Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#10439 (10) { ["term_id"]=> int(4308) ["name"]=> string(46) "31 M contra a Reforma da Previdência de Temer" ["slug"]=> string(45) "31-m-contra-a-reforma-da-previdencia-de-temer" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4308) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(32) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

31 de Março: Fortalecer um novo dia nacional de lutas para barrar as reformas!

Paulo Pinto / AGPT

15/03/2017 Manifestação de centrais sindicais contra mudança do sistema de previdência na av. Paulista.

Por Pedro Augusto Nascimento, do ABC, São Paulo

A Frente Brasil Popular e a Frente do Povo Sem Medo confirmaram a convocação de um dia nacional de mobilizações para o dia 31 de Março. Na próxima Segunda-feira (27), as centrais voltam a se reunir e podem decidir convocar o dia 31 de forma unitária e definir a data de uma greve geral na segunda quinzena de Abril.

As águas de Março vieram para encher os trabalhadores de esperança: é preciso resistir! É possível vencer!

Os dias 08 e 15 de Março abriram um cenário de resistência unificada e nacional contra a Reforma da Previdência, que obrigou Temer e o Congresso a recuarem atirando. A classe trabalhadora brasileira mais uma vez mostrou a sua força quando em ação.

O governo fez uma manobra que simulava poupar os servidores municipais e estaduais da PEC 287, na esperança de tirar das ruas os milhares de professores que foram a vanguarda dos dias 08 e 15. Em jogada ensaiada, Rodrigo Maia desenterrou a PL da Terceirização (PL 4302/98) da época do FHC e o Congresso aprovou na última Quarta-feira (22) esse ataque que rasga a CLT.

O que eles querem é sacrificar os trabalhadores e o futuro da nossa juventude em troca de dólares e o aumento da taxa de lucro para perpeturarem os seus privilégios. A conta fica ainda mais cara para o povo negro, as mulheres, a juventude das periferias, os LGBT’s e imigrantes.
Nenhuma dessas medidas, no entanto, foram suficientes para virar a opinião pública ou desanimar os trabalhadores, cada vez mais contrários às reformas. Os setores mais combativos, que paralisaram e tomaram as ruas, estão cientes que não podem confiar num governo golpista.

É preciso preparar a greve geral a partir da base

Frente a essa mudança no cenário e a força demonstrada pela classe trabalhadora brasileira, o dia 31 que já tinha assembleias de professores marcada para essa data e era parte do calendário da Frente Brasil Popular ganhou um outro significado. Incorporou em sua pauta a luta contra as reformas da Previdência, Trabalhista e contra a PL da Terceirização, que ainda precisa da sanção de Temer.

É fundamental que cada piquete na porta de fábrica, cada assembleia dos professores em greve, cada plenária ou comitê regional se transforme em instrumentos para a construção da greve geral pela base.

Daí a importância do dia 31, pois será não só mais um ensaio para a greve geral, mas uma forma de envolver uma quantidade ainda maior de trabalhadores na preparação dessa tarefa indispensável para que possamos passar de uma vez por todas à ofensiva.

Por isso, os olhos e os ouvidos dos lutadores do país estarão voltados para a reunião das Centrais que ocorrerá na próxima Segunda-feira (27). Agora é o momento de se efetivar uma verdadeira frente única de todas as organizações sindicais e populares em defesa do futuro da classe trabalhadora. O dia 31 deve ser o próximo passo. Uma data unificada de greve geral deve ser o objetivo até o final de Abril.
Não há tempo a perder. Só há uma forma de derrotar Temer, o Congresso e o programa do golpe com seus ajustes, reformas e privatizações: tomando as ruas e parando as fábricas. Mãos à obra!