Pular para o conteúdo
Colunas

Mais do mesmo? A pandemia e os desafios da esquerda

Juliana Fiuza Cislaghi

Mestre e Doutora em Serviço Social pelo PPGSS/UERJ, Especialista em Saúde e Serviço Social, Professora Adjunta da Faculdade de Serviço Social da UERJ e pesquisadora do GOPSS – Grupo de Estudos e Pesquisas em Orçamento Público e Seguridade Social. Diretora da Associação de Docentes da UERJ (Asduerj) entre 2011 e 2015 e diretora do ANDES-SN entre 2016 e 2018.

“Eu realmente não sabia que eu pensava assim
E agora você quer um retrato do país
Mas queimaram o filme, queimaram o filme
Queimaram o filme
E enquanto isso, na enfermaria
Todos os doentes estão cantando sucessos populares”

(Renato Russo, “Mais do mesmo”)

 

Em grande medida a pandemia é uma superlativização do que já era nossa vida. Incerteza sobre o futuro, isolamento social, ausência de mecanismos de proteção coletiva e solidariedade, um abismo de desigualdades. Mas essas contradições, que são as contradições do capitalismo e mais ainda desse capitalismo ultraneoliberal mundializado, que eram antes vividas individualmente, no máximo por grupos sociais, agora são vividas coletivamente, como um soco na cara de todo mundo ao mesmo tempo. Nunca ficou tão evidente que estamos no mesmo barco, e nunca ficou tão evidente, também, que estamos no mesmo barco mas em cabines muito diferentes. Não dá para saber o que vem depois. Pode ser uma onda de solidariedade que vem de baixo e vai impor mudanças nas estruturas do que está posto. Mas também pode ser mais raiva e ressentimento no caminho para a barbárie. Como vamos experimentar esses meses será determinante. As relações virtuais nunca foram tão centrais mas creio eu que serão rapidamente insuficientes. Passado o medo e o contágio inicial vamos ter que colocar a cara na rua, com muito álcool gel, e não vai ser só para derrubar o governo. Mas para fazer a tal solidariedade ativa. A coragem de enfrentar guerras civis em gerações passadas pode se tornar a coragem de se colocar em maior risco de contágio para os mais novos privilegiados: os que não são do grupo de risco. Não é conversa para agora (fiquem em casa!) mas acho que não demora. Tem continuidade com o que vivemos mas também é completamente diferente.

Marcado como:
coronavírus