Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8882 (10) { ["term_id"]=> int(4302) ["name"]=> string(23) "Greve Geral 28 de abril" ["slug"]=> string(23) "greve-geral-28-de-abril" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4302) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(87) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

A greve geral em Camaçari/BA aconteceu com muita força

Por Matheus Quadros, Camaçari, BA

Organizado pelas centrais sindicais CSP CONLUTAS, CTB, CUT e importantes sindicatos da cidade como os Sindicato de bancários, metalúrgicos e professores, além da juventude que de forma heroica está ocupando a Câmara de vereadores pela revogação do aumento das tarifas dos ônibus municipais.

A manifestação começou às 3:30 com o fechamento das rodovias no entorno da cidade. Com isso foi possível impedir a produção nas principais fábricas locais, além de conquistar a adesão de muitos trabalhadores que saiam do terceiro turno. Juntamente com esses bloqueios, desde as 8 horas da manhã diversos trabalhadores mobilizavam no centro da cidade para a manifestação convocada para as 10 horas.

A manifestação no centro foi um grande sucesso. A caminhada reuniu diversas pessoas indignadas com os ataques do governo Temer, que com muita firmeza nas reivindicações conseguiram fechar o comércio no centro de Camaçari.

Além das lojas, as agencias bancárias não abriram. Pela primeira vez, a greve geral em Camaçari durou 24 horas.

O sucesso nas ações reafirma o acerto e a importância da unidade entre as centrais, sindicatos, partidos e movimentos sociais. Diante das Reformas da Previdência e Trabalhista, apenas essa unidade pode dar esperança aos trabalhadores e o povo. O governo e os patrões estão unidos e decididos a destruir os direitos e a vida dos trabalhadores em nome de seus lucros. Por isso, o exemplo construído no 28 de Abril precisa ser encarado como um patrimônio conquistado e será necessário ampliar o alcance dessa articulações.

Nacionalmente a greve geral foi um sucesso, uma das maiores da história brasileira, mas não poderá ser a única, mas sim o ponto de partida para a derrota das reformas do governo Temer.