Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20838 (10) { ["term_id"]=> int(4302) ["name"]=> string(23) "Greve Geral 28 de abril" ["slug"]=> string(23) "greve-geral-28-de-abril" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4302) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(87) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Urgente: 3 dos 6 ativistas presos injustamente são liberados na Delegacia de São Paulo

Da Redação

Depois de várias horas de apreensão, três dos seis ativistas presos nos protestos desta manhã, na Zona Leste de São Paulo, foram soltos há alguns minutos. A mobilização foi organizada pela Frente Itaquera Sem Medo. As acusações são absurdas: associação criminosa, porte de explosivo e incêndio. Não há nenhuma prova, não foi encontrado nenhum rojão, toda a acusação é baseada no depoimento dos próprios policiais. Três ativistas ainda permanecem presos.

O protesto, ocorrido nesta manhã, foi totalmente legítimo e não usou nenhuma forma de violência. Ao contrário, representava a resistência a uma enorme violência institucional feita pelo Governo Temer e pelo Congresso Nacional, com a aprovação da Reforma Trabalhista, da lei das terceirizações (PL 4302) e a absurda proposta de Reforma da Previdência (EC 287).

A repressão e as prisões são totalmente ilegais e ilegítimas, seu objetivo é desmobilizar, intimidar e constranger toda a classe trabalhadora. Movimentos Sociais não são quadrilhas. A grave  acusação de um ativista pelo crime de “organização criminosa” já representa uma criminalização do direito de protestar e questionar, o que deveria ser óbvio numa democracia.

Veja ao vídeo feito minutos atrás:


O que você pode fazer para ajudar?

O primeiro passo é dar total publicidade a esta atitude absurda de criminalização dos movimentos sociais, dirigida especialmente contra o MTST. Compartilhe esta e outras matérias. Denuncie.

Se você estiver em São Paulo, vá até a 65ª Delegacia de Política (DP). O apoio no local é sempre um importante elemento de pressão política e de solidariedade.  A 65º DP fica na Av. Padre Estanislau de Campos, 750 – Artur Alvim. Veja o Mapa.

No vídeo, Carolina Freitas e Felipe, advogados e ativistas, explicam o ocorrido: