Metalúrgicos paulistas cruzaram os braços contra a reforma



Da Redação

DIA NACIONAL DE LUTA / No Estado de São Paulo, a categoria metalúrgica mostrou disposição de luta contra a reforma da previdência. No ABC, a paralisação de 24 horas, com piquetes iniciando às 4h, atingiu todas as montadoras Volks, Scania, Mercedes Benz e Ford e também as demais fábricas. Diversos trabalhadores fecharam os portões das fábricas, mas não houve fechamento da via Anchieta, apesar da disposição de luta da categoria.

Renatão, do MAIS, discursa no ato da GM

Também em São José dos Campos os metalúrgicos manifestaram sua indignação contra a reforma da previdência. Na GM de Taubaté, os cerca de seis mil funcionários do complexo industrial da Volkswagen realizaram assembleia às 5h30 da manhã e aprovaram a paralisação de 24 horas contra a reforma da previdência. Após assembleia na GM e Chery, os trabalhadores atrasaram a entrada em uma hora. Na Ford de Taubaté, os cerca de 2500 funcionários aprovaram duas horas de paralisação.

Comentários no Facebook

Post A Comment