Pular para o conteúdo
Colunas

Lan Khan | Iraque: fênix renasce das cinzas

José Carlos Miranda

José Carlos Miranda foi ferroviário e metalúrgico. Ativista dos movimentos sociais desde os anos 1981, é da Coordenação Nacional da Resistência/PSOL, membro do Conselho Curador da Fundação Lauro Campos (PSOL) e da Direção do PSOL-SP

No último período, vários movimentos populares de massas têm acontecido no sub continente Índico, região que ganhou maior relevância com a nova “rota da seda” da China. Temos acompanhado a luta da minoria pachtun, no Paquistão, e agora as eleições gerais, o movimento de estudantes no Sri Lanka e, na semana passada, uma rebelião impulsionada principalmente pela juventude no Iraque, que iniciou na cidade de Basra, principal produtora de petróleo.

Publicamos agora artigo publicado em 23 de julho de 2018 no Daily Times, conceituado jornal paquistanês, também publicado no www.asianmarxistreview dia 24 de julho. O artigo joga luz para compreensão dos acontecimentos no Iraque e seus reflexos em toda região. O artigo é assinado por Lal Khan, teórico e dirigente marxista da corrente “The Struglle” (A Luta), no Paquistão.

Por Lal Khan

Mais de 15 anos de agressão e ocupação imperialistas, combinados com o terrível terrorismo fundamentalista, devastaram o Iraque. Apesar de ter sido dizimado, com a economia destruída, colapso do Estado e a sociedade dividida em pedaços, uma nova onda de protestos de massas está surgindo do ventre dos escombros do Iraque. Esta luta de classes renovada surgiu superando as divisões religiosas e os ódios sectários que marcam a sociedade iraquiana. Os estrategistas americanos, para dispersar o povo iraquiano através da tática de “dividir para reinar”, promoveram o sectarismo divisor e macabro.

Milhares de pessoas participaram de manifestações de massas no sul do Iraque na semana passada contra o insuportável ataque social e econômico. A invasão militar liderada pelos EUA derrubou Saddam Hussein e destruiu o estado iraquiano. O partido político do governante fantoche do Iraque Haider Al-Abadi, Dawa, dominou a política iraquiana nas sombras das baionetas imperialistas desde 2003. Basra, outrora apelidada de “Veneza do Oriente Médio” por sua rede de canais, é agora um desastre socioeconômico.

O regime de Al-Abadi tentou desesperadamente sufocar os protestos, diga-se sem precedentes, através de uma combinação de retórica conciliadora e brutal repressão estatal. Os protestos começaram em Basra em 8 de julho, quando as forças de segurança dispararam contra uma manifestação de jovens protestando contra a alta dos preços, falta de emprego e serviços essenciais, incluindo água e eletricidade.

As quedas de energia recorrentes e a falta de água potável tornaram a vida miserável para os habitantes da classe trabalhadora da cidade durante os verões sufocantes. A escassez de energia foi exacerbada este ano por uma seca, que reduziu significativamente a produção de energia nas barragens hidrelétricas do país, e pela grande redução do fornecimento de eletricidade do Irã por falta de pagamento.

A corrupção generalizada, o desemprego e os serviços públicos grosseiramente inadequados tornaram-se características definidoras da sociedade iraquiana desde a invasão e ocupação dos EUA.

Essas manifestações continuaram desde então, com milhares de manifestantes bloqueando o tráfego, tentando sequestrar campos de petróleo e invadir prédios do governo, após o fracasso dos regimes em melhorar seus padrões de vida desde a queda do regime Ba’athista. “Centenas de pessoas tentaram invadir um tribunal”, disse um policial.

A província de Basra é de longe a região mais rica em petróleo do país. Suas exportações de petróleo respondem por 95% da receita anual do governo iraquiano. Abadi ordenou que os conhecidos comandos do Serviço contra o Terrorismo do Iraque “defendessem” os campos de petróleo em Basra. O acesso à Internet foi encerrado para interromper a coordenação dos protestos.

