Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#9334 (10) { ["term_id"]=> int(4399) ["name"]=> string(19) "Ditadura nunca mais" ["slug"]=> string(19) "ditadura-nunca-mais" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4399) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(71) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Recurso de Ustra contra condenação por tortura e assassinato será julgado hoje em São Paulo

Da redação
Foto Wilson Dias/Ag. Brasil

Coronel reformado do Exército foi considerado responsável pelos maus tratos e morte do jornalista Luiz Eduardo Merlino, em 1971. Audiência acontece nesta quarta-feira, 17 de outubro, na capital paulista

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) marcou para esta quarta-feira, 17 de outubro, a audiência de julgamento da apelação da defesa do coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra contra sua condenação em primeira instância pela tortura e assassinato do jornalista Luiz Eduardo Merlino, em julho de 1971. O crime ocorreu nas dependências do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna), centro de tortura comandado por Ustra entre outubro de 1969 e dezembro de 1973.

Em 26 de junho de 2012, a 20ª Vara Cível de São Paulo condenou o coronel reformado, falecido em 2015, a pagar indenização por danos morais à esposa e à irmã do jornalista.

Luiz Eduardo Merlino, assassinado pela ditadura militar

Merlino era jornalista. Trabalhou nas publicações Jornal da Tarde e Folha da Tarde. Era militante do Partido Operário Comunista (POC). A ação por danos morais está sendo movida pela irmã do jornalista, Regina Maria Merlino Dias de Almeida, e sua ex-companheira, Angela Mendes de Almeida. É subscrita pelos advogados Fábio Konder Comparato, Claudineu de Melo e Aníbal Castro de Souza.

LEIA A BIOGRAFIA DE LUIZ EDUARDO MERLINO

Em 2008, Ustra foi declarado torturador pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em ação movida pela família Teles. Em 2012, a Justiça negou o recurso do coronel reformado e manteve a decisão.

O julgamento da apelação da defesa de Brilhante Ustra terá início as 12h, no Palácio da Justiça – Praça da Sé, s/n, 5º andar, sala 510, em São Paulo (SP).

 

VÍDEO DEPOIMENTOS DE TORTURADOS POR USTRA

FOTO: Wilson Dias/Agência Brasil