Reorganizar as/os lutadoras/es e as Frentes de Ação para defender nossos direitos, as conquistas democráticas e barrar o fascismo

Conspiração Socialista

A vitória da extrema direita, com a eleição de Bolsonaro, aponta para um recrudescimento do regime político no país. O viés fascista, autoritário e ditatorial do novo governo e a consequente consolidação de um estado policialesco, que terá o “imparcial” juiz Moro, como seu gerente e fiador será a marca do próximo período.

O governo atacará pelo viés moral – contra cotas, LGBTTS, imigrantes, refugiados e mulheres. Liberará as ações polícias, principalmente contra LGBTTS e negras/os das periferias.

Não é a toa que cotidianamente insiste no amparo jurídico para policiais que matem em serviço, não importa à quem. Com o Escola Sem Partido e a Reforma do Ensino Médio, ao mesmo tempo, atenderá aos anseios conservadores das bancadas evangélicas, falando contra a pseudo doutrinação e as políticas de gênero e atenderá ao setor financeiro com o controle privado do ensino médio e, de quebra, criminalizará professores/as e ativistas visando minar a ação sindical desse combativo setor.

Essa tática de “defender” os valores tradicionais e conservadores tem como objetivo: por um lado manter sua base de apoio social e eleitoral, mas também e, principalmente, desviar a atenção da maioria da população do seu programa econômico anti-trabalhador, e da entrega do país aos interesses do grande capital internacional.

A equipe econômica ultraliberal do governo, em acordo com Temer, já retomou as negociatas para aprovar a reforma da previdência, ainda esse ano, mais draconiana do que a de Temer. Sobretaxação de 11% para até 22% e elevação da idade mínima. As propostas de enxugamentos da máquina pública, via fusão de ministérios ou extinção – como o noticiado fim do ministério do trabalho – visa atender a política de Estado mínimo, desprotegendo a sociedade de seus direitos, liberando para o mercado (patrões) a regulação do trabalho que intensificará os ataques a já fragilizada legislação trabalhista e a devastação do meio ambiente etc.

A proposta de desonerar impostos dos empresários mostra a continuidade de uma política tributária de fortalecimento dos mais ricos em detrimento dos assalariados e da chamada classe média. A que se destacar a entrega das riquezas naturais do país – como a Amazônia, o petróleo e etc. O Plano de privatizações pretende entregar mais de 70 empresas estatais para o setor privado nacional e estrangeiro.

Mesmo antes de tomar posse, o alinhamento, de forma canina do governo eleito com os interesses da diplomacia estadunidense, gera problemas com o mundo árabe, com a China e aponta para grandes confusões e desacertos na política externa com essas regiões (parceiros comerciais importantes para a economia brasileira), caminho que pode trazer consequências comerciais e políticas negativas para o país.

A que se destacar que, com a vitória de Bolsonaro, ganha força a proposta de Trump de uma possível intervenção militar na Venezuela e a derrubada do Presidente Maduro, mesmo que o próprio Bolsonaro e sua equipe venha negando essa possibilidade. O que se verifica é a mudança das relações diplomáticas do Brasil com os seus antigos aliados.

Construir a Resistência na Luta: pela Democracia, Contra o Fascismo e Pelos Nossos Direitos. Somente as lutas unificadas poderão barrar a truculência do novo governo e suas políticas de destruição dos direitos sociais, políticos e econômicos. Para garantir os direitos e liberdades democráticas, é necessária a unificação de amplos setores da esquerda e das/os progressistas. As liberdades de expressão somente poderão estar asseguradas se formos capazes de construir a mais e, se possível, unitária frente de ação em defesa da democracia e contra o fascismo.

A Liberdade de organização dos movimentos sociais e sindicais, passa por barrar as iniciativas e projetos que pretendem criminalizar o MTST e o MST. Uma vitória dos fascistas sobre essas importantes organizações do movimento social, fortalecerá o governo para atacar e criminalizar todas/os os ativistas e suas organizações, como já o fazem com as ameaças a educadoras/es, mesmo sem aprovar o projeto Escola sem Partido e com a modificação, por decreto, da chamada Lei Antiterrorismo, para criminalizar as manifestações do movimento sindical, estudantil, da juventude e popular.

Os setores de esquerda e, principalmente, os revolucionários, além de propor a construção de uma frente em defesa da democracia e contra o fascismo, tem uma tarefa urgente: buscar a construção de um polo de luta através de comitês para articular a defesa dos nossos direitos sociais e individuais.

Nesse momento é fundamental barrar a Reforma da Previdência, agenda inicial escolhida pela burguesia para demonstrar que não estão para brincadeira, a exemplo da tentativa de retomada, para votá-la no Congresso Nacional, ainda em 2018 e, em São Paulo, com o prefeito Bruno Covas liberando a tramitação do projeto Sampaprev, que Dória não conseguiu aprovar devido a luta dos servidores municipais, em especial os da educação.

As Centrais Sindicais e os Movimentos Sociais têm a obrigação de organizar uma greve geral – conforme a realizada em 28 de Abril de 2017. Uma forte campanha contra a Reforma da Previdência poderá colocar em movimento parcelas importantes da sociedade que votaram em Bolsonaro e reabrir um debate sobre o quanto seu governo é nefasto e prejudicial. Uma vitória a favor da nossa classe nessa questão, poderá fortalecer as demais lutas que devemos fazer como por exemplo: Reforma do Ensino Médio, Escola Sem Partido, o avanço da precarização das leis trabalhistas etc.

Entendemos que no processo eleitoral, no qual, de forma crítica e acertada, apoiamos e votamos, primeiro em Boulos e depois em Haddad contra o fascismo, não logramos êxito. Mas, partindo sempre da perspectiva da luta de classes, sabemos que a crise econômica e política serão marcas do próximo período e que, o aprofundamento da repressão do estado será enorme, mas a nossa resistência terá que ser maior ainda.

A Palavra de ordem para todas/os será organizar a luta e a resistência, desde já! Qualquer tática de organizações dos trabalhadores, principalmente PT e CUT, que visem, novamente, apostar no desgaste do novo governo para se fortalecer para processos eleitorais futuros, contribuirá para uma derrota arrasadora da nossa classe e dos nossos direitos. Não a tempo para vacilações.

A LUTA! A LUTA! E A LUTA!

13 de novembro de 2018

Comentários no Facebook

One Comment

  • Vanessa

    Ótimo! Todos juntos! Só corrijam: “há de se destacar”e “não há tempo” 😉

Post A Comment