‘Sartori quer vender o estado’, afirma PSOL do Rio Grande do Sul



Da Redação

Diante do cenário de crise no estado do Rio Grande do Sul, a executiva do PSOL gaúcho lançou uma nota onde critica o projeto de governo de Ivo Sartori (PMDB). O peemedebista apresenta como solução para os problemas do estado, a privatização de setores importantes para a população. De acordo com o PSOL, a recuperação fiscal estaria sendo utilizada pelo governador como uma desculpa para legitimar o sucateamento e entrega do patrimônio público à iniciativa privada.

“Com a mobilização dos servidores, a atuação da oposição, especialmente do nosso deputado Pedro Ruas, Sartori não conseguiu o número de votos necessários para aprovar suas medidas, entre elas a privatização da CEEE, da Sulgás e da CRM, estatais rentáveis e que não são mais lucrativas pela gestão desastrosa do PMDB. Na próxima semana, um novo pacote entrará em votação”, explica a executiva do partido socialista, em nota. Para o PSOL, a crise do estado, ao contrário do que afirma Sartori, tem origem também nos privilégios ao empresariado.

Confira a íntegra do documento do PSOL RS, abaixo:

Sartori quer vender o estado! Resistir é preciso!

Vivemos tempos difíceis de ataque aos trabalhadores e retirada de direitos. No país, o ilegítimo governo Temer não arrefece suas investidas contra o povo. Seguindo a agenda neoliberal, corta investimentos e pressiona os estados por privatizações e arrocho dos servidores públicos. Após conseguir aprovar a nefasta Reforma Trabalhista, agora tenta “comprar” a todo custo os deputados para aprovação da Reforma da Previdência. Sendo assim, dia 19 de fevereiro as centrais e os trabalhadores voltam às ruas em protesto e por uma Greve Geral para barrar a reforma. A última “novidade” deste governo é a proposta de aumento abusivo de 94% da passagem do trensurb que acessa Poa e região metropolitana.

O povo cada vez mais empobrecido, sofre com tantos ataques e com a carestia. O gás, a luz, a gasolina aumentam o preço de forma a tornar a vida das famílias uma incerteza do amanhã. Enquanto isso, a concentração de renda torna-se abismal e revolta a cada pesquisa. A última nos diz que 5 bilionários concentram a riqueza da metade mais pobre da população.

Junto com todo país, o povo gaúcho também sofre. Pelo terceiro ano consecutivo, o governo Sartori do PMDB tenta aprovar seu plano de privatização com a desculpa da recuperação fiscal. Na última semana, conquistamos uma vitória, por enquanto. Com a mobilização dos servidores, a atuação da oposição, especialmente do nosso deputado Pedro Ruas, Sartori não conseguiu o número de votos necessários para aprovar suas medidas, entre elas a privatização da CEEE, da Sulgás e da CRM, estatais rentáveis e que não são mais lucrativas pela gestão desastrosa do PMDB. Na próxima semana, um novo pacote entrará em votação.

Defendemos que a grave crise das finanças públicas, além de reflexo da crise econômica mundial, é também resultado da renúncia fiscal dos grandes empresários pelos sucessivos governos. Como a Lei Kandir, que só beneficia o agronegócio exportador em detrimento das necessidades da população do Rio Grande. Além dos bilhões perdidos com sonegação.

O Psol gaúcho combate o privilégio da casta política e dos ricos. Lutamos por uma outra política social e econômica. Estamos na Alergs e nas ruas com nossa militância e dirigentes sindicais. Neste ano, vamos apresentar um programa que será representado pelo nosso pré-candidato Roberto Robaina ao governo do estado. Construído coletivamente, que represente as lutas do povo, da juventude, dos trabalhadores, trabalhadoras e servidores públicos. Das mulheres, negras e negros, dos LGBTs.

Executiva Estadual Psol RS
Porto Alegre, 31 de Janeiro de 2018

Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratin

Saiba Mais:

Tarifa da Trensurb aumenta para R$ 3,30 a partir de sábado, no RS

Comentários no Facebook

Post A Comment