Extrema direita avança no parlamento da Andaluzia e provoca protesto

Por: Victor Amal, de Florianópolis (SC)

O resultado das eleições que ocorreram neste domingo (02) para o parlamento da Andaluzia, na Espanha, surpreendeu por dois motivos: a mesmo tempo em que a esquerda, em seus mais variados partidos, sofreu uma dura derrota, em um estado com forte tradição progressista, um novo partido de extrema direita – VOX – entra no parlamento andaluz, com relativa importância.

O PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), que governa o estado há 36 anos, sofreu a maior derrota eleitoral desde então. Apesar de ter ficado em primeiro lugar, com 28% dos votos, perdeu quase 12% em relação à eleição passada, ocorrida em 2015. Portanto, obteve apenas 33 cadeiras de um total de 109, 14 a menos do que possuíam anteriormente. Uma queda na votação do PSOE, contudo, era esperada devido a impopularidade de Susana Diaz, da ala direita dos socialistas e presidente do Governo Regional da Andaluzia.

Em segundo lugar ficou o conservador PP (Partido Popular), do ex-primeiro ministro Mariano Rajoy, com 20,8% dos votos. Ainda que tenha ficado com a vice-liderança, o PP perdeu 5,9% em relação às eleições de 2015, ficando com apenas 26 cadeiras.

Em terceiro ficou o liberal Ciudadanos (Cs), confirmando sua forte ascensão no cenário eleitoral espanhol, com 18,3%. Esta votação representou um crescimento de 9%, que rende ao partido o total de 21 cadeiras.

Já a aliança eleitoral “Adelante Andalucia” (AA), formada pelo PODEMOS e Esquerda Unida (IU), Esquerda Andaluz e Primavera Andaluz, fez 16,2%, dos votos, 5,5% a menos que em 2015, que corresponde a 17 cadeiras parlamentares.

A contra face da queda dos partidos de esquerda, por sua vez, é a ascensão do partido de extrema direita neofranquista, o VOX, que fez 10,9% dos votos e obteve 12 representações. Ele capitaliza pela direita o desgaste tanto do PSOE quanto do PP.

Esta é a primeira vez que o VOX foi eleito para um cargo legislativo desde que foi lançado, em 2014. Também foi a primeira vez desde a saída do reacionário Blas Piñar da Câmara dos Deputados, em 1982, que a extrema direita estará representada no parlamento.

O que é o VOX?

O VOX, que significa “voz”, foi fundado por dissidentes do Partido Popular (PP), em dezembro de 2014, e possuí programa marcado pelo caráter altamente nacionalista, conservador e reacionário.

Por um lado, se assemelha ao discurso da extrema direita brasileira, que enxerga uma conspiração internacional levada a cabo pelo “marxismo cultural”, associado por eles ao debate sobre opressões de gênero e raça.

Apresentam-se, portanto, contrários ao feminismo, a discussão de gênero nas escolas, ao casamento homossexual, ao aborto, e demais pautas democráticas historicamente defendidas pela esquerda.

Por outro, defendem a repressão total do movimento independentista Catalão e a centralização política, administrativa e orçamentária no governo federal. Esta característica, em particular, remete diretamente à história do fascismo espanhol.

A Espanha é um país fraturado pelo conflito entre seus estados, unificado artificialmente e através de brutal violência pela ditadura de Francisco Franco (1939-1977). Em função deste histórico, por vezes, movimentos locais reivindicam independência, como é hoje o caso da Catalunha e, anteriormente, do país Basco.

Por último, o programa do VOX é também marcado por forte discurso anti-imigração e islamofóbico, associando a fé muçulmana com o terrorismo radical.

Não por coincidência, onde há extrema direita e islamofobia há também Steve Bannon, ex-estrategista chefe do governo Trump e articulador político internacional de partidos nacionalistas e conservadores.

No dia 10 de abril deste ano, Rafael Bardají, ideólogo do VOX, se encontrou com Bannon em Washington, capital dos Estados Unidos. Apesar de o conteúdo da sua reunião não ter sido divulgado, o norte-americano comentou às vésperas da eleição andaluz sobre a “necessidade” de um partido nacionalista e identitário cristão na Espanha.

Mobilização e protesto

Nesta segunda (03), um dia depois das eleições, cerca de 10 mil pessoas protestaram nas principais cidades do estado contra a presença do VOX no parlamento. Milhares saíram às ruas em Sevilla, Málaga e Granada.

Assim, apesar do golpe sofrido pela ascensão da extrema-direita, os andaluzes reagiram de imediato mostrando que estão dispostos a barrar o avanço da extrema direita. Na terça-feira (4), os protestos se espalharam para as oito províncias de Andaluzia e já ocorrem concentrações de pessoas para grande manifestação marcada para quarta-feira (5).

Para consolidar esta luta, é urgente a construção de uma frente antifascista e, ao mesmo tempo, garantir a unidade das forças de esquerda e socialistas de maneira independente do PSOE.

Comentários no Facebook

Post A Comment