PSOL de Bragança Paulista denuncia agressão contra feminista

Da Redação

Divulgamos, abaixo, a nota do PSOL de Bragança Paulista sobre agressão sofrida por uma militante do coletivo feminista Rosa Não Cala, na última quarta-feira (19). Enquanto atacava a vítima, o agressor a chamava de ” V… feminista”, deixando nítida a motivação política do caso. Segundo a nota, o homem “tentou enforcá-la com uma mão enquanto a outra passava em suas partes íntimas”. Ainda, ele teria disparado: “Mulher como você a gente não F…a gente arrebenta”. O PSOL repudiou o ato violento, exigiu a mais rápida resolução do caso pela polícia e que a Prefeitura Municipal e a Câmara dos Vereadores se pronunciem sobre o fato.

Leia a íntegra da nota:

PSOL Bragança Paulista

Na última quinta-feira, 19, por volta das 17hrs uma ativista do movimento de mulheres sofreu um violento ataque por motivações políticas.

A companheira V., militante do coletivo feminista Rosa Não Cala, caminhava no escadão entre a Rua José Guilherme e a Rua Madre Paulinia, em Bragança Paulista, quando foi abordada por um homem branco, forte, de cabelos e olhos escuros, vestido de bermuda azul com estampas coloridas em vermelho e amarelo e camisa de manga curta azul claro, que começou a ofendê-la com diversos xingamentos, tais como “Sua V…Feminista” referindo-se a ela ser integrante do coletivo Rosa Não Cala. A companheira, embora tenha alegado que o agressor estava se confundindo, continuou a ser ofendida, e ao tentar se afastar do agressor o mesmo continuou dizendo que a conhecia através de uma palestra proferida no ano passado sobre violência doméstica e sinais de relacionamento abusivo.

Ao tentar continuar o seu trajeto, V. foi segurada pelo agressor pelo braço e pescoço. Este tentou enforcá-la com uma mão enquanto a outra passava em suas partes íntimas, tentando abrir sua calça, chegando a estourar seu ziper. O agressor disse que: “Mulher como você a gente não F…a gente arrebenta…”. V. conseguiu chutar o agressor e quando uma pessoa se aproximou o mesmo fugiu.

V. registrou o Boletim de Ocorrência na Delegacia da Mulher de Bragança Paulista. Em nota, o Coletivo de Mulheres “Rosa não Cala” afirmou que o ataque sexual foi devido à atuação da vítima pelos direitos das mulheres.

O PSOL de Bragança Paulista repudia este violento ataque e exige a mais rápida resolução do caso pela polícia. Também exigimos que a Prefeitura Municipal e a Câmara dos Vereadores se pronunciem sobre o fato.

Este não é o primeiro caso de violência política na região Bragantina. Na semana passada o presidente do PSOL de Itatiba foi agredido após a saida de um bar.

É fundamental que todos os setores de esquerda da região repudiem o fato e possam construir uma verdadeira Frente Unica Anti-Fascista que realize não só a denuncia destes fatos como debata a auto defesa do movimento.

Bragança Paulista, 21 de outubro de 2018

PSOL Bragança Paulista

 

LEIA MAIS

Apoiador de Bolsonaro mata transexual em Aracaju (SE)

 

Comentários no Facebook

Post A Comment