China x EUA: Quando a disputa geopolítica ganha contornos sinistros numa ordem mundial conturbada

Por: Lucas Fogaça, de Porto Alegre, RS

Enquanto os EUA comemoravam o fim da URSS e a queda do Muro de Berlim no início dos anos 1990 vislumbrando uma Pax Americana, a China crescia silenciosamente em direção a um lugar de destaque entre as potências globais. Quase três décadas depois, embora os EUA sigam sendo a maior potência global, a diferença com a China vem diminuindo. A eleição de Trump, retomando o slogan de Ronald Reagan “Fazer a América Grande Novamente”,  atualizado em uma nova política externa baseada no princípio de colocar a “América Primeiro”, é uma mensagem explícita.

O novo governo dos EUA passou então a mover peças que questionam a atual ordem mundial: secundariza iniciativas através das instituições políticas e financeiras da ordem internacional; retira-se de acordos e tratados multilaterais considerados prejudiciais; modifica a estratégia de segurança e de defesa nacional dos EUA; e, por fim, coloca novamente na agenda temas conflitivos como a guerra comercial, a questão nuclear e a hierarquização dos conflitos entre Estados – apontando diretamente para a China e a Rússia como maiores ameaças.

Ações mais subterrâneas que vão além do palco da pirotecnia geopolítica internacional demonstram que de fato a animosidade entre a China e os EUA está se tornando cada vez mais séria. Ela sai do terreno econômico e avança para o terreno da geopolítica com reflexos na área militar e até mesmo da espionagem. É o que demonstram alguns fatos que muitas vezes nos passam despercebidos ante à grande política.

Agentes duplos norte-americanos eliminados pela China
Em maio do ano passado o New York Times publicou um artigo envolvendo a espionagem dos EUA e da China: uma rede de agentes duplos norte-americanos infiltrados na China havia sido descoberta. A depender da fonte, entre 12 e 20 agentes foram assassinados, no que foi considerado pelo governo norte-americano como a maior falha da inteligência dos EUA em décadas. Segundo integrantes do governo, o maior desde a “troca de lado” de Aldrich Ames e Robert Hanssen, agentes duplos americanos e russos, nas décadas de 1980 e 1990.

A rede de espiões na China teria sido revelada entre 2010 e 2012, mas veio à público apenas em 2017. Na época o governo Obama já vinha reclamando da “queda da qualidade da informação” sobre o que ocorria no Estado Chinês.

Por seu turno, os EUA também agem. Conforme informou o Departamento de Justiça para a Agência Reuters, no primeiro sábado deste mês, 04 de junho, o governo dos EUA prendeu Ron Rockwell Hansen, um ex-oficial da Agência de Inteligência de Defesa dos EUA. Ron Rockwell fala fluentemente o mandarim e o russo e, supostamente, espionava para a China. Ele foi oficial de inteligência em serviço militar ativo de 2000 a 2006 e conduziu operações de espionagem por anos. O governo dos EUA já havia prendido recentemente outros agentes acusados de entregar informações de inteligência à China: o ex-agente da CIA, Jerry Chun Shing Lee, e o ex-funcionário da inteligência norte-americana chamado Kevin Mallory.

Ataques sônicos causam lesões cerebrais em diplomatas norte-americanos na China
Recentemente, novos fatos vieram apoiar a hipótese de crescimento da animosidade EUA-China. Em artigo publicado no New York Times na última sexta-feira, 8 de junho, os jornalistas Jane Perlez e Steven Lee Myers denunciaram que diplomatas norte-americanos na China apresentaram uma curiosa lesão cerebral.

Relata-se que após ouvirem repetidamente sons estranhos em seus apartamentos, próximos da Embaixada, os diplomatas e seus familiares descreveram sintomas semelhantes à concussão cerebral. Em maio, o governo dos EUA informou que um funcionário da Embaixada havia sido diagnosticado com uma lesão cerebral que pode ter sido causada por “ataques sônicos”. Depois de alguma relutância, a China finalmente concordou em investigar o caso.

O quadro remete a um antecedente semelhante ocorrido com diplomatas norte-americanos em Cuba, em 2016. Na ocasião, 24 diplomatas e funcionários da embaixada em Havana apresentaram os mesmos sintomas e aparentemente a mesma causa.

Hackeamento de dados confidenciais relacionados à estratégia militar submarina dos EUA
No mesmo dia em que o artigo envolvendo os diplomatas dos EUA na China foi publicado pelo NYT, o Washington Post publicou um artigo de Ellen Nakashima e Paul Sonne acerca do sucesso de hackers chineses numa operação contra a Marinha norte-americana. Hackers à serviço do governo chinês teriam acessado entre janeiro e fevereiro deste ano um volume imenso de dados altamente confidenciais relacionados à estratégia militar submarina dos EUA. As informações foram coletadas de uma empresa privada, com nome não divulgado, que trabalha para o Centro Naval de Guerra Submarina.

Os hackers coletaram informações acerca do projeto Sea Dragon – que não se tem informações precisas sobre o que se trata – do desenvolvimento de míssil antinaval supersônico, bem como dados de comunicação e sensores, informações de centrais de rádio de submarinos, entre outros. Segundo o artigo, a operação teria sido conduzida pelo Ministério de Segurança do Estado Chinês. Ao que parece, busca intensificar a preparação para uma possível disputa do leste asiático, sobretudo o controle do Pacífico.

Conflitos cada vez maiores à vista
A rigor, as tensões subterrâneas entre EUA e China começaram antes do momento Trump. Lembremos que foi Obama quem começou a dar mais importância para a contenção do avanço chinês na Ásia ao aumentar a presença norte-americana no Mar do Sul da China.

Mas as tensões se intensificaram muito mais desde a nova diretriz da política externa dos EUA com a chegada de Donald Trump à presidência. Contrariando a prática diplomática dos últimos quarenta anos, Trump aceitou o telefonema da presidente de Taiwan logo que eleito. Um gesto simbolizando o reconhecimento de Taiwan como nação independente e não como parte da China. O que a China respondeu com exercícios militares no Pacífico.

Mais recentemente, no final de 2017 e início de 2018, os relatórios de Estratégia de Segurança Nacional e de Defesa Nacional dos EUA inovaram ao secundarizar a luta contra o terrorismo e apontar claramente a China e a Rússia como principais ameaças. Coerente, portanto, com a hipótese de que no mundo subterrâneo já exista uma intensa troca de agressões.

A China vinha aparentemente buscando uma inserção pacífica enquanto potência na ordem mundial. O 19º Congresso do Partido Comunista Chinês ocorrido em outubro de 2017 colocou o desafio da China se transformar na maior potência mundial até 2050.

Mas os EUA sob Trump estão categoricamente contra esse plano e o aumento do orçamento militar para 900 bilhões de dólares para o ano de 2018 é mais um sinal disso. A percepção chinesa da reação norte-americana fez os asiáticos acelerarem o já crescente investimento no orçamento militar: a China lançou um novo plano naval com o objetivo de superar os EUA e controlar o Pacífico até 2030.

São tambores de guerra que indicam conflitos maiores à vista. A já questionada ordem mundial pode ficar ainda mais conturbada.

Comentários no Facebook

Post A Comment