Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20789 (10) { ["term_id"]=> int(4211) ["name"]=> string(41) "Lateral Esquerda - Cobertura da Copa 2018" ["slug"]=> string(39) "lateral-esquerda-cobertura-da-copa-2018" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4211) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(69) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

BALANÇO E PERSPECTIVAS: Resumo da 1ª rodada da Copa do Mundo

Por Cauê Campos, para o Lateral Esquerda

Primeira rodada teve poucos gols, algumas zebras, surpresas e muitas emoções

No dia 19/06 (terça-feira), encerrou-se a primeira rodada da Copa do Mundo de Futebol Masculino. Sem dúvidas, não morremos de tédio. Com uma média de gols 10% inferior a 1ª rodada de 2014, poderia se imaginar que a emoção diminuiria. Não foi o caso, talvez a ausência de gols tenha trazido requintes de crueldade e emoção.

Logo no primeiro jogo, quando todos esperavam a abertura mais chata de todas as Copas, a Rússia enfiou logo 5 gols contra a Arábia Saudita (esta última surpreendeu pelo péssimo futebol). Os donos da casa apresentaram um futebol organizado e eficiente, e praticamente garantiram a classificação para a 2ª fase com a vitória sobre o Egito (jogo válido pela segunda rodada). O time norte-africano havia sido derrotado pelo Uruguai, após gol de cabeça do zagueiro José Gimenez, em partida apagada do astro Suarez.

No grupo B, a partida a ser esquecida é de Irã e Marrocos, com vitória do time asiático por 1×0. Na outra partida, o clássico ibérico foi eletrizante, o empate de 3×3 fez muita gente se empolgar com a Copa como nunca. Em noite inspirada, Cristiano Ronaldo praticamente venceu o jogo sozinho, o selecionado português deixa muito a desejar, apesar de contar com o mitológico CR7. Já a seleção espanhola apresentou um futebol interessante e bem organizado, mesclando com atuações individuais importantes. O primeiro lugar do grupo será decidido no saldo de gols entre Portugual e Espanha, muita emoção para as próximas rodadas.

Sem grandes surpresas, a França decepcionou na estreia da Copa. Apesar de duas finais nos últimos 20 anos, Les Bleus só venceram na estreia de 1998 e 2014. Esse ano venceram a Austrália por 2×1 e contando com a “ajuda” do VAR. Se quiserem cumprir com o que prometem, os franceses vão ter que jogar muito mais bola. A outra partida do grupo C era entre Dinamarca e Peru, e os olhos estavam centrados em Guerrero voltando a campo depois da perseguição implementada pela FIFA pelo suposto dopping por cocaína. Entrando no segundo tempo, o atacante não foi suficiente para o Peru vencer e a Dinamarca conquistou a vitória magra.

Agora, surpresa de verdade foi o empate da Argentina com a Islândia. Nossos vizinhos e eternos favoritos ao titulo (tal qual o Flamengo no Brasileirão, fica só no cheirinho), sofreram para manter 1 tento contra o selecionado do país de gelo. Os islandeses são os queridinhos do futebol mundial desde a última Eurocopa, encantando pelo belo futebol e comemoração no estilo viking ao final da partida. Se Messi ainda tem esperanças de tirar o titulo de melhor do mundo de CR7, vai ter que suar muita a camisa e fazer tudo o que não fez nas Copas. Errar pênalti contra a Islândia na primeira rodada não é coisa de melhor do mundo.

Completando o grupo D, teve Nigéria e Croácia, apesar de contar com estrelas como Rakitic e Modric, a seleção dos uniformes “mesa de cantina italiana”, fizeram um jogo frio e apático, vencendo por 2×0 os nigerianos. Os quais não puderam contar com as “galinhas da sorte” nas arquibancadas.

No grupo E, a Costa Rica enfrentou outra seleção da antiga Iugoslávia, a Sérvia. Vitória magra dos sérvios sobre os costa-riquenhos. Este é o grupo do Brasil, que também foi motivo de chacota e surpresa ao empatar com a “neutra” Suíça. Com um belíssimo gol de Coutinho e atuação apagada de Neymar, o Brasil não conseguiu superar os suíços que fizeram o gol em uma falha da defesa brasileira. A CBF – que parece estar aprendendo com a diretoria do Palmeiras – entrou com representação na FIFA reclamando de um empurrão de Zuber no zagueiro brasileiro Miranda no momento do gol. A Fifa já anunciou que não viu falta no lance.

Um pouco antes do jogo do Brasil, aconteceu outra grande zebra e a atual campeã-toda-poderosa Alemanha foi derrotada pelo México. O time latino executou um jogo perfeito para anular a eficiência germânica, apesar de sofrer, conseguiu levar os três pontos para casa. Confirmando a dificuldade alemã em obter vitórias em solo russo. Na outra partida do grupo F, Suécia venceu a Coréia do Sul pelo menor resultado e divide a liderança com o México.

A eterna promessa ótima geração belga, surpreendeu os céticos e tacou logo 3 gols no fraquíssimo, mas muito empolgado, Panamá. Os latinos se classificaram pela primeira vez para uma Copa, eliminando os EUA, a emoção estava estampada em cada panamense do estádio. O camisa 10 belga, Harzard não decepcionou e comandou o selecionado no ataque; em boa atuação, Lukaku foi responsável por dois dos três gols. O grupo conta com outra eterna promessa: a Inglaterra vem com um bom selecionado, mas não encontra-se entre os favoritos. Na seleção da rainha, Kane é a grande esperança de gols e de levar o time além das quartas-de-final (o que não fazem desde 1966), e nesse jogo, contra a fraca Tunísia, marcou os dois gols ingleses.

Fechando a primeira rodada, no grupo H tivemos dois “2×1”, o primeiro do Japão contra a Colômbia, e depois de Senegal sobre os Poloneses. O destaque vai para o selecionado Senegalense, a principal aposta do continente africano, confirmou seu bom desempenho contra a Polônia. Aliou Cissé era o capitão daquele time que fez história em 2002 ao chegar até as quartas-de-final, sendo eliminado sem perder. Hoje é o técnico de Senegal e o único técnico negro dos 32 times que disputam a Copa do Mundo.

Para as próximas rodadas ficam algumas questões, a principal: a zica vai continuar? Ou as previsões vão se confirmar? Nesse sentido, será que a Rússia vai surpreender como não fazia desde os tempos soviéticos? Até onde irão os donos da casa? A seleção do Estado Espanhol vai conseguir contornar a mudança de técnico e se classificar com tranquilidade? CR7 vai carregar o selecionado português até onde? Argentina e Messi vai conseguir apresentar um bom futebol, classificar-se? Até onde vão os Hermanos? Alemanha vai confirmar o favoritismo? E o México vem com tudo ou fica pelo caminho como sempre? A classificação desse grupo é especialmente importante para o Brasil.

Sobre o Brasil especificamente: Neymar&Cia conseguiram superar o oba-oba e apresentar futebol consistente? O “domador de estrelas” Tite tem nesse elenco o seu maior desafio: um monte de jovens atletas que acreditam estar no topo da carreira, mas pouco apresentaram de futebol e títulos.

Algumas certezas: os ingleses e belgas se classificam com tranquilidade pelo grupo G, assim como Senegal pelo H e a França no C, apesar do pouco futebol deve se classificar também com tranquilidade. Com a vitória do Uruguai sobre a Arábia Saudita, o grupo A já tem seus dois classificados, restando agora o confronto entre Rússia e Uruguai para definir 1° e 2° colocados do grupo (vantagem do empate para a Rússia pelo saldo de gols).

Mais sobre a cobertura da Copa do Mundo na Rússia no Lateral Esquerda: http://esquerdaonline.com.br/a-lateral-esquerda