de ação. Nosso Partido está profundamente preocupado se esta unidade de ação é apenas para acompanhar o funeral até o cemitério ou será a unidade de ação na rua para derrotar e esmagar a fera fascista. Não queremos que a unidade de ação apenas acompanhe nosso cortejo fúnebre. Queremos para esmagar o fascismo e fazer o desfile da vitória! Consideramos que a unidade de ação diante dos inimigos fascistas é indispensável. Mas não queremos isso daqui a dez ou vinte anos. É verdade que o fascismo de Mussolini dominou durante vinte anos e que Hitler durou dez anos; Também é verdade que o exército de um país socialista teve que ir libertá-los. Mas queremos evitar que o fascismo venha e queremos pará-lo agora! Nós não queremos celebrar sua queda depois de vinte anos de erros e retrocessos!

    É assim, camaradas, como se pode aprender da experiência. As facções fascistas agiram até agora e continuarão a agir. Elas não fizeram nenhuma distinção entre a JP [Juventude peronista], o PC [Partido Comunista] ou o PST [Partido Socialista dos Trabalhadores]. Seu objetivo é tentar quebrar todas as organizações. Chegou a hora de tirarmos uma conclusão muito importante que nos chega do Chile, que vem da experiência mundial. O fascismo não é derrotado pelo caminho das eleições! O fascismo não é derrotado pelas frentes [eleitorais]! Aí está a experiência de Allende no Chile; aquela grande frente de tipo eleitoral que caiu como água entre as mãos ao primeiro impacto do fascismo.

    O fascismo também não é para se discutir. Não é uma tendência política ou intelectual. O fascismo, camaradas, é destruído na rua, com os mesmos métodos que eles usam! Se quisermos homenagear os mortos do PC [partido Comunista], se quisermos homenagear os mortos da JP [Juventude Peronista] e nossos mortos, também temos que entender nossa reflexão. Vamos aprender sobre o fascismo no Chile, vamos aprender que antes de nos matar, temos que detê-los! É por isso que a liderança do nosso partido, como resolução de seu Comitê Executivo, convida todas as tendências aqui presentes e os que não estão, para a próxima quarta-feira às 19 em nosso local, e comecemos a formar brigadas ou piquetes antifascistas operários e populares que serão a ferramenta com a qual definitivamente abateremos as bandas fascistas em nosso país.

    Foto: Carol Burgos | Esquerda Online