Alfabetização da classe operária é tema de encontro em Fortaleza

Por: Rachel Monteiro, Estudante de Pedagogia e formadora da Escola do Peão

ALEGRIA! A construção da Escola do Peão está a todo vapor.

No dia 24 de junho, na sede do MAIS de Fortaleza, ocorreu o 1º Encontro de Formação e Planejamento da Escola do Peão. Estiveram presentes Artemis, Cindy, Rachel, Mariana e Durcila, militantes da equipe de formação do MAIS e ativistas independentes, respectivamente. O encontro, que iniciou exatamente às 09h30 e foi até às 12h15, teve como pauta três aspectos: Alfabetização sobre a esteira política do socialismo a partir da experiência de Krupskaya (leitura de texto); Alfabetizar e letrar para escrever e ler política: introdução à psicogênese e ao trabalho com gêneros textuais (apresentação em slides); Elaboração das unidades temáticas e planejamento dos próximos encontros.

Iniciamos a discussão do texto “O legado educacional da transição russa: elementos para análise da política educacional do período pós-revolucionário”, de autoria de Malila da Graça Roxo Abreu. Fomos indagando e discutindo acerca dos aspectos educacionais no contexto socialista após a revolução russa e a contribuição de uma educação emancipatória e reflexiva, constituída pelos trabalhadores.

No segundo momento, Artemis conduziu uma atividade que sintetizava os conceitos da psicogênese da língua escrita, de Emília Ferreiro. O objetivo foi explicar os conceitos dos níveis pré-silábico, silábico, silábico-alfabético e alfabético. A atividade era com imagens de escritas de crianças nestes respectivos níveis e conceitos que caracterizam cada uma. Discutimos acerca dos processos de escrita, as transições que os seres humanos percorrem de um nível para o outro, além das contribuições que essa teoria fornece ao processo de alfabetização e formação política dos trabalhadores.

Não tivemos como dar continuidade para a elaboração das unidades temáticas e o planejamento das aulas, porém deixamos os seguintes encaminhamentos para o encontro seguinte: organizar e pensar sobre dinâmicas de integração e recepção para o início das aulas e a construção de atividades que consigam perceber o nível de escrita dos alunos e a produção de material didático. Cindy ficou responsável por saber quais são as unidades temáticas que os trabalhadores querem estudar; Rachel, Mariana e Durcila ficaram responsáveis para procurar dinâmicas e propostas de atividades de diagnóstico. E Artemis, coletar materiais de referências ou atividades de diagnóstico da EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Estabelecemos que o início das aulas será no começo do mês de agosto de 2017. E que o nosso próximo encontro será às 09h00 na sede do #MAIS. Quer saber mais e construir conosco essa valiosa tarefa? Participe do nosso grupo de whatsapp acessando pelo link: https://chat.whatsapp.com/AU1t6Hh16zGEbQcItrLYXr

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

 ABREU, Malila da Graça Roxo. O legado educacional da transição russa: elementos para análise da política educacional do período pós-revolucionário. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 65, p.328-343, 2015.

FERREIRO, Emília. TEBEROSKY, Ana. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1986.

MARX, Karl.; ENGELS, Friedrich. Textos sobre Educação e Ensino. São Paulo: Moraes, 1983.

Comentários no Facebook

Post A Comment