Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#10429 (10) { ["term_id"]=> int(4876) ["name"]=> string(19) "80 anos sem Trotsky" ["slug"]=> string(19) "80-anos-sem-trotsky" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4876) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(28) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

À memória do “velho” (Obituário de Leon Trotsky)

James Cannon

James Patrick Cannon

James Patrick Cannon

Na data do assassinato de Leon Trotsky, reproduzimos a tradução do discurso lido por James Cannon no funeral do revolucionário russo, publicado no site do Movimento Alternativa Socialista (MAS), de Portugal. Cannon foi o fundador do trotskismo nos EUA. Delegado ao V Congresso da Internacional Comunista, em representação do Partido Comunista dos EUA, Cannon teve contato com um documento clandestino de Trotsky, traduzido para o inglês, que foi secretamente introduzido no Congresso da Internacional Comunista, o primeiro Congresso que não se deu sob a égide de Lenine – já falecido – e de Trotsky, exilado. Ao tomar contato com a contundente crítica ao stalinismo, James Cannon rompeu com o stalinismo e voltou para os EUA para fundar um partido que seguisse os ensinamentos da revolução de Outubro – um partido trotskista, o SWP. O SWP norte-americano e os seus quadros colaboraram diretamente com Trotsky durante o seu último exílio e beberam diretamente os ensinamentos do “velho”, que se refletem tão vivos neste emocionante discurso.


“Toda a vida consciente do camarada Trotsky, a partir do momento em que ele entrou no movimento operário na cidade provinciana russa de Nikolayev com a idade de dezoito anos até o momento da sua morte na Cidade do México quarenta e dois anos depois, foi completamente dedicada ao trabalho e à luta em prol de uma ideia central. Ele defendia a emancipação dos trabalhadores e de todos os povos oprimidos do mundo e a transformação da sociedade do capitalismo para o socialismo por meio de uma revolução social. Em sua concepção, essa revolução social libertadora exige para o seu sucesso a liderança de um partido político revolucionário da vanguarda operária.

Em toda a sua vida consciente, o camarada Trotsky nunca divergiu dessa ideia. Ele nunca duvidou disso e nunca deixou de lutar pela sua realização. No seu leito de morte, na sua última mensagem para nós, seus discípulos – seu último testamento – ele proclamou a sua confiança no seu ideal de vida: “Diga aos nossos amigos que tenho certeza da vitória da Quarta Internacional – Sigam em frente!”

O mundo inteiro conhece o seu trabalho e o seu testamento. Os cabos da imprensa mundial transmitiram o seu último testamento e deram-no a conhecer aos milhões do mundo. E nas mentes e corações de todos aqueles em todo o mundo que choram connosco esta noite, um pensamento – uma pergunta – é mais importante: O movimento que ele criou e inspirou sobreviverá à sua morte? Seus discípulos serão capazes de manter as suas fileiras juntos, eles serão capazes de tornar real o seu testamento e realizar a emancipação dos oprimidos através da vitória da Quarta Internacional?

Sem a menor hesitação, damos uma resposta afirmativa a essa questão. Aqueles inimigos que prevêem um colapso do movimento de Trotsky sem Trotsky e aqueles amigos sem força de vontade que o temem só mostram que não entendem Trotsky, o que ele era, o que ele significava e o que ele nos deixou. Nunca a uma família enlutada foi deixada uma herança tão rica como aquela que o camarada Trotsky, como um pai previdente, deixou para a família da Quarta Internacional como fiéis depositários de toda a humanidade progressista. Uma grande herança de ideias que ele nos deixou; ideias que devem mapear a luta em direção ao grande futuro livre de toda a humanidade. As ideias poderosas de Trotsky são o nosso programa e a nossa bandeira. São um claro guia para a ação em todas as complexidades da nossa época e uma garantia constante de que estamos certos e de que a nossa vitória é inevitável.

