Pular para o conteúdo
Especiais
array(1) { [0]=> object(WP_Term)#20769 (10) { ["term_id"]=> int(4314) ["name"]=> string(18) "Escola Sem Partido" ["slug"]=> string(18) "escola-sem-partido" ["term_group"]=> int(0) ["term_taxonomy_id"]=> int(4314) ["taxonomy"]=> string(9) "especiais" ["description"]=> string(0) "" ["parent"]=> int(0) ["count"]=> int(40) ["filter"]=> string(3) "raw" } }

Brigada Militar invade escola para reprimir estudantes que protestavam contra ‘Escola Sem Partido’ em Santa Maria, RS

No dia do Estudante o Governador Sartori (PMDB) manda a Polícia Militar reprimir brutalmente os alunos de Santa Maria RS

Por: Francisco da Silva

Na última quinta-feira (11), estudantes de diversas escolas de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, realizaram um protesto contra o projeto de lei Escola Sem Partido. Junto com professores, realizaram um ato na praça Central e depois os alunos saíram em manifestação e caminhada pelas principais ruas da cidade, até a Avenida Presidente Vargas. Segundo relatos dos estudantes, a Brigada Militar – PM – começou a agredir os estudantes durante a manifestação. Os jovens correram para se proteger dentro da Escola Cilon Rosa.
Estudantes foram levados para a delegacia
Estudantes foram levados para a delegacia

A equipe do Esquerda Online conversou conversou com o professor da escola Jeferson Cavalheiro, militante do #MAIS sobre a invasão da PM. “As aulas transcorriam normalmente. Estávamos no segundo período (20h25). Com o meu período vago saí para lanchar e vinha a manifestação. Chegaram na frente da escola desesperados com a repressão policial. Tinha alguns alunos que estavam na manifestação e pediram para abrir o portão. A diretora abriu para os estudantes da escola e a manifestação entrou para o pátio e se dirigiram ao Hall de entrada. Nesse momento, eu fechei a porta interna e os policiais vieram com tudo para reprimir. Pularam os muros, abriram a porta interna e invadiram a escola descendo o cacete com tudo nos alunos, que não reagiram, e sim, estavam fugindo da repressão”, descreveu.

Estudantes foram agredidos
Estudantes foram agredidos

De acordo com o professor, os funcionários da escola e os estudantes se solidarizaram e também foram agredidos. “A diretora da escola desceu juntamente com alguns professores para ajudar a socorrer os alunos. A diretora  e nós professores fomos agredidos verbalmente pelos policiais. Os policiais algemaram estudantes indefesos, chutaram a boca de uma menina já algemada e a pegaram pelos cabelos tirando seu turbante. Davam cacetada e chutes nos alunos de todas maneiras. Levaram alunos para o banheiro da escola para agredir e no pátio também. Subiram pelo andar de cima. Os alunos que estavam em aulas entraram em pânico geral. Os trabalhadores da rua que estavam na parada de ônibus em frente à escola foram agredidos mesmo que não tivessem na manifestação. Funcionárias da escola caíram. E também uma mãe que foi fazer matrícula, os policiais a prensaram no portão da escola”, continuou Jeferson.

Os alunos foram levados para a delegacia.  De acordo com Jeferson, alguns professores, a direção da escola  e manifestantes foram até o local. Na rua da delegacia encontraram mais repressão. A polícia utilizou de bala de borracha nos alunos que estavam de forma pacífica. “Alunos ficaram muito machucados. Os estudantes presos que foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) foram torturados com choques elétricos. Veio uma equipe de advogados populares e entrei em contato com o sindicato dos professores da rede estadual (CPERS), contou.

Marcado como:
Escola sem Partido