Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20896 (10) { ["term_id"]=> int(4314) ["name"]=> string(18) "Escola Sem Partido" ["slug"]=> string(18) "escola-sem-partido" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4314) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(40) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

DCE e Reitoria se manifestam sobre perseguição de ministro à UnB

Por: Ademar Lourenço, de Brasília

Depois que o Ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que vai processar a Universidade de Brasília (UnB) por oferecer uma disciplina sobre o golpe de 2016, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e a Reitoria da instituição publicaram notas de repúdio.

A matéria, do curso de Ciências Políticas, tem como objetivo entender os elementos que levaram ao impeachment de 2016 e suas conseqüências. O professor que ministra a disciplina não quer falar com a imprensa para evitar o que ele considera uma polêmica desnecessária.

Para o DCE da UnB, esta é “mais uma medida do estado de exceção em que estamos vivendo, e que ocorre no mesmo momento em que avança a militarização da sociedade, com a intervenção no Rio de Janeiro”.

A entidade estudantil também denuncia o corte de verbas sofrido pelas universidades brasileiras neste ano e ações arbitrárias da política federal na Universidade Federal de Minas Gerais e Universidade Federal de Santa Catarina. Neste último caso, o reitor da universidade chegou ao suicídio.

 “Lutamos para que estudantes e professores possam trabalhar pela construção de um conhecimento útil à nação, que contribua para a reflexão dos problemas e desafios de nossa nação e como superá-los, cumprindo assim a função social da universidade”, ressalta o DCE.

A reitoria também se manifestou, afirmando que a formulação de disciplinas é responsabilidade das unidades acadêmicas que possuem autonomia sobre suas ementas e produção científica.

Processa professor, mas recebe propostas de educação de Alexandre Frota

O ministro da educação, Mendonça Filho, está há quase dois anos no cargo e não recebeu até hoje nenhum professor em seu gabinete. Mas em maio do ano passado recebeu o ator Alexandre Frota, que teve espaço para apresentar suas propostas para a educação brasileira. Entre elas, o projeto chamado “escola sem partido” que proíbe discussões políticas na sala de aula.

Frota não tem nenhum trabalho reconhecido na área de educação, mas é militante político próximo a grupos que organizaram as manifestações em defesa do impeachment em 2016.

Ministrar uma matéria sobre o golpe, segundo o ministro, é uso de dinheiro público para fins partidários. Usar a agenda de ministro para receber alguém sem nenhum trabalho na educação para receber propostas na área, segundo o mesmo ministro, está tudo bem.