Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8491 (10) { ["term_id"]=> int(4302) ["name"]=> string(23) "Greve Geral 28 de abril" ["slug"]=> string(23) "greve-geral-28-de-abril" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4302) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(87) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Sindicatos da Baixada Santista articulam nesta quarta (5) construção da greve geral

Por: Leandro Olimpio, de Santos, SP

A sede do Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista, em Santos, será palco de uma importante reunião nesta quarta-feira (5), às 9h30: sindicatos que compõem a Frente Sindical Classista da Baixada Santista articulam com as demais entidades da região a construção da greve geral no dia 28 de abril.

Esta é a primeira vez que a Frente Sindical toma a iniciativa de, previamente, buscar a unidade com outros setores do sindicalismo regional para ampliar e fortalecer a mobilização nos locais de trabalho, assim como garantir atos unificados que garantam o maior número possível de ativistas e trabalhadores nas ruas. Além de reunir os sindicatos com maior tradição de luta na região, como petroleiros, metalúrgicos, servidores de Santos, servidores federais e estaduais, a Frente Sindical incorpora ainda oposições combativas que impulsionam comissões de base em suas categorias. É o caso dos servidores de Cubatão e São Vicente.

IMG_0102Após um bem-sucedido dia 15 na região, com paralisações pela manhã e atos ao longo da tarde, o dia 31 – ainda que menor – também foi marcado por mobilizações no período da manhã e atos unificados em pontos centrais de Santos. Na esteira dos ataques dos governos contra os trabalhadores, a região vem sendo palco de importantes lutas. Os exemplos mais contundentes são as greves dos servidores de Santos (por reajuste digno) e Cubatão (contra a retirada de direitos). Com grande adesão das categorias, ambas mobilizações enfrentam agora a parcialidade da Justiça, que impôs nos dois casos o retorno de 80% dos grevistas ao trabalho.

Para o dia 28, uma vez que a construção da greve geral exige uma preparação muito maior, os petroleiros já vêm atuando na base para garantir a participação da categoria. Na manhã desta terça-feira (4), por exemplo, foram realizados atrasos nos terminais da Transpetro de Santos (Alemoa) e Cubatão (Pilões) contra o corte do café da manhã dos petroleiros diretos e terceirizados. Na oportunidade, os dirigentes do Sindicato dos Petroleiros e da Construção Civil defenderam abertamente a greve geral no dia 28. Além disso, em breve será divulgada para a categoria a data da assembleia que deve deliberar a adesão à greve geral.

Para articular a participação dos estudantes da região nos protestos, o Bloco de Esquerda Socialista da região realiza nesta quinta-feira, às 18h30, na Unifesp (Campus Silva Jardim), em Santos, um debate que visa fortalecer a construção do 28 de abril nas cidades da Baixada Santista.

Fotos: Paralisação de petroleiros nesta terça-feira (4) no Terminal Alemoa, em Santos. Crédito: Leandro Olimpio