Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#8675 (10) { ["term_id"]=> int(4399) ["name"]=> string(19) "Ditadura nunca mais" ["slug"]=> string(19) "ditadura-nunca-mais" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4399) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(72) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Morreu Dom Paulo e mais uma vez este ano fiquei melancólico

Valerio Arcary

Professor titular aposentado do IFSP. Doutor em História pela USP. Militante trotskista desde a Revolução dos Cravos. Autor de diversos livros, entre eles O Martelo da História.

Por: Valério Arcary, colunista do Esquerda Online

Que ano terrível este 2016.

Esta foto foi tirada quando do velório de Vladimir Herzog e diz muito para mim. Diz o que não sou agora capaz de dizer, porque quero silêncio.

Um homem de coragem partiu, e estamos mais sozinhos.
Aqueles que não foram contemporâneos da luta contra a ditadura não compreenderão, possivelmente, os sentimentos dos mais velhos. Na luta de classes temos amigos e camaradas, adversários e inimigos. E temos, também, os aliados. As pessoas não podem ser resumidas às organizações das quais participam. Nas mesmas instituições há pessoas de índoles e caráter muito diferentes umas das outras.

Há grandeza e há vilania.
A Igreja Católica apoiou o golpe de 1964.
Nunca deveremos esquecer isso. A lição deve ficar para sempre.

Mas Dom Paulo foi um ponto de apoio essencial na resistência.
Não será esquecido. Quando triunfar a revolução brasileira celebraremos a sua memória como um dos valentes que se levantou contra a tirania.

Marcado como:
ditadura / igreja