Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8879 (10) { ["term_id"]=> int(4350) ["name"]=> string(13) "Marielle Vive" ["slug"]=> string(13) "marielle-vive" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4350) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(208) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Não foi apenas assassinato, foi atentado terrorista

Ademar Lourenço*

Dizer que a morte de Marielle Franco foi apenas um assassinato é o mesmo que dizer que os atentados do Estado Islâmico são apenas crimes como vários outros que ocorrem na Europa.  Isto não é verdade. O assassinato da vereadora teve como objetivo atentar contra os direitos de milhões de pessoas. E esse é exatamente o objetivo de qualquer ato terrorista.

Com certeza as mortes violentas de Marielle e do motorista Anderson são tragédias que comovem e ferem parentes e amigos. Até quem era contra as idéias da vereadora concorda com isso. Mas a choradeira de uns é que a militância de esquerda estaria “politizando” a morte.

As investigações apontam que foi uma execução feita por profissionais bem qualificados e o planejamento foi muito bem feito. Nem o tráfico, nem as milícias e nem a banda podre da polícia matam um vereador por qualquer motivo. Não podemos tirar conclusões definitivas, mas é lógico que o objetivo não era apenas tirar a vida de uma pessoa. Não sabemos quem matou, mas o motivo é fácil saber.

Os assassinos queriam acabar com o direito de representação parlamentar das 46 mil pessoas que votaram na vereadora. Queriam desmoralizar por meio do terror os cerca de 200 mil filiados do PSOL, partido de Marielle. Queriam acabar com o canal que milhares de trabalhadores das comunidades do Rio tinham com o Poder Público. Queriam amedrontar todos os moradores das comunidades que denunciam abusos da polícia. Também queriam dar um recado para as mais de 50 milhões de mulheres negras do país: tentar sair de uma posição subalterna é perigoso. Queriam mostrar para todo o Brasil que podem matar a vontade.

O terrorismo tem como objetivo afetar o psicológico de toda uma população. Os atentados do dia 11 de setembro de 2001 em Nova York não destruíram apenas dois prédios e não tiraram apenas a vida de apenas algumas centenas. Deixou o mundo inteiro, em especial os Estados Unidos, com medo, angústia e desespero. O resultado que os terroristas esperam é que as pessoas fiquem paralisadas e desesperadas.

Um ato terrorista não é apenas um crime comum. É um crime político que afeta milhões. Que desmoraliza de toda a sociedade. E a única resposta contra isto é mostrar coragem. Mostrar união. Gritar bem alto para responder a esta tentativa de nos silenciar. É por isto que, quando há atentados terroristas na Europa, as pessoas vão ás ruas. O objetivo é fazer os terroristas saberem que não conseguiram o que queriam. Agir de outra forma seria deixar que eles vencessem.

Sim, politizamos a morte de Marielle Franco. Queremos mostrar que sua luta vai continuar e será fortalecida. Que este atentado terrorista não nos calou. Que sua vida não foi em vão. Se o outro lado não tem mártires para reivindicar, desculpe. Nós temos.

*Esse artigo representa as posições do autor e não necessariamente a opinião do Portal Esquerda Online. Somos uma publicação aberta ao debate e polêmicas da esquerda socialista