O estado do capitalismo no IIPPE

Por: Michael Roberts*

A conferência deste ano da Iniciativa Internacional para a Promoção da Economia Política (IIPPE), International Initiative for the Promotion of Political Economy (IIPPE),  em Pula, Croácia, teve como tema O Estado do Capitalismo e o Estado da Economia Política. A maioria das comunicações concentrou-se no primeiro tema, embora as apresentações em plenário tenham como objetivo ambos.

Fiquei impressionado com o número de artigos (IIPPE 2018 – Abstracts) sobre a situação no Brasil, China e Turquia – um sinal dos tempos -, mas também pela relativa juventude dos participantes, particularmente da Ásia e do “sul global”. Os rostos familiares da geração “baby boomer” de economistas marxistas e heterodoxos (minha própria geração) estavam menos evidentes.

Obviamente, não pude comparecer a todas as sessões simultâneas, por isso me concentrei na macroeconomia das economias capitalistas avançadas. Na verdade, minha própria sessão estava entre as primeiras da conferência. Sob o título Os limites para a gestão da política econômica na era da financeirização apresentei um artigo sobre Os limites da política fiscal (minha apresentação do PP está aqui).

Argumentei que, durante a Grande Depressão dos anos 1930, Keynes reconhecera que a política monetária não funcionaria para tirar as economias deprimidas de uma recessão, se a política monetária era “convencional” (alterando a taxa de juros para empréstimos) ou “não convencional” ( bancos centrais que compram ativos financeiros “imprimindo” dinheiro). No final, Keynes optou pelo estímulo fiscal como a única maneira de os governos impulsionarem a economia capitalista.

Na atual Longa Depressão, agora com dez anos de existência tanto a política monetária convencional (taxa de juros zero) quanto a política monetária não convencional (Quantitative Easing ou relaxamento monetário), mais uma vez se mostraram ineficazes. O relaxamento monetário, em vez disso, apenas restaurou a liquidez bancária (salvou os bancos) e alimentou uma bonança de mercado de ações e títulos. A economia “real” ou produtiva definhou com baixo crescimento real do PIB, investimento e renda salarial.

Maria Ivanova da Goldsmiths University of London também apresentou em minha sessão (Ivanova_Quantitative Easing_IJPE_forthcoming) e mostrou claramente que as políticas monetárias convencionais e não convencionais adotadas pelo Fed dos EUA pouco contribuíram para ajudar o crescimento ou o investimento e levaram apenas a um novo boom financeiro. ativos e um aumento acentuado na dívida corporativa, agora provavelmente será o elo fraco na circulação de capital na próxima queda.

O estímulo fiscal de estilo keynesiano quase não foi tentado nos últimos dez anos (em vez disso, a “austeridade” nos gastos e orçamentos do governo era geralmente a ordem do dia). Assim, os keynesianos continuam a afirmar que os gastos fiscais poderiam ter mudado as coisas. De fato, Paul Krugman argumentou exatamente isso no New York Times quando a conferência do IIPPE aconteceu.

Mas no meu artigo, refiro-me à evidência de Krugman para isso, e mostro que no passado os gastos do governo e/ou a execução de déficits orçamentários tiveram pouco efeito em impulsionar o crescimento ou o investimento. Isso porque, sob uma economia capitalista, onde 80 a 90% de todo investimento produtivo é feito por empresas privadas que produzem na busca de lucros, é o nível de rentabilidade do capital que é o fator decisivo para o crescimento, e não os gastos do governo que impulsionam a “demanda agregada”. Nos últimos dez anos desde a Grande Recessão, enquanto os lucros aumentaram para algumas grandes corporações, a rentabilidade média do capital empregado permaneceu baixa (average profitability on capital employed has remained low and below pre-crash levels) e abaixo dos níveis pré-crise de 2008 (veja a tabela de lucratividade abaixo com base nos dados da AMECO). Ao mesmo tempo, a dívida das enpresas saltou à medida que as grandes corporações tomam empréstimos a taxas próximas de zero, para comprar suas próprias ações (para aumentar os seus preços) e/ou aumentar os pagamentos aos acionistas.


Os gastos do governo com benefícios sociais e serviços públicos, juntamente com cortes de impostos para impulsionar a “demanda do consumidor”, é o que os keynesianos modernos presumem ser a política correta. Mas isso não resolveria o problema (e Keynes também pensava isso na década de 1940). De fato, o que é necessário é uma mudança maciça para a “socialização do investimento”, para usar o termo de Keynes, ou seja, o governo deve retomar a responsabilidade pela maior parte do investimento e sua direção. Durante a década de 1940, Keynes defendeu que até 75% de todo investimento em uma economia deveria ser investimento estatal, reduzindo o papel do setor capitalista ao mínimo (ver Kregel, JA (1985), “Déficits Orçamentários, Política de Estabilização e Liquidez”. Preferência: Propostas de Política Pós-Guerra de Keynes ”, em F. Vicarelli (ed.), Relevance Today de Keynes, Londres, Macmillan, pp. 28-50).

É claro que tal política só aconteceu em uma economia de guerra. Seria rapidamente oposta e foi descartada em “tempo de paz”. Isso porque isso ameaçaria a própria existência da acumulação capitalista, como Michal Kalecki apontou em seu artigo de 1943.

Agora, em 2018, o Partido Trabalhista do Reino Unido quer criar um Banco Nacional de Investimentos no estilo keynesiano que investiria em infra-estrutura, junto com os cinco grandes bancos britânicos que continuarão conduzindo os negócios normalmente, ou seja, hipotecas e especulação financeira. Sob estas propostas trabalhistas, o investimento do governo (mesmo que implementado na íntegra) aumentaria para apenas 3,5% do PIB, menos de 20% do investimento total na economia – dificilmente “socialização” à la Keynes em sua forma mais radical.

Mas talvez a versão do presidente Trump do estímulo fiscal keynesiano (imensos cortes de impostos para os ricos e as corporações, aumentando o déficit orçamentário) seja o suficiente. É uma ironia que seja Trump quem adotou a política keynesiana. Ele certamente acha que está funcionando – com a economia dos EUA crescendo a uma taxa anual de 4% no momento e as taxas oficiais de desemprego em níveis baixos quase recordes. Mas uma excelente apresentação de Trevor Evans, da Escola de Economia de Berlim, derramou água fria nesse otimismo. Com uma enxurrada de dados, ele mostrou que os lucros corporativos estão realmente estagnados, a dívida corporativa está aumentando e a renda salarial está estável, ao lado de mercados de ações e títulos altamente inflacionados. O boom do Trump provavelmente vai fracassar e se transformar no seu oposto.

Além disso, Arturo Guillen, da Universidade Metropolitana da Cidade do México (IIPPE 2018 inglés) nos lembrou que a trajetória de médio prazo do crescimento econômico dos EUA era muito fraca, com crescimento de produtividade muito baixo e investimento produtivo rastejando. Nesse sentido, os EUA estavam sofrendo de “estagnação secular”, mas não pelas razões citadas pelos keynesianos como Larry Summers (falta de demanda) ou por críticas neoclássicas como Robert Gordon (inovação ineficaz), mas por causa da baixa rentabilidade do capital.

Em outra sessão, Joseph Choonara, levou isso adiante. Choonara viu a crise atual arraigada em um longo declínio na lucratividade no período entre o final da década de 1940 e o início da década de 1980. O período neoliberal subsequente desenvolveu novos mecanismos para adiar as crises, notadamente a financeirização e a expansão do crédito. Na longa depressão desde 2009, impulsionada em grande parte pela resposta do banco central, a dívida continua a aumentar. O resultado é uma recuperação financeiramente frágil e incerta, que está criando as condições para uma nova crise

Houve também algumas sessões sobre teoria econômica marxista no IIPEP, incluindo uma visão sobre por que Marx enviou tanto tempo aprendendo cálculo diferencial (Andrea Ricci) e por que a transformação de valores em preços de produção em Marx é dialética em sua solução (Cecilia Escobar). Também Paul Zarembka, da Universidade de Buffalo, EUA, apresentou um artigo argumentando que a composição orgânica do capital nos EUA não aumentou no período do pós-guerra e, portanto, não pode ser a causa de qualquer queda na taxa de lucro.

Seus conceitos e evidências não se sustentam a minha opinião. Zarembka argumenta que há um grande problema com relação ao uso do capital variável v no denominador na composição orgânica comumente expressa do capital, C / v. Isso porque v pode mudar sem qualquer alteração na composição técnica. Usando, em vez disso, o que ele chama de ‘composição materializada do capital’, C / (v + s), o movimento em C / v pode ser separado entre o fator técnico e o fator distributivo, pois C / v = (1 + s / v ). Com essa abordagem, Zarembka sugere, usando dados dos EUA, que ele  pode mostrar que não houve aumento na composição orgânica do capital nos EUA, e nenhuma conexão entre a categoria básica de Marx para as leis do movimento no capitalismo e a taxa de lucro.

Mas acho que sua categoria C / (v + s) confunde a visão de Marx da “tendência” básica (c / v) na acumulação de capital com a menor “contra-tendência” (s / v) e assim embaralha o processo causal. Isso torna a lei da taxa de lucro de Marx “indeterminada” da mesma maneira que Sweezy e Heinrich etc. reivindicam. Quanto às consequências empíricas de rejeitar o argumento de Zarembka, refiro-o a um excelente artigo de Lefteris Tsoulfidis.

Como eu disse anteriormente, houve uma série de sessões sobre o Brasil, a África Austral e a China, a maioria das quais não pude participar. Na China, o que eu pareci notar foi que quase todos os apresentadores aceitaram que a China era “capitalista” exatamente da mesma maneira que os EUA ou pelo menos como Japão ou Coréia, se menos avançada. E, no entanto, todos eles reconheceram que o Estado desempenhou um papel enorme na economia em comparação com outros – então existe uma diferença entre capitalismo de estado e capitalismo? Eu não posso dizer nada sobre as comunicações sobre o Brasil, exceto sugerir uma pesquisa  no IIPPE 2018 – Abstracts. O Brasil tem uma eleição dentro de um mês e eu cobrirei isso então – e estas são minhas postagens anteriores no Brasil.

Havia outros trabalhos interessantes sobre automação e IA (Martin Upchurch) e sobre bitcoin e uma economia sem dinheiro (Philip Mader), bem como sobre a grande questão do imperialismo e da teoria da dependência (que está de volta na moda).

A plenária principal sobre o estado do capitalismo foi abordada por Fiona Tregena, da Universidade de Joanesburgo. Sua principal área de pesquisa é a mudança estrutural, com um foco particular na desindustrialização. A Prof Tregena promoveu o conceito de desindustrialização prematura. A desindustrialização prematura pode ser definida como a desindustrialização que se inicia em um nível mais baixo do PIB per capita e/ou em um nível mais baixo de manufatura como proporção do emprego total e do PIB, do que costuma ser o caso, internacionalmente. Muitos dos casos de desindustrialização prematura estão na África subsaariana, em alguns casos assumindo a forma de “desindustrialização pré-industrialização”. Ela argumentou que a desindustrialização precoce provavelmente terá efeitos especialmente negativos sobre o crescimento.

Quanto ao estado da economia política, Andrew Brown, da Leeds University, explicou alguns dos fracassos da economia mainstream, particularmente a teoria da utilidade marginal. A teoria marginal da utilidade não foi desenvolvida até hoje em uma direção concreta e realista, não porque seja apenas uma apologética vulgar do capitalismo, mas porque é teoricamente sem sentido. A teoria marginal da utilidade não permite compreender os agregados macroeconômicos que impulsionam a reprodução e o desenvolvimento do sistema econômico.

“Financialização” é a palavra/conceito que domina as conferências do IIPPE. É um conceito que tem algum valor quando descreve a mudança na estrutura do setor financeiro de bancos puros para uma variedade de instituições financeiras não depositárias e as atividades financeiras de corporações não financeiras nos últimos 40 anos.

Mas não estou feliz com o conceito quando costumava sugerir que o crash financeiro e a Grande Recessão foram o resultado de algum novo “estágio” no capitalismo. A partir disso, argumenta-se que as crises agora ocorrem não devido à queda nos setores produtivos, mas devido ao papel especulativo da “financeirização”. Essa abordagem, a meu ver, não só está errada teoricamente, mas também não se encaixa nos fatos. bem como nas leis do movimento de Marx: a lei do valor, a lei da acumulação e a lei da taxa de lucro.

Para mim, a financeirização não é um novo estágio no capitalismo que nos força a rejeitar as leis de movimento de Marx em O capital, e a economia neoliberal não é, de algum modo, a nova economia da financeirização e uma teoria diferente das crises de Marx. As finanças não impulsionam o capitalismo, o lucro sim. As finanças não criam novo valor ou mais-valia, mas encontram novas maneiras de circulação e distribuição. O núcleo das crises permanece assim com a produção de valor. O neoliberalismo é meramente uma palavra inventada para descrever os últimos 40 anos ou mais de políticas destinadas a restaurar a lucratividade do capital que caiu para níveis mais baixos nos anos 70. Não é a economia de um novo estágio no capitalismo.

Claro, cada crise tem suas características particulares e a Grande Recessão tinha isso com seus “serviços bancários invisíveis ou sombras” (shadow banking), instrumentos de investimento especiais, derivativos de crédito e o resto. Mas a causa subjacente continuou sendo a natureza do sistema de produção orientado para a busca do lucro. Se a financeirização significa que o setor financeiro se divorciou do sistema capitalista mais amplo, na minha opinião, isso está claramente errado.

 

*Artigo publicado no blog The Next Recession. Tradução Valerio Arcary

Comentários no Facebook

Post A Comment