Guevara: Herói e mártir da revolução permanente



No dia 9 de outubro de 1967 foi assassinado, a mando da CIA, na selva boliviana, o revolucionário argentino Che Guevara. Em homenagem ao legado de Che Guevara, no aniversário de 50 anos da sua morte, republicamos artigo escrito pelo trotskista argentino Nahuel Moreno logo após a divulgação do seu assassinato.

Editores do Esquerda Online.

Por Nahuel Moreno. Publicado originalmente no jornal do PRT da Argentina, “La Verdad” em 23/10/67.

Com o assassinato de Che, nós revolucionários latino-americanos não só perdemos nosso líder indiscutível, assim como Fidel, mas também o mais apaixonado lutador da revolução permanente de nossa época.

Sua própria vida obedece a uma profunda lógica, que é a da revolução permanente. De revolucionário pequeno-burguês em nosso país que não compreende o peronismo, a dirigente do movimento pequeno-burguês mais revolucionário da América Latina, encabeçado por Fidel. De ativista estudantil argentino a guerrilheiro cubano. De chefe guerrilheiro a construtor da economia socialista. Como tal, reivindica a importância do próprio processo revolucionário interno, da elevação da consciência das massas. Não se duvida de seu caráter revolucionário latino-americano, e não deixa por um minuto de indicar que Cuba é parte da revolução continental. Em suas visitas à China, URSS e África o vêem como representante do internacionalismo proletário, da revolução mundial. De volta a Cuba, passa das declarações e enunciados à preparação da guerrilha no elo mais débil da corrente capitalista sul americana: a Bolívia. Se o enterram podemos dizer: “Não enterram um cadáver, mas sementes revolucionárias”.

Guevara, que arriscou a vida quantas vezes foi necessário, até perdê-la para a revolução cubana e latino-americana, não teve medo de enfrentar e dar resposta aos problemas mais graves colocados pela revolução. Desde a defesa de Cuba até a construção do socialismo na etapa de transição, passando pelas relações econômicas entre os países socialistas, não houve problema de importância decisiva na luta dos trabalhadores que Guevara não abordasse desde o ponto de vista da revolução permanente.

A revolução permanente na América Latina como única defesa certa de Cuba

Os trabalhos mais conhecidos de Guevara sobre a guerra de guerrilhas são categóricos: a defesa da revolução cubana passa pela extensão da revolução latino-americana. É como citava o discurso de Fidel de 26 de julho de 1963 em seu trabalho “Guerra de guerrilhas: um método”: “É o dever dos revolucionários, principalmente neste momento, conhecer, perceber e captar mudanças na correlação de forças que se tem dado no mundo, e compreender que estas mudanças facilitam a luta dos povos. O dever dos revolucionários latino-americanos, não é esperar que uma mudança na correlação de forças produza o milagre de uma revolução social na América Latina, mas fazer pleno uso de tudo que favoreça o movimento revolucionário nesta correlação de forças variável e fazer a revolução”.

Para que não haja duvidas de que se preconizava a revolução permanente, no mesmo trabalho citava Marx: “Marx sempre recomendou que uma vez que se tenha começado o processo revolucionário, o proletariado revolucionário deve golpear e golpear sem descanso. Revolução que não se aprofunda constantemente é uma revolução que retrocede.”

Com toda clareza, insistia que havia uma estratégia contra-revolucionaria de conjunto em toda a América, dos exploradores nacionais e do imperialismo ianque e que a única resposta é uma luta continental de conjunto. “Dado este panorama americano, é difícil que haja vitória e se consolide em um único país. A união das forças repressivas deve ser respondida pela união das forças populares. Em todos os países nos quais a opressão das massas chega a limites intoleráveis, a bandeira da rebelião deve ser levantada, e esta bandeira deve ter, por necessidade histórica, características continentais. A cordilheira dos Andes está destinada a ser a Sierra Maestra das Américas, como Fidel havia dito, e todos os imensos territórios que este continente encerra estão destinados a ser cenas de uma luta de morte contra o poder imperialista.” “Não podemos dizer quais características esta luta continental adquirirá nem tampouco quanto tempo durará, mas podemos predizer seu início e seu êxito, porque é o resultado de circunstancias históricas, econômicas e políticas inevitáveis e seu curso não pode ser detido. Iniciá-la quando as circunstancias estiverem dadas, independentemente da situação nos outros países é a tarefa das forças revolucionarias em cada país. O desenvolvimento da luta determinará a estratégia geral, a previsão do caráter continental surge da análise das forças opostas mas isto não exclui – longe disso – um começo independente. Assim como a iniciação da guerra revolucionária contribui para o desenvolvimento das condições nos países vizinhos.” Che, junto com Fidel foram os melhores porta-vozes da estratégia e da teoria revolucionária da direção cubana: há um único processo revolucionário, a escala continental do qual Cuba é um elo muito importante, porém somente um elo. A revolução é de conjunto, continental. O êxito se obterá numa batalha total.

A etapa de transição como um processo revolucionário

Em outubro de 1963 a revista cubana Nossa Indústria publicou uma polêmica apaixonante entre o Che e Alberto Mora, ministro do Comércio Exterior, sobre as leis econômicas dominantes na época de transição ao socialismo num país atrasado como Cuba. Mora sustentava que tinha que deixar a economia cubana em seu conjunto e cada empresa se desenvolverem automaticamente de acordo com as leis de oferta e demanda. Por exemplo, que cada empresa ou cooperativa produziria os produtos cujos melhores preços pudessem obter. Dito de outra forma, que cada empresa controlada pelos trabalhadores seguiria atuando como se fosse uma empresa capitalista, cujo único objetivo é o maior lucro possível. Mora insistiu que o lucro de cada empresa e de cada trabalhador é o único motor da economia de transição. A conclusão do Ministério do Comércio Exterior surgia por si só: a centralização e planejamento da economia cubana são secundários, o lucro das empresas e dos trabalhadores é o mais importante. Tinha que se dar autonomia às empresas e pagar aos trabalhadores por produção, como era no capitalismo.

Guevara insistiu que a economia em marcha ao socialismo não é uma economia capitalista nas mãos dos trabalhadores e sim uma economia que tem objetivos diametralmente opostos ao capitalismo. O objetivo de uma economia socialista é o desenvolvimento econômico do conjunto em benefício do país e dos trabalhadores e não o lucro de tais empresas ou trabalhadores, apesar de ser um país atrasado. Por isso era essencial a centralização e planejamento da economia nacional em seu conjunto. Se a produção de materiais para construção de milhares de casas é uma necessidade dos trabalhadores cubanos, nem que esta produção seja deficitária, tem que fazê-la, sustentava Guevara, porque é benéfica para o conjunto dos trabalhadores do país. De acordo com o critério de Mora, se não dava lucro não se deveria fazer.

Guevara tirava de sua análise teórica conclusões opostas a de Mora: havia que centralizar e planejar cada vez mais a economia cubana e ao invés de encorajar o pagamento de prêmios aos trabalhadores para levantar a produção isto tinha que ser obtido por meio da elevação da moral socialista deles. Para Che a transição da economia cubana devia estar acompanhada de um processo revolucionário, que era a elevação dessa consciência nos trabalhadores cubanos.

Como em todas as suas análises teóricas e políticas, Che costumava passar por alto os detalhes, alguns aspectos da realidade, o atraso de Cuba, de seus trabalhadores, que exigem que se dê grande importância aos incentivos materiais. De qualquer forma, sua insistência na importância do planejamento e centralização como motores do desenvolvimento socialista, como também do progresso permanente da consciência revolucionária dos incentivos morais dos trabalhadores era essencialmente correta. Com todos os erros teóricos que fizeram, a posição de Che era a revolucionária, a que apostava no desenvolvimento da consciência revolucionária das massas cubanas e a de Mora a oportunista, estalinista, que queria apelar a métodos burgueses para obter o desenvolvimento socialista.

Esta polêmica se insere no que vem sendo levantado pelos estalinistas- da linha de Kruschov e os maoístas. Toda a vanguarda revolucionária mundial sabe que o estalinismo tem levantado à teoria de que o socialismo vai se construindo com apelo ao afã dos lucros ou dos salários dos trabalhadores. Os maoístas, ao contrário, crêem que o socialismo se construirá apelando à consciência política das massas.

A direção cubana fechou esta polêmica com uma posição correta, de sínteses de ambas as posições, porém destacando a contribuição essencial feita por Che. Em 8 de maio de 1965, o presidente Dorticós deu a posição oficial da direção cubana sobre a polêmica que estava ocorrendo: “Estamos muito contentes que o fator moral tenha sido incutido com os esforços do Ministério da Industria (Guevara) ao máximo. Sabemos que esta posição foi adotada pelo ministro e aplaudimos sua doutrina. Nosso presente e nosso futuro dependem fundamentalmente de nossa ideologia e nossa moral. Esta não nega o princípio fundamental que deve regular o pagamento do trabalho numa sociedade socialista; concretamente a cada um, de acordo com o seu trabalho. Na nossa opinião este princípio é total e consistentemente compatível com o princípio que sublinha a importância dos estímulos morais. Para harmonizar e sintetizar estes dois fatores, enquanto mantemos seu ajuste, devemos reforçar a cada dia a importância e a extensão de estímulos morais como um dos objetivos de nosso trabalho econômico.”

Opõe-se à política comercial da URSS, em defesa dos países atrasados. Não foi destacado o suficiente a batalha política e teórica que estava sendo levantada por Guevara contra este aspecto da política econômica da URSS. O governo soviético negociou com os outros países socialistas como se fossem países capitalistas. Troca as mercadorias por seu valor no mercado mundial e as vezes paga menos nos produtos dos países socialistas atrasados. Estes países, como era sob o regime imperialista, tem que vender à URSS matérias primas por produtos industriais. Nessa troca a valores iguais tem já uma exploração comercial, a mesma que tem os países imperialistas com as nações atrasadas no mercado mundial. Todo estudante de economia sabe que as matérias primas baixam ano a ano seu valor em relação aos produtos industriais. Esta mesma relação se dá entre os países socialistas atrasados e a URSS. Guevara, revolucionário de uma só bandeira denunciou sem interrupção essa injustiça “burguesa” cometida pela URSS. No seminário de solidariedade afro-asiático que ocorreu em Argel, em princípios de 1965, afirmou categoricamente: “O desenvolvimento dos países que vão tomando o caminho da liberdade deve ser apoiado pelos países socialistas; esta é minha profunda convicção”.

“Como pode ser considerado de benefício mútuo vender ao preço do mercado mundial as matérias primas que custaram suor e sofrimento das massas dos países atrasados e comprar ao preço de mercado mundial as máquinas produzidas pelas grandes plantas automatizadas de hoje em dia?. É obrigação dos países socialistas terminar com esta tácita cumplicidade com os países exploradores do oeste.”

Sua luta pela unidade econômica dos países socialistas e atrasados. Não conformado em denunciar indiretamente a concepção falsa, burocrática, do comércio exterior dos governantes soviéticos, Guevara dá todo um programa revolucionário essencialmente correto.

“Uma profunda mudança conceitual deve ser feita em relação às relações internacionais. Não deve ser o comércio internacional quem determina a política, mas sim, o contrário, o comércio internacional deve estar subordinado a uma política fraternal perante aos outros povos.”

Internacionalista convicto se opõe ao propósito de que cada governo socialista cuide de suas peças, seu país, e insiste na necessidade de uma unificação e planejamento do conjunto das economias dos diversos países socialistas e atrasados. “O desenvolvimento não pode ser abandonado a uma completa improvisação; a construção da nova sociedade deve ser planejada. Planejamento é uma das leis do socialismo e sem socialismo não pode existir. Sem um correto planejamento é impossível garantir adequadamente uma relação harmoniosa entre os vários setores econômicos de um país que têm que produzir rapidamente os avanços que requerem a época em que vivemos. O planejamento não é um problema individual para cada um de nossos países, com um desenvolvimento desigual, proprietários de algumas matérias primas ou produtores de certos produtos manufaturados ou semi-terminados, mas sim produzir outros produtos, em forma isolada. Por esta razão, o planejamento deve ser orientado, na verdade, desde o primeiro momento perante certa especialização regional, de maneira que as economias de vários países possam ser complementares e desta maneira a integração se faria sobre a base de um benefício mutuo genuíno.”

Como contrasta esta posição com a batalha dos governos russo e chinês por defender sua autarquia ou independência no lugar de tender planejar suas economias de forma comum!

E para não haver dúvidas do papel que faz jogar a economia no processo da revolução mundial, nosso Che, supomos que a gritos, disse: “As armas não devem ser consideradas mercadorias no nosso mundo; um deve entrega-las sem nenhum pagamento nas quantidades requeridas pelos povos que necessitam delas.” Pensa-se em Stalin, o teórico do socialismo em um único país, vendendo a preço de ouro e a conta-gotas as armas ao proletariado espanhol durante a Guerra Civil e não se pode menos que admirar mais e mais este heróie da revolução permanente.

Seu testamento: o internacionalismo revolucionário

Os revolucionários do mundo inteiro consideram os guerrilheiros vietnamitas a vanguarda da revolução. Consideramos a falta de apoio total por parte da URSS e China uma traição. Não há outro internacionalismo militante neste momento que não seja lutar para que se apóie o Vietnam do Norte e os guerrilheiros vietnamitas, e fazer a revolução nos próprios países. Essa é a posição de Fidel. Em sua carta “testamento” Che insiste apaixonadamente no mesmo. Escutemo-lo:

“Quando analisamos a sociedade vietnamita nos vem a angustia deste momento ilógico da humanidade.

“O imperialismo norte-americano é culpado de agressão. Seus crimes são imensos e por todo o globo. Já o sabemos, senhores! Mas também são culpados aqueles que no momento de definição vacilaram em fazer do Vietnam parte inviolável do território socialista, correndo, sim, os riscos de uma guerra de alcance mundial mas também obrigando os imperialistas norte americanos a uma decisão. E são culpados os que mantêm uma guerra de insultos e trapaças começada há um bom tempo pelos representantes das maiores potencias do campo socialista. “Perguntemos, para obter uma resposta honesta: Está ou não isolado o Vietnam, fazendo equilíbrios perigosos entre as potencias em conflito?

“E: que grandeza deste povo! Que estoicismo e valor deste povo! E que lição para o mundo ensina essa luta.

“Mesmo daqui a muito tempo não saberemos se o presidente Johnson pensava seriamente em iniciar algumas reformas necessárias ao povo, para limar arestas das contradições de classe que assomam com força explosiva e cada vez mais freqüentes. O certo é que as melhoras anunciadas sob o pomposo título de luta “por uma grande sociedade” têm caído no ralo do Vietnam.

“O maior dos poderes imperialistas sentidos nas entranhas é o sangramento provocado por um país pobre e atrasado e sua fabulosa economia se ressente do esforço da guerra. Matar deixa de ser o negocio mais cômodo dos monopólios. Armas de contenção, e não em numero suficiente, é tudo o que tem os maravilhosos soldados, além do amor a sua pátria, a sua sociedade e um valor a toda prova. Mas o imperialismo fica empantanado no Vietnam, não há caminho de saída e busca desesperadamente algum que lhe permita rifar com dignidade este perigoso transe em que se encontra. Mas os “quatro pontos” do Norte e os “cinco” do Sul o atenuam, fazendo a mais decidida confrontação.

“Tudo parece indicar que a paz, essa paz precária a que se tem dado tal nome somente porque não se tem produzido nenhuma confrontação de caráter mundial, está outra vez em perigo de romper-se ante qualquer passo irreversível e inaceitável, dado pelos norte americanos. “E a nós, explorados do mundo, qual é o papel que nos corresponde? Os povos dos três continentes observam e aprendem sua lição no Vietnam. Já que, com a ameaça de guerra, os imperialistas exercem sua chantagem sobre a humanidade, não temer a guerra é a resposta justa. Atacar dura e ininterruptamente em cada ponto de confrontação deve ser a tática geral dos povos.”

Se Trotsky foi o profeta e teórico da revolução permanente, Guevara é seu herói, seu mártir. Que cometeu erros, que não era um teórico do calibre de Marx, Lênin ou Trotsky, que exaltou a técnica guerrilheira do foco e as três etapas, “vamos crianças!”, como diriam os camaradas cubanos aos pedantes unidos das confrarias esquerdistas da América e Europa, todos nós sabemos. Rosa Luxemburgo não fica atrás em errar em alguns problemas teóricos e Liebknecht não sabia muito bem o que era dialética, e são, entretanto, grandes do proletariado e da revolução universal.

Nosso Guevara já não é também por direito próprio, por sua vida, por seus ensinamentos, por sua morte. Mas se isso não bastasse, o seria por haver cunhado em seu ultimo documento público, sua carta testamento, a consigna e o programa dos explorados do mundo neste momento: “Fazer dois, três, muitos Vietnam”. “Com cantos trágicos, com rajadas de metralhadoras e novos gritos de guerra e de vitória” juramos fazê-lo assim, Comandante Guevara. Descansa em paz.

Comentários no Facebook

Post A Comment