O próprio Trotsky acreditava que as ideias são a maior potência do mundo. Os seus autores podem ser mortos, mas as ideias, uma vez promulgadas, ganham vida própria. Se são ideias corretas, fazem o seu caminho através de todos os obstáculos. Esse era o conceito central e dominante da filosofia do camarada Trotsky. Ele explicou-nos isso muitas e muitas vezes. Ele escreveu uma vez: “Não é o partido que faz o programa [a ideia]; é o programa que faz o partido”. Em uma carta pessoal para mim, ele escreveu certa vez:“ Trabalhamos com as ideias mais corretas e poderosas do mundo, com forças numéricas e meios inadequados. Mas as ideias corretas, a longo prazo, sempre conquistam e disponibilizam para si as forças e os meios necessários ”.

Trotsky, um discípulo de Marx, acreditava juntamente com Marx que “uma ideia, quando permeia a massa, torna-se uma força material”. Acreditando nisso, o camarada Trotsky nunca duvidou que o seu trabalho o sobreviveria. Acreditando nisso, ele poderia proclamar no seu leito de morte a sua confiança na futura vitória da Quarta Internacional, que incorpora as suas ideias. Aqueles que duvidam não conhecem Trotsky.

O próprio Trotsky acreditava que a sua maior significância, o seu maior valor, consistia não na sua vida física, não nos seus atos épicos, que ofuscam os de todas as figuras heróicas da história no seu alcance e grandeza – mas no que ele deixaria para trás depois de os assassinos fazerem o seu trabalho. Ele sabia que sua sentença estava selada e trabalhou contra o tempo para deixar tudo o que fosse possível para nós e, através de nós, para a humanidade. Ao longo dos onze anos do seu último exílio, ele acorrentou-se à sua escrivaninha como um escravo da galé e trabalhou, como nenhum de nós sabe trabalhar, com tamanha energia, persistência e autodisciplina, como só os génios podem trabalhar. Ele trabalhou contra o tempo para derramar através da sua caneta todo o rico conteúdo do seu poderoso cérebro e preservá-lo de forma permanente para nós e para aqueles que virão a seguir a nós.

Todo o Trotsky, como todo o Marx, está preservado nos seus livros, seus artigos e suas cartas. Sua volumosa correspondência, que contém alguns de seus pensamentos mais brilhantes e os seus sentimentos e opiniões pessoais mais íntimas, deve agora ser coletada e publicada. Quando isso for feito, quando as suas cartas forem publicadas juntamente com os seus livros, os seus panfletos e os seus artigos, nós, e todos aqueles que se juntarem a nós na luta de libertação da humanidade, ainda terão nosso Velho Homem para nos ajudar.

Ele sabia que o super – Borgia no Kremlin, Caim – Estaline, que destruiu toda a geração da Revolução de Outubro, o tinha marcado para ser assassinado e que teria sucesso mais cedo ou mais tarde. É por isso que ele trabalhou tão desesperadamente. É por isso que ele se apressou a escrever tudo o que estava na sua mente e a colocá-lo em papel de forma permanente, onde ninguém poderia destruí-lo.

Na outra noite, conversei à mesa de jantar com um dos secretários fiéis do Velho – um jovem camarada que o servia há muito tempo e que conhecia a sua vida pessoal, como ele a viveu nos seus últimos anos de exílio, mais intimamente. Pedi-lhe que escrevesse suas reminiscências sem demora. Eu disse: “Todos nós devemos escrever tudo o que sabemos sobre Trotsky. Todos devem registrar suas lembranças e suas impressões. Não devemos esquecer que nos movemos na órbita da maior figura do nosso tempo. Milhões de pessoas, gerações ainda para vir, ficarão famintas por cada fragmento de informação, cada palavra, cada impressão que lançar luz sobre ele, suas ideias, seus objetivos e a sua vida pessoal ”.

