Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20768 (10) { ["term_id"]=> int(4211) ["name"]=> string(41) "Lateral Esquerda - Cobertura da Copa 2018" ["slug"]=> string(39) "lateral-esquerda-cobertura-da-copa-2018" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4211) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(69) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Sem estereótipos para Marrocos x Irã

Por: Saulo Bonamigo, para o Lateral Esquerda

A partida entre Marrocos e Irã estava prestes a começar. Ouço os seguintes comentários dos colegas de trabalho: “ali os caras vão jogar chutando uma bomba”, “vão explodir o jogo” (…). No horário do almoço, ouço o garçom do restaurante responder sobre quem estava jogando: “são uns países vizinhos um do outro lá das Arábia (sic)”.

Comentários dessa natureza sempre me entristecem, seja por demonstrar enorme desconhecimento a respeito de diferentes povos e suas culturas, seja porque também mostram uma enorme incapacidade de pensarmos a respeito de nossa própria realidade.

Generalizações desse tipo sobre os povos árabes ignoram que no Marrocos e no Irã existem homens e mulheres, meninas e meninos, que são apaixonados por futebol tanto quanto nós. Alguns deles estão realizando um sonho hoje ao jogar a Copa do Mundo. Sequer somos capazes de lembrar que aqui em terras tupiniquim temos o nosso próprio fundamentalismo para lidar…

Falando mais do confronto destes países que não são nada vizinhos, é curioso observar que o Marrocos, bem mais distante da Arábia, assimilou muito mais do que o Irã a cultura e religiosidade arábes. A conquista islâmica no Magreb se consolidou com o tempo e os diferentes califados desenvolveram as principais cidades do país (Fez, Marrakesh e Rabat, por exemplo). A Pérsia (antes do Irã) sempre foi palco de invasões e tentativas de hegemonia por arábes, mongóis e otomanos. Mesmo mais próximo da Arábia, a cultura persa persiste e resiste no Irã. Curiosamente, Marrocos é a seleção com maior número de jogadores estrangeiros.

Nas arquibancadas se fez presente a campanha #NoBan4Women em apoio ao direito das mulheres iranianas de poderem assistir jogos nos estádios. Em março passado, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, assistia uma partida em solo iraniano (Esthegal x Persépolis) em que duas mulheres foram detidas tentando assistir das arquibancadas o mesmo jogo. Garantiu que essa situação mudaria, porém desde 1979 as mulheres são proibidas de frequentar estádios. A FIFA bradou algumas vezes, mas sem ser capaz de apoiar ações efetivas para garantir esse direito às iranianas. Continua preocupada somente com seu balcão de negócios.

Sobre o jogo em si, Marrocos foi melhor durante a maior parte do jogo com mais ações ofensivas. No primeiro tempo, porém, o iraniano Azmoun (versão persa de Messi) teve uma chance clara num contra ataque e desperdiçou. No segundo tempo, o jogo caiu na (pouca) técnica e os confrontos se deram fisicamente com um show de pancadas. Nos acréscimos, uma falta lateral na esquerda do ataque iraniano. Algo me chama a atenção: Azmoun pega a bola e a beija. Trata-a pequena com carinho após tantas porradas. Espero e… GOL do Irã! O atacante marroquino Bouhaddouz entrou para marcar o gol contra mais próximo de um final de jogo da história das Copas.

Fim de jogo e um acerto no bolão!

Leia a crônica da partida Marrocos 0 x 1 Irã

Mais sobre a cobertura da Copa, no Lateral Esquerda:

Lateral Esquerda