Pular para o conteúdo
Colunas

Por que o hino do Rio Grande do Sul é racista?

Na sexta-feira (01) fui oficialmente empossado como vereador em Porto Alegre, compondo a primeira Bancada Negra da história da capital. O dia, por si só, já se tornou um marco histórico com a presença de cinco vereadores e vereadoras negros no Plenário Ana Terra, da Câmara. Entretanto, na sessão, a vereadora Nádia (DEM), criticou a Bancada Negra por permanecermos sentados durante a execução do Hino Riograndense. Além de responder para a vereadora logo após a sua fala, também preparei sete pontos que mostram o racismo no hino e o apagamento dos negros e negras da história do RS:

Reprodução/TVE-RS

Massacre de Porongos

Matheus Gomes

Vereador em Porto Alegre pelo PSOL, Matheus Gomes é historiador, servidor do IBGE e ativista do movimento social há mais de 10 anos. Sua coluna mostra a visão de um jovem negro e marxista sobre temas da política nacional e internacional, especialmente dos povos da diáspora africana.

1 – O hino teve três versões e é inspirado na Guerra dos Farrapos, que começa em 20 de setembro. A versão final foi oficializada em 1968, ocasião em que se retirou uma estrofe do hino que nada tinha a ver com o RS (citava Atenas, gregos e romanos), mas se manteve a estrofe racista. 


2 – De qual liberdade o hino fala? A briga dos Farrapos contra o Império era sobre fim dos impostos e não questionava a escravidão. O Art. 6 da Constituição Farroupilha não tratava negros como cidadãos. 

Bento Gonçalves prometia liberdade aos escravizados inimigos, mas morreu deixando mais de 50 escravizados para seus herdeiros. 


3 – Canabarro e Duque de Caxias (Império), foram os responsáveis pelo Massacre de Porongos: desarmaram e executaram os Lanceiros Negros.

A única forma de escravidão registrada no período da guerra era sobre o povo negro. A verdade sobre os negros na guerra precisa vir a tona. 


4 – Se outras estrofes que não tinham relação com a história do RS foram retiradas, por que essa permanece?


5 – Retirar a obrigatoriedade da execução do Hino Rio Grandense nas solenidades é um ato político antirracista. Não somos obrigados a cantar versos que legitimam um processo de destruição da humanidade do povo negro.


6 – Num estado como o Rio Grande do Sul, onde a capital é considerada pelo IBGE como a mais racista e desigual do país, retirar a obrigatoriedade do hino é uma reparação histórica. Na verdade, é a abertura do caminho para modificação dos conteúdos racistas do hino. 


7 – Nas “façanhas que servem de modelo a toda terra”, precisa estar inclusa a contribuição negra ao RS. Temos história rica que precisa ser contada. É isso que queremos!

#ChegaDeHinoRacista

 

LEIA MAIS

Quem não canta seus males espanta, por Matheus Gomes e Fernando Seffner