Bolsonaro em contradição: três patacoadas do “mito” em apenas 10 dias de 2018



Por Matheus Gomes, Colunista do Esquerda Online

Patacoada 1: O escandaloso crescimento do patrimônio de Bolsonaro

Uma matéria divulgada pela Folha de São Paulo no último domingo (7) apresentou números escandalosos sobre o crescimento do patrimônio da família Bolsonaro. Entre 2010 e 2014, a variação de seus bens é maior que a soma de seus salários líquidos no período. Além disso, em meio ao boom imobiliário do Rio de Janeiro, Bolsonaro adquiriu imóveis em negociatas muito abaixo dos valores de mercado e não as declarou na última eleição. Isso sugere que, no mínimo, o deputado ocultou patrimônio, cometendo crime conforme a Lei n° 12.683.

Em sua página no Facebook, o “mito” não consegue explicar como enriqueceu tanto. Ao lado dos pastores Marco Feliciano e Silas Malafaia, se resumiu a argumentar por dois flancos. O primeiro – e mais ridículo – é a acusar a Folha de São Paulo de ser um jornal à serviço da esquerda e do bolivarianismo, logo o grupo da Família Frias, defensores do golpe empresarial-militar de 1964 e do impeachment de 2016 ao lado da FIESP e do próprio Bolsonaro. Não faz nenhum sentido!

O segundo é apresentar os números da cota parlamentar não utilizada na legislatura. Ora, Bolsonaro faz um alvoroço por não ter utilizado cerca de 30% da cota, ao passo que nunca abriu mão de um centavo dos R$ 33.763,00 que recebe por mês e sempre utilizou todos os benefícios dos parlamentares. De 2014 pra cá, Bolsonaro custou mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos, qual a grande diferença do restante? Não custa lembrar que suas campanhas milionárias também foram financiadas por grandes empresários, inclusive a JBS de Joesley, fora as viagens realizadas com recursos de figuras ligadas ao agronegócio e a indústria armamentista.

Bolsonaro não admite um simples fato: como a maioria dos políticos ligados aos partidos da ordem, ele construiu sua riqueza à custa do dinheiro público, acumulando bens a partir de sua condição de deputado. Nenhuma pessoa comum evolui seu patrimônio de um FIAT Panorama, uma moto e dois lotes para um patrimônio de R$ 15 milhões em menos de 30 anos, ou seja, para o “mito” é certo manter os privilégios dos políticos.

Patacoada 2: O incrível apego à legendas de aluguel

Na última sexta (5), Bolsonaro anunciou sua migração do Partido Social Cristão (PSC) para o Partido Social Liberal (PSL). Depois de meses de negociação com o Partido Ecológico Nacional (PEN) – prestes a mudar o nome para Patriota. Parece que a bolada certeira veio do cartola pernambucano Luciano Bivar, deputado federal e empresário, conhecido por subornar membros da CBF em 2013 para viabilizar a convocação de um volante de seu time, o Sport. Bolsonaro já esteve filiado aos extintos PPR, PPB e PFL, ao PTB, PP, PSC, agora ingressa no seu sétimo partido.

Até a semana passada, os inquilinos da legenda eram os integrantes do Livres, movimento liderado por Fábio Ostermann, um dos fundadores do MBL. No dia em que Bolsonaro entrou pela porta da frente, eles saíram pela porta de trás. Isso apenas demonstra que o PSL não é um partido de ideias, pelo contrário, quem oferece mais vantagens aos caciques da legenda leva a melhor.

Como sabemos, um dos males do sistema político brasileiro são as legendas de aluguel. A serventia desses partidos para o povo trabalhador é zero, entretanto, para figuras em busca de trampolins políticos; coligações que pretendem preencher tempo de TV ou ampliar quociente eleitoral; ou coalizações governantes atrás de votos em troca de verba pública, esses partidos são extremamente úteis. O “mito” parece gostar desse arranjo político.

Patacoada 3: Mais ou menos Estado? Sim ou não às contrarreformas?

Algumas pessoas poderiam argumentar que Bolsonaro é um homem de ideias fortes, por isso pula de partido em partido para encontrar a legenda ideal. Mas quem analisa a fundo suas ideias encontra um sem número de incongruências. A última é seu namoro com liberais ortodoxos, conforme suas declarações na entrevista coletiva concedida durante o anúncio da sua entrada no PSL.

Qual o projeto de Bolsonaro no terreno econômico? Como defensor da ditadura empresarial-militar, o “mito” precisa explicar o legado desse regime: nesse período foram criadas dezenas de empresas estatais em diversas áreas; ao mesmo tempo, esse é o marco do desenvolvimento das grandes empreiteiras nacionais da construção pesada através de contratos públicos – aquelas centralmente envolvidas na lava-jato; também é o período chave para entender o acúmulo da dívida externa e a dependência crônica do Brasil com o capital internacional.

Na realidade, ele apenas agrega mais confusões. Para não se vincular a projetos antipopulares, o “mito” tergiversa falando em “outros tipos de reforma” e etc. Como admite não saber nada de economia, nem dominar os ensinamentos básicos da Escola Superior de Guerra, Bolsonaro prefere se aconselhar com liberais da “moda” para pensar seu projeto econômico. Adolfo Saschida (IPEA) e Paulo Guedes (formado na Escola de Chicago e ligado ao grupo BTG Pactual) são nomes que exercem influência sobre Bolsonaro.

Bolsonaro promete um novo “milagre econômico”, mas, se seguir a fórmula de seus conselheiros, a única opção que lhe restará é adotar a agenda de contrarreformas proposta pelo mercado financeiro, repetindo a farsa dos ditadores de ontem, que sustentaram um parco crescimento econômico em base a superexploração e autoritarismo, afundando o Brasil na crise da década de 80.

Quantas patacoadas ainda virão no decorrer de 2018?

Imagens: Antônio More/Gazeta do Povo/Arquivo

Comentários no Facebook

Post A Comment