Pular para o conteúdo
Colunas

Urgente: Tentativa de golpe na Venezuela

Juan Guaidó

José Carlos Miranda

José Carlos Miranda foi ferroviário e metalúrgico. Ativista dos movimentos sociais desde os anos 1981, é da Coordenação Nacional da Resistência/PSOL, membro do Conselho Curador da Fundação Lauro Campos (PSOL) e da Direção do PSOL-SP

Nesta terça, 30, por volta das 04h30, um grupo de militares junto com o autoproclamado presidente da Venezuela Juan Guaidó, retirou o líder de seu partido Leopoldo Lopes Voluntad Popular que estava em prisão domiciliar. Após um pequeno comício e em um vídeo divulgado pela internet Guaidó convoca os militares e diz que “o 1 de maio começou hoje é o dia para libertar a Venezuela”, rodeado de algumas dezenas de militares.

Este grupo se dirigiu a Base Militar Aérea de Carlota, em Caracas, fechou a estrada e tentou tomar esta base onde foram rechaçados. Imagens que foram transmitidas hà pouco pela Telesur e RT da Espanha, mostravam cenas de tranquilidade em Caracas ao mesmo tempo que o vice-presidente Diosdato Cabello através de seu twitter disse “que estava tudo calmo e que é uma guerra midiática”.

O que acompanhamos até o momento: houve uma “aquartelada” com baixíssima adesão, articulada com os EUA, mas pelos informes parece que se restringiu a esse episódio isolado. Ao mesmo tempo demonstra que a “guerra híbrida” para derrotar Maduro e o processo bolivariano segue como objetivo do imperialismo dos EUA.

Este fato acontece logo após as novas sanções econômicas de Trump contra a Venezuela. Continua urgente e prioritária campanha de solidariedade em defesa da soberania e independência venezuelana e da luta contra o bloqueio e as sanções.

Estamos com o povo Venezuelano!
Tirem as Mãos da Venezuela!
Abaixo o Golpe Guaidó/Trump!