Os protestos, no entanto, ganharam ainda mais impulso. Na sexta-feira, os manifestantes bloquearam o acesso ao porto de Umm Qasr, enquanto o movimento se expandiu para as cidades de Amara, Nasiriya e Najaf, onde centenas de manifestantes invadiram o aeroporto e paralisaram o tráfego aéreo. As forças de segurança instaladas no aeroporto dispararam e mataram mais dois manifestantes, elevando o total para pelo menos oito manifestantes mortos durante a primeira semana da revolta. Esses protestos já se espalharam para Bagdá e para a cidade sagrada de Karbala.

O Iraque possui as maiores reservas de petróleo do mundo depois da Arábia Saudita, enquanto seus habitantes comuns ainda sofrem com a opressão e a miséria. De fato, antes da guerra com o Irã, que começou em 1980, o Iraque estava perto de um estado de bem-estar social, de acordo com um relatório do PNUD. O Iraque teve uma série de revoltas revolucionárias na história moderna.

Em 1958, mais de um milhão de pessoas protestavam nas ruas de Bagdá esperando que o Partido Comunista liderasse uma insurreição revolucionária. No entanto, a monarquia britânica imposta foi derrubada por um golpe de estado dos oficiais do exército jovem do Partido Socialista Baath, enquanto os líderes do PC vacilavam para tomar o poder.

Em julho de 1968, o major-general Ahmad Hassan Al-Baker derrubou o regime do general Abdel Rahman Arif em um golpe de Estado prometendo mudanças radicais, incluindo a nacionalização do petróleo e o controle da economia. Isso os aproximou de uma economia socialista planejada que deu um tremendo impulso ao desenvolvimento social e à melhoria das vidas dos iraquianos comuns.

Um relatório da ONU descreveu o Iraque no início dos anos 80 como um país que se aproximava rapidamente dos padrões de vida comparáveis ​​aos dos países desenvolvidos. Um extenso e sofisticado sistema de saúde foi introduzido. Água potável limpa e abundante era a norma. Estações avançadas de tratamento de esgoto mantiveram a qualidade da água do Tigre e do Eufrates limpas e uma moderna rede de telecomunicações foi estendida para áreas urbanas e rurais. Vinte e quatro estações de geração de energia elétrica foram a componente chave da infraestrutura.

As mulheres urbanas e rurais eram ativas em todos os setores da economia e do governo, com uma liberdade social raramente testemunhada em outras partes do Oriente Médio. A educação das mulheres melhorou rapidamente com educação gratuita e obrigatória. No entanto, as taxas de abandono aumentaram substancialmente após a guerra do Golfo, a invasão dos EUA e o aumento do fanatismo islâmico violento.

Antes da invasão imperialista, não havia nem traços de organizações fundamentalistas islâmicas que desde então causaram estragos no país. O terror fundamentalista islâmico transformou drasticamente a vida social, cultural e econômica das mulheres em um inferno. Com a guerra Irã-Iraque de oito anos (1980-1988), as duas guerras do Golfo, a tirania religiosa e as invasões imperialistas, o Iraque passou de relativa afluência a um abismo de pobreza e miséria maciças.

Porém esta nova revolta na base da classe é um revestimento de prata na tragédia humana e no tumulto sangrento que assolou o Iraque por décadas. Os estados do Iraque, Líbano, Líbia, Síria, Iêmen e Líbia, que foram esculpidos na província Levante do Império Otomano pelos mestres imperialistas, desmoronaram. Não há possibilidade de restaurar qualquer desenvolvimento ou prosperidade através da ‘ajuda’ das instituições financeiras imperialistas ou ‘potências mundiais’, seja no Iraque ou qualquer um desses estados artificiais criados para saquear através do Tratado Sykes-Picot, Declaração Balfour e outros acordos traiçoeiros entre os poderes imperialistas vitoriosos após a Primeira Guerra Mundial.

O atual movimento é um marco transformador na luta dos iraquianos pela emancipação. Quando tal movimento alcança um caráter revolucionário, ele não permanecerá confinado ao Iraque, mas se espalhará como uma tempestade revolucionária em todos os países do Levante, no Oriente Médio e muito além. Haverá fluxos e refluxos na trajetória desse movimento. Mas esta insurreição provou mais uma vez que, mesmo nas condições mais árduas, a juventude e as massas trabalhadoras podem se levantar e derrubar todos os obstáculos na luta pela sua emancipação.

Texto publicado originalmente em: PSOL

Marcado como:
iraque