Pular para o conteúdo
Colunas

Escola privada: o lucro acima da vida?

Chico Alencar

Chico Alencar é professor de História graduado pela UFF, mestre em Educação pela FGV e, atualmente, integra o projeto Universidade da Cidadania, da UFRJ. Tem 27 anos de experiência na política institucional: foi deputado federal por quatro legislaturas, deputado estadual e vereador no Rio. Ganhou nove vezes o prêmio de Melhor Deputado do site Congresso em Foco e foi escolhido o parlamentar mais atuante do Brasil. Tem 69 anos e 33 livros publicados. É filho de um piauiense e uma paulista, pai de quatro filhos e avô de cinco netos.

O sindicato patronal das escolas particulares do Rio lançou um vídeo NADA EDUCATIVO, cheio de informações falsas, chamando a volta presencial às aulas.

[email protected] os que têm compromisso com a educação estamos preocupados, enfrentando essa terrível e inédita crise com sabedoria e cautelas bem maiores do que as dos que nos governam.

Sim, não ter a rotina escolar angustia, embaralha tudo, exige muito das famílias, comporta grandes sacrifícios. Mas colocar nossas crianças e jovens em risco angustia muito mais, e pode ser evitado. Devagar com o andor que nossos corpos são frágeis! A guerra contra o vírus está em pleno curso, e sua expansão no Brasil ainda tragicamente em alta – em breve chegaremos às 100 mil mortes!

Priorizamos a escola pública, democrática, de qualidade, mas reconhecemos o papel complementar do ensino privado. Só que seu móvel não pode ser o afã do lucro, do negócio: vidas estão ameaçadas. Preparar no agora para o futuro, ameaçando esse futuro agora, é inconcebível.

A peça publicitária diz, entre outras afirmações contestáveis, que “todos já sabemos o que fazer” para nos proteger do corona. “Estamos prontos, fizemos o dever de casa, ESTUDOS SÓ CONFUNDIRAM (!!!), trancar todos em casa não é ciência (…) confinar é desconhecer, fragilizar, subtrair vidas (…) as crianças precisam voltar a se relacionar, brincar”.

“A escola privada está pronta para reiniciar”. Todas? Em que condições? Como estar no espaço escolar sem se aproximar? Os professores e funcionários foram ouvidos? As crianças, sem a rotina aglomerativa da escola, estão em “cárcere privado”? As recomendações da Fiocruz, que afirma que retorno às aulas presenciais nesse momento é um risco, não valem nada? Sabem que a pandemia cresceu em 11 estados que afrouxaram o isolamento e o distanciamento? Que o Rio oscila, e está em alta novamente?

O vírus da irresponsabilidade, do mero interesse “econômico”, destroi o bom senso. É deseducativo. Adoece. Mata.