Ele respondeu: “Eu posso escrever apenas sobre as suas qualidades pessoais como eu as observei; os seus métodos de trabalho, a sua humanidade, a sua generosidade. Mas eu não posso escrever nada de novo sobre as suas ideias. Elas já estão escritas. Tudo o que ele tinha a dizer, tudo o que ele tinha no seu cérebro, está no papel. Ele parecia estar determinado a mergulhar no fundo da sua mente, tirar tudo e dar ao mundo nos seus escritos. Muitas vezes, lembro-me, conversas casuais sobre algum assunto chegavam à mesa de jantar; haveria uma discussão informal e o Velho expressaria algumas opiniões novas e refrescantes. Quase invariavelmente, as contribuições da conversa na mesa de jantar iriam encontrar expressão um pouco mais tarde num livro, num artigo ou numa carta.

Eles mataram Trotsky não através dum golpe; não quando este assassino, o agente de Estaline, desferiu a picareta através da parte de trás do seu crânio. Esse foi apenas o golpe final. Eles mataram-no por centímetros. Eles mataram-no muitas vezes. Eles mataram-no sete vezes quando mataram os seus sete secretários. Eles mataram-no quatro vezes quando mataram os seus quatro filhos. Eles mataram-no quando os seus velhos camaradas da Revolução Russa foram mortos.

No entanto ele enfrentou as suas tarefas apesar disso tudo. Envelhecido e doente, ele cambaleava com todos esses golpes morais, emocionais e físicos para completar o seu testamento para a humanidade enquanto ainda tinha tempo. Ele compilou tudo – todo o pensamento, toda a ideia, toda a lição de sua experiência passada – para criar um tesouro literário para nós, um tesouro que as traças e a ferrugem não podem comer.

Havia uma diferença profunda entre Trotsky e outros grandes homens de ação e líderes políticos transitórios que influenciaram grandes massas durante sua vida. O poder dessas pessoas, quase todas elas, era algo pessoal, algo incomunicável para os outros. A sua influência não sobreviveu às suas mortes. Basta lembrar por um momento os grandes homens da nossa geração ou da geração que acabou de passar: Clemenceau, Hindenburg, Wilson, Theodore Roosevelt, Bryan. Eles tinham grandes massas a segui-los e a apoiar-se neles. Mas agora estão mortos; e toda a sua influência morreu com eles. Nada resta senão monumentos e elogios fúnebres. Nada era distintivo neles a não ser as suas personalidades. Eles eram oportunistas, líderes por um dia. Eles não deixaram ideias para guiar e inspirar os homens quando seus corpos se tornassem pó e as suas personalidades tornaram-se numa lembrança.

Não é assim com Trotsky. Não é assim com ele. Ele era diferente. Ele também era um grande homem de ação, com certeza. Os seus feitos estão incorporados na maior revolução da história da humanidade. Mas, ao contrário dos oportunistas e líderes de um dia, seus feitos foram inspirados por grandes ideias, e essas ideias ainda vivem. Ele não só fez uma revolução; ele escreveu a sua história e explicou as leis básicas que governam todas as revoluções. Na sua História da Revolução Russa, que ele considerava a sua obra-prima, ele deu-nos um guia para a realização de novas revoluções, ou melhor, para estender ao mundo a revolução que começou em outubro de 1917.

Trotsky, o grande homem das ideias, foi ele mesmo o discípulo de um ainda maior – Marx. Trotsky não originou ou reivindicou originar as ideias mais fundamentais que ele expôs. Ele construiu sobre os fundamentos estabelecidos pelos grandes obreiros do século XIX – Marx e Engels. Além disso, ele passou pela grande escola de Lenine e aprendeu com ele. O génio de Trotsky consistia na sua completa assimilação das ideias legadas por Marx, Engels e Lenine. Ele dominou o método deles. Ele desenvolveu as suas ideias em condições modernas e aplicou-as de maneira magistral na luta contemporânea do proletariado. Se você entender Trotsky, deve saber que ele era um discípulo de Marx, um marxista ortodoxo. Ele lutou sob a bandeira do marxismo por quarenta e dois anos! Durante o último ano da sua vida, ele colocou tudo o resto de lado para lutar uma grande batalha política e teórica em defesa do marxismo nas fileiras da Quarta Internacional! Seu último artigo, que foi deixado em sua mesa em estado bruto, o último artigo com o qual ele se ocupou, foi uma defesa do marxismo contra os revisionistas e céticos contemporâneos. O poder de Trotsky, primeiro que tudo e acima de tudo, era o poder do Marxismo.

Querem uma ilustração concreta do poder das ideias marxistas? Considerem apenas isto: quando Marx morreu em 1883, Trotsky tinha apenas quatro anos de idade. Lenine tinha apenas quatorze anos. Nenhum dos dois poderia ter conhecido Marx ou qualquer coisa sobre ele. No entanto, ambos se tornaram grandes figuras históricas por causa de Marx, porque Marx tinha posto a circular ideias no mundo antes deles nascerem. Essas ideias tinham vida própria. Elas moldaram a vida de Lenine e Trotsky. As ideias de Marx estavam com eles e guiavam a cada passo deles quando faziam a maior revolução da história.

Tal como irão também as ideias de Trotsky, que são um desenvolvimento das ideias de Marx, influenciar-nos, seus discípulos, que o sobrevivem hoje. Elas moldarão a vida de discípulos muito maiores que ainda estão para vir, que ainda não conhecem o nome de Trotsky. Alguns que estão destinados a ser os maiores Trotskistas estão a brincar nos pátios da escola hoje. Eles serão alimentados com as ideias de Trotsky, tal como ele e Lenine foram alimentados com as ideias de Marx e Engels.

De fato, o nosso movimento nos Estados Unidos ganhou forma e cresceu com as suas ideias sem a sua presença física, sem qualquer comunicação num primeiro período. Trotsky foi exilado e isolado em Almaty quando começámos a nossa luta pelo Trotskismo neste país em 1928. Não tivemos nenhum contacto com ele e, por muito tempo, não sabíamos se ele estava vivo ou morto. Nós nem sequer tínhamos uma coleção dos seus escritos. Tudo o que tínhamos era um único documento atual – sua “Crítica ao Projeto de Programa da Internacional Comunista”. Isso bastava. À luz desse único documento, vimos qual o nosso caminho, começámos nossa luta com suprema confiança, passámos pela cisão sem vacilar, construímos a estrutura de uma organização nacional e estabelecemos a nossa imprensa Trotskista semanal. O nosso movimento foi construído com firmeza desde o início e permaneceu firme porque foi construído com base nas ideias de Trotsky. Foi quase um ano antes de podermos estabelecer comunicação direta com o Velho.

Tal como com as secções da Quarta Internacional em todo o mundo. Apenas alguns camaradas se encontraram alguma vez com Trotsky cara a cara. No entanto em todos os lugares o conheciam. Na China e do outro lado do oceano no Chile, na Argentina e no Brasil. Na Austrália, em praticamente todos os países da Europa. Nos Estados Unidos, Canadá, Indochina, África do Sul. Eles nunca o viram, mas as ideias de Trotsky uniram-nos num movimento mundial uniforme e firme. Por isso, continuará após a sua morte física. Não há lugar para dúvidas.

O lugar de Trotsky na história já está estabelecido. Permanecerá para sempre na eminência histórica ao lado dos outros três grandes gigantes do proletariado: Marx, Engels e Lenine. É possível, de facto é bastante provável, que na memória histórica da humanidade, seu nome evoque o mais caloroso afeto, a mais sincera gratidão de todos. Porque ele lutou por tanto tempo contra um mundo de inimigos, tão honestamente, tão heroicamente e com uma devoção tão altruísta!

As futuras gerações da humanidade livre olharão para trás com interesse insaciável nesta época louca de reação e violência sangrenta e mudança social – esta época da agonia da morte de um sistema social e as dores do parto de outro. Quando virem através das lentes do historiador como as massas de pessoas oprimidas em todos os lugares tateavam, cegas e confusas, elas mencionarão com profundo amor o nome do génio que nos deu luz, o grande coração que nos deu coragem.

De todos os grandes homens do nosso tempo, de todas as figuras públicas para quem as massas se voltavam procurando orientação nestes tempos terríveis e conturbados, só Trotsky nos explicou as coisas, só ele nos deu luz na escuridão. Só o seu cérebro desvendou os mistérios e complexidades da nossa época. O grande cérebro de Trotsky era o que todos os seus inimigos temiam. Eles não conseguiam lidar com isso. Eles não podiam responder. No método incrivelmente horrível pelo qual o destruíram estava escondido um símbolo profundo. Eles atacaram o seu cérebro! Mas os produtos mais ricos desse cérebro ainda estão vivos. Eles já tinham escapado e nunca poderiam ser recapturados e destruídos.

Nós não minimizamos o golpe que nos foi causado, ao nosso movimento e ao mundo. É a pior calamidade. Perdemos algo de valor incomensurável que nunca poderá ser recuperado. Perdemos a inspiração de sua presença física, seu sábio conselho. Tudo isso está perdido para sempre. O povo russo sofreu o golpe mais terrível de todos. Mas pelo simples fato de que a camarilha estalinista teve que matar Trotsky após onze anos, eles tiveram que se mobilizar em Moscovo, empenhar todas as suas energias e planos para destruir a vida de Trotsky – é esse o maior testemunho de que Trotsky ainda vivia nos corações do povo russo. Eles não acreditavam nas mentiras. Eles esperaram e desejaram pelo seu retorno. As suas palavras ainda estão lá. A sua memória está viva nos seus corações.

Apenas alguns dias antes da morte do camarada Trotsky, os editores do boletim russo receberam uma carta de Riga. Ela tinha sido enviada antes da incorporação da Letônia na União Soviética. Declarava em palavras simples que a “Carta Aberta aos Trabalhadores da URSS” de Trotsky lhes chegara, e levantara seus corações com coragem e lhes mostrara o caminho. A carta dizia que a mensagem de Trotsky fora memorizada, palavra por palavra, e seria transmitida oralmente, não importando o que poderia acontecer. Nós realmente acreditamos que as palavras de Trotsky viverão mais na União Soviética do que o regime sangrento de Estaline. No próximo grande dia de libertação a mensagem de Trotsky será a bandeira do povo russo.

O mundo inteiro sabe quem matou o camarada Trotsky. O mundo sabe que no seu leito de morte ele acusou Estaline e a sua GPU do assassinato. A declaração do assassino, preparada antes do crime, é a prova final, se mais provas fossem necessárias, de que o assassinato foi um trabalho da GPU. É uma mera reiteração das mentiras dos julgamentos de Moscovo; uma tentativa estúpida e policial, tão tardia, de reabilitar as estruturas que foram desacreditadas aos olhos de todo o mundo. Os motivos do assassinato surgiram da reação mundial, do medo da revolução e dos sentimentos de ódio e vingança dos traidores. O historiador inglês Macaulay observou que os apóstatas em todas as épocas manifestaram uma malignidade excepcional em relação àqueles que traíram. Estaline e o seu gangue de traidores foram consumidos por um ódio louco do homem que lhes lembrou o seu passado. Trotsky, o símbolo da grande revolução, lembrou-os constantemente da causa que tinham abandonado e traído, e eles odiavam-no por isso. Odiavam-no por todas as grandes e boas qualidades humanas que ele personificava e às quais eles eram completamente alheios. Eles estavam determinados, a todo custo, a acabar com ele.

