Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8889 (10) { ["term_id"]=> int(4350) ["name"]=> string(13) "Marielle Vive" ["slug"]=> string(13) "marielle-vive" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4350) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(208) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

8 de março unificado em todo o País: O primeiro passo da resistência

Editorial 28 de fevereiro de 2019

Estamos a poucos dias do 8 de Março, Dia Internacional de Luta das Mulheres. Além de sua importância histórica, como marco da luta contra a opressão e exploração, esta data no mundo todo tem se tornado um grande palco da luta de resistência aos planos de austeridade e ao avanço do conservadorismo. No Brasil não é diferente. Após o exuberante processo do #EleNão, o movimento de mulheres volta a se articular na construção de atos unificados para o 8M.

Em todas as capitais, além de dezenas de outras cidades do país, aconteceram plenárias praticamente semanais desde meados de janeiro para a preparação do que será a primeira mobilização contra o governo de Jair Bolsonaro. Nessas plenárias centenas de ativistas feministas debateram sua visão política do que ocorre hoje no Brasil, quais os desafios colocados e como construir a resistência. Não faltaram polêmicas e discussões acaloradas, mas o movimento de mulheres – mais uma vez – dá um grande exemplo construindo o 8M unificado no país inteiro! E não se trata de uma unidade despolitizada, em torno a pautas genéricas. É uma unidade pela necessidade de quem sabe que tem um inimigo comum a derrotar, e que elegeu o movimento feminista como alvo.

Mesmo com a enorme diversidade de nossas pautas, praticamente todos os atos terão como eixos:

– A luta contra o feminicídio, associando-o ao discurso de ódio da campanha de Bolsonaro e seu recente decreto, que flexibiliza a posse de armas de fogo, que deve aumentar ainda mais os assassinatos de mulheres sobretudo em ambientes domésticos;

– A luta por justiça para Marielle Franco, cujo assassinato completa um ano no próximo dia 14;

– A luta contra a reforma da Previdência, que ataca em especial as trabalhadoras, tendo reduzida a diferença de idade mínima entre homens e mulheres e, em alguns casos, igualado esta idade, entre outros ataques.

Nestas plenárias também se expandiu o debate sobre a Greve Internacional de Mulheres, que tem no Brasil um atraso em relação a diversos países da América Latina, Estados Unidos e Europa. É uma tarefa concretizar o vínculo internacional do movimento feminista no Brasil.

Algumas cidades construíram manifestos que sustentam uma visão sobre o que está em jogo no país com o novo governo. Sobre as várias facetas dos ataques econômicos , sociais, culturais e ideológicos a que estão submetidas as mulheres, mas também o conjunto da classe trabalhadora e dos oprimidos. E da mesma forma que demonstram a gravidade do momento que vivemos, apontam o caminho da batalha que teremos pela frente, da resistência. É o caso dos manifestos de São Paulo e Rio de Janeiro.

Não estamos ou estivemos preparando apenas um ato, um 8 de Março. Estamos preparando o início de um processo de resistência unificado, que deve seguir com o 14M, pelo um ano do assassinato de Marielle e Anderson, com as banquinhas feministas (que já estão sendo organizadas pelas “Mulheres sem Medo”) de “vira-voto” da reforma da Previdência, dando o caráter de um março de resistência. Além de toda a luta que continuará contra a reforma de Previdência, maior ataque à classe trabalhadora e que deve hierarquizar nossas palavras de ordem. É fundamental a continuidade desta unidade para o próximo período, se transformando em algo orgânico e que se articule com o conjunto dos movimentos sociais, incluindo o 22 de março, dia de luta marcado pelas centrais sindicais.

Após o carnaval, voltaremos às ruas. Faremos bonito neste 8M, escolhemos nos juntar e lutar. Não há outro caminho possível e este é o melhor começo. Se fere nossa existência , seremos resistência!

Marcado como:
8 de março / mulheres