O “Novo Antissemitismo”

 

Por Neve Gordon, Professor do Departamento de Políticas e Governo, Universidade Ben-Gurion do Negev, Israel

Publicado originalmente na London Review of Books, vol.40, n.1, 4 de janeiro de 2018,

Tradução: Sean Purdy, Professor, Departamento de História, USP)
Foto : Publicada no artigo sobre a Nakba o site do Jewish Voice for Peace JVP), organização judaica americana que se “opõe ao racismo e intolerância contra judeus, muçulmanos e árabes”.

O tema do antissemitismo tem sido indevidamente atribuído pelos defensores do Estado de Israel à esquerda socialista. Nossa tradição é a de se opor a todo tipo de exploração e opressão, o que inclui evidentemente o repúdio ao antissemitismo, como forma de racismo.Para subsidiar a discussão, publicamos este interessante artigo de Neve Gordon, judeu israelense, opositor da opressão dos palestinos e da ocupação da Cisjordânia e de Gaza, sendo por isso perseguido em Israel. (Editoria Internacional)

Logo depois da erupção da Segunda Intifada em setembro de 2000, tornei-me ativo em um movimento político judaico-palestino chamado Ta’ayush, que conduz uma ação direta não-violenta contra o cerco militar de Israel na Cisjordânia e em Gaza. Seu objetivo não é o de apenas protestar contra a violação dos direitos humanos por parte de Israel, mas unir-se ao povo palestino em sua luta pela autodeterminação. Durante vários anos, passei a maior parte dos finais de semana com o Ta’ayush na Cisjordânia; durante a semana, eu escrevia sobre nossas atividades para a imprensa local e internacional. Minhas matérias chamaram a atenção de um professor da Universidade de Haifa, que escreveu uma série de artigos me acusando, primeiro, de ser um traidor e um defensor do terrorismo, depois, de um “aspirante ao Judenrat” [Conselho administrativo de judeus imposto pelos nazistas para que colaborassem com eles nos guetos durante a II Guerra] e um antissemita. As acusações começaram a circular nos sites da direita; recebi ameaças de morte e dezenas de mensagens de ódio por e-mail; os administradores da minha universidade recebiam cartas, algumas de grandes doadores, exigindo que eu fosse demitido. [Nota do Tradutor: Gordon processou o professor por difamação e ganhou na primeira e segunda instancia da justiça israelense]

Mencionei essa experiência pessoal porque, embora as pessoas dentro de Israel e no exterior tenham expressado preocupação com meu bem-estar e oferecido seu apoio, sinto que em seu alarme genuíno sobre minha segurança, elas perderam algo muito importante sobre a acusação do “novo antissemitismo” e quem, em última análise, é o seu alvo.

O “novo antissemitismo”, dizem-nos, assume a forma de críticas ao sionismo e das ações e políticas de Israel, e é frequentemente manifestado em campanhas que responsabilizam o governo israelense segundo o direito internacional, sendo um caso recente o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS). Nisso é diferente do antissemitismo “tradicional”, entendido como ódio dos judeus em si, a ideia de que os judeus são naturalmente inferiores, a crença em uma conspiração judaica mundial ou no controle judaico do capitalismo, etc. O “novo antissemitismo” também difere da forma tradicional quanto às afinidades políticas de seus supostos culpados: enquanto estamos acostumados a pensar que os antissemitas vêm da direita política, os novos antissemitas estão, aos olhos dos acusadores, primariamente na esquerda política.

A lógica do “novo antissemitismo” pode ser formulada como um silogismo: i) o antissemitismo é ódio aos judeus; ii) ser judeu é ser sionista; iii) portanto, o antissionismo é antissemita. O erro tem a ver com a segunda proposição. As alegações de que o sionismo é idêntico ao judaísmo, ou que uma equação perfeita pode ser feita entre o Estado de Israel e o povo judeu, são falsas. Muitos judeus não são sionistas. E o sionismo tem numerosos traços que não estão de forma alguma embutidos no judaísmo ou são característicos dele, mas emergiram de ideologias coloniais e nacionalistas nos últimos trezentos anos. A crítica ao sionismo ou a Israel não é necessariamente o produto de uma animosidade para os judeus; por outro lado, o ódio aos judeus não implica necessariamente um antissionismo.

Não só isso, mas é possível ser ao mesmo tempo sionista e antissemita. Provas disso são fornecidas pelas declarações de supremacistas brancos nos EUA e políticos de extrema direita em toda a Europa. Richard Spencer, um dos líderes da direita americana, não tem problemas em se caracterizar como um “sionista branco” (“Como cidadão israelense”, explicou ao entrevistador do canal 2 News de Israel, “que tem um senso de nacionalidade e unidade do povo, e a história e experiência do povo judeu, você deve respeitar alguém como eu, que tem sentimentos análogos em relação aos brancos […] Eu quero que tenhamos uma pátria segura para nós e para nós mesmos, assim como você quer uma pátria segura em Israel”), embora também acredite que “os judeus estão imensamente representados no que se poderia chamar de ‘o establishment’”. Gianfranco Fini, da Aliança Nacional Italiana, e Geert Wilders, líder do Partido Holandês pela Liberdade, também professaram sua admiração pelo sionismo e pela etnocracia “branca” do estado de Israel, ao passo que em outras ocasiões eles tornam claras suas visões antissemitas. Três coisas que aproximam esses antissemitas a Israel são, primeiro, o caráter etnocrático do Estado; segundo, uma islamofobia que eles supõem que Israel compartilha com eles; e, terceiro, as políticas impiedosas de Israel em relação aos migrantes negros da África (na mais recente de uma série de medidas destinadas a coagir os migrantes da Eritreia e do Sudão a deixar Israel, foram introduzidas regras no início deste ano exigindo que os solicitantes de asilo depositassem 20% de seus ganhos em um fundo, para ser reembolsado a eles somente se, e quando, eles deixarem o país).

