Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20775 (10) { ["term_id"]=> int(4301) ["name"]=> string(44) "30 de junho de greves, atos e paralisações" ["slug"]=> string(41) "30-de-junho-de-greves-atos-e-paralisacoes" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4301) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(46) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Trabalhadores da Replan se mobilizam contra mais um ataque do governo Temer à Petrobras

Por: Adamec Seccoli, de Paulínia, SP

Entre os dias 19 e 21 de junho, os trabalhadores do turno da REPLAN – Refinaria de Paulínia – se mobilizaram contra mais um ataque aos trabalhadores realizado pela Petrobras, que decidiu diminuir o número mínimo de trabalhadores que compõem o grupo que opera a refinaria, ininterruptamente.

De uma hora para a outra, a Petrobras implantou a redução no número mínimo de operadores em pelo menos dez de suas treze refinarias, para não precisar repor os trabalhadores que estão saindo da empresa através do PIDV – Programa de Incentivo à Demissão Voluntária.

A lógica do capital é perversa: primeiro cria-se um ambiente de medo e incerteza entre os trabalhadores, depois lança-se um programa de incentivo financeiro para a demissão voluntária, e na hora que estes trabalhadores vão embora, ela se recusa a repôr quem saiu.

O discurso da direção da Petrobras é que foi realizado um “estudo de tempos e métodos” para chegar no novo número, que coincidentemente é muito próximo do número de trabalhadores que ficaram após a saída de quem aderiu ao PIDV. O método utilizado pelo estudo além de ultrapassado e inadequado para avaliação de processos contínuos, não contou com qualquer participação dos trabalhadores que exercem as atividades operacionais em sua elaboração.

Na visão dos trabalhadores, a quantidade de operadores que a empresa implementou não garante a operação segura das refinarias, principalmente em situações de emergência. Sem falar que a quantidade de serviço aumentou e terá que ser realizada por menos operadores.

Para a REPLAN, a direção da Petrobras quer impor uma redução de 9 postos de trabalho de cada grupo de operadores, totalizando 45, além da perda de mais 9 postos de trabalho necessários para cobrir treinamentos, férias e afastamentos.

Os operadores da REPLAN que trabalham em regime de revezamento ininterrupto decidiram manter 2 grupos de operadores na refinaria para que possam operar a refinaria com segurança, realizando o que foi chamado de “vigília controlada”. Também está aprovada uma greve a partir de Sexta-feira (23), caso a REPLAN não suspenda a implementação do novo efetivo e reabra negociação com os trabalhadores.

Se não bastasse este ataque, a Petrobras segue vendendo a preço de banana vários de seus ativos às multinacionais, entregando de bandeja várias operações lucrativas, inclusive negociando refinarias com a RLAM, localizada na Bahia.

Este é mais um ataque promovido pelo presidente da Petrobrás, Pedro Parente, e seu chefe, Michel Temer, contra a classe trabalhadora. É cada vez mais urgente a realização de uma grande greve geral no dia 30 de junho, para derrubarmos este governo ilegítimo junto com todos os ataques à classe trabalhadora. Também é urgente um calendário nacional de mobilização dos trabalhadores petroleiros, com a pauta contra a contra a privatização, a redução de direitos, por recomposição do efetivo e condições seguras de trabalho.

Foto: Replan | Divulgação Petrobras