Lula e o PT precisam convocar luta contra Reforma da Previdência 

Editorial 04 dezembro,

Nesta terça-feira (5), acontecerão protestos e paralisações protagonizados pelos trabalhadores, as mulheres, a juventude e os movimentos sociais combativos, como o MTST e a Frente Povo Sem Medo.

Mesmo com o recuo da cúpula das centrais sindicais em realizar a Greve Nacional, muito setores estarão empenhados em construir um grande dia nacional de lutas contra a Reforma da Previdência e demais ataques deste governo ilegítimo. 

As direções das principais centrais sindicais devem rever esse gravíssimo erro e passar a apostar na ampliação da resistência.  Neste momento, o governo está tentando conseguir maioria qualificada necessária para votar a Reforma da Previdência (308 votos na Câmara). Mas vem encontrando muita dificuldade.

Afinal, diante das lutas de resistência da classe trabalhadora, como vem realizando o funcionalismo público, muitos deputados da base do governo estão com medo de votar mais essa retirada de direitos e acabarem perdendo apoio em suas bases eleitorais.

O momento não é de recuo. O governo está com dificuldades, é a hora dos trabalhadores aproveitarem essa situação de indefinição na base do governo, para ir para cima de Temer e do Congresso, buscando impedir mais essa votação. 

Diante da gravidade do momento, Lula, que aparece na liderança das pesquisas de opinião para presidente da República, e o PT, que é ainda o maior partido de oposição e que dirige a CUT, devem encabeçar o chamado às paralisações e manifestações de terça-feira (5) e jogar esforços na ampliação da resistência contra os ataques aos direitos sociais. 

Priorizar a campanha eleitoral é não entender que a luta é agora. Esperar 2018 significa abrir mão da possibilidade de lutarmos para barrar ataques tão criminosos aos diretos da classe trabalhadora, dos aposentados, da juventude e da maioria da população.

Como candidato, Lula deveria se comprometer a revogar todas as reformas do governo ilegítimo de Temer. E, desde já, usar a sua liderança, que persiste em parcelas significativas do povo trabalhador, para chamar de forma contundente as mobilizações para derrotar as reformas reacionárias e o governo Temer.

O governo quer votar a Reforma da Previdência entre os dias 12 e 13 de dezembro
Ainda há tempo de Lula e o PT, assim como todas as organizações políticas e sociais, em especial as centrais sindicais, começarem a trabalhar com todas as suas forças a convocação de uma forte Greve Nacional para o dia 12 de dezembro. Nesta iniciativa reside a chance dos trabalhadores impedirem que a reforma seja votada neste ano.

Por tudo isso, é muito importante que o conjunto da esquerda, dos movimentos sociais e dos sindicatos cobrem de Lula e do PT o compromisso com a luta contra as reformas e o governo Temer. É preciso forjar uma ampla unidade para enfrentar Temer e suas reformas. Especialmente, nesse momento, em torno da mobilização para derrotar a Reforma da Previdência.

Comentários no Facebook

Post A Comment