Se o sionismo e o antissemitismo podem coincidir, então – de acordo com a lei da contradição – o antissionismo e o antissemitismo não são redutíveis entre si. É claro que é verdade que em certos casos o antissionismo pode se sobrepor ao antissemitismo, mas isso em si não nos diz muito, já que uma variedade de pontos de vista e ideologias pode coincidir com o antissemitismo. Você pode ser um capitalista, ou um socialista ou um libertário, e ainda ser um antissemita, mas o fato de que o antissemitismo pode ser alinhado com ideologias tão diversas quanto com o antissionismo não nos diz praticamente nada sobre isso ou eles. No entanto, apesar da distinção clara entre antissemitismo e antissionismo, vários governos, bem como think tanks e organizações não governamentais, insistem agora na noção de que o antissionismo é necessariamente uma forma de antissemitismo. A definição adotada pelo atual governo do Reino Unido oferece 11 exemplos de antissemitismo, sete dos quais envolvem críticas a Israel – uma manifestação concreta da maneira pela qual a nova compreensão do antissemitismo se tornou a visão aceita. Qualquer reprovação dirigida ao estado de Israel agora assume a mácula do antissemitismo.

Um exemplo idiossincrático, mas revelador, do “novo antissemitismo” ocorreu em 2005, durante a retirada de Israel de Gaza. Quando os soldados chegaram para evacuar os oito mil colonos judeus que viviam na região, alguns dos colonos protestaram usando estrelas amarelas e insistindo que não iriam “como ovelhas ao abate”. Shaul Magid, diretor de Estudos Judaicos na Universidade de Indiana, aponta que, ao fazer isso, os colonos tacharam o governo e o exército israelenses como antissemitas. Aos seus olhos, o governo e os soldados mereciam ser chamados de  antissemitas não porque odeiem os judeus, mas porque estavam implementando uma política antissionista, minando o projeto de colonizar o chamado Grande Israel. Essa representação da descolonização como antissemita é a chave para uma compreensão adequada do que está em jogo quando as pessoas são acusadas do “novo antissemitismo”. Quando o professor da Universidade de Haifa me rotulou de antissemita, eu não era seu verdadeiro alvo. Pessoas como eu são atacadas regularmente, mas somos considerados escudos humanos pela máquina do “novo antissemitismo”. Seu verdadeiro alvo são os palestinos.

Há uma ironia aqui. Historicamente, a luta contra o antissemitismo procurou promover a igualdade de direitos e a emancipação dos judeus. Aqueles que denunciam o “novo antissemitismo” procuram legitimar a discriminação e a subjugação dos palestinos. No primeiro caso, alguém que deseja oprimir, dominar e exterminar os judeus é considerado antissemita; no segundo, alguém que deseja participar da luta pela libertação do domínio colonial é classificado como antissemita. Dessa maneira, Judith Butler observou que “uma paixão pela justiça” é “renomeada como antissemitismo”.

O governo israelense precisa do “novo antissemitismo” para justificar suas ações e protegê-lo da condenação interna e internacional. O antissemitismo é efetivamente utilizado como uma arma, não apenas para sufocar a fala – “Não importa se a acusação é verdadeira”, escreve Butler, seu propósito é “causar dor, produzir vergonha e reduzir o acusado ao silêncio” – mas também para suprimir uma política de libertação. A campanha não-violenta do BDS contra o projeto colonial de Israel e os abusos de direitos é taxada de antissemita não porque os proponentes do BDS odeiam os judeus, mas porque denunciam a subjugação do povo palestino. Isso destaca um aspecto ainda mais perturbador do “novo antissemitismo”. Convencionalmente, chamar alguém de “antissemita” é expor e condenar seu racismo; no novo caso, a acusação “antissemita” é usada para defender o racismo e sustentar um regime que implementa políticas racistas.

A questão hoje é como preservar uma noção de anti-antissemitismo que rejeita o ódio aos judeus, mas não promove a injustiça e desapropriação nos territórios palestinos ou em qualquer outro lugar. Existe uma saída para o dilema. Podemos nos opor a duas injustiças de uma só vez. Podemos condenar o discurso de ódio e os crimes contra os judeus, como os que foram testemunhados recentemente nos EUA, ou o antissemitismo dos partidos políticos europeus de extrema-direita, ao mesmo tempo em que denunciamos o projeto colonial de Israel e apoiamos os palestinos em sua luta por autodeterminação. Mas, para realizar essas tarefas simultaneamente, primeiramente a equação entre o antissemitismo e o antissionismo deve ser rejeitada.

 

Comentários no Facebook

Post A Comment