Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#9352 (10) { ["term_id"]=> int(4308) ["name"]=> string(46) "31 M contra a Reforma da Previdência de Temer" ["slug"]=> string(45) "31-m-contra-a-reforma-da-previdencia-de-temer" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4308) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(32) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Manifestação em Belém reuniu mais de 4 mil contra as Reformas da Previdência e Trabalhista

Por Abel Ribeiro, de Belém

Apesar da manhã quente em Belém, cerca de 4 mil pessoas marcharam pelas ruas da cidade neste 31 de março, contra as Reformas da Previdência e Trabalhista.

A manifestação concentrou a partir das 9h em frente ao mercado de São Brás e contou com a presença das centrais CSP Conlutas, CUT, CTB, Nova Central, CSB e Intersindical. Também denunciou a tentativa de privatização da Companhia de Tratamento Água e Esgoto do Pará (Cosanpa) pelo governo de Simão Jatene do PSDB.

Muita disposição e energia marcou a passeata que contou com a presença professores (educação básica e superior), servidores públicos estaduais, federais e municipais, trabalhadores da agricultura, da construção civil, estudantes e várias organizações estudantis e de combate às opressões.

O sentimento de unidade também se expressou no ato como elemento fundamental para derrotar as reformas de Temer em vários dos discursos feitos durante a manifestação.

Na próxima semana a Frente contra as Reformas se reunirá para preparar um calendário de mobilizações e preparação da greve geral do dia 28. Os professores da rede estadual de ensino já marcaram greve a partir do dia 17 de abril e os Sem Terra prometeram realizar no “abril vermelho” manifestações em todo o estado com ocupações de terra.

A força das manifestações do mês de março (8, 15 e 31) impulsionarão um mês de abril de muitas manifestações. Abre-se uma nova conjuntura no país marcada pela luta nacional e unificada da classe trabalhadora contra contra as medidas do governo federal. A Frente Única se impõe como uma necessidade a partir dessas manifestações e o próximo passo é sem duvida preparar a Greve Geral.