Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20779 (10) { ["term_id"]=> int(4302) ["name"]=> string(23) "Greve Geral 28 de abril" ["slug"]=> string(23) "greve-geral-28-de-abril" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4302) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(87) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Periferia da Zona Sul de São Paulo na linha de frente da Greve Geral

Por: Mariana Caetano, de São Paulo, SP

Os protestos em apoio à greve geral, na Zona Sul de São Paulo começaram cedo. Diversas avenidas foram fechadas desde a madrugada: Giovane Gronchi, Cupecê, Washington Luís, Carlos Lacerda e Estrada de Itapecerica. De outros pontos da região, os comitês de luta contra as reformas juntavam manifestantes para chegarem em passeata até a Ponte do Socorro.

Da Ocupação Vila Nova Palestina saímos em passeata. Ao longo da caminhada pela Estrada MBoi Mirim, se somaram ativistas de várias organizações e trabalhadores que não conseguiram transporte para trabalhar. A Paróquia Santos Mártires se juntou no Jardim Ângela e seguimos até o Largo da Piraporinha. Lá estavam professores estaduais, estudantes de cursinhos,  educadores municipais e estudantes que protagonizaram as maiores ocupações de escola do último período.

Ao final, éramos cerca de mil manifestantes da periferia da Zona Sul, a caminho da Ponte do Socorro.

Do outro lado da Zona Sul, ocupações da região do Grajaú se somaram a metalúrgicos e caminharam até a Marginal.

Depois de uma pausa para o almoço, seguimos para o Centro da cidade, onde terminaremos nosso dia de greve geral em frente à casa do presidente golpista Michel Temer.