Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20781 (10) { ["term_id"]=> int(4308) ["name"]=> string(46) "31 M contra a Reforma da Previdência de Temer" ["slug"]=> string(45) "31-m-contra-a-reforma-da-previdencia-de-temer" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4308) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(32) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Greve da educação estadual de São Paulo inicia com fortes ações da categoria sobre a comunidade

Por: Richard Araújo, de São Paulo, SP

Nesta terça-feira (28), teve início a greve da educação estadual de São Paulo contra a Reforma da Previdência. Como todo início de greve na rede estadual, a adesão está se construindo no decorrer da greve, com uma adesão desigual nas escolas e regiões do estado, mas com um elemento qualitativamente diferente dos anos anteriores: uma forte discussão com a comunidade escolar sobre os impactos das contrarreformas de Temer na vida dos trabalhadores e da juventude.

Os debates têm reunido em diversas escolas centenas de estudantes, pais e mães para debaterem unitariamente os ataques que o governo tenta ocultar, ou minimizar, com a ajuda da imprensa burguesa, criando nas bases da categoria, nos bairros e periferias do Estado uma contrapropaganda aos argumentos e justificativas apresentadas pelo governo golpista.

A força da ação da categoria sobre a comunidade amedronta o governo Alckmin, aliado de Temer, e o principal elemento que explicita o medo no andar de cima foi a nota publicada hoje pela manhã da Secretaria Estadual de Educação, numa categórica tentativa de intimidar os e as milhares de grevistas de Norte a Sul do Estado, assediando moralmente quem se insurge neste momento contra os ataques aos nossos direitos. Mas, a categoria tem respondido ao desafio e enfrentado a truculência.

Depois da grande ação no 15M, a greve sinaliza a possibilidade de ações unitárias nas regiões e bairros periféricos do Estado e numa grande ação no próximo 31 de março, que colocará nas ruas não apenas as e os trabalhadores em educação, mas o conjunto de jovens e trabalhadores que dependem da educação pública, além da adesão dos movimentos sociais. Esse é mais um passo na unidade da classe trabalhadora rumo à construção da greve geral de 28 de abril. Mãos à obra, porque é possível derrotar Temer e suas reformas.

Foto: Jorge Ferreira\Mídia Ninja