Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20935 (10) { ["term_id"]=> int(5822) ["name"]=> string(27) "1 ano da guerra na Ucrânia" ["slug"]=> string(26) "1-ano-da-guerra-na-ucrania" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(5822) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(8) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

1 ano da guerra na Ucrânia

A Guerra da Ucrânia completa um ano. Seu rastro de destruição não se resume ao território ucraniano, onde já deixou centenas de milhares de baixas entre mortos e feridos em ambos os lados do conflito. O conflito latente desde o fim da União Soviética e a política de “contenção” do imperialismo ocidental contra a reconstituição da Rússia como uma potência de nível mundial, que remonta o começo dos anos 1990, deu um salto com a invasão russa. Esta tinha como objetivo direto e explícito acabar com a existência da Ucrânia como país independente. As razões precisas da decisão de Putin há um ano ainda são tema de debate, mas o fato é que ela deu início a uma guerra inédita no coração da Europa desde a II Guerra Mundial.

O conflito evoluiu para uma guerra complexa, em que se combinam vários elementos: a luta pela manutenção da Ucrânia como país independente e, cada vez mais, uma guerra por procuração em que estão envolvidas de alguma forma as principais potências imperialistas mundiais. As pesadas sanções ocidentais contra a Rússia, a provisão de bilhões de dólares pelas potências ocidentais ao exército ucraniano, as reiteradas ameaças russas de recorrer a armas nucleares, contribuíram para causar uma situação inédita desde o final da guerra fria entre o Ocidente e a ex-União Soviética, em que o pesadelo de uma guerra nuclear de extermínio, embora altamente improvável, entrou novamente no rol das possibilidades. A guerra causa também enormes sofrimentos para a classe trabalhadora, por conta do aumento dramático da inflação em décadas.

Por outro lado, a guerra foi o sinal para que os orçamentos militares das principais potências mundiais, que já vinham em ascensão, dessem um salto terrível. E, como se sabe, as armas são produzidas para atemorizar e…para combater. Por isso, não é estranho que tenhamos visto um aumento das tensões geopolíticas em todo o mundo, em particular o conflito mais importante do nosso tempo, que é a luta pela hegemonia mundial entre a potência ainda dominante, mas que vive um longo declínio – os EUA – e sua principal desafiante, a China, que teve uma ascensão meteórica após a restauração do capitalismo nos anos 1990, aproveitando-se do intervalo entre a antiga guerra fria e a que começou quando os EUA perceberam que tinham uma rival a ser contida.

Por conta de todos esses aspectos, o Esquerda On-line começa a publicar artigos de balanço sobre o conflito.

Declaração dos Anticapitalistas

Anticapitalistas, organização trotskista do estado espanhol
Freepik

A guerra imperialista e criminosa lançada pela autocracia putinista contra a Ucrânia vem destruindo o país há um ano e semeando morte e sofrimento, gerando uma guerra mundial e uma espiral reacionária, alimentando o caos econômico internacional e ofuscando as tarefas centrais da luta de classes do nosso tempo: a transição ecossocialista para evitar o colapso climático, a luta contra a exploração e a opressão e a luta contra a extrema-direita e o neofascismo. Nós de Anticapitalistas nos opomos a esta guerra, lutamos por uma paz sem anexações e a retirada das tropas russas, bem como a autodeterminação da Ucrânia e seu não alinhamento entre os blocos imperialistas, e apoiamos a desobediência contra a guerra.

No entanto, é necessário evitar simplificar esta guerra em ambas as direções, e sustentamos que, embora o governo Putin seja responsável pela invasão, não é menos verdade que o conflito armado interno desencadeado no leste da Ucrânia desde 2014 (com inegável origem endógena, apesar da rápida interferência de potências estrangeiras para ajudar a ambos os lados) e,  acima de tudo, a incessante disputa geopolítica e geoeconômica entre o imperialismo russo e o ocidental (americano e também europeu) pelo controle daquele país, bem como a extensão da NATO à Europa Oriental, dizem-nos que a responsabilidade por ter dinamitado a paz na região é compartilhada e vem de muito mais longe.

Depois de um ano de guerra, é óbvio que não pode haver uma solução exclusivamente militar para o conflito por uma série de razões:

  1. A ocupação militar da Ucrânia pela Federação Russa é impossível por razões políticas e militares óbvias: a maioria dos cidadãos ucranianos rejeita a invasão e está determinada a resistir. Uma constante desde a Revolução Francesa é que, embora um exército inimigo inferior possa ser destruído, ele não pode esmagar indefinidamente um povo determinado a não ser ocupado.
  2. A menos que a figura de Putin desapareça (seja por razões de saúde ou por um golpe de Estado, por enquanto improvável), é difícil imaginar uma derrota russa completa, dado o tamanho do país e o fato incontestável de que seu regime uniu seu destino ao resultado da guerra. Por sua vez, o governo ucraniano não pode derrotar completamente a Rússia (especialmente se planeja recuperar a Crimeia) sem o risco muito alto de arrastar a OTAN para um confronto direto com a Rússia, algo que não apenas Zelensky, mas também os governos de extrema-direita da Polônia e da Lituânia vêm buscando desde o início da invasão.
  3. A ruptura desse equilíbrio fornecendo armas pesadas (tanques) e talvez, em breve, caças da OTAN e mísseis de longo alcance para a Ucrânia, desencadeou uma escalada do conflito, as represálias de Putin contra a população civil e a destruição da infraestrutura básica do país e o risco crescente, com o passar dos meses, de que isso levaria a uma guerra inter-imperialista em maior escala.
  4. Como muitos de seus formuladores de políticas dizem explicitamente, a guerra por procuração da OTAN contra a Rússia (que é o único objetivo ao qual seu suposto interesse em “democracia” e “liberdade” se resume) instrumentaliza a rejeição legítima da população ucraniana à invasão russa. Da mesma forma que a OTAN, e especialmente os Estados Unidos e o Reino Unido, estão dispostos a tirar proveito da guerra para enfraquecer a Rússia completamente, não está descartado que a China, principal adversário global de Washington, decida fazer o mesmo, armando a Rússia com a lógica simétrica de não deixar seu aliado se afundar, algo que, se acontecesse, nos aproximaria decididamente de uma Terceira Guerra Mundial.

Não só as sérias ameaças de Putin de recorrer a armas nucleares devem ser levadas muito a sério, mas também vale a pena lembrar que ameaças semelhantes foram proferidas por Biden mesmo antes da invasão e que – como Macron recentemente – não poucos líderes da OTAN estão tomando de forma frívola o enorme perigo representado pelo uso de tais armas (especialmente quando se trata de armas nucleares “táticas”).

Nesses tempos, encontramo-nos na necessidade de recordar obviedades como as seguintes: nenhum dos imperialismos (nem o da Rússia, nem o dos Estados Unidos, nem o da China, nem o da UE) respeita o direito de autodeterminação dos povos. Eles só vigiam os “direitos humanos” quando pisoteados por seus inimigos, eles só procuram julgar os crimes de guerra de seus adversários. O imperialismo nunca defende “valores”, o que defende são interesses. Nas palavras de um primeiro-ministro vitoriano do Império Britânico, Lorde Palmerston (1), “Não temos aliados eternos e não temos inimigos perpétuos. Nossos interesses são eternos e perpétuos, e nossa obrigação é vigiá-los.”

Por todas essas razões, acreditamos que a esquerda anticapitalista e internacionalista não pode ceder à tentação de escolher entre os blocos em disputa e deve manter uma posição anti-imperialista independente e concentrar-se na rejeição da guerra, na solidariedade com o povo ucraniano que a sofre e no apoio à oposição antiguerra na Rússia e na luta contra o militarismo e os governos capitalistas. Isto obriga-nos a lutar contra a política dos nossos próprios governos nesta crise: contra os interesses imperialistas das classes dominantes dos nossos países, contra o aumento dos orçamentos militares e a expansão da NATO, contra a inflação, a alta no custo de vida e as políticas de austeridade e contra a alimentação da indústria da morte, que se aproveita do choque e da comoção provocadas guerra.

A guerra por procuração da OTAN, com a qual Washington alimentou e instrumentalizou a guerra em curso, está se combinando com “sanções econômicas” contra a Rússia – que, além disso, se revelaram totalmente inúteis para travar o conflito – que têm repercussões nas condições de vida das classes populares russas e do resto do mundo (e particularmente as dos povos do Sul Global), com uma guerra económica contra as classes populares russas e as do resto do mundo (e particularmente as dos povos do Sul Global) e com uma guerra económica contra a UE (e em particular contra a Alemanha) com a qual pretende recuperar a competitividade da economia dos EUA e incentivar as deslocalizações [de empresas para o território americano] (o pânico já está se espalhando em Paris e em Berlim a esse respeito) para, não só romper irremediavelmente a colaboração económica entre a Europa e a Rússia (“se houver invasão não haverá Nord Stream”, nas palavras de Biden a Sholz),  mas também para reforçar a subordinação política da UE aos interesses de Washington. Os blocos imperialistas estão coesos e se preparando para uma fase de confrontos em diferentes níveis.

Bem, cabe-nos viver em um contexto internacional semelhante ao dos “anos de segurança” que precederam a Primeira Guerra Mundial, em que o movimento operário considerou como evitar uma grande guerra por todos os meios. Ontem como hoje, o perigo é ver a árvore e não a floresta e que a esquerda se adapte à denúncia das atrocidades das potências rivais sem lutar contra as suas, esquecendo, em suma, uma das frases proféticas do líder revolucionário alemão Karl Liebknecht: “o inimigo está em casa”.

Se a guerra em curso não for interrompida em breve, é muito provável que o que virá a seguir signifique um salto infinitamente maior e ainda mais irreversível em direção à barbárie. É por isso que a guerra deve ser interrompida antes que seja tarde demais, mas isso é impossível a menos que haja uma consciência e um passo em frente na ação política independente por parte das classes trabalhadoras, a fim de enfrentar o grave perigo que estamos correndo, não só na Ucrânia, mas também na Rússia, Europa e em todo o mundo.

Pela retirada imediata das tropas russas da Ucrânia.

Pela autodeterminação do povo ucraniano defendendo sua neutralidade e não-alinhamento com nenhum dos imperialismos.

Pelo direito de autodeterminação do Donbass sob a supervisão de países não alinhados no conflito.

Pelo cancelamento da dívida externa da Ucrânia e pelo fim das sanções em escala global.

Pelo cessar-fogo. Pela desmilitarização e desnuclearização das fronteiras. Fim das remessas de armas pelos países imperialistas.

Guerra à guerra: pelo internacionalismo e solidariedade entre as classes trabalhadoras do mundo.

NOTAS

Lorde Palmerston foi um estadista britânico do século XIX que teve muita importância na definição da política externa do país quando estava no apogeu de seu poder imperial.

Texto original.