Agora chego a uma parte que é muito dolorosa, um pensamento que, tenho certeza, está nas mentes de todos nós. No momento em que lemos acerca do sucesso do ataque tenho certeza de que todos entre nós perguntaram: não poderíamos tê-lo salvado por mais algum tempo? Se nos tivéssemos esforçado mais, se tivéssemos feito mais por ele – não poderíamos tê-lo salvado? Queridos camaradas, não nos censuremos. O camarada Trotsky foi condenado e sentenciado à morte há anos atrás. Os traidores da revolução sabiam que a revolução vivia nele, a tradição, a esperança. Todos os recursos de um Estado poderoso, postos em ação pelo ódio e vingança de Estaline, foram direcionados ao assassinato de um único homem sem recursos e apenas com um punhado de seguidores próximos. Todos os seus colegas de trabalho foram mortos; sete de seus fiéis secretários; seus quatro filhos. No entanto, apesar do fato de que eles o marcaram para ser morto após o seu exílio da Rússia, nós conservámo-lo por onze anos! Aqueles foram os anos mais frutíferos de toda a sua vida. Aqueles foram os anos em que ele se sentou em plena maturidade para se dedicar à tarefa de resumir e lançar em forma literária permanente os resultados das suas experiências e pensamentos.

As suas aborrecidas mentes policiais não podem saber que Trotsky deixou o melhor de si para trás. Mesmo na morte, ele frustrou-os. Porque a coisa que eles mais queriam matar – a memória e a esperança da revolução – Trotsky deixou-nos.

Se vocês se recriminarem a vocês próprios ou a nós, porque esta máquina assassina finalmente chegou a Trotsky e o derrubou, terão que se lembrar que é muito difícil proteger alguém de assassinos. O assassino que persegue sua vítima dia e noite muitas vezes ultrapassa as maiores proteções. Mesmo os czares russos e outros governantes, cercados por todos os poderes policiais dos grandes estados, nem sempre podiam escapar ao assassinato por pequenos grupos de terroristas determinados, equipados com os recursos mais escassos. Este foi o caso mais de uma vez na Rússia nos dias pré-revolucionários. E aqui, no caso de Trotsky, tínhamos tudo isso ao contrário. Todos os recursos estavam do lado dos assassinos. Um grande aparato estatal, convertido numa máquina de assassínio, contra um homem e alguns discípulos dedicados. Então, se eles finalmente conseguiram, temos apenas que nos perguntar, nós fizemos tudo o que podíamos para impedir ou adiar isso? Sim, nós fizemos o nosso melhor. Em plena consciência, devemos dizer que fizemos o nosso melhor.

Nas últimas semanas após o ataque de 24 de maio, mais uma vez colocámos na agenda da nossa comissão executiva a questão da proteção do camarada Trotsky. Cada camarada concordou que esta é a nossa tarefa mais importante, mais importante para as massas do mundo inteiro e para as futuras gerações, que acima de tudo faremos tudo ao nosso alcance para proteger a vida do nosso génio, nosso companheiro, que nos ajudou e guiou tão bem. Uma delegação de líderes do partido fez uma visita ao México. Acabou por ser a nossa última visita. Lá, naquela ocasião, em consulta com ele, concordámos numa nova campanha para fortalecer a guarda. Recolhemos dinheiro neste país para fortificar a casa a custo de milhares de dólares; todos os nossos membros e simpatizantes responderam com grandes sacrifícios e generosidade.

E ainda assim a máquina de assassínio rompeu. Mas aqueles que ajudaram mesmo em menor grau, seja financeiramente ou com seus esforços físicos, como os nossos bravos jovens camaradas da guarda, nunca se arrependerão do que fizeram para proteger e ajudar o Velho.

Na hora em que o camarada Trotsky foi finalmente derrubado, eu voltava de comboio de uma viagem especial a Minneapolis. Eu tinha ido lá com o propósito de arranjar camaradas novos e especialmente qualificados para descer e fortalecer a guarda em Coyoacán. A caminho de casa, sentei-me no combóio com uma sensação de satisfação de que a tarefa da viagem havia sido cumprida, reforços da guarda haviam sido providenciados.

