Pular para o conteúdo
EDITORIAL

Por que Lula deve convocar a manifestação de 19 de junho?

Editorial de 14 de junho de 2021
Ricardo Stuckert

Vivemos um momento decisivo da história do país. O Brasil se aproxima da terrível marca de 500 mil vidas perdidas pela covid-19. O governo Bolsonaro, pelas ações e omissões já comprovadas pela CPI da Covid, como o atraso criminoso na compra de vacinas, é responsável direto por essa catástrofe de proporções bíblicas. Mas o genocida não se dá por satisfeito. Segue com seu pacto macabro com a morte, atentando contra o uso de máscaras e receitando cloroquina. Ao mesmo tempo, sempre que pode, inflama sua base neofascista com ameaças golpistas.

E não para por aí. Bolsonaro patrocina a destruição do meio ambiente a serviço do agronegócio, do garimpo ilegal e dos madeireiros contrabandistas. Promove uma reforma administrativa que ataca os funcionários públicos e destrói o serviço público. Além disso, busca avançar nas privatizações do que resta do patrimônio público, como a Eletrobrás. O governo também estimula as execuções policiais de negros e pobres nas periferias e favelas do país, com acorreu em Jacarezinho.

Não é tolerável seguir nessa situação. É preciso remover Bolsonaro do poder o quanto antes. E isso só será possível com a força das ruas, com mobilização popular. Esperar as eleições de outubro de 2022 é muito arriscado, pois Bolsonaro tentará recuperar popularidade até lá. Além disso, o país não vive um período de “normalidade democrática”. Bolsonaro ameaça não aceitar as regras do jogo democrático, nem antes nem depois das eleições. O miliciano já afirma que as eleições de 2022 serão fraudadas caso não se adote o voto em cédula. Visa com isso deslegitimar as eleições alimentando sua estratégia golpista.

Por todos esses motivos, para  salvar vidas e direitos sociais e democráticos, é preciso derrubar esse governo. Nesse sentido, é preciso dar continuidade aos protestos pelo Fora Bolsonaro, realizando nesse sábado próximo, 19 de junho, uma manifestação ainda maior que a ocorrida em 29 de maio.

O papel decisivo de Lula

Seria de enorme importância que Lula, a maior liderança popular da esquerda, entrasse com tudo na convocação dos protestos. O ex-presidente tem significativa influência entre os trabalhadores, especialmente nas camadas mais pobres e oprimidas da população. Se Lula usar sua capacidade de diálogo com o povo para explicar a importância da luta pelo Fora Bolsonaro, a importância de remover o genocida do poder já, certamente fortalecerá as manifestações populares.

A direção executiva do PT emitiu nota oficial em apoio ao protesto de 19 de junho. Mas até agora Lula não se pronunciou sobre a manifestação. No ato de 29 maio, não foi e também não convocou o protesto, ainda que diversos setores do PT tenham construído a mobilização. Por que o ex-presidente hesita em convocar a luta pelo Fora Bolsonaro nas ruas, mesmo com todas as ameaças autoritárias? Sabemos que vem atuando para formar alianças mais amplas para 2022, buscando atrair setores da burguesia. Assim, se vincular diretamente à luta popular pela derrubada do governo, provavelmente o indisporia com esses setores. Pensamos que tal aliança é um equívoco. Seria insistir no erro que levou ao golpe contra Dilma. A unidade que defendemos para derrotar Bolsonaro, nas ruas e nas eleições, passa pela construção de uma Frente constituída pelos partidos de esquerda e os movimentos sociais. Mas, mesmo se considerarmos a estratégia eleitoral de Lula, manter-se distante das manifestações de rua é um erro grave de sua parte.

Bolsonaro fará a luta nas ruas e nas urnas. Seguirá radicalizando, testando os limites. Se a esquerda renunciar à batalha pelas ruas, abrirá caminho para o avanço da extrema direita neofascista. Por isso, a importância de Lula se engajar ativamente na convocação das manifestações. Na força das ruas, construída pela Frente Única da esquerda e dos movimentos sociais, está a chave para derrotar Bolsonaro.

A hora é agora: Lula deve convocar o 19 de junho

Temos uma oportunidade na conjuntura que não pode ser desperdiçada. Pela experiência trágica vivida pela população na pandemia, formou-se no país uma maioria social contra Bolsonaro, como demonstram todas as pesquisas. Essa maioria popular é ainda maior nos grandes centros urbanos e na juventude. Ao expressar o sentimento majoritário do povo nas ruas, como foi feito em 29 de maio, avançamos, pela esquerda, na consolidação e ampliação do desgaste do bolsonarismo na sociedade, em particular, na classe trabalhadora, visando sua derrubada. Esse é o método mais eficiente para derrotar politicamente Bolsonaro e desarmar qualquer risco de golpe.

Em 19 de junho, no próximo sábado, podemos realizar a maior manifestação de rua desde a eleição de Bolsonaro, demonstrando que esse governo genocida está enfraquecido, contando apenas com o apoio de uma minoria cada vez mais isolada. Se Lula entrar de cabeça nessa luta, pelo Fora Bolsonaro já, como está fazendo Guilherme Boulos, do PSOL, a vitória contra o fascismo estará mais próxima. Essa é a responsabilidade histórica que lhe cabe.