Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#9643 (10) { ["term_id"]=> int(4300) ["name"]=> string(33) "Carnaval 2018 e (é) resistência" ["slug"]=> string(29) "carnaval-2018-e-e-resistencia" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4300) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(18) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

RJ: Crivella é homenageado pelo Ocupa Carnaval nesta quinta


Em junho de 2013, o Brasil foi sacudido por manifestações que levaram milhares de pessoas às ruas de todo o País. E foi no Rio de Janeiro que essas manifestações reuniram mais gente. Foi da necessidade de disputar o conteúdo desse movimento que nasceu o Ocupa Carnaval. A ideia inicial foi usar a arte como um método para essa disputa, trazendo elementos lúdicos, dialogando com o sentimento que vinha das ruas, de um esgotamento de algumas formas tradicionais das passeatas. O grupo entendeu que o carnaval era um bom momento para fazer a discussão sobre a mercantilização da cidade e da vida.

Hoje o Ocupa Carnaval reúne grupos diferentes e procura fortalecer, não só no período de carnaval, todos os movimentos que lutam pelo direito à cidade. São mais de 35 blocos que participam de alguma forma do Ocupa Carnaval. Em 2016, por exemplo, a presença do Ocupa foi marcante nas manifestações contra o golpe que levou Michel Temer à Presidência.

Todos os anos os membros do Ocupa Carnaval se reúnem e atualizam as paródias das marchinhas de carnaval, que contém críticas e demandas dos movimentos sociais do momento. A Abertura Não-oficial do Carnaval, cortejo que reafirma a rua como um espaço livre para se brincar o carnaval, organizada pela Desliga dos Blocos, também conta com a presença e apoio do Ocupa Carnaval.

Neste ano, as paródias das tradicionais marchinhas terão críticas ao prefeito Crivella e também serão um grito contra a censura à arte. O cortejo do Ocupa Carnaval será nesta quinta-feira, 08 de fevereiro, a partir das 18h, com concentração na Cinelândia.

LEIA MAIS
Crivella: Não coloque cordas no nosso cordão

Save

Save

Save