Então, quando o combóio passava pela Pensilvânia, por volta das quatro da madrugada, trouxeram os primeiros jornais com a notícia de que o assassino rompera as defesas e desferira uma picareta no cérebro do camarada Trotsky. Aquele foi o início de um dia terrível, o dia mais triste das nossas vidas, quando esperávamos, hora após hora, enquanto o Velho lutava a sua última batalha e se debatia em vão contra a morte. Mas mesmo assim, naquela hora de pesar terrível, quando recebemos a mensagem fatal pelo telefonema de longa distância: “O Velho está morto” – mesmo assim, não nos permitimos parar para chorar. Nós mergulhámos imediatamente no trabalho para defender a sua memória e cumprir o seu testamento. E trabalhámos mais do que nunca, porque pela primeira vez percebemos com plena consciência que agora temos que fazer tudo. Nós já não nos podemos apoiar no Velho. O que está feito agora, temos de fazer. Esse é o espírito com que temos que trabalhar a partir de agora.

Os mestres capitalistas do mundo compreenderam instintivamente o significado do nome de Trotsky. O amigo do oprimido, o fabricante das revoluções, era a encarnação de tudo o que eles odiavam e temiam! Mesmo na morte eles insultam-no. Seus jornais espalham sua imundice sobre o seu nome. Ele era o exilado do mundo no tempo da reação. Nenhuma porta estava aberta para ele, exceto a da República do México. O facto de Trotsky ter sido barrado em todos os países capitalistas é, em si mesmo, a refutação mais clara de todas as calúnias dos estalinistas, de todas as suas acusações vulgares de que ele traiu a revolução, que ele se voltou contra os trabalhadores. Eles nunca convenceram o mundo capitalista disso. Nem por um momento.

Os capitalistas – de todos os tipos – temem e odeiam até o seu corpo morto! As portas da nossa grande democracia estão abertas a muitos refugiados políticos, é claro. Todos os tipos de reacionários; canalhas democráticos que traíram e abandonaram seu povo; monárquicos e até mesmo fascistas – todos foram recebidos no porto de Nova York. Mas nem mesmo o corpo morto do amigo dos oprimidos poderia encontrar asilo aqui! Não nos esqueceremos disso! Vamos nutrir esse agravo perto dos nossos corações e, em boa hora, vingar-nos-emos.

A grande e poderosa democracia de Roosevelt e Hull não nos deixaria trazer o seu corpo para o funeral. Mas ele está aqui da mesma forma. Todos nós sentimos que ele está aqui neste salão esta noite – não apenas nas suas grandes ideias, mas também, especialmente hoje à noite, na nossa memória dele como homem. Temos o direito de nos orgulharmos de que o melhor homem do nosso tempo nos pertenceu, o maior cérebro e o coração mais forte e leal. A sociedade de classes em que vivemos exalta os patifes, trapaceiros, egoístas, mentirosos e opressores do povo. Dificilmente se pode nomear um representante intelectual da decadente sociedade de classes, de alto ou baixo grau, que não seja um miserável hipócrita e desprezível covarde, preocupado antes de tudo com os seus próprios assuntos pessoais inconsequentes e em salvar a sua própria pele sem valor. Que tribo miserável eles são. Não há honestidade, nenhuma inspiração, nada em todo o seu ser. Eles não têm um único homem que possa provocar uma faísca no coração da juventude. O nosso Velho Homem foi feito de material melhor. O nosso Velho foi feito de coisas totalmente diferentes. Ele se elevou acima desses pigmeus na sua grandeza moral.

