17 de maio de 2017: desafios para as LGBTS e o combate ao preconceito

Por: Núcleo LGBT do MAIS São Paulo

No dia 17 de maio de 1990, a homossexualidade foi retirada da lista oficial de doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS). Desde então, a data passou a ser conhecida internacionalmente por outro motivo: o movimento LGBT elegeu o 17 de maio como o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. Embora em mídias hegemônicas o dia 17 de maio seja divulgado apenas como um dia de combate à homofobia, esta data diz respeito à luta contra qualquer tipo de violência infligida à população LGBT, sendo os diversos tipos de transgeneridade classificados até os dias de hoje como doença pela OMS.

Rio de Janeiro - Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Rio de Janeiro – Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

No Brasil, governado por Temer, não vemos motivos para comemorar a situação vivida pela população LGBT. O avanço do projeto ultraliberal de precarização do trabalho e da vida, materializado pelas reformas da previdência e trabalhista, pelo congelamento por 20 anos dos gastos sociais com saúde e educação e pelo recrudescimento da violência e da repressão, entre outros aspectos, afeta diretamente, com especial violência, o conjunto de trabalhadoras e trabalhadores LGBT e parte significativa desta população que vive em condições de extrema vulnerabilidade.

Brasília - Acontece a 19ª Parada do Orgulho LGBTS em Brasília, cujo o tema é: Respeito é ouro (Elza Fiuza/Agência Brasil)

Brasília – Acontece a 19ª Parada do Orgulho LGBTS em Brasília, cujo o tema é: Respeito é ouro (Elza Fiuza/Agência Brasil)

O crescente ataque às liberdades democráticas representado por todas as arbitrariedades da operação Lava Jato abre precedentes perigosíssimos para o aprofundamento da retirada de direitos da população brasileira e para o estímulo à atuação indiscriminada de grupos reacionários contrários à mobilização por igualdade de gênero e afirmação da diversidade sexual em nosso país. Nesse sentido, não nos resta dúvida quanto ao caráter conservador e aprofundador da imbricação entre as desigualdades de classe, gênero e raça que cumpre a operação coordenada pelo juiz Sérgio Moro.

Em São Paulo, a prefeitura do “gestor” João Dória acumula ataques aos direitos da população LGBT: além do fechamento Centro de Testagem e Acolhimento (CTA) Santo Amaro, cujas atividades se concentravam na prevenção e diagnóstico de doenças sexualmente transmissíveis, o programa Transcidadania, voltado para a capacitação profissional de travestis e transexuais, já começa a sofrer duros ataques.

Diante da grave conjuntura nacional e da descoberta dos recém-divulgados campos de concentração e prisões secretas para pessoas LGBT na Chechênia, acreditamos que neste 17 de maio o desafio prioritário da esquerda é forjar uma agenda de lutas unificada contra a LGBTfobia, contra as reformas de Temer e em solidariedade à população LGBT chechena.

Rio de Janeiro - Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Rio de Janeiro – Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

 

Foto de capa: Elza Fiuza/Agência Brasil

Comentários no Facebook

Post A Comment