Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8300 (10) { ["term_id"]=> int(4842) ["name"]=> string(40) "75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial" ["slug"]=> string(40) "75-anos-do-fim-da-segunda-guerra-mundial" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4842) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(14) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Trotskistas e a Resistência na Segunda Guerra Mundial

Ernest Mandel, Secretariado Unificado da Quarta Internacional

Resistência italiana em manifestação em Roma

O seguinte texto é extraído da transcrição de uma escola sobre a história da Quarta Internacional organizada pelo Grupo Marxista Internacional em Londres em 1976.

Eu quero entrar em detalhes na questão do movimento de resistência na Europa entre 1940 e 1944. Eu quero fazê-lo especialmente porque alguns camaradas por quem tenho respeito, e que espero ver na Quarta Internacional, os camaradas do grupo Lutte Ouvriere na França, fizeram de seu especial ponto de honra levantar esta questão contra a Quarta Internacional.

Desde a fundação da Internacional Comunista, os comunistas foram educados em uma rejeição principista da ideia de ‘defesa nacional’ ou ‘defesa da pátria’ nos países imperialistas. Isto significou uma recusa total de ter algo a ver com as guerras imperialistas. O movimento trotskista foi educado no mesmo espírito. Isso foi ainda mais necessário com a virada de direita do Comintern e do pacto Stalin-Laval em 1935, que transformou os stalinistas nos países da Europa Ocidental, e em alguns países coloniais, nos piores defensores do chauvinismo pró-imperialista.

Na Índia, por exemplo, isso levou à traição desastrosa dos stalinistas da revolta nacional em 1942. Quando a revolta aconteceu, os colonialistas britânicos abriram as prisões para os líderes do Partido Comunista da Índia a fim de transformá-los em agitadores contra a revolta e pela guerra imperialista. Essa tremenda traição lançou as bases para a contínua influência massiva do Partido do Congresso nacionalista burguês nas décadas seguintes.

O nosso movimento foi inoculado contra o nacionalismo nos países imperialistas, contra a ideia de apoiar os esforços imperialistas de guerra sob qualquer forma. Essa foi uma boa educação, e eu não proponho revisar essa tradição. Mas o que deixou de fora foram elementos da muito mais complexa posição leninista na Primeira Guerra Mundial. Simplesmente não é verdade que a posição de Lenin possa ser reduzida à fórmula: “Esta é uma guerra imperialista reacionária. Não temos nada a ver com isso”. A posição de Lenin era muito mais sofisticada. Ele disse: “Há pelo menos duas guerras e queremos apresentar uma terceira.” (A terceiro foi a guerra civil proletária contra a burguesia que de fato saiu da guerra na Rússia.)

Lenin travou uma luta determinada contra correntes sectárias dentro da tendência internacionalista que não reconheceu a distinção entre estas duas guerras. Ele apontou: ‘Há uma guerra Inter imperialista. Com essa guerra, não temos nada para fazer. Mas também há guerras de revolta nacional por nacionalidades oprimidas. A revolta irlandesa é 100% justificada. Mesmo que o imperialismo alemão tente lucrar com isso, mesmo que os líderes do movimento nacional se liguem aos submarinos alemães, isso não muda a natureza justa da guerra irlandesa de independência contra o imperialismo britânico. O mesmo vale para o movimento nacional nas colônias e nas semicolônias, o movimento indígena, o movimento turco, o movimento persa. E acrescentou: “A mesma coisa é verdade para as nacionalidades oprimidas na Rússia e na Austro-Hungria. O movimento nacional polonês é um movimento justo, o movimento nacional checo é um movimento justo. Um movimento de qualquer nacionalidade oprimida contra o opressor imperialista é um movimento justo. E o fato de que a liderança desses movimentos poderia trair a ligação política e organizacional desses movimentos ao imperialismo é uma razão para denunciar esses líderes, e não uma razão para condenar esses movimentos”.

Agora, se olharmos para o problema da Segunda Guerra Mundial daquele ponto de vista leninista mais dialético e mais correto, temos que dizer que foi um negócio muito complicado. Eu diria que, com o risco de colocar isso com muita força, a Segunda Guerra Mundial foi na realidade uma combinação de cinco guerras diferentes. Isso pode parecer uma proposta escandalosa à primeira vista, mas acho que um exame mais detalhado irá confirmá-lo.

Primeiro, houve uma guerra Inter-imperialistas, uma guerra entre os imperialistas nazis, italianos e japoneses, por um lado, e os imperialistas anglo-americano-franceses, por outro. Essa foi uma guerra reacionária, uma guerra entre diferentes grupos de potências imperialistas. Não tivemos nada a ver com essa guerra, fomos totalmente contra ela.

Em segundo lugar, houve uma guerra justa de autodefesa pelo povo da China, um país semicolonial oprimido, contra o imperialismo japonês. Em nenhum momento a aliança de Chiang Kai-Shek com o imperialismo americano foi uma justificativa para qualquer revolucionário mudar seu julgamento sobre a natureza da guerra chinesa. Foi uma guerra de libertação nacional contra uma gangue de ladrões, os imperialistas japoneses, que queriam escravizar o povo chinês. Trotsky era absolutamente claro e inequívoco nisso. Essa guerra de independência começou antes da Segunda Guerra Mundial, em 1937; em certo sentido, começou em 1931 com a aventura da Manchúria japonesa. Tornou-se entrelaçada com a Segunda Guerra Mundial, mas permaneceu um ingrediente separado e autônomo da mesma.

Terceiro, houve uma guerra justa de defesa nacional da União Soviética, um Estado operário, contra uma potência imperialista. O fato de que a liderança soviética se aliou não apenas de um modo militar que era absolutamente justificado – mas também politicamente com os imperialistas ocidentais de modo algum mudou a natureza justa daquela guerra. A guerra dos trabalhadores e camponeses soviéticos, dos povos soviéticos e do Estado soviético, para defender a União Soviética contra o imperialismo alemão era uma guerra justa, de qualquer ponto de vista marxista-leninista. Nessa guerra, estávamos 100 por cento pela vitória de um acampamento, sem reservas ou pontos de interrogação. Nós éramos pela vitória absoluta do povo soviético contra os ladrões assassinos do imperialismo alemão.

Quarto, houve uma guerra justa de libertação nacional dos povos coloniais oprimidos da África e da Ásia (na América Latina não houve tal guerra), lançada pelas massas contra o imperialismo britânico e francês, às vezes contra o imperialismo japonês e às vezes contra ambos, um após o outro. Mais uma vez, estas foram absolutamente justificadas guerras de libertação nacional, independentemente do caráter particular do poder imperialista. Nós éramos igualmente favoráveis à vitória do levante do povo indiano contra o imperialismo britânico e ao pequeno início da revolta no Ceilão, pois éramos favoráveis à vitória dos guerrilheiros birmaneses, indochineses e indonésios contra os japoneses e franceses. O imperialismo holandês sucessivamente. Nas Filipinas, a situação era ainda mais complexa. Eu não quero entrar em todos os detalhes, mas o ponto básico é que todas essas guerras de libertação nacional foram apenas guerras, independentemente da natureza de sua liderança política. Você não precisa depositar nenhuma confiança política ou dar apoio político aos líderes de uma luta específica para reconhecer a justiça dessa luta. Quando uma greve é liderada por burocratas sindicais traiçoeiros, você não deposita nenhuma confiança neles – mas também não para de apoiar a greve.

Agora chego à quinta guerra, que é a mais complexa. Eu não diria que isso estava acontecendo em toda a Europa ocupada pelo imperialismo nazista, mas mais especialmente em dois países, a Iugoslávia e a Grécia, em grande parte na Polônia, e incipientemente na França e na Itália. Essa foi uma guerra de libertação dos trabalhadores oprimidos, dos camponeses e da pequena burguesia urbana contra os imperialistas nazis alemães e seus lacaios. Negar a natureza autônoma dessa guerra significa dizer na realidade que os trabalhadores e camponeses da Europa Ocidental não tinham o direito de lutar contra aqueles que os estavam escravizando naquele momento, a menos que suas mentes estivessem claramente contra a entrada de outros escravizadores no lugar dos existentes. Essa é uma posição inaceitável.

É verdade que, se a liderança dessa resistência de massa permanecesse nas mãos de nacionalistas burgueses, de stalinistas ou socialdemocratas, poderia eventualmente ser vendida aos imperialistas ocidentais. Era dever dos revolucionários impedir que isso acontecesse tentando expulsar esses falsificadores da liderança do movimento. Mas era impossível impedir tal traição, abstendo-se de participar desse movimento.

O que está por trás dessa quinta guerra? Foram as condições desumanas que existiam nos países ocupados. Como alguém pode duvidar disso? Como alguém pode nos dizer que o verdadeiro motivo da insurreição foi alguma estrutura ideológica – como o chauvinismo do povo francês ou da liderança do PC? Tal explicação é um absurdo. As pessoas não brigavam porque eram chauvinistas. As pessoas estavam lutando porque estavam com fome, porque eram excessivamente exploradas, porque havia deportações em massa de trabalho escravo para a Alemanha, porque houve massacre em massa, porque havia campos de concentração, porque não havia direito de greve, porque os sindicatos foram banidos porque comunistas, socialistas e sindicalistas estavam sendo presos.

É por isso que as pessoas estavam lutando e não porque eram chauvinistas. Eles eram frequentemente chauvinistas também, mas essa não era a razão principal. A principal razão era a desumanidade nas condições materiais de vida, a opressão social, política e nacional, tão insuportável que levou milhões de pessoas a caminho da luta. E você tem que responder à pergunta: foi uma luta justa, ou foi errado se levantar contra essa superexploração e opressão? Quem pode argumentar seriamente que a classe trabalhadora da Europa Ocidental ou Oriental deveria ter se abstido ou permanecido passiva em relação aos horrores da opressão nazista e da ocupação nazista? Essa posição é indefensável.

Assim, a única posição correta era dizer que houve uma quinta guerra que também foi um aspecto autônomo do que estava acontecendo entre 1939 e 1945. A correta posição marxista revolucionária (digo isso com certa tendência apologética, porque era a única defendida desde o início pelos trotskistas belgas contra o que eu chamaria tanto de direita quanto de ultraesquerda do movimento trotskista europeu na época) deveria ter sido o seguinte: apoiar totalmente todas as lutas e revoltas de massas, armadas ou não. Desarmado, contra o imperialismo nazista na Europa ocupada, a fim de lutar para transformá-los em uma revolução socialista vitoriosa – isto é, lutar para expulsar da liderança das lutas aqueles que os ligavam aos imperialistas ocidentais, e quem queria, na realidade, manter o capitalismo no final da guerra, como de fato aconteceu.

Temos que entender que o que começou na Europa em 1941 foi uma genuína nova variante de um processo de revolução permanente, que poderia transformar esse movimento de resistência em uma revolução socialista. Eu digo “poderia”, mas em pelo menos um exemplo foi o que realmente aconteceu. Aconteceu na Iugoslávia. Isso é exatamente o que os comunistas iugoslavos fizeram.

Quaisquer que sejam as nossas críticas à forma burocrática como o fizeram, os crimes que cometeram durante o processo, ou os desvios políticos e ideológicos que acompanharam esse processo, é fundamentalmente o que fizeram. Não temos intenção de sermos apologistas de Tito, mas temos que entender o que ele fez. Foi uma coisa incrível. No início da revolta em 1941, o PC iugoslavo tinha apenas 5.000 participantes ativos. No entanto, em 1945 eles tomaram o poder à frente de um exército de meio milhão de trabalhadores e camponeses. Isso não foi pouca coisa. Eles viram a possibilidade e a oportunidade. Eles se comportaram como revolucionários – revolucionários burocrático-centristas de origem stalinista se quiserem, mas você não pode chamar isso de contrarrevolucionário. Eles destruíram o capitalismo. Não foi o exército soviético, não foi Stalin, como resultado da “guerra fria”, que destruiu o capitalismo na Jugoslávia. Foi o PC iugoslavo que liderou esta luta, acompanhado por uma grande luta contra Stalin.

Todas as provas estão lá – todas as cartas enviadas pelo Partido Comunista da União Soviética aos iugoslavos, dizendo: “Não ataquem a propriedade privada. Não empurre os americanos para a hostilidade à União Soviética, atacando a propriedade privada”. E Tito e os líderes do Partido Comunista não davam a mínima para o que Stalin lhes dizia para fazer ou não fazer. Eles lideraram um genuíno processo de revolução permanente no sentido histórico da palavra, transformaram uma revolta em massa contra a ocupação imperialista estrangeira – uma revolta que começou em uma base interclassista, mas sob uma liderança proletária burocrática – em uma genuína revolução socialista.

No final de 1945, a Iugoslávia tornou-se um estado operário. Houve uma tremenda revolta em massa em 1944-45, os trabalhadores tomaram as fábricas, a terra foi tomada pelos camponeses (e mais tarde pelo estado, de maneira exagerada e excessivamente centralizada). A propriedade privada foi em grande parte destruída. Ninguém pode realmente negar que o Partido Comunista Iugoslavo destruiu o capitalismo, mesmo que fosse através de seus próprios métodos burocráticos, reprimindo a democracia operária, mesmo atirando em algumas pessoas acusadas de serem trotskistas (o que não era verdade – não havia seção trotskista na Iugoslávia então ou em qualquer momento anteriormente). E não destruiu o capitalismo através de alguns movimentos burocráticos com um exército estrangeiro, como na Europa Oriental, mas através de uma genuína revolução popular, uma enorme mobilização de massas, uma das maiores já vistas na Europa. Você deveria estudar a história do que aconteceu na Iugoslávia – como dizem os escritores burgueses, em cada aldeia havia uma guerra civil. Essa é a verdade disso. A única comparação que você pode fazer é com o Vietnã.

Portanto, penso que os revolucionários deveriam basicamente ter tentado fazer nos outros países ocupados o que os comunistas iugoslavos fizeram na Iugoslávia – é claro, com melhores métodos e melhores resultados, levando à democracia e ao poder dos trabalhadores diretamente exercido pelos conselhos de trabalhadores, e não por um partido operário burocratizado e uma burocracia privilegiada.

Isso não quer dizer que foi nossa culpa se a revolução proletária fracassou na Europa em 1945, porque não aplicamos a linha correta no movimento de resistência. Isso seria ridículo. Mesmo com as melhores linhas, a relação de forças era tal que não teríamos conseguido. A relação de forças entre os partidos comunistas e nós, o prestígio dos PCs, os laços dos PCs com a União Soviética, o baixo nível de consciência da classe trabalhadora como resultado de um longo período de derrotas – tudo isso tornava impossível para os trotskistas realmente competirem com os stalinistas pela liderança do movimento de massas. Assim, os erros cometidos, tanto no sentido de direita como no sentido ultra-esquerdista, tiveram pouco efeito sobre a história. São simplesmente lições das quais temos que tirar uma conclusão política para não repetir esses erros no futuro. Não podemos dizer que deixamos de influenciar a história como resultado desses erros.

Essas lições eram de natureza dual. Os principais camaradas de uma das duas organizações trotskistas francesas, o POI (que era a seção oficial), cometeram erros de direita em 1940-41. Não há dúvidas sobre isso. Eles começaram basicamente a partir de uma linha correta, a que acabei de descrever, mas eles levaram um passo longe demais. Na implementação dessa linha, eles incluíram blocos temporários com o que chamaram de “burguesia nacional”.

Devo acrescentar que eles puderam usar uma frase de Trotsky para apoiar sua posição. Lembre-se que antes de chegar apressadamente a um julgamento sobre essas questões. Essa frase veio no início de um dos últimos artigos de Trotsky: “A França está sendo transformada em uma nação oprimida”. Em uma nação oprimida, não há razão de princípio para rejeitar acordos táticos temporários com a “burguesia nacional” contra o imperialismo. Existem condições: não fazemos um bloco político com a burguesia. Mas acordos puramente táticos com a burguesia nacional são aceitáveis. Deveríamos, por exemplo, ter feito tal acordo na revolta de 1942 na Índia. É uma questão de tática, não de princípio.

O que estava errado na posição da liderança do POI era fazer uma extrapolação a partir de uma situação conjuntural temporária. Se a França se tornasse permanentemente um país semicolonial, isso teria sido outra história. Mas foi uma situação temporária, apenas um episódio da guerra. A França permaneceu uma potência imperialista, com estruturas imperialistas, que continuou através da operação gaullista para explorar muitos povos coloniais e manter seu império na África intacto. Mudar de atitude em relação à burguesia simplesmente à luz do que aconteceu durante alguns anos no território da França foi um movimento prematuro que continha em si a semente de grandes erros políticos.

Na verdade, isso não levou a nada na prática. Aqueles que dizem que os trotskistas franceses “traíram” ao fazer um bloco com a burguesia em 1940-41 não compreendem a diferença entre o começo de um erro teórico e uma intervenção traiçoeira real na luta de classes. Nunca houve qualquer acordo com a burguesia, nunca houve qualquer apoio para eles quando chegou ao ponto. Sempre que ocorriam greves, os trotskistas franceses estavam 100% do lado dos trabalhadores. Quer fosse uma greve contra os capitalistas franceses, os capitalistas alemães ou uma combinação de ambos, eles estavam sempre do lado dos trabalhadores. Então, onde foi a traição? Apenas confunde um possível erro político e um erro teórico – o que eventualmente poderia ter tido graves consequências, mas na verdade nunca aconteceu. Que foi um erro que eu naturalmente não nego. Mas acho que os camaradas da minoria do POI que lutaram contra ela fizeram um bom trabalho e, em 1942, foram revertidos e não voltaram a ocorrer.

O erro sectário, no entanto, foi em minha opinião muito mais grave. Aqui, a ala ultra-esquerdista do movimento trotskista negou qualquer ingrediente progressista do movimento de resistência e se recusou a fazer qualquer distinção entre a resistência de massas, a luta armada de massas e as manobras e planos dos líderes burgueses nacionalistas, socialdemocratas ou stalinistas. Esse erro foi muito pior porque levou à abstenção de importantes lutas vivas das massas. Esses camaradas (como o grupo Lutte Ouvriere) que persistem até hoje em identificar os movimentos de massa nos países ocupados com o imperialismo – dizendo que a guerra na Iugoslávia foi uma guerra imperialista porque foi conduzida por nacionalistas – estão revisando completamente o marxismo. Em vez de definir a natureza de classe de um movimento de massas por suas raízes objetivas e significância, eles tentam fazê-lo com base em sua ideologia. Este é um passo inaceitável para o idealismo histórico. Quando os trabalhadores se levantam contra a exploração e a opressão com slogans nacionalistas, você diz: “O levante está correto; por favor, mude os slogans”. Você não diz: “O levante é ruim porque os slogans são ruins”. Não se torna burguesa porque os slogans são burgueses – essa é uma abordagem errada e absolutamente não materialista.

Trotsky advertiu o movimento trotskista contra precisamente esses erros em seu último documento básico, o Manifesto da conferência de emergência de 1940. Ele ressaltou que eles devem ter o cuidado de não julgar os trabalhadores da mesma maneira que a burguesia, mesmo quando falaram sobre defesa nacional. Era necessário distinguir entre o que diziam e o que significavam – julgar a natureza histórica objetiva de sua intervenção, em vez das palavras que usavam. E o fato de que seções sectárias do movimento trotskista não entendiam isso, e tomavam uma posição abstencionista em grandes confrontos envolvendo centenas de milhares ou mesmo milhões de pessoas, era muito perigoso para o futuro da Quarta Internacional.

Abster-se de tais choques em bases ideológicas teria sido absolutamente suicida para um movimento revolucionário vivo. Mas não tínhamos seção na Iugoslávia. E se tivéssemos uma, felizmente não teria sido sectário. Caso contrário, não poderíamos nos dirigir aos comunistas e trabalhadores iugoslavos com a autoridade que temos hoje. Nossa primeira intervenção na Iugoslávia foi somente em 1948; foi bom, e agora podemos falar com uma bandeira imaculada e considerável autoridade moral na Iugoslávia. Mas se a linha Lutte Ouvriere tivesse sido aplicada na prática entre 1941 e 1944 na Iugoslávia, e se os trotskistas iugoslavos tivessem sido neutros naquela guerra civil, não estaríamos muito orgulhosos hoje e certamente não estaríamos em uma posição forte para defender a guerra civil. O programa da Quarta Internacional. Como isso é, alguns dos comunistas iugoslavos que mais tarde se tornaram trotskistas foram heróis na guerra civil, o que lhes confere certa autoridade moral e permanente.

Isso torna mais fácil para eles e para nós discutirmos o trotskismo na Iugoslávia hoje. Se tivéssemos de carregar a marca moral da passividade e da abstenção em uma enorme guerra civil, estaríamos, no mínimo, em uma posição muito ruim hoje.