Contra Cura Gay, movimento LGBT marca protestos em várias capitais do País

Da redação

Após a justiça federal acatar parcialmente uma liminar contra a resolução 01/99 do conselho federal de psicologia, o movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Trânsgêneros e Travestis (LGBT) marca protestos em várias capitais do país contra essa decisão. Entre outras reivindicações, os protestos pedem a revogação imediata da liminar da Cura Gay. Nesta decisão o juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho quer regularizar terapias de “reversão sexual”, também chamado de “Cura Gay”. Faz apenas 27 anos que ser lésbica, gay ou bissexual deixou de ser considerada uma doença e os preconceituosos já querem impor este retrocesso. E até hoje a população trans é considerada como doentes mentais pela Organização Mundial de Saúde.

Dia 14 de setembro houve alguns protestos e mobilizações da esquerda e dos movimentos sociais. Ainda não se sabe ao certo, mas pode ser que as mobilizações contra a Cura Gay ensaiem uma resistência. Já vimos como nesse momento histórico os oprimidos são os primeiros a levantar a cabeça. É possível afirmar que esta absurda liminar impactou: dezenas de personalidades, artistas, intelectuais, juristas, médicos e psicólogos se manifestaram contrários. E nas redes sociais várias pessoas vem se manifestando e colocando filtros com as cores do movimento LGBT em suas fotos de perfil. Jéssica Milaré, colunista do Esquerda Online e militante do movimento LGBT em Campinas (SP), disse que “a galera está reagindo. Milhares de pessoas estão confirmando presença nos atos em várias cidades. Na minha opinião, agora é hora de ir pra cima”.

Nos eventos e nas redes sociais, a indignação contra a Cura Gay vem acompanhada de críticas ao Governo Michel Temer por estar enlameado em escândalos de corrupção e por atacar o povo através da reforma trabalhista e previdenciária entre outras. À privatização da Amazônia e ao aumento do preconceito às pessoas LGBT através da censura às artes como no caso do Queer museu em Porto Alegre e na peça de teatro protagonizada por uma trans no Sesc Jundiaí (SP). A prisão de Rafael Braga e a redução da maioridade penal. E contra os disparos de arma de fogo realizados contra sem teto em São Bernardo do Campo (SP).

Pode interessar: Vamos! pela libertação das LGBTS

Confira abaixo a lista de alguns protestos agendados. Envie para nós o link do protesto e fotos ou vídeos do protesto em sua cidade e fortaleça esta luta.

São Paulo
São Paulo: Sexta 22 de setembro às 17h no vão do MASP
Campinas: Sexta 22 de setembro às 17h30min no Largo do Rosário

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro: Sexta 22 de setembro às 17h na ALERJ

Minas Gerais
Belo Horizonte: Sexta 22 de setembro às 17h na Praça Sete de Setembro

Paraná
Curitiba: Domingo 24 de setembro às 14h no Museu Oscar Niemeyer
Londrina: Sábado dia 23 de setembro às 10h no calçadão de Londrina

Alagoas
Maceió: Sexta 22 de setembro às 14h30min na Praça Deodoro

Distrito Federal
Brasília: Quinta 21 de setembro às 17h na Justiça Federal
Brasília: Quarta dia 27 de setembro às 17h na Praça dos Três Poderes

Ceará
Fortaleza: Sábado 23 de setembro às 14h30min na Estátua de Iracema

Rio Grande do Sul
Porto Alegre: Domingo 24 de setembro às 14h no Parque da Redenção
Santa Maria: Sábado 23 de setembro às 14h na Praça Saldanha Marinho

Goiás
Goiânia: Sexta 22 de setembro às 17h na Praça Cívica

Pará:
Belém: Sexta 22 de setembro às 18h no Mercado de São Braz

Santa Catarina
Florianópolis: Sexta 22 de setembro às 18h30min no Largo da Alfândega

 

Comentários no Facebook

Post A Comment