Pular para o conteúdo
BRASIL

Após visita do ministro da Educação Mendonça Filho, educadores são demitidos do Museu do Homem do Nordeste, no Recife

Por: Campanha Contra a Perseguição Política – [email protected] da Fundaj

Cinquenta e quatro anos separam a instauração do regime militar no Brasil de um caso recente de perseguição política aqui no Recife. Três estagiários e dois trabalhadores terceirizados foram injustamente demitidos porque um deles carregava um copo pessoal com os dizeres “FORA TEMER” durante a visita de Mendonça Filho, ministro da Educação, ao Museu do Homem do Nordeste. No dia 23 de fevereiro de 2018 foi realizada uma solenidade na qual participavam, junto com o ministro, o presidente da Fundação Joaquim Nabuco Luiz Otávio de Melo Cavalcanti; o reitor da UFPE Anísio Brasileiro; o diretor do Centro Ciências Jurídicas da UFPE Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti; o juiz de Direito aposentado Adeildo Nunes; e o vereador do Recife Jayme Asfora (do PMDB, mesmo partido do presidente golpista Michel Temer).

Uma pessoa segurava um copo de uso pessoal com dizeres políticos divergentes ao Governo Federal e, por isso foi, junto com mais quatro colegas, forçadamente afastado de seu posto pelo Ministro Mendonça Filho e pela presidência e pessoas responsáveis pela administração da Fundação Joaquim Nabuco! É preciso afirmar com absoluta clareza: o MEC e a Fundaj são responsáveis por essas demissões e estão VIOLANDO O DIREITO À LIBERDADE DE EXPRESSÃO e ordenando PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS aos funcionários. Em instituições educacionais de todo o país, não apenas no Recife, cresce o número de comissionados biônicos e as táticas de repressão se tornam cada vez mais agressivas.

É fundamental, portanto, politizar as demissões e os afastamentos da Fundação Joaquim Nabuco. Essas arbitrariedades remontam à ditadura e sua perseguição política. É de assustar qualquer pessoa tamanha perseguição e os precedentes que esta pode abrir. Aqui, não se trata de uma disputa maniqueísta quanto a avaliação sobre a recente conjuntura política do pais: trata-se de uma defesa intransigente da liberdade de expressão política e de um posicionamento firme contra a censura e a perseguição. É preciso denunciar essa arbitrariedade e a lógica do abuso de poder que permite que tal ação aconteça!

A contradição é tamanha que parece uma piada sem qualquer graça: o Ministro da Educação ordena a demissão de estagiários, que deveriam vivenciar na instituição uma experiência de formação rica para a construção profissional e acadêmica. Um Ministro da Educação, oras!

O saudosismo coronelista parece estar batendo forte em algumas figuras da política, é bem verdade. Na televisão, impressos e nos whatsapps notícias parecidas ganham proporção: cinco [email protected] por portarem um copo (!), disciplina da UnB sendo questionada e censurada (pelo mesmo ministro, diga-se), intervenção federal no RJ e a cômica, porém trágica, proibição do uso alusivo da faixa presidencial por uma escola de samba. A irresponsabilidade com a história nefasta do Brasil encontra neste momento político uma oportunidade para que se repitam situações inaceitáveis.

Os entraves a uma Comissão da Verdade efetiva capaz de proporcionar de fato uma reparação histórica e o direito à verdade e justiça cobra seu preço. É preciso estar [email protected] e forte para as grandes e pequenas arbitrariedades que vêm ganhando mais e mais força no último período.

No Congresso e aqui, a justiça é tudo, menos cega. As barricadas que abrem caminhos mostrarão o futuro destes que não temem em repetir fatos escusos da história. Toda solidariedade àqueles que continuam sendo demitidos por perseguição política na Fundação Joaquim Nabuco e em qualquer outra instituição pública ou privada no Brasil! Vamos trilhar o caminho das lutas contra esta maré de censura e cerceamento de liberdade de expressão política. Eles passarão…Nós, passarinho!

MAIS DO QUE NUNCA, FORA TEMER! FORA MENDONÇA! POR UMA EDUCAÇÃO COM LIBERDADE DE EXPRESSÃO! DEMISSÕES NÃO!

Marcado como:
recife