Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#9201 (10) { ["term_id"]=> int(4308) ["name"]=> string(46) "31 M contra a Reforma da Previdência de Temer" ["slug"]=> string(45) "31-m-contra-a-reforma-da-previdencia-de-temer" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4308) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(32) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Em Porto Alegre mais uma vez milhares nas ruas disseram APOSENTADORIA FICA. TEMER SAI!

Por Altemir Coser, de Porto Alegre

O esquenta para a greve geral em Porto Alegre foi em grande estilo. Na hora marcada na esquina democrática, ponto de encontro, eram muitas categorias e organizações presentes. Antes mesmo do horário os trabalhadores em educação e do judiciário federal fizeram uma bela macha pelo centro da cidade.

Éramos mais de 5 mil, como os trabalhadores de categorias em paralisação como os servidores da justiça federal, e servidores da universidade, mas também estavam bem representados os trabalhadores da saúde através do Sindisaúde, os educadores estaduais, os trabalhadores de TI representados pelo SINDIPPD, os previdenciários pelo SINDISPREV-RS. Além destes os mais variados sindicatos, ligados as mais várias centrais sindicais se fizeram presentes. A CSP/Conlutas era uma das que estavam com uma grande representação.  Quando Erico Correia falou pela central éramos centenas de ativistas das mais variadas entidades, movimentos e organizações políticas que se sentiam representados pela sua fala.

No pequeno trajeto entre a esquina democrática e o largo zumbi dos palmares os milhares de presentes sentiram-se parte de uma unidade que vai garantir a construção de uma greve geral vitoriosa no dia 28 de abril. Porém a ausência da Força Sindical e outras centrais acabou diminuído o ato e a sensação de unidade.

O MAIS e o ALICERCE estiveram presentes com trabalhadores da educação estadual, municipal de Porto Alegre e da previdência, além da juventude nossa e deles.

Depois deste dia o RS e, em especial sua capital, saem mais fortalecidos para construir a greve geral de 28 de abril, mas isso exige uma preparação em frente única e com as devidas correções por parte da CUT quanto a manutenção dos acordos construídos nos espaços de preparação das ações unitárias.