Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20769 (10) { ["term_id"]=> int(4302) ["name"]=> string(23) "Greve Geral 28 de abril" ["slug"]=> string(23) "greve-geral-28-de-abril" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4302) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(87) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Greve geral parou Brasília

Por: Ademar Lourenço, de Brasília

Parecia domingo na capital do país. Os ônibus e o metrô paralisaram totalmente suas atividades. Mas isso não causou engarrafamentos. Na verdade, as ruas ficaram vazias. Grande parte dos trabalhadores não saiu de casa e os comércios ficaram de portas fechadas.

No início da manhã, várias ruas e estradas nas cidades satélites foram bloqueadas. Em Planaltina, a militância do MAIS participou do fechamento da estrada que dá acesso à cidade. Ás 11 horas, a maioria dos ativistas se reuniu na Esplanada dos Ministérios, onde ficam os prédios do governo federal.

O ato reuniu centrais sindicais, movimento estudantil, movimento popular e também contou com a participação de indígenas, que estão acampados em Brasília desde segunda-feira. A manifestação  chegou a ter 10 mil pessoas e acabou às 14 horas.

“É um absurdo esse governo Temer. Além de acabar com a aposentadoria e com os direitos trabalhistas, ainda quer privatizar os Correios”, disse Jacó, trabalhador dos Correios e militante do MAIS.  Desde quarta, os funcionários da empresa estão em greve.

Jorge Henrique, diretor do Sindicato dos Enfermeiros do Distrito Federal e militante do MAIS, falou sobre a mobilização dos servidores locais. “Esse ato também é contra o governador Rodrigo Rollemberg, que dá calote nos servidores e quer privatizar a saúde”, disse.

A Polícia Militar fechou o Congresso, que não funcionou. Apesar do aparato de repressão, o ato acabou pacificamente.