Bélgica: “Se as mulheres pararem, o mundo para!”

Por: Joana Benário, de Bruxelas

Apelo à greve das mulheres em 8 de março

“Todas em greve! Durante todo o dia ou algumas horas, pare de fazer o que costuma fazer como a maioria das mulheres, no trabalho, em casa, na escola, na sua maneira de consumir. Junte-se às atividades organizadas no seu trabalho ou no seu bairro, ou proponha-as. “

Este é o apelo do ‘Coletivo 8 de Março’ nascido em Bruxelas mas no âmbito nacional, em que uma centena de mulheres se inspiram na experiência internacional como na Espanha onde, em 2018, as mulheres conseguiram mobilizar 5 milhões de pessoas para este dia internacional de luta pelos direitos das mulheres.

“O fato é que estamos todas expostas ao machismo e ao sexismo que assola a sociedade, à discriminação, aos estereótipos e à violência, seja no local de trabalho, em casa ou na rua e em locais públicos” diz Pauline Forge, uma das organizadoras. Em todo o mundo, uma nova onda de mobilizações feministas emerge: as mulheres se levantam, denunciam, reagem a todas as formas de violência e discriminação que sofrem. Recentemente, na Índia, cerca de 5 milhões de mulheres formaram uma cadeia humana para reivindicar seu direito de entrar nos templos hindus; na Argentina, houve a maré verde para a legalização do aborto; no Brasil, o apelo de ‘Ele Não’ contra Bolsonaro, etc. Na Bélgica, também, as mulheres querem agir!

Até agora, na Bélgica, o movimento das mulheres era bastante institucionalizado; o “Coletivo 8 de março” quer reviver um feminismo popular e na rua, um feminismo inclusivo também: qualquer pessoa identificada como mulher e / ou se reconhecendo nessa identidade, incluindo também minorias, imigrantes e demais precarizadas.

Por que uma greve das mulheres?

As mulheres são ativas em todas as esferas da vida: trabalho, cuidado, doméstico, estudos. O objetivo é dar maior visibilidade ao trabalho que as mulheres fazem, muitas vezes não reconhecido ou desvalorizado. E para convencer o número máximo de mulheres a entrar em greve no dia 8 de março, elas propõem de forma criativa e não restritiva uma greve ampla que não se limita ao trabalho assalariado: as alunas são chamadas a não ir às aulas  e as mulheres a não cuidar da casa e das crianças naquele dia; no local de trabalho, desaparecer fisicamente por um período de tempo variável ou organizando sessões de informação; usar um sinal distintivo para nos sinalizar que estamos em greve: um lenço ou um objeto simbólico dado aos usuários / pacientes / clientes …

E homens em tudo isso? O que esperar deles em 8 de março? O apoio expresso por assegurar as tarefas que normalmente são feitas pelas mulheres: cuidar das crianças, preparar comida ou limpeza, compartilhar notas, etc.

Apenas confirmou uma nova importante: as duas principais centrais sindicais do país (CSC e FGTB) já apoiam a iniciativa. Em particular, a CNE (CSC – empregados no setor privado), a Central Geral (FGTB – incluindo setores de limpeza e trabalhadoras domésticas) e a CGSP de Bruxelas (FGTB – serviços públicos) entraram com uma greve, são setores com maioria de mulheres. As trabalhadoras destes setores que entrarem em greve serão, portanto, cobertas legalmente.

Organização e demandas

Para discutir e definir suas demandas, organizaram um final de semana em janeiro que contou com a participação de mais de 200 mulheres. Organizaram-se em comissões (que executam as decisões tomadas) e em grupos de trabalho (para estimular a mobilização nacional). Desde setembro, elas se encontram todos os meses em assembleias massivas. As suas principais demandas cobrem diversas áreas:

  • Chega de precariedade econômica organizada, que nos mantém em tempos parciais, em profissões desvalorizadas, tornando-nos trabalhadores pobres e dependentes.
  • Chega de desigualdade salarial, aposentadoria tardia e pensões precárias. Chega de alocações inacessíveis; insuficientes e inadequadas.
  • Chega da falta de creches e casas para idosos, de instalações de atendimento não acessíveis, o que coloca uma responsabilidade coletiva exclusivamente sobre os ombros das mulheres.
  • Chega de ficar sozinha cuidando das tarefas domésticas diárias e cuidando dos outros.
  • Chega deste trabalho grátis ou mal remunerado e a carga mental que o acompanha e não deixa tempo para nós.
  • Chega das políticas de migração racistas que nos colocam em perigo, nos prendem, nos condenam à pobreza e nos matam.
  • Chega de ser discriminada em todos os lugares com base em nossas cores de pele, nossas origens, nossa renda, nosso gênero, nossa orientação sexual, nossas crenças …
  • Chega de estereótipos sexistas em educação, cultura, mídia e publicidade, que nos devolvem a imagem da mulher-objeto e nos limitam a papéis específicos e secundários.
  • Chega de nos impor como viver nossa sexualidade, nossa relação com a maternidade, contracepção e aborto. Chega de interferir em nossos corpos e nossas vidas.
  • Chega de violência médica e ginecológica e dificuldades de acesso ao atendimento.
  • Chega de violência física e psicológica (doméstica, sexual, no casal, assédio nas ruas e no trabalho …). Chega de feminicídios, assassinatos de mulheres porque são mulheres. Chega da cumplicidade política e legal que os agressores gozam.

“Vamos exigir respeito, mudar e reescrever as regras do jogo juntas, vamos sair dos nossos lugares habituais e nos reunir para pegar os que foram negados. Vamos ouvir nossas vozes. Em solidariedade, cada uma com suas possibilidades, sua experiência, suas demandas e desejos, fazem de 8 de março de 2019 um dia intenso de luta e libertação ”, concluem.

Infos : https://8maars.wordpress.com et https://www.facebook.com/8maars

Comentários no Facebook

Post A Comment