O camarada Trotsky não lutou apenas por uma nova ordem social baseada na solidariedade humana como um objetivo futuro; ele viveu todos os dias de sua vida de acordo com os seus padrões mais elevados e nobres. Eles não o deixariam ser cidadão de nenhum país. Mas, na verdade, ele era muito mais que isso. Ele já era, em sua mente e em sua conduta, um cidadão do futuro comunista da humanidade. Essa lembrança dele como homem, como camarada, é mais preciosa que ouro e rubis. Nós dificilmente podemos entender um homem desse tipo a viver entre nós. Todos somos apanhados na rede de aço da sociedade de classes, com as suas desigualdades, as suas contradições, as suas convenções, os seus falsos valores, as suas mentiras. A sociedade de classes envenena e corrompe tudo. Somos todos ofuscados, vergados e cegados por isso. Nós dificilmente conseguimos visualizar o que as relações humanas serão, dificilmente conseguimos compreender o que a personalidade do homem será, numa sociedade livre.

O camarada Trotsky deu-nos uma imagem premonitória. Nele, na sua personalidade como homem, como ser humano, vislumbramos o homem comunista que está para ser. Essa lembrança dele como homem, como camarada, é a nossa maior garantia de que o espírito do homem, lutando pela solidariedade humana, é invencível. Na nossa época terrível, muitas coisas morrerão. O capitalismo e todos os seus heróis morrerão. Estaline e Hitler e Roosevelt e Churchill, e todas as mentiras e injustiças e hipocrisia que eles significam, morrerão entre sangue e fogo. Mas o espírito do homem comunista que o camarada Trotsky representou não morrerá.

O destino fez de nós, homens de barro comum, os discípulos mais imediatos do camarada Trotsky. Nós agora tornámo-nos seus herdeiros, e somos encarregados da missão de cumprir o seu testamento. Ele tinha confiança em nós. Ele assegurou-nos com as suas últimas palavras que estamos certos e que vamos prevalecer. Precisamos apenas ter confiança em nós próprios e nas ideias, na tradição e na memória que ele nos deixou como herança.

Nós devemos-lhe tudo. Devemos-lhe a nossa existência política, o nosso entendimento, a nossa fé no futuro. Nós não estamos sozinhos. Existem outros como nós em todas as partes do mundo. Lembrem-se sempre disto. Nós não estamos sozinhos. Trotsky educou quadros de discípulos em mais de trinta países. Eles estão convencidos até à medula dos ossos do seu direito à vitória. Eles não vão vacilar. Nem vacilaremos. “Estou certo da vitória da Quarta Internacional!” Assim disse o camarada Trotsky no último momento de sua vida. Então, temos a certeza.

Trotsky nunca duvidou e nós nunca deveremos duvidar que, armados com as suas armas, com as suas ideias, lideraremos as massas oprimidas do mundo para fora da confusão sangrenta da guerra para uma nova sociedade socialista. Este é o nosso testemunho aqui esta noite no túmulo do camarada Trotsky.

E aqui no seu túmulo testemunhamos também que nunca esqueceremos o seu último pedido – que protejamos e cuidemos da sua mulher guerreira, a fiel companheira de todas as suas lutas e peregrinações. “Cuide dela”, ele disse, “ela está comigo há muitos anos”. Sim, vamos cuidar dela. Antes de tudo, devemos cuidar de Natalia.

Chegamos agora à última palavra de adeus ao nosso maior camarada e mestre, que agora se tornou no nosso mártir mais glorioso. Nós não negamos a dor que constringe todos os nossos corações. Mas a nossa tristeza não é a da prostração, a dor que enfraquece a vontade. É temperada pela raiva, ódio e determinação. Vamos transformá-la em energia de combate para continuar a luta do Velho. Vamos-lhe dizer adeus de uma maneira digna dos seus discípulos, como bons soldados do exército de Trotsky. Não nos agachando em fraqueza e desespero, mas de pé com os olhos secos e os punhos cerrados. Com a canção da luta e da vitória nos nossos lábios. Com a música da confiança na Quarta Internacional de Trotsky, o Partido Internacional que será a raça humana!”

James Cannon

Marcado como:
leon trotsky