Pular para o conteúdo
Colunas

Sobre a militância (11)

Valerio Arcary

Professor titular aposentado do IFSP. Doutor em História pela USP. Militante trotskista desde a Revolução dos Cravos. Autor de diversos livros, entre eles O Martelo da História.

Ser de esquerda no Brasil é ser parte de uma minoria. E ser muito tempo uma minoria não é fácil. Ser uma minoria é estar à margem do fluxo de opinião majoritário. Precisamos conversar sobre as causas e consequências impostas por esta condição de relativa marginalidade.

Diferente de alguns países vizinhos, a imensa maioria da sociedade, mesmo se considerarmos somente a classe trabalhadora, não tem uma definição ideológica. Defender o socialismo provoca alguma perplexidade.

Ser militante de esquerda é ainda mais estranho. Sejamos francos uns com os outros. Ter um compromisso político, participar de sindicatos, movimentos e partidos e manter uma atividade consistente para construir uma ferramenta coletiva desperta curiosidade, mas também, dúvida nos nossos locais de trabalho e estudo, para não falar de nossas famílias.

Os companheiros que nos cercam podem até admirar a abnegação e o desprendimento, mas não é incomum que militantes sejam observados com alguma suspeita. Os que nos rodeiam ficam interessados, mas desconfiados. Em algum momento nos perguntam: o que você ganha com isso? Você quer ser candidato? Quando dizemos que não, ficam desconcertados.

Mas pode ser pior. Porque a esquerda radical é uma minoria dentro da minoria. Aí é ainda mais complicado. Estar o tempo todo defendendo ideias revolucionárias contra a corrente deixa sequelas. Como estamos sempre argumentando com aqueles que nos cercam, porque desejamos convencê-los da legitimidade das lutas que defendemos, mas eles nos contrariam, nos desgastamos e endurecemos. É inevitável amadurecer depressa. Se começamos a militar muito jovens, que é o mais comum, amadurecemos muito depressa. Endurecemos, também, rapidamente.

Porque mesmo que a maioria das pessoas com quem mantemos relações presenciais ou virtuais seja gentil, o que nem sempre acontece, o fato é que elas, a maior parte do tempo, e sobre a maioria dos temas, não concorda conosco. E como somos militantes devemos tomar a iniciativa de procurar as discussões. Sabemos que precisamos ser persuasivos, mas não podemos ser invasivos, nem abruptos. Uma boa atitude exige paciência e perseverança. Mas a verdade é que um trabalho de base sério e constante para organizar e mover pessoas é exaustivo e cansa. Todos temos nossos limites.

Ser convincente exige ter domínio do que defendemos. A insegurança se transforma, facilmente, em exasperação. Mas ninguém gosta de conversar com quem está o tempo todo zangado. O conhecimento exige tempo, portanto, estudo, disciplina, uma educação política permanente, porque a luta socialista é uma maratona. A revolução não está na próxima esquina. Ser militante é um aprendizado para a vida, porém não é indolor. Manter o equilíbrio emocional é indispensável.

Outra vez, pode ficar pior. Porque quanto mais e melhor explicamos nossas ideias, menos as pessoas concordam, ou porque não acreditam que seja possível, ou porque têm medo, ou por outras razões. É assim em condições normais de dominação capitalista. Mais grave ainda em uma situação reacionária como agora, quando as ideias revolucionárias são ainda mais minoritárias. Defendemos um projeto grandioso, mas muito difícil de conquistar.

Vejamos um breve resumo. A esquerda radical defende como projeto a revolução brasileira. A revolução brasileira é uma estratégia anticapitalista. Ela aposta na perspectiva de que a luta por um governo de esquerda é inseparável de uma luta pelo poder. No Brasil do século XXI, a luta por trabalho para todos, pela reforma urbana e agrária, pela educação e saúde publicas e gratuitas, entre tantas outras reivindicações, coloca a necessidade de uma ruptura com a estrutura social do capitalismo periférico. O nome desse processo é revolução democrática, revolução anti-imperialista, revolução urbana e agrária, revolução feminista e revolução negra. Uma simultaneidade ininterrupta de revoluções em permanência. O nome desta dinâmica de luta é revolução socialista. Resumo da ópera: só os mais lutadores e inteligentes nos escutam.

São muito poucos os que concordam conosco. Como somos muito minoritários, é inevitável que prevaleça entre nós uma tendência de dialogarmos entre nós mesmos. É muito mais confortável estar entre aqueles que pensam como nós.

Esta pressão nos deixa encerrados em uma “zona de conforto”. Mas isolados. Ou prisioneiros de uma perigosa dinâmica que acentua a condição de uma comunidade fechada, o que só pode agravar a condição de marginalidade. O isolamento crônico é fatal. Em resumo, involuntariamente, vamos nos tornando sectários. E quando consolidamos uma mentalidade sectária, as nossas posições políticas vão, aos poucos, sendo contaminadas porque perdemos a lucidez.

O mais triste é quando somos tão sectários que nem sabemos que somos sectários. Sectários “profissionais” já nem se esforçam de sair da condição de marginalidade. Ao contrário, “racionalizam” a marginalidade. Adaptam-se à marginalidade. Assim, organizações com impulso revolucionário verdadeiro reduzem-se a círculos de propaganda estéreis que perdem os reflexos políticos.  Diminuem-se à condição de grupos literários que escrevem ideias para si mesmos. Ossificam como “partidos-museu”, testemunhas e comentaristas da realidade.

Atingido este estágio, toda conversa com quem tem uma diferença, frequentemente, tática, transborda em uma discussão desproporcional. Já nem se valoriza o respeito por quem defende ideias que são, em grande perspectiva, muito parecidas com as nossas. Ao contrário, a rivalidade com quem está mais próximo é a mais intensa. E assim, pelo caminho da intolerância, militantes que poderiam atuar, lealmente, juntos, e construir lutas juntos, perdem a mais elementar camaradagem, deixam de ser cumprimentar, se desmoralizam uns aos outros.

Mas podemos ser melhores do que isso. Existe outro caminho. Ele nos impõe a ousadia de nos transformarmos a nós mesmos na luta pela transformação política da sociedade.  Essa ousadia é o contrário da acomodação. Ela exige (a) uma conexão com a realidade, muita disposição por participar das lutas, portanto, manter vínculos saudáveis com a militância de esquerda das outras correntes, porque não somos, felizmente, os únicos revolucionários; (b) uma mente aberta, uma curiosidade intensa e desejo de aprendizagem sincera, portanto, apreço pela teoria, e capacidade de admitir os nossos erros sem excessos de dramatização; (c) um internacionalismo vivo, de quem compreende que o destino da causa socialista não tem fronteiras.

E a valorização da fraternidade